Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Resultados da pesquisa por "bacia de evolução"

Governador autoriza início das obras da nova bacia de evolução

02 de dezembro de 2015 0
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

 

O governador Raimundo Colombo (PSD) entregou nesta terça-feira à superintendência do Porto de Itajaí a licença ambiental de instalação (LAI) da nova bacia de evolução e anunciou que a ordem para o início dos trabalhos será dada ainda nesta quarta.

A construtora Triunfo, vencedora da licitação, aguarda ainda uma análise nos condicionantes da LAI para definir de que forma será o início da empreitada. A princípio, a ideia é retirar primeiro as guias submersas que ficam junto ao Molhe de Navegantes.

O trabalho pela frente será complexo: a abertura da nova área de manobras envolve a remoção de estruturas antigas e um grande volume de dragagem. Tudo isso, sem prejudicar as escalas de navios nos portos de Itajaí e Navegantes – o que vai exigir um grande esforço de logística.

Toda a primeira etapa da obra, orçada em R$ 103 milhões, é custeada pelo governo do Estado. O governador afirmou ontem que a importância do porto para a economia catarinense justifica o investimento.

O próximo desafio para o Complexo Portuário será garantir os recursos para a segunda etapa da obra, que serão responsabilidade do governo federal. A demora no início dos trabalhos da primeira fase impedia que a verba fosse reservada em orçamento para o ano que vem. O governador disse que está empenhado em garantir a liberação em Brasília.

Licença ambiental para a bacia de evolução será entregue pelo governador nesta terça

01 de dezembro de 2015 1
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

 

A Fatma emitiu nesta segunda-feira a licença ambiental de instalação (LAI) para as obras da nova bacia de evolução do rio Itajaí-açu, que permitirá a entrada de navios maiores e mais carregados nos portos de Itajaí e Navegantes.

Até esta terça ainda não havia sido divulgada data para o início dos trabalhos, mas a expectativa é que o canteiro de obras esteja operando nas próximas semanas.

A entrega da LAI deve ser feita hoje pelo governador Raimundo Colombo (PSD) ao superintendente do Porto de Itajaí, Antônio Ayres dos Santos Junior, durante o Fórum de Mobilidade Urbana Sustentável promovido pela BMW em Balneário Camboriú.

Duas etapas

Orçada em R$ 103 milhões, a primeira etapa da nova bacia de evolução será custeada pelo Governo de Santa Catarina e permitirá elevar de 306 para 335 metros o comprimento máximo dos navios que entram no Itajaí-Açu – uma exigência de mercado fundamental para manter Santa Catarina na rota dos principais armadores do mundo.

A segunda etapa da empreitada que será responsabilidade do governo federal (e ainda depende de orçamento) vai elevar para 366 metros o limite de comprimento das embarcações no canal.

Atraso no início da primeira etapa coloca em risco segunda fase da bacia de evolução

12 de novembro de 2015 2
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

 

A demora no início das obras da primeira fase da nova bacia de evolução, que vai ampliar a área de manobras no canal de acesso aos portos de Itajaí e Navegantes, pode inviabilizar a segunda etapa, que deveria iniciar no ano que vem. O problema é que, sem um cronograma para o início dos trabalhos, não é possível prever como será feita a segunda fase, que deve ser paga pelo governo federal. E, sem cronograma, não há previsão de verba no orçamento.

Recentemente o deputado federal Décio Lima ( PT) e o então deputado Fabrício Oliveira ( PSB) conseguiram aprovar uma emenda de bancada para garantir R$ 100 milhões para a empreitada em 2016. O relator do orçamento, deputado paranaense Ricardo Barros ( PP), questionou então a superintendência do Porto de Itajaí sobre o cronograma das obras para saber quanto desse valor precisaria ser investido ainda em 2016, e a partir de quando. Mas, sem que se inicie a primeira etapa, a superintendência não tem como informar quais são os prazos.

A primeira fase da obra ainda depende da emissão de licença ambiental de instalação ( LAI). A superintendência do Porto de Itajaí finalizou ontem as respostas aos últimos questionamentos feitos pela Fatma, que pediu estudos complementares sobre a possível interferência que a retirada de estruturas de contenção terá sobre o Saco da Fazenda, e a localização dos bota-foras.

O licenciamento, estimado para ser analisado em 30 dias, acabou se mostrando mais complexo do que o esperado. Afinal, a obra é desafiadora: envolve a retirada de estruturas submersas e um grande volume de dragagem. Tudo isso sem interferir na movimentação de navios.

A empresa Triunfo, que venceu a licitação, aguarda a ordem de serviço para dar início aos trabalhos. A primeira fase da obra, orçada em R$ 103 milhões, será paga pelo governo do Estado.

A nova bacia de evolução deve elevar de 306 para 335 metros o comprimento máximo dos navios que entram no Itajaí-Açu. Na segunda etapa, vai permitir a entrada de embarcações com até 366 metros.

Recurso para a bacia de evolução

16 de outubro de 2015 0

A Frente Parlamentar Catarinense, comandada pelo deputado Mauro Mariani ( PMDB), incluiu ontem entre emendas de bancada para o orçamento do governo federal no ano que vem o pedido de R$ 100 milhões para a segunda etapa das obras da nova bacia de evolução em Itajaí.

A emenda coletiva foi proposta pelos deputados federais Décio Lima ( PT) e Fabrício Oliveira ( PSB).

Obra da bacia de evolução sofre novo atraso e não tem data para começar

01 de outubro de 2015 2
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

Setembro terminou e a licença ambiental de instalação da nova bacia de evolução, que tinha previsão de sair até o fim do mês, não foi concluída. O órgão ambiental pediu uma série de novas informações sobre a empreitada e o resultado é que, no momento, não há data prevista para o início dos trabalhos.

A obra deverá abrir espaço para Itajaí e Navegantes receberem navios maiores e mais carregados, e a primeira fase deveria estar pronta desde o ano passado.

Esta semana a autoridade portuária respondeu questionamentos da Fatma sobre a remoção das guias submersas dos molhes, o volume de dragagem – que estava diferente do apresentado na licença ambiental prévia (LAP) –, o tipo de vegetação presente nas guias e dados sobre a implantação do canteiro de obras pela construtora Triunfo.

Agora, a Fatma quer saber também se a remoção de estruturas no Molhe Norte poderá interferir na proteção do Saco da Fazenda, já que elas podem demorar até dois anos para serem reconstruídas. O superintendente do Porto de Itajaí, Antônio Ayres dos Santos Junior, diz que esse estudo já foi feito mas não consta no processo da licença prévia. Ele reclama que os pedidos do órgão ambiental estão chegando “a conta-gotas”, o que tornaria o processo ainda mais demorado.

O fato é que, diante do atual cenário do porto, a possibilidade de ter que desembolsar por novos estudos tornaria o projeto inviável. Até agora, os levantamentos necessários para os licenciamentos foram pagos pela Portonave e a APM Terminals, as grandes operadoras do Itajaí-Açu.

O que tem segurado a catastrófica previsão de perdas de R$ 60 milhões ao mês por falta da bacia é a queda na movimentação dos portos. Com menos cargas, em todo o país, a inserção de navios maiores na costa brasileira está atrasada – para alívio do Complexo.

Pescadores têm 30 dias para liberar espaço para obras da bacia de evolução em Navegantes

21 de setembro de 2015 1
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

A autoridade portuária notificou nesta segunda-feira de manhã pescadores de Navegantes, que mantêm seus ranchos de pesca num dos “espigões” – estrutura que faz parte do Molhe Norte do canal de acesso ao Complexo Portuário _ de que eles têm 30 dias para deixarem o local. Ao todo 12 estruturas, usadas principalmente para armazenar material de pesca, receberam o adesivo informando do prazo para desocupação.

O espigão está entre as primeiras estruturas a serem desmontadas para dar início à obra da bacia de evolução. Sinal de que a autoridade portuária está confiando na celeridade da Fatma para análise do pedido de licença ambiental de instalação (LAI). Na semana passada técnicos vistoriaram o local de abertura da bacia para concluir a avaliação. A previsão é que, se não houver necessidade de alterações, a licença seja emitida até o fim do mês.

A bacia de evolução deve permitir a entrada de navios maiores e mais carregados no Complexo Portuário. Quando anunciada, em 2013, a previsão era que a primeira etapa estivesse pronta até meados do ano seguinte, sob pena de um prejuízo estimado em R$ 60 milhões por mês com a perda de linhas e movimentação. A autoridade portuária não fala mais no montante do prejuízo, mas as recentes situações por que passa o Complexo levam a entender que, de fato, a previsão se confirmou.

Além da perda de serviços (em especial em Itajaí), a autoridade portuária enfrenta uma crise que levou à suspensão das dragagens de manutenção do canal de acesso, que custava R$ 2,2 milhões ao mês. Se a limitação de tamanho para os navios estivesse sanada, é possível que o problema fosse, ao menos, minimizado.

Licenciamento da bacia de evolução fica para o fim do mês

19 de setembro de 2015 1
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

Técnicos da Fatma fizeram esta semana vistoria na área de instalação da nova bacia de evolução no canal de acesso do Itajaí-Açu. Agora, o prazo para liberação do licenciamento é previsto para o fim de setembro _ desde que não haja necessidade de alterações no projeto.

O órgão ambiental só recebeu a documentação para emissão da licença de instalação no dia 14 de julho, com um atraso considerável, e tem prazo de até 90 dias para avaliar o pedido. A expectativa inicial era que o licenciamento fosse concluído até o fim de agosto, mas o processo é complexo, que envolve retirada de estruturas e uma ampla dragagem de aprofundamento do canal e da área de manobras.

A Triunfo, empresa que venceu a licitação para a obra, decidiu começar a abertura da bacia pela remoção de parte do Molhe Norte, em Navegantes, e das guias submersas. A dragagem será feita na sequência.

A obra da bacia de evolução será feita em duas etapas. A primeira, paga pelo governo do Estado, custará R$ 103 milhões e abrirá espaço para que navios de até 335 metros adentrem o canal de acesso aos terminais de Itajaí e Navegantes.

A segunda etapa, que permitirá a operação de embarcações com até 366 metros e custará R$ 208 milhões, depende de recursos do governo federal – e esta é a grande preocupação do trade.

Em sua primeira visita a Santa Catarina, no início do mês, o ministro da Secretaria Especial de Portos, Edinho Araújo, reconheceu a importância da obra. Mas disse que, por enquanto, está “deixando de lado os números” devido aos recentes cortes no orçamento.

Fatma estende prazo previsto para licenciamento ambiental da Bacia de Evolução

31 de agosto de 2015 0

A promessa de que o licenciamento ambiental de implantação nova bacia de evolução seria concluído até o fim de agosto não foi cumprida. O prazo estimado pelo governo do Estado, de fato, era curto para um processo tão complexo, que envolve retirada de estruturas e uma ampla dragagem de aprofundamento do canal e da área de manobras.

A Fatma informou que o licenciamento está em fase de parecer técnico – o que significa que uma boa parte já caminhou, mas ainda é necessário mais tempo para a definição sobre a licença.

O órgão ambiental deve fazer uma vistoria in loco na segunda quinzena de setembro. Até lá, o restante do processo estará concluído. Com o último parecer dos técnicos após a visita a expectativa é que o licenciamento seja, enfim, finalizado.

A Triunfo, empresa que venceu a licitação para a obra, decidiu começar a abertura da bacia pela remoção de parte do Molhe Norte, em Navegantes, e das guias submersas. A dragagem será feita na sequência.

A obra da bacia de evolução será feita em duas etapas. A primeira, paga pelo governo do Estado, custará R$ 103 milhões e abrirá espaço para que navios de até 335 metros adentrem o canal de acesso aos terminais de Itajaí e Navegantes.

A segunda etapa, que permitirá a operação de embarcações com até 366 metros e custará R$ 208 milhões, depende de recursos do governo federal – e esta é a grande preocupação do trade.

Em sua primeira visita a Santa Catarina, no início do mês, o ministro da Secretaria Especial de Portos, Edinho Araújo, reconheceu a importância da obra. Mas disse que, por enquanto, está “deixando de lado os números” devido aos recentes cortes no orçamento.

Licença para início das obras da bacia de evolução deve sair em um mês

28 de julho de 2015 1
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

O governador Raimundo Colombo (PSD) garantiu ao prefeito Jandir Bellini (PP) e ao presidente da Associação Empresarial de Itajaí (ACII), Eclésio da Silva, que a licença ambiental de instalação (LAI) da bacia de evolução deve ser liberada em três semanas. Com isto, desde que não sejam necessários documentos complementares, a obra poderá enfim ser autorizada a iniciar em meados de agosto.

A informação foi repassada ao governador pelo próprio presidente da Fatma, Alexandre Rates. Na semana passada o órgão ambiental estadual havia informado, através da assessoria de imprensa, que o processo estava em análise e ainda não havia data para conclusão.

Ocorre que o projeto de licenciamento demorou mais do que o previsto para ser enviado à Fatma. Só foi entregue ao órgão ambiental há pouco mais de uma semana, contendo perto de 20 itens. A autorização não é tão simples, já que a obra é de grande impacto, especialmente na fase de dragagem, que inclui a delimitação dos bota-foras.

A Triunfo, empresa que venceu a licitação para a obra, decidiu começar pela remoção de parte do Molhe Norte, em Navegantes, e das guias submersas. A dragagem será feita na sequência.

O projeto de licenciamento foi feito pela empresa Caruso Junior, e pago pela Portonave. Desde o início dos estudos para a abertura da nova bacia de evolução o terminal de Navegantes e a APM Terminals, em Itajaí, têm custeado a documentação.

A ordem de serviço para a abertura da nova bacia foi assinada em março pelo governador, e em junho a Triunfo apresentou o projeto executivo.

A expectativa é que a primeira fase da obra, que permitirá entrada de navios de até 335 metros no Complexo Portuário, seja entregue até setembro do ano que vem.

O trade portuário estima que em meados de 2016 os armadores estejam operando navios desse porte por aqui. Cada atraso, agora, representa maior risco de perda de linhas para a região.

Necessária 

A primeira etapa da bacia de evolução é paga com recursos do governo do Estado, na ordem de R$ 103 milhões.
A segunda etapa, que permitirá a operação de embarcações com até 366 metros e custará R$ 208 milhões, dependerá de recursos do governo federal.

Obra da bacia de evolução vai começar pela retirada do molhe

10 de junho de 2015 7
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

A empresa Triunfo, contratada para as obras da nova bacia de evolução do Complexo Portuário do Itajaí, apresentou nesta quarta-feira à superintendência do Porto de Itajaí, praticagem e operadores o projeto executivo da empreitada. Os detalhes serão entregues à Fatma em até 10 dias para integrarem a licença ambiental de instalação.

Assim que o licenciamento estiver concluído a Triunfo poderá dar início aos trabalhos em campo. Por enquanto, a autoridade portuária evita falar em prazos. No setor, há consenso de que a empreitada é urgente para evitar reflexos econômicos decorrentes das atuais restrições na área de manobras.

A empresa decidiu iniciar a obra pela remoção do Molhe Norte e das guias submersas. Em sequência será feita a dragagem da bacia de evolução, que ficará na altura do Saco da Fazenda.

 

bacia

De acordo com o projeto apresentado pela Triunfo, haverá mais demanda de equipamentos do que de trabalho braçal. A remoção de estruturas demandará um grande número de caminhões, escavadeiras especiais e guindastes.

::: Leia mais sobre a obra

A empresa terá dois grandes desafios para executar o projeto: o primeiro é dar conta do prazo e da pressão do trade portuário e entregar tudo pronto até setembro do ano que vem. O segundo é executar a obra sem interrupções na movimentação de navios em Itajaí e Navegantes.

Paralelo aos trâmites de licenciamento, a autoridade portuária espera obter autorização da Fatma para que o canteiro de obras seja montado de imediato, antes mesmo de emitida a licença de instalação. A ideia é ganhar tempo.

As obras da nova bacia de evolução são pagas pelo Governo do Estado, ao custo de R$ 103 milhões. Nesta primeira fase, permitirá a entrada de navios com até 335 metros de comprimento _ hoje o limite são 306.