Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Entrevista"

Music Park planeja trazer mais duas atrações internacionais para Balneário Camboriú

31 de agosto de 2014 3

O complexo de casas de shows Music Park BC abre as portas dia 5 de setembro, com apresentação de Lulu Santos. O empreendimento, que leva a assinatura do Grupo ALL, espera repetir a experiência bem-sucedida no Music Park Jurerê Internacional, em Florianópolis _ palco de grandes shows como o do Guns N’Roses, no início deste ano.

LEIA TAMBÉM: Começam a ser vendidos ingressos para show de Julio Iglesias em Balneário Camboriú

A proposta é trazer, além de artistas consagrados, também parcerias inéditas. Em Balneário o complexo terá quatro casas, cada uma com um número diferente de público. Em entrevista à coluna, o executivo do Music Park BC, Sandro Horta, fala da escolha pela cidade e dos próximos shows:

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O Music Park já atua em Florianópolis com sucesso. Por que a escolha de Balneário?

Balneário é o que chamamos de hot destination, atrai gente do Brasil todo, disposta a gastar mais, a se divertir mais, a sair mais. Teremos quatro espaços no Music Park BC, que vão abrir em alguns momentos simultaneamente ou separadamente, todos com identidade própria e detalhes técnicos específicos. O fato de Balneário atrair muita gente de fora é algo interessante. Para o show do Julio Iglesias, por exemplo, os primeiros 50 ingressos vendidos foram para pessoas de fora da cidade.

Quantos eventos a casa fará na cidade por ano?
No primeiro ano serão 40, mas queremos chegar a 100. Isso inclui não apenas shows, mas também feiras, formaturas, lançamentos.

A casa já anunciou Lulu Santos, Julio Iglesias e Arena Pop. Quais as próximas atrações?
Temos três em vista, duas delas grandes atrações internacionais que estamos negociando há seis meses. Vamos divulgar em breve.

Três perguntas para Claudir Maciel

05 de setembro de 2013 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Anunciado como novo secretário de Desenvolvimento Regional de Itajaí, Claudir Maciel (PSD) deixará a Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú com a missão de acompanhar os investimentos do Estado na região. Em entrevista à coluna, ele fala sobre política e desafios.

Qual a missão que terá pela frente?

O Estado tem o maior programa de investimento da história, e isso ainda não está repercutindo entre a população. Na Amfri há ampliação do hospital Marieta, num investimento de R$ 50 milhões, escolas técnicas para Itajaí, Centro de Eventos para Balneário Camboriú, custeio para o Hospital Ruth Cardoso. Minha missão é vencer a burocracia e fazer com que essas grandes obras ocorram.

Há resistência histórica em Itajaí a secretários regionais de Balneário. Como pretende lidar com isso?

Assumi o compromisso de atender a todos os municípios da região. Acredito que, com os investimentos do governo do Estado, teremos um divisor de águas.

Com Ary Souza assumindo sua cadeira na câmara, o PSD continuará na oposição?

O partido tem uma aliança com o PMDB no Estado. Particularmente, entendo que se fui eleito como oposição, devo agir como tal. Ary é inteligente e capaz, deve ter atuação parecida com a que eu tive.

Três perguntas para Helcio Povoas

02 de setembro de 2013 0
Foto: Rafaela Martins

Foto: Rafaela Martins

Diretor da AD Shopping, uma das empreendedoras do Itajaí Park Shopping, Helcio Povoas destacou em entrevista o potencial econômico da cidade. A apresentação do empreendimento, na semana passada, contou com a presença de representantes de lojas âncoras, que estiveram em Itajaí para tratar de possíveis negócios.

Por que Itajaí?

Todos os trabalhos são baseados em pesquisas de mercado. Nós contratamos um dos melhores institutos para uma avaliação de Itajaí, e não nos surpreendeu, porque a já esperávamos esse potencial. No Brasil, não tem nenhuma cidade no porte de Itajaí que não disponha de um shopping moderno.

O que esperar?

Um shopping no nível dos melhores do país, bem ancorado, com forte concentração em lazer, cinema 3D, área de recreação infantil, área de alimentação com 17 operações, cinco âncoras, um hipermercado. Um shopping regional de padrão nacional.

Itajaí tem condições de atrair um comércio que hoje se concentra em Balneário Camboriú?

Itajaí tem vida própria, e o shopping vem complementar isso. Vai ter destaque como polo regional e deixará de exportar divisas. Vai reter e importar, porque outras cidades do entorno virão. Além de geração de emprego, riquezas, gera impostos e importa divisas.

Entrevista: Adalgiso Telles

30 de agosto de 2013 0

Conheça o novo presidente do Beto Carrero World:

Quais são seus principais projetos?

Fiquei duas semanas andando pelo Parque, rodando sem ser anunciado para conhecer como visitante o Parque, vendo as atrações, o atendimento, ver como o parque funciona com suas operações internas. Isso nos permite ter uma visão diferente, antes de mergulhar no processo. Queria percebê-lo como visitante e gostei muito do que vi nestas duas semanas. Isso é maravilhoso, há uma quantidade gigantesca de oportunidades e isso é o que me deixa feliz, em todas as áreas, sem exceção.

Embora tenha chegado há pouco tempo, já vê possíveis mudanças no Parque?

O que vejo como oportunidade é o planejamento mais metódico, evitando retrabalho, redução de custos e desperdícios e a possibilidade de podermos ampliar os mercados alvo, entendendo bem as expectativas de nosso público. Podemos trabalhar especificamente cada segmento e identificar como atrair cada um deles. Precisamos avaliar se nossas atrações estão 100% adequadas ao mix de clientes que atendemos e termos certeza que estamos atendendo com excelência.

Quais são suas expectativas dentro do Beto Carrero World, vendo o empreendimento como uma empresa?

O que percebi aqui é que, diferente de outras empresas, as pessoas não procuram somente um emprego que garanta uma receita no fim do mês para pagar suas contas. Aqui existe a paixão. O fato das pessoas estarem fazendo algo que lhes dá prazer e a sensação de realização. O pessoal é comprometido, engajado, participa e trabalha por amor. Isso realmente me encantou. Muitas vezes as pessoas são estritamente profissionais, somente desempenham bem seu papel. Aqui muito mais que isto, existe amor e paixão pelo que se faz. A gente trabalha com sonho, com a percepção que concretiza o imaginário, vivenciando experiências que não se tem em outro lugar.

No que se refere aos colaboradores, qual sua percepção de trabalho até o momento?

Não existe milagre ou mágica que uma única pessoa faça. Acredito totalmente em trabalho de equipe, trabalho de time. Temos que fazer um bom trabalho que vá do nível mais alto ao mais elementar da empresa. Todo mundo tem papel fundamental nisso. Não existe papel pequeno numa empresa com o Beto Carrero World.

Entrevista: Agnaldo Hilton dos Santos

14 de agosto de 2013 0

O senhor é armador de pesca e assume a Secretaria de Turismo. Como pretende aliar as duas vertentes econômicas?

Fui à Vigo, na Espanha, e lá tem um ônibus que leva os turistas às indústrias para conhecer de onde vem o pescado, qual o processo até chegar ao consumidor. Isso atrai muitos turistas. Nós, com a cadeia pesqueira que temos aqui, podemos fundir esses setores.

Na sua posse, o senhor enfatizou o turismo rural. Como trazê-lo para Itajaí?

Temos uma das melhores vinícolas do Estado. Para que ir a Urussanga, a Gramado, se temos aqui uma rodovia de fácil acesso, cultura, culinária, frutas? Itajaí também tem área rural, e se pensa muito hoje em ecoturismo.

Como manter em Itajaí o turista que chega com os transatlânticos?

Temos que mostrar que termos hoteis, restaurantes e pontos turísticos, o nosso diferencial. E isso tem que ser feito onde são definidos os pacotes, em São Paulo e no Rio de Janeiro.

O senhor assume o cargo a três meses da Aventura pelos Mares do Mundo. Será um desafio?

Participei como voluntário na Volvo, conheço embarcações. Como já existe um conjunto de trabalho, com a Amfri, com a ACII, é só me inteirar dos assuntos. Já existe uma equipe montada, e o que posso fazer é acrescentar, não modificar.

Nenhum tijolo aportará em Taquarinhas, diz promotor

09 de agosto de 2013 1

Foto: Marcos Porto, BD

Na semana em que o Ministério Público de Santa Catarina realizou audiência pública para definição de um conselho gestor para a APA Costa Brava, o promotor André Otávio Vieira de Mello, que comandou a reunião, concedeu entrevista à coluna falando sobre os próximos passos do processo que definirá o manejo das praias agrestes de Balneário Camboriú. Defendeu, entre outros aspectos, estudos técnicos para garantir o desenvolvimento sustentável das praias agrestes e a preservação de Taquarinhas.

Quais serão os próximos passos para definição do plano de manejo?

Aguardar que o poder Executivo municipal, através de seus órgãos competentes, crie o Conselho Gestor da APA sugerido e pactuado na carta de intenções elaborada, fruto da Audiência Pública do MPSC. E com grupos técnicos, que na minha opinião deverão ser conduzidos academicamente, pela UFSC, eis que imparcial às questões protecionistas ambientais e no desenvolvimento ordenado e sustentável daquela área. Tudo com objetivo de apoiar e implementar as atividades administrativas de elaboração de um zoneamento ecológico, econômico, e sobretudo sob o prisma de um plano de gestão ambiental responsável e pro-natura.

Sabe-se que há um forte interesse imobiliário em locais como a Praia de Taquarinhas, que poderá receber um resort. Como o Ministério Público vai atuar para garantir que a comunidade não seja abafada pelo lobby das construtoras?

Enquanto eu estiver à frente dessa pasta, até para respeitar a independência funcional de cada promotor de Justiça, nada lá sairá! Nenhum tijolo aportará na exótica e bela Praia de Taquarinhas. Caberá todavia ao poder Executivo municipal, através de seus órgãos competentes, a implantação, administração e fiscalização do cumprimento do disposto na Lei 1985 de 12 de julho de 2000 (que criou a APA). Também com prestação de assistência aos proprietários das áreas localizadas na APA, através de programas ambientalmente corretos que julgar convenientes e necessários ao desenvolvimento sustentável da unidade de conservação. Tudo em articulações com os demais órgãos federais, estaduais, municipais e organizações não governamentais. E isso quem afirma não sou eu. É a lei supramencionada.