Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Metade dos motoristas ainda devem o pedágio ambiental de Bombinhas

30 de abril de 2016 3
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

 

Quase metade dos motoristas que entraram em Bombinhas durante o período de cobrança do pedágio ambiental ainda não pagou a taxa. O número faz parte do levantamento final da TPA, divulgado na sexta-feira pela prefeitura.

A cobrança gerada chegou neste verão a R$ 12,5 milhões – mas o montante recebido não passou de R$ 6,8 milhões. Somados os motoristas que não pagaram o pedágio na temporada anterior, o total devido chega perto de R$ 9 milhões.

O município anunciou que em 10 dias passará a enviar boletos de pagamento para os inadimplentes. Quem não paga a taxa no prazo entra no cadastro de devedores.

Aplicação

Do valor arrecadado, R$ 5,2 milhões cobrirão os custos de manutenção da TPA – de taxas bancárias ao pagamento do consórcio TD, que foi o responsável pela instalação do sistema e consome R$ 1,6 milhão. No fim das contas, sobraram R$ 2,2 milhões para serem investidos pela prefeitura.

A intenção é aplicar o dinheiro na desapropriação de áreas para criação do Parque Natural da Costeira de Zimbros e num Fundo Municipal de Meio Ambiente, para incentivar a produção e o consumo sustentável.

Transparência

O que ainda falta ao pedágio de Bombinhas é uma maior clareza e transparência nas contas. Os dados, divulgados na sexta-feira, poderiam ter sido disponibilizados no site da taxa durante toda a temporada para corroborar a cobrança.

A pesquisa turística diz que 78% dos visitantes aprovam o pedágio. Por certo o número seria ainda maior se houvesse uma noção mais exata da aplicação dos recursos.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (3)

  • Juliano Piske diz: 30 de abril de 2016

    Arrecadar R$ 5,2 milhões e sobrar para “investir” R$ 2,2 milhões chega a ser uma piada, é muito dinheiro que fica pelo caminho, por favor MPSC olhe para isso.

  • sergio diz: 30 de abril de 2016

    para que não haja mais dúvidas o ideal seria uma maior clareza na prestação de contas deste pedágio, com certeza terá especulações maldosas!

  • ELARIO DA SILVA diz: 3 de maio de 2016

    Esta grande inadimplência deve-se a falta de transparência e da aplicação do dinheiro arrecadado, como exemplo a praia de Zimbros que não recebeu uma lixeira nova, o banheiro lá colocado não foi aberto nem um dia (está lá apodrecendo) e o esgoto na praia continua a céu aberto. Enquanto isto a empresa responsável pelo pedágio não tem do que reclamar.

Envie seu Comentário