Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Resultados da pesquisa por "arxo"

Executivos da Arxo permanecem calados e são dispensados na CPI da Lava-Jato

27 de agosto de 2015 1

Os três executivos da empresa Arxo chamados a depor na manhã desta quinta-feira na CPI da Lava-Jato, no Congresso Nacional, usaram o direito de permanecerem calados e acabaram dispensados pelos deputados. A abstenção em responder aos questionamentos foi conquistada através de um habeas corpus solicitado pela defesa e concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a Gilson Pereira, João Gualberto Pereira e Sergio Maçaneiro na semana passada.

Desde que foram detidos pela Polícia Federal e ouvidos pelo juiz Sergio Moro, em Curitiba, os três executivos não foram mais chamados a depor pela Justiça. Recentemente o juiz concedeu ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal mais 90 dias para a conclusão do inquérito _ a previsão é que as investigações cheguem ao fim em novembro.

A Arxo fica em Balneário Piçarras e é líder na fabricação de tanques de combustível no país. Os três executivos foram detidos na 9ª fase da Operação Lava Jato pela Polícia Federal, em fevereiro,  sob a suspeita de terem pagado propinas a funcionários da BR Distribuidora em troca de informações privilegiadas.

Dinheiro e relógios que estavam num dos cofres da empresa e que segundo a polícia poderiam ser provas de suborno foram recolhidos. A defesa ainda não solicitou a devolução dos valores e dos objetos _ o que deve ser feito após a finalização das investigações.

O advogado Leonardo Perema, que representa os executivos e a empresa, reafirmou nesta quinta-feira que a Arxo teria sido vítima de denúncias infundadas apresentadas por uma ex-funcionária de alto escalão que teria desviado recursos da Arxo.

:: Leia mais sobre o caso

 

 

Executivos da Arxo serão ouvidos na CPI da Petrobras

27 de agosto de 2015 0

Os executivos João Gualberto Pereira, Gilson Pereira e Sérgio Maçaneiro, da empresa Arxo, de Balneário Piçarras, serão ouvidos nesta quinta-feira pela CPI da Petrobras na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Os três foram detidos em fevereiro, na 9ª fase da Operação Lava Jato, sob suspeita de terem recebido informações privilegiadas de funcionários da BR Distribuidora em troca de propinas. Todos foram liberados após a fase de depoimentos.

A Arxo fabrica tanques para combustível e é a maior empresa do ramo em atuação no país.

Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil, também será ouvida.

O advogado Leonardo Perema, que representa os empresários da Arxo, não foi localizado por telefone. Ele está em Brasília acompanhando os clientes.

Na época das prisões, a defesa da empresa alegou que a Arxo foi alvo de denúncias “infundadas” feitas por uma ex-funcionária do alto escalão.

::: Leia mais sobre o caso

Arxo vai fornecer para a maior prestadora de serviços para indústria de petróleo no mundo

23 de fevereiro de 2015 2
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Um contêiner-oficina desenvolvido pela Arxo em Balneário Piçarras foi negociado esta semana com a Schlumberger, maior empresa de serviços para a indústria de petróleo do mundo, que tem sede em Paris.

O equipamento é usado em operações de manutenção de plataformas na costa brasileira, e tem instalações elétricas para atmosferas explosivas.

A Arxo está entre as empresas investigadas pela Operação Lava-Jato e teve dois sócios e um diretor presos no início do mês para averiguação.

::: Leia mais sobre a empresa

MPF pede proteção para testemunha que depôs contra Arxo, diz O Globo

21 de fevereiro de 2015 0

O jornal O Globo publicou reportagem em que afirma que o Ministério Público Federal pediu proteção policial a Cíntia Provesi Francisco, ex-funcionária da Arxo responsável pelas denúncias que envolveram a empresa na Operação Lava Jato.

Segundo O Globo Cíntia afirmou que sua casa foi invadida e revirada durante o feriado de Carnaval e disse estar sendo ameaçada.

Ainda de acordo com a publicação, Cíntia teria afirmado à Polícia Federal, em depoimento, que não havia sinais de arrombamento na residência e que nenhum objeto de valor foi roubado.

A operação

No início de fevereiro três dos principais donos e executivos da Arxo foram presos para averiguação depois que a empresa foi denunciada como parte de um esquema de pagamento de propinas à Petrobras. Os empresários foram liberados logo em seguida, e negam as acusações.

A operação, que também teve mandados de busca e apreensão na empresa, foi deflagrada com base nos depoimentos de Cíntia, que foi diretora financeira da Arxo.

Leia mais sobre o caso:

Os motivos que levaram a Justiça a decretar prisões de empresários em SC

Entenda a nova fase da Operação Lava-Jato

Depoimento de sócio busca desacreditar denúncias de ex-funcionária

 

 

Lava-Jato: Arxo divulga comunicado

05 de fevereiro de 2015 6

A Polícia Federal cumpriu mandados na manhã desta quinta-feira na Arxo, fabricante de tanques de combustíveis de Balneário Piçarras. A operação faz parte da nova fase da Lava-Jato.

Em nota oficial, a empresa informou que está prestando informações à Receita e à Polícia Federal e que tem intenção de contribuir com o trabalho das autoridades. Veja na íntegra:

“A ARXO informa que o setor administrativo da empresa está com atividades suspensas, no momento, para que nossos profissionais possam prestar informações solicitadas pela Receita e Polícia Federal. A intenção da empresa é contribuir com o trabalho das autoridades, ajudando-os com todo e qualquer esclarecimento necessário. A produção fabril opera sem alterações.”

Fundada em 1967 em Balneário Piçarras, a ARXO é uma fornecedora de equipamentos para o setor de combustíveis. Na semana passada, a companhia anunciou que projeta um faturamento de R$ 196 milhões em 2015, dos quais R$ 172 milhões provenientes do setor de combustível. O comunicado informou que o resultado seria impulsionado pelas novas operações numa fábrica em Pernambuco e a construção de unidades em Araguari (MG) e no Paraguai. Os planos da empresa previam um crescimento de 20% ao ano até atingir R$ 1 bilhão de faturamento em 2015.

Respingo da Lava-Jato?

11 de maio de 2015 0

O vereador Thiago Morastoni (PT) protocolou requerimento na Câmara em que pede ao juiz Sérgio Moro e ao Ministério Público Estadual que informem se houve algum procedimento em relação a um suposto envolvimento de funcionário da prefeitura de Itajaí nas investigações da Operação Lava-Jato que incluíram a empresa Arxo.

O tal funcionário teria aparecido em depoimento de Cíntia Provesi, ex-funcionária da companhia.

Petrodecepção

07 de fevereiro de 2015 0

O histórico de idas e vindas da Petrobras em Itajaí, a novela dos royalties que nunca pingaram em nossos cofres, a expectativa milionária ainda não realizada de negócios do pré-sal para o desenvolvimento do polo naval da região… A relação do litoral catarinense com a maior estatal brasileira ganhou quinta-feira um novo capítulo de decepção.

Ao aportar em cinco cidades, com maior foco em Itajaí e Balneário Piçarras, a Operação Lava-Jato pôs a região na rota do escândalo e envolveu uma empresa expoente no setor de combustíveis, motivo de orgulho local – foi tema de reportagem no Valor Econômico dias atrás.

Ao que os fatos indicavam quinta-feira, a investigação aponta para um braço econômico do petrolão na Arxo, fornecedora da BR Distribuidora.

Até aqui não se tem notícia de braço político do esquema na região.

O primeiro respingo

Em março do ano passado Balneário Camboriú surgiu no noticiário durante outra fase da Lava-Jato. Duas pessoas foram detidas em meio às investigações sobre lavagem de dinheiro que integram a megaoperação, mas a ação foi mais discreta. Os nomes dos envolvidos não chegaram a ser divulgados.

Fabricante de tanques de combustível de Balneário Piçarras abre novas unidades no país e no exterior

27 de janeiro de 2015 2

Com matriz em Balneário Piçarras, a Arxo projeta crescer 36% em relação ao ano passado, chegando a faturar
R$ 196 milhões em 2015, com a abertura de novas fábricas no país e no exterior.

A fabricante de tanques de combustível e líder de mercado no segmento vai abrir unidades em Vitória do Santo Antão, na Grande Recife, em Araguari, em Minas Gerais, e em Hernandarias, no Paraguai.

A estratégia de crescimento inclui também investimentos em novas matérias-primas e processos para atender a indústria com produtos em aço carbono, inox e alumínio.

Tamanduá-mirim é encontrado em indústria em Balneário Piçarras

21 de janeiro de 2015 0
Foto; Divulgação

Foto; Divulgação

A indústria Arxo, em Balneário Piçarras, recebeu uma visita inusitada nesta semana: um tamanduá-mirim que, provavelmente perdido, chegou à fábrica bastante assustado. Os bombeiros foram chamados para resgatar o bichinho e devolvê-lo à mata com segurança.

O tamanduá-mirim tem coloração amarelo-pálido com manchas pretas similares a um colete, por isso também é chamado de jaleco. Tem olhos pequenos e focinho comprido. Seu peso varia entre 3,8 e 7Kg, com o corpo medindo entre 47 e 77cm de comprimento. Ele tem visão e audição ruins, por isso usa o olfato para encontrar alimentos.

 

Operação em Congonhas

23 de junho de 2014 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

Um dos caminhões-tanques de abastecimento (CTAs) produzidos pela indústria Arxo, de Balneário Piçarras, foi homologado em regime especial para operar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. O equipamento leva o selo da Petrobras e tem capacidade para até 13 mil litros de querosene.