Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Auditoria e sindicância apuram prejuízos aos cofres públicos na Operação Parada Obrigatória

14 de julho de 2016 0
Foto: Lucas Correia, Arquivo

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

Há exatamente um ano o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a Operação Parada Obrigatória 2, que levou à prisão e à perda de cargo do então vereador José Alvercino Ferreira (PP), mudou o comando no órgão de trânsito de Itajaí e serviu como fio condutor para uma série de escândalos que balançariam a cidade nos meses seguintes.

É possível dizer que entre todas as operações do Gaeco que ocorreram na região nos últimos anos (e não foram poucas), a Parada Obrigatória 2 teve o reflexo prático mais rápido. Resultou em processo na comissão de ética do Legislativo e na CPI da Codetran, que terminou em abril com a aprovação de um decreto legislativo em que a Câmara pede à prefeitura uma auditoria no contrato com o pátio de veículos apreendidos, a retomada de sindicâncias relacionadas ao caso e a aplicação de medidas para reparar os prejuízos aos cofres públicos.

A auditoria está sob responsabilidade da Controladoria Geral do Município. Foram pedidos dados de apreensões de veículos aos órgãos de segurança, e agora será feito o cruzamento das informações com os registros do pátio. Duas sindicâncias estão a cargo da procuradoria, e o município ainda estuda as maneiras de fazer o ressarcimento.

No Judiciário o processo, com oito réus, está em fase final. A Justiça aguarda apenas o cumprimento de pedidos feitos pela defesa para então pedir a alegação final do Ministério Público e julgar o caso.

A investigação resultou em três processos diferentes _ um para apurar denúncias de relacionadas à Codetran, outro voltado a uma suposta relação entre o ex-vereador e a empresa que instalou radares em Itajaí, e ainda uma investigação sobre dois policiais civis que seriam proprietários de uma empresa de segurança, o que é proibido.

Alvercino, que passou quatro meses detido quando foi deflagrada a operação, voltou à prisão este ano com outros dois suspeitos sob a acusação de falsidade ideológica, por tentar liberar veículos apreendidos durante a investigação usando documentos que, segundo o Ministério Público, são frios.

Comente e compartilhe

comentários

Envie seu Comentário