Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "APM Terminals"

Antaq vai avaliar reequilíbrio econômico da APM Terminals em Itajaí

10 de julho de 2016 0
Foto: Lucas Correia, Arquivo

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

A Secretaria Especial de Portos ( SEP) entrega na próxima semana à Agência Nacional de Transportes Aquaviários ( Antaq) um relatório dos custos que impactaram o contrato de arrendamento da APM Terminals no Porto de Itajaí. O parecer da Antaq é necessário para dar sequência ao processo movido pela empresa, que pede ao governo federal a extensão do prazo de operação sob a justificativa de reequilíbrio econômico.

O documento cruza dados da própria arrendatária e também da autoridade portuária. Entram na lista investimentos que o terminal recebeu – como o conserto do berço 1, pago pelo governo federal após a enchente de 2008 – e outros com que arcou, e que não faziam parte do acordo inicial. O relatório também cita o investimento de R$ 300 milhões que a arrendatária pretende trazer à cidade caso a proposta seja aceita.

A resposta da Antaq será um passo importante para os dois pleitos da APM: estender o contrato de arrendamento, que termina em 2022, e aumentar a área arrendada, incorporando também os berços 3 e 4, que estão em obras.

Esta semana o diretor do Departamento de Outorgas Portuárias da SEP, Eduardo Bezerra, visitou o Porto de Itajaí e comparou a movimentação com a de 2012, quando ele conheceu o terminal. E reconheceu que as limitações de área e o prazo curto para novos investimentos prejudica a competitividade.

Bezera ressaltou que a SEP está em busca de “ uma solução para o Porto de Itajaí” e que o foco é tornar o terminal competitivo no mercado – isso significa que a avaliação levará em conta o que for melhor para a cidade.

Segundo ele, o fato de a empresa ter planos de investimento e querendo a expansão é uma “ condição favorável”: do ponto de vista técnico, afirma, a proposta da APM é “ factível e importante para garantir um cenário de competitividade razoável”.
A expectativa é que o processo seja concluído nos próximos meses.

Porto de Itajaí recorre ao TCU para estender contrato de arrendamento

13 de junho de 2016 0
Foto: Lucas Correia, Arquivo

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

O superintendente do Porto de Itajaí, Antônio Ayres dos Santos Junior, foi ao Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília, para interceder pela extensão de contrato de arrendamento da APM Terminals.

Em abril o Tribunal respondeu a uma consulta “em tese” dizendo que a extensão para reequilíbrio econômico (como pede a empresa) é ilegal, exceto em casos excepcionais. A dúvida é se o caso da APM, que enfrentou duas enchentes consecutivas com destruição dos cais de atracação, em 2008 e 2009, se encaixaria nesse conceito.

A resposta do TCU foi de que a decisão cabe à Secretaria Especial de Portos (SEP), agora vinculada ao Ministério dos Transportes. O problema é que, até agora, a Secretaria segue sem um titular.

Estiva perto de firmar acordo

01 de junho de 2016 0

Os estivadores de Itajaí estão perto de aceitar a proposta feita pela APM Terminals aos trabalhadores portuários avulsos (TPAs) e reduzir o preço cobrado para movimentar novas cargas que sejam conquistadas pelo Porto de Itajaí. Mas, em troca, entregarão uma lista de demandas.  Entre elas, o adiantamento da convenção trabalhista.

Arrendatária do Porto de Itajaí negocia com trabalhadores para estancar prejuízos

26 de maio de 2016 0
Foto: Lucas Correia, Arquivo

Foto: Lucas Correia, Arquivo

 

A APM Terminals, arrendatária do Porto de Itajaí, chamou ontem os trabalhadores portuários avulsos ( TPAs) para traçar uma alternativa de reação à crise que assola o terminal desde o ano passado, quando perdeu mais da metade das linhas. A empresa sugeriu uma redução no valor cobrado por contêiner para novas operações, numa tentativa de melhorar a competitividade.

Nem todos os trabalhadores reagiram bem à proposta, alegando que já abriram mão dos ganhos em outros momentos e não tiveram o retorno esperado.
Mas os sindicatos concordaram em levar a ideia para discussão. A primeira deve ocorrer entre os estivadores.

Ricardo Arten, diretor-superintendente da APM Terminals em Itajaí, não economizou nas justificativas e trouxe à mesa de discussão números que representam o tamanho do problema. O terminal fechou 2015 com prejuízo de R$ 20 milhões e, de julho do ano passado em diante, a movimentação caiu de 22 mil para 8 mil contêineres por mês – todos operados pela Maersk, gigante mundial à qual pertence a APM. O que significa que não há operadores “ de fora” atuando no Porto de Itajaí.

Reduzir preços e melhorar a competitividade é a tábua de salvação para o porto, que já foi o segundo maior movimentador de contêineres do país e hoje ocupa a 11 ª posição. Passou de 374 mil contêineres, em 2007, para 179 mil no ano passado. De lá para cá, os custos fixos subiram mais do que a inflação e a concorrência aumentou, com a entrada dos terminais privados no mercado, que têm regulamentação diferente.

O pedido de auxílio aos trabalhadores foi providencial: como Itajaí é um porto público, emprega obrigatoriamente trabalhadores avulsos ( sem vínculo empregatício) ligados ao Órgão Gestor de Mão de Obra ( Ogmo). É como se fossem profissionais autônomos, que recebem por produção.
A negociação de valores, portanto, depende da aceitação de cada categoria individualmente.

Renegociação de taxas

Além da negociação com os trabalhadores, a APM também negocia redução de gastos e das tarifas pagas à superintendência do Porto de Itajaí. O contrato obriga a multinacional a desembolsar uma taxa que corresponde à movimentação de 225 mil contêineres ao ano – mesmo que não consiga chegar a esse patamar, como ocorreu no ano passado.

O superintendente, Antônio Ayres dos Santos Junior, disse que já recebeu a proposta de alteração e que ela será avaliada. Mas adiantou que a autoridade portuária tem contas a pagar, e isso será levado em consideração.

Ficou feio

Em meio às discussões sobre a sobrevivência do Porto de Itajaí, trabalhadores trouxeram à tona o fato de o prefeito Jandir Bellini ( PP) ter recebido uma generosa doação de campanha da Triunfo, empresa que faz parte do grupo da Portonave, em Navegantes.

Diante da crise, pegou muito mal para a administração municipal.

APM Terminals tem novo diretor comercial no Brasil

18 de maio de 2016 0

O executivo José Eduardo Bechara, que tem no currículo 20 anos de experiência na atividade portuária, presidindo terminais em Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e São Francisco do Sul, assumiu a direção comercial e de relações institucionais da APM Terminals no Brasil. Chega com a missão de alavancar as soluções estratégicas para os clientes, justo no momento em que a empresa tenta recuperar cargas em Itajaí

TCU emite parecer contrário ao pedido de extensão de contrato da APM Terminals

12 de abril de 2016 5

Um parecer emitido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em resposta a questionamento da Secretaria Especial de Portos (SEP) considera incorreta a extensão de contrato de arrendamento portuário para reequilíbrio econômico-financeiro. A pergunta, feita “em tese”, ou seja, sem especificar o caso, diz respeito à intenção da APM Terminals de estender o contrato de operação do Porto de Itajaí, sob a alegação de ter sofrido sérios prejuízos nas enchentes de 2008 e 2011, que causaram danos aos berços de atracação e interromperam as atividades do porto.

A SEP consultou o TCU por orientação da Advocacia Geral da União (AGU), no ano passado. A resposta do Tribunal afirma que há a lei autoriza apenas uma prorrogação (a que já é prevista em contrato e, no caso da APM Terminals, termina em 2022). A exceção é para o que o parecer chama de casos “excepcionais” _ desde que seja a única opção possível e não afronte a lei.
A resposta pegou de surpresa a Superintendência do Porto de Itajaí, que esperava outro posicionamento do TCU. O problema é que, por se tratar por uma “consulta em tese”, a resposta serve de parâmetro para questionamentos semelhantes em todo o país. Uma sinalização positiva, portanto, flexibilizaria os arrendamentos mais antigos.

De acordo com procurador do porto, Henry Rossdeutscher, a superintendência vai avaliar a resposta do Tribunal para saber se o caso da APM Terminals pode encaixar na definição de situação “excepcional” contida no documento. Também é preciso ainda aguardar qual será o posicionamento da Secretaria Especial de Portos diante da resposta.

O fato é que o parecer traz um balde de água fria nas tentativas da APM Terminals de prorrogar o contrato em Itajaí. Gigante mundial, a empresa assumiu a operação de Itajaí em 2005, quando adquiriu o Terminal de Contêineres do Vale do Itajaí (Teconvi). O contrato do Teconvi era de 21 anos _ diferentes da regra atual da Lei dos Portos, que prevê 25 anos prorrogáveis por igual período.

A APM Terminals não se manifestou sobre o caso.

 

Porto de Itajaí embarca carga recorde da BRF

05 de abril de 2016 0
Foto: João Souza, Divulgação

Foto: João Souza, Divulgação

 

A APM Terminals, arrendatária do Porto de Itajaí, registrou recorde de embarques de contêineres para um só cliente, em um só navio, na última sexta-feira. Ao todo, 561 contêineres refrigerados da BRF partiram a bordo do Maersk Lamanai para diversos destinos do mundo.

A maior parte para a Ásia.  Os contêineres refrigerados representam 15% do volume de exportação anual da APM Terminals Itajaí. Deste montante, 90% são carregados com frango produzido em Santa Catarina.

Mães têm jornada reduzida para cuidar dos filhos na APM Terminals

08 de março de 2016 0

A APM Terminals, arrendatária do Porto de Itajaí, decidiu estender o benefício da licença maternidade para as colaboradoras. Nos seis primeiros meses após o retorno ao trabalho, as mães terão redução de 20% na carga horária de trabalho.

O modelo foi inspirado em ações semelhantes feitas fora do país. O objetivo é reduzir a evasão de talentos – muitas mulheres deixam o emprego por não conseguirem conciliar o trabalho e a maternidade.

APM Terminals faz nova rodada de demissões em Itajaí

04 de março de 2016 0

00b79243

 

A queda na movimentação desde a perda de linhas, no ano passado, levou a APM Terminals, arrendatária do Porto de Itajaí, a uma nova rodada de demissões. Ao todo, 40 trabalhadores foram desligados nos últimos dias. A maioria deles é ligada ao Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) e voltará ao quadro de escalas, sem vínculo de trabalho fixo com o porto.

Esta é a segunda vez que a empresa dispensa funcionários para enfrentar a crise. Em junho, logo após ter sido anunciada oficialmente a perda de metade das linhas operadas pelo porto, 30 trabalhadores do setor administrativo foram dispensados. Na época, a APM Terminals emitiu um comunicado em que afirmava que a medida foi tomada devido à situação econômica do país, à redução na movimentação de cargas, à alta competitividade entre os terminais catarinenses e à assimetria de negócios em relação aos terminais privados. Desta vez, a empresa não se manifestou sobre os cortes.

Os funcionários dispensados atuavam na operação de equipamentos que tiveram a atuação reduzida com a menor quantidade de cargas. No Ogmo, vão retomar as escalas de arrumadores, que vinham sendo supridas por estivadores.

Apesar do corte, a busca por novas cargas (não conteinerizadas) em Itajaí amenizou as perdas dos trabalhadores portuários. O reflexo foi a volta ao trabalho de 50 dos 70 portuários que haviam se licenciado do Ogmo no ano passado. As categorias, que chegaram a amargar redução de mais de 60% nos salários, devido à redução de escalas, fecharam reajustes de até 15%, dependendo da função e das escalas, com os sindicatos patronais.

Negociações

Extraoficialmente, as informações no mercado são de que a APM Terminals vai tentar reverter os prejuízos na nova rodada de negociação de linhas portuárias, que já está em andamento. Uma possível recuperação só será sentida no segundo semestre.

APM Terminals aposta em novas cargas para recuperar movimentação

23 de fevereiro de 2016 0
Foto: Lucas Correia | O navio BBC Congo foi o primeiro a atracar no berço 1 da APM Terminals, sábado, vindo da Antuérpia para descarregar 1,1 mil estacas-prancha. Ontem, chegou o BBC Ohio (foto) que está sendo carregado no berço 2 com 600 bobinas para a Argentina

Foto: Lucas Correia | O navio BBC Congo foi o primeiro a atracar no berço 1 da APM Terminals, sábado, vindo da Antuérpia para descarregar 1,1 mil estacas-prancha. Ontem, chegou o BBC Ohio (foto) que está sendo carregado no berço 2 com 600 bobinas para a Argentina

A APM Terminals está recebendo desde sábado duas operações de carga-geral nos berços 1 e 2 do Porto de Itajaí – essas são as primeiras cargas do tipo em 2016 e não envolvem contêineres. Os navios vão movimentar, até quarta-feira, mais de 13 mil toneladas de estacas-prancha e bobinas, além de envolver cerca de 800 trabalhadores portuários avulsos, que estariam ociosos no período.

Desde o ano passado, quando perdeu 40% de sua movimentação com a saída da linha asiática, a empresa busca diversificar os serviços e alavancar novos negócios. O gerente comercial da APM Terminals, Felipe Fioravanti, explica que a conquista destas cargas fortalece a posição da empresa em estar aberta para novas operações.

– Esse tipo de operação nos possibilita usar a ociosidade para novas cargas, sem ter impacto na movimentação de contêineres. Temos outra operação do tipo prevista para o fim de fevereiro, início de março – afirma.

Apesar de esporádicas, as cargas movimentam a economia e criam postos extras de trabalho. Para a APM, as 13 mil toneladas de carga-geral representariam cerca de 500 contêineres. Para os trabalhadores portuários, esses dias de atividades geram uma renda de aproximadamente R$ 640 mil, considerando encargos sociais, segundo estimativa do Órgão Gestor de Mão de Obra do Porto de Itajaí (OGMO).

Em janeiro, a APM Terminals movimentou 15.730 TEUs (unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés), 48% a menos que no mesmo período de 2015.