Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

APM Terminals aposta em novas cargas para recuperar movimentação

23 de fevereiro de 2016 0
Foto: Lucas Correia | O navio BBC Congo foi o primeiro a atracar no berço 1 da APM Terminals, sábado, vindo da Antuérpia para descarregar 1,1 mil estacas-prancha. Ontem, chegou o BBC Ohio (foto) que está sendo carregado no berço 2 com 600 bobinas para a Argentina

Foto: Lucas Correia | O navio BBC Congo foi o primeiro a atracar no berço 1 da APM Terminals, sábado, vindo da Antuérpia para descarregar 1,1 mil estacas-prancha. Ontem, chegou o BBC Ohio (foto) que está sendo carregado no berço 2 com 600 bobinas para a Argentina

A APM Terminals está recebendo desde sábado duas operações de carga-geral nos berços 1 e 2 do Porto de Itajaí – essas são as primeiras cargas do tipo em 2016 e não envolvem contêineres. Os navios vão movimentar, até quarta-feira, mais de 13 mil toneladas de estacas-prancha e bobinas, além de envolver cerca de 800 trabalhadores portuários avulsos, que estariam ociosos no período.

Desde o ano passado, quando perdeu 40% de sua movimentação com a saída da linha asiática, a empresa busca diversificar os serviços e alavancar novos negócios. O gerente comercial da APM Terminals, Felipe Fioravanti, explica que a conquista destas cargas fortalece a posição da empresa em estar aberta para novas operações.

– Esse tipo de operação nos possibilita usar a ociosidade para novas cargas, sem ter impacto na movimentação de contêineres. Temos outra operação do tipo prevista para o fim de fevereiro, início de março – afirma.

Apesar de esporádicas, as cargas movimentam a economia e criam postos extras de trabalho. Para a APM, as 13 mil toneladas de carga-geral representariam cerca de 500 contêineres. Para os trabalhadores portuários, esses dias de atividades geram uma renda de aproximadamente R$ 640 mil, considerando encargos sociais, segundo estimativa do Órgão Gestor de Mão de Obra do Porto de Itajaí (OGMO).

Em janeiro, a APM Terminals movimentou 15.730 TEUs (unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés), 48% a menos que no mesmo período de 2015.

Comente e compartilhe

comentários

Envie seu Comentário