Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Portos"

Linha asiática que deixou o Porto de Itajaí em 2015 decide manter operações me Navegantes

16 de setembro de 2016 0
Foto: Marcos Porto, Arquivo

Foto: Marcos Porto, Arquivo

 

Um dos principais serviços de navegação para a Ásia, o consórcio SEAS2, que integra sete armadores, anunciou ontem a decisão de manter suas operações na Portonave, em Navegantes. Anteriormente chamado de ASAS, o serviço era disputado por outros portos – inclusive o Porto de Itajaí, onde o consórcio operou até agosto de 2015.

O serviço era o principal cliente de Itajaí e a decisão de mudar as atracações para Navegantes, no ano passado, fez cair pela metade a movimentação no espaço operado pela APM Terminals, arrendatária do porto.

O terminal de Itajaí fechou 2015 com prejuízo de R$ 20 milhões e, de julho do ano passado em diante, a movimentação caiu de 22 mil para 8 mil contêineres por mês. A queda repentina provocou rodadas de demissões e reduziu em quase 50% aarrecadação de ISS ( imposto sobre serviços) no município.

Em maio, antes de reiniciar as negociações com os armadores, A APM Terminals reduziu 25% de seus custos, acordou com os trabalhadores portuários avulsos a redução no preço cobrado por contêiner e melhorou a competitividade, numa tentativa de atrair novas linhas. O principal alvo era o serviço SEAS2.

Com apenas dois guindastes de contêineres disponíveis, porém, a estratégia esbarrou na produtividade oferecida pela Portonave, que possui mais equipamentos e vem batendo seguidos recordes na movimentação de navios.

A APM Terminals ainda não se manifestou sobre a negociação. O principal foco da empresa, hoje, está na autorização para estender o contrato de arrendamento, que termina em 2022 e trava novos investimentos.

Crescimento em Navegantes

15 de julho de 2016 0
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

A Portonave fechou o primeiro semestre do ano com crescimento de 43% na movimentação de contêineres em relação ao ano passado. De janeiro a junho, o terminal de Navegantes movimentou 422.523 TEUs.

Exportação

10 de julho de 2016 0

É grande a expectativa dos portos locais para o possível acordo de exportação de carne suína para a Coreia do Sul.
A linha asiática, que hoje opera na Portonave, em Navegantes, poderá absorver a demanda.

Antaq vai avaliar reequilíbrio econômico da APM Terminals em Itajaí

10 de julho de 2016 0
Foto: Lucas Correia, Arquivo

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

A Secretaria Especial de Portos ( SEP) entrega na próxima semana à Agência Nacional de Transportes Aquaviários ( Antaq) um relatório dos custos que impactaram o contrato de arrendamento da APM Terminals no Porto de Itajaí. O parecer da Antaq é necessário para dar sequência ao processo movido pela empresa, que pede ao governo federal a extensão do prazo de operação sob a justificativa de reequilíbrio econômico.

O documento cruza dados da própria arrendatária e também da autoridade portuária. Entram na lista investimentos que o terminal recebeu – como o conserto do berço 1, pago pelo governo federal após a enchente de 2008 – e outros com que arcou, e que não faziam parte do acordo inicial. O relatório também cita o investimento de R$ 300 milhões que a arrendatária pretende trazer à cidade caso a proposta seja aceita.

A resposta da Antaq será um passo importante para os dois pleitos da APM: estender o contrato de arrendamento, que termina em 2022, e aumentar a área arrendada, incorporando também os berços 3 e 4, que estão em obras.

Esta semana o diretor do Departamento de Outorgas Portuárias da SEP, Eduardo Bezerra, visitou o Porto de Itajaí e comparou a movimentação com a de 2012, quando ele conheceu o terminal. E reconheceu que as limitações de área e o prazo curto para novos investimentos prejudica a competitividade.

Bezera ressaltou que a SEP está em busca de “ uma solução para o Porto de Itajaí” e que o foco é tornar o terminal competitivo no mercado – isso significa que a avaliação levará em conta o que for melhor para a cidade.

Segundo ele, o fato de a empresa ter planos de investimento e querendo a expansão é uma “ condição favorável”: do ponto de vista técnico, afirma, a proposta da APM é “ factível e importante para garantir um cenário de competitividade razoável”.
A expectativa é que o processo seja concluído nos próximos meses.

Obra da nova bacia de evolução é autorizada

05 de junho de 2016 0
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

A Secretaria de Estado da Infraestrutura assinou contrato com a empresa Prosul, que vai fiscalizar as obras da nova bacia de evolução de Itajaí.
Com isto, a empreitada está autorizada a iniciar.

A Triunfo, responsável pela construção, está formalizando o plano de trabalho para colocar as máquinas para funcionar.

Nesta primeira fase, a obra empregará cerca de 70 pessoas.

A bacia

A nova bacia de evolução permitirá a entrada de navios maiores e mais carregados nos portos de Itajaí e Navegantes – essencial para manter a competitividade dos terminais frente à preferência dos armadores por embarcações cada vez maiores, que têm melhor custo-benefício de operação.
As obras já estão mais do que atrasadas.

Quando anunciada, em 2013, a previsão era que a primeira etapa estivesse pronta até meados do ano seguinte, sob pena de um prejuízo estimado em R$ 60 milhões por mês com a perda de linhas e movimentação.

Os prejuízos nesse volume só não se confirmaram porque a retração no comércio exterior mundial atrasou a migração de navios maiores para a América do Sul.

Logística nas escalas

18 de maio de 2016 0

A expectativa no Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes é pelo término da licitação para dragagem do canal de acesso, prevista para 6 de junho.

Desde setembro do ano passado, quando as cheias no Vale reduziram a profundidade na foz, os armadores contam com soluções de logística para operarem nos terminais locais com calado reduzido.

Uma das estratégias é manobrar os navios mais pesados somente com maré cheia, o que impacta na agenda de escalas.

Portonave tem crescimento no número de vagas de emprego

18 de maio de 2016 0
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

 

Em meio ao início de ano turbulento, a Portonave, em Navegantes, comemora alta na geração de empregos no primeiro trimestre. O aumento foi discreto, de 3%, mas significativo em meio ao contexto de retração econômico que puxou para baixo as vagas de trabalho.

O terminal portuário, que responde por mais da metade da movimentação de contêineres no Estado (mais que o dobro do terminal de Itapoá, que ocupa a segunda posição), fechou o primeiro trimestre com 1.125 trabalhadores diretos e mais de três mil indiretos.

O aumento da empregabilidade se deve à ampliação do terminal, concluída no ano passado, que elevou de 270 mil para 400 mil metros quadrados a retroárea e dobrou a capacidade para até 30 mil contêineres de 20 pés. O investimento de R$ 120 milhões ocorreu em um momento em que foi a economia já apresentava sinais de desgaste _ uma aposta, que ajudou a atrair novas linhas e a turbinar os resultados do terminal.

Com seis novos serviços em operação a partir do segundo semestre de 2015, a Portonave recebe hoje 52 navios por mês e aumentou em 38% a movimentação em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

Diretor-superintendente administrativo do terminal, Osmari de Castilho Ribas diz que o comportamento do mercado nos próximos meses ainda é uma incógnita, mas afirma que os números indicam que o ano deverá terminar com nova alta na movimentação. A variação cambial deverá manter as exportações em evidência.

O desafio do setor portuário catarinense será garantir os investimentos em infraestrutura prometidos pelo governo federal.

Recorde em Navegantes

18 de maio de 2016 0

A Portonave registrou na última semana a maior movimentação por escala de um navio no terminal. Foi durante a operação do CMA CGM MEKONG, do Serviço Ásia. Foram usados cinco portêineres, com resultado de 2.927 movimentos em 15h25min.
É a segunda vez, nos últimos 40 dias, que a Portonave supera a sua marca de movimentação.

Superintendente do Porto de Itajaí pede em Brasília agilidade nas obras dos berços 3 e 4

12 de maio de 2016 3
Foto: Marcos Porto/Arquivo

Foto: Marcos Porto/Arquivo

 

Ontem, enquanto Brasília ardia em ebulição, o superintendente do Porto de Itajaí, Antônio Ayres dos Santos tentava agilizar na Secretaria Especial de Portos (SEP) os pagamentos da obra de reforço e realinhamento dos berços 3 e 4. Com os recursos chegando a conta-gotas a empreitada, que já deveria ter sido concluída, segue a passos lentos.

O último repasse do governo federal deveria ter sido feito em abril do ano passado, mas até agora não ocorreu.

Mudança de ministério

Aliás, a hipótese da Secretaria Especial de Portos (SEP) ser integrada ao Ministério do Transporte no governo Michel Temer (PMDB) agradou ao trade portuário de Itajaí.

Presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima e Comissárias de Despacho em Santa Catarina (Sindasc), Eclésio da Silva diz que os trâmites eram mais rápidos quando o Ministério do Transporte respondia pelas demandas dos portos, antes da criação da SEP.

Mas defende que a transição, se houver, seja bem feita. Para evitar problemas como os que estão sendo enfrentados pela pesca após o desmanche do ministério.

Empresa traz simulador de manobras de navios a Balneário Camboriú

05 de maio de 2016 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

 

A empresa Acquadinâmica, do Grupo Acquaplan, trouxe a Santa Catarina um simulador de alta tecnologia para auxiliar no treinamento e decisões a respeito de manobras de navios. O equipamento é fruto de uma parceria com a empresa dinamarquesa Force Technology e já está instalado na Praia dos Amores, em Balneário Camboriú.

O simulador é importante para determinar a segurança de uma operação sem o risco e o alto custo de fazê-la a bordo de um navio. O aparelho, que imita condições de vento, ondas e o auxílio dos barcos rebocadores, também auxilia em projetos de instalação de novos portos.

Falando nisso

A Praticagem de Itajaí e Navegantes utilizou simuladores na Holanda, em 2012, para estudar as manobras possíveis após a abertura da nova bacia de evolução.  Só que na época a obra deveria ser feita em um outro ponto do canal. Novas simulações serão necessárias antes de começar a operar na nova área de manobras, cuja empreitada está para começar.