Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Famílias retiradas de área de invasão em Navegantes estão há mais de 20 dias em abrigo improvisado

04 de fevereiro de 2016 0
Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Há 22 dias a Escola Municipal Professora Rosa Maria Xavier de Araújo é o endereço de 79 famílias retiradas de uma área de invasão em Navegantes. Sem ter para onde ir, 306 pessoas se amontoam no local e vivem de maneira precária — pelo menos 80 delas são crianças, segundo os desabrigados. As aulas no local iniciam no fim de fevereiro e até agora a prefeitura não tem solução para o problema.

Leia mais:
Desocupação de área para ampliação do aeroporto mobiliza policiais
“Foram momentos de tensão”, conta moradora sobre desocupação
Famílias retiradas de invasão se amontoam em abrigo em Navegantes
Destino de famílias retiradas de invasão em Navegantes é incerto

A situação é caótica e desumana. Pouca comida, móveis e eletrodomésticos espalhados, banheiros com chuveiros improvisados e sem portas, salas de aulas divididas por lençóis, privacidade zero e um pátio que virou área de serviço. Pior que isso é não ter destino certo.

Muitos dos desabrigados estão sem emprego ou impedidos de trabalhar por não ter moradia. O secretário de articulação política de Navegantes, Arilson Luis Moraes, afirma que o município ainda aguarda uma resposta da Justiça para encaminhar as famílias.

— Fomos oito vezes à área de invasão notificar as pessoas sobre a desocupação e oferecemos passagem para os que querem retornar para suas cidades. Essa situação foi criada por eles — argumenta.

Que não é justo nem correto invadir um terreno, todos concordam. O problema é que a situação não é de hoje. Algumas famílias estavam na invasão há pelo menos quatro anos e o poder público pouco fez para retirá-los de lá ou mesmo para impedir novas invasões ao terreno – que já havia sido indenizado pela União para ampliação do aeroporto da cidade. Aliás, essa nem é a única área de invasão no município, há uma maior conhecida como Monte Sião.

É fácil empurrar a culpa para o outro quando não se tem sequer um programa adequado de habitação na cidade. E é ainda mais fácil esperar que a Justiça venha salvar a pátria.

Já o Ministério Público só ficou sabendo do problema através da coluna. O promotor André Braga de Araújo disse que notificará o município para saber o que está sendo feito e quais as possíveis soluções.

Comente e compartilhe

comentários

Envie seu Comentário