Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Itajaí e região têm os maiores índices de violência doméstica contra a mulher no Estado

08 de março de 2016 1
Foto: Charles Guerra, Arquivo

Foto: Charles Guerra, Arquivo

 

A região de Itajaí é a que mais registrou casos de violência contra a mulher em Santa Catarina, de acordo com relatório estatístico da Secretaria de Estado de Segurança Pública. Foram 1017 ocorrências, somados os atendimentos da Polícia Militar e os inquéritos remetidos à Justiça pela Polícia Civil.
A segunda regional com mais casos é a Grande Florianópolis, com 895 no total.

Os números correspondem ao primeiro semestre do ano passado e são os mais recentes divulgados pelo Estado. Na conta da regional de Itajaí entram nove cidades, de Balneário Piçarras a Bombinhas, e casos que vão de calúnia e ameaças a assassinato. Uma estatística difícil de digerir, mas que pode, surpreendentemente, indicar avanço.

O grande número de registros passa pelas melhorias na rede de atenção à mulher, de acordo com a professora Adriana Spengler, da Univali, que trabalha na defesa de vítimas de violência doméstica no escritório modelo mantido pela universidade. Ela acredita que a informação, a facilidade de acesso e a resposta da Justiça têm motivado mulheres a relatar as agressões. Mas ainda é pouco.

Há dificuldade em entender que a violência não é apenas física ou sexual. Ameaças, agressões morais e psicológicas dentro de casa também são passíveis de denúncia e proteção para a mulher. Enfrentá-las e combatê-las passa por um trabalho amplo de esclarecimento, que deveria começar ainda na infância.

Temos um longo caminho a percorrer – mas estamos na direção certa.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (1)

  • Carlos diz: 8 de março de 2016

    Acredito que o número seja maior em Itajaí devido ao bom trabalho da PM e as mulheres estarem com mais segurança em fazer as denuncias contra as agressões.
    Pois em muitos lugarem as mulheres ainda tem medo de denunciar e isso acaba por não entrar nas estatísticas.

Envie seu Comentário