Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Gauchão"

Gre-Nal morninho, mas de bom tamanho

02 de março de 2015 11

Como já se imaginava antes de a bola rolar, o primeiro Gre-Nal do ano, valendo apenas três pontos, ficou longe de valer o preço do ingresso. Terminou empatado, sem gols, em uma prova de que o misto do Inter está longe de ser capaz de encarar as decisões do Gauchão, e de que o Grêmio está longe dos anseios de seu torcedor.

Um resultado justo no encontro entre os dois maiores rivais, que marcaram muito, jogaram pouco e passaram a maior parte do tempo longe das metas de Alisson e Marcelo Grohe. Justificaram as colocações na tabela da competição e terão dificuldades para comemorar o título do regional.

 

Melhores

Ricardo Duarte

Ricardo Duarte

Não houve grandes destaques.

O clássico do Beira-Rio, diante da evidente preocupação de evitar a derrota dos dois lados, teve muita gente esforçada e correndo por todos os lugares. Muito pouco brilho individual, com o coletivo superando qualquer outro detalhe, o que explica o resultado final.

Pelo lado vermelho, em razão do desarme simples e do passe curto, quase sem erros, quem mais apareceu foi o uruguaio Nico. Esteve quase sempre no lugar. Pelo lado azul, o menino Lincoln, carregando o peso de uma estreia, conseguiu se dar bem algumas vezes, e provou que pode virar titular em seguida.

 

Golaço

Deu tudo certo.

O gol mais bonito do Gre-Nal de ontem aconteceu fora de campo, com a convivência sadia entre colorados e gremistas nas redondezas do estádio, nas arquibancadas, em uma prova de que os velhos tempos podem voltar.

Valeu muito a pena tudo o que se viu entre os torcedores que gostam de futebol, de espetáculo e de festa. Também serviu para identificar, de uma vez por todas, os baderneiros, aqueles que devem ser banidos da praça.

 

Tá na panela

Agora é Libertadores.

Livre do clássico e com quase todos os titulares descansados, o Inter vira a página e esquece o Gauchão. Volta a pensar e respirar o Emelec, outra decisão que terá pela frente dentro da sua casa, onde tem a obrigação dos três pontos e vai precisar, como sempre, do seu povo nas arquibancadas.

Jogo duro, complicado, mas sem opção para a turma do técnico Diego Aguirre, que no momento está mais interessada na competição sul-americana. O time sabe, por tudo o que está acontecendo, que a chance de vaga na próxima fase passa obrigatoriamente pelo enfrentamento contra os equatorianos.

 

Dorme no gelo

Ficou bem melhor.

Após um início capenga, quando assustou seu torcedor, o Juventude trocou a camisa verde pela laranja, pegou o elevador, somou mais três pontos na vitória sobre o Lajeadense, de virada, e ficou perto de garantir vaga.

Méritos para o técnico Picoli, que soube aproveitar a enorme vantagem de ter um a mais em campo desde o início da partida. Transformou o limão em limonada e provou que não merecia ser demitido semanas atrás.

 

Perguntinha: Quantos reforços o Grêmio precisa?

Bookmark and Share

Alex faz a diferença no time colorado

24 de fevereiro de 2015 5

Futebol é momento.

Em um time desentrosado, que dependia mais das individualidades do que do coletivo, o meia Alex fez a sua parte, com passes qualificados, dois gols e liderança. Provou que merece começar a decisão da quinta-feira, contra a Universidad de Chile, no Beira-Rio, que certamente vai receber bom público.

No futuro as coisas podem mudar e o técnico Diego Aguirre pode promover a troca de jogadores. Mas pelo que se viu no Aldo Dapuzzo, quando fez a diferença, o dono da camisa 12 não pode ficar fora do time que começa a decidir a sua vida na Libertadores contra os chilenos.

Sinônimo de qualidade

É quase pule de dez.

Livre das lesões, motivado, dono de uma bola qualificada, Giuliano retornou aos treinos. Deu uma boa resposta, convenceu o técnico Luiz Felipe Scolari de que está quase pronto e virou nome forte para começar o Gre-Nal, domingo, no Beira-Rio.

Mesmo com a falta de ritmo em razão da longa ausência dos jogos, o meia significa um acréscimo para quem está procurando a melhor formação e um novo jeito de jogar, mas segue com a obrigação de faturar o caneco da Gauchão para acalmar as coisas nas bandas do Humaitá.

Arte

Valeu o ingresso.

Quem viu a sofrida vitória do Caxias sobre o Aimoré, domingo, no Centenário, certamente vai concordar que o meia Patrick é forte candidato para faturar o gol mais bonito da competição.

Pelo lado esquerdo, ainda fora da área, o habilidoso meia do time grená acertou um belo chute, no ângulo, sem nenhuma chance para o goleiro e que foi fundamental para a conquista de três pontos de sua equipe na partida.

Dorme no gelo e acorda suando

Não é por acaso.

Com quatro vitórias, dois empates e apenas uma derrota, o São José ocupa a ponta da tabela de classificação. Tem muita chance de, no mínimo, garantir um lugar entre os quatro melhores da primeira fase, o que permite fazer o jogo decisivo da próxima fase dentro do Passo d’Areia.

O equilíbrio do campeonato pode mudar tudo, mas o Zequinha merece elogios até aqui.

Tá na panela

Complicou ainda mais.

Estreante na elite do futebol gaúcho, o União Frederiquense acumulou mais uma derrota, agora para o Cruzeiro. Segue na lanterna e ficou ainda mais enrolado na briga para escapar do pior.

Verdade que nada está perdido, mas se quiser continuar entre os melhores do futebol gaúcho, o time do técnico Beto Campos vai ter que fazer chover para cima nos oito jogos que restam.

Perguntinha: Quem vai parar o Ypiranga no Gauchão?

Bookmark and Share

Está mais do que na hora de fazer pressão

19 de fevereiro de 2015 16

Além do técnico Luiz Felipe Scolari, muito criticado pelo fato de ter abandonado a casamata na derrota para o Veranópolis, a chapa também começa a esquentar para o habilidoso Douglas, que chegou sob desconfiança de boa parte da torcida, com o aval do chefe do vestiário, e ainda não deu o ar da graça.
Se não achar um jeito de render mais e provar que ainda estão longe de encaminhar a aposentadoria, o dono da camisa 10 do Humaitá corre o risco de perder o lugar entre os titulares e viver uma situação que jamais imaginou quando decidiu retornar ao clube.

Pior nem foi a derrota

Até as paredes sabem que jogar na altitude de La Paz é bem complicado, que quase todos os visitantes acabam com a língua de fora, mas o que mais chamou a atenção na péssima estreia na Libertadores foi o desempenho do Inter. O time fez água do meio para trás, apelou para os chutões e cometeu um pecado: jogou sem a bola.
Verdade que ainda faltam cinco jogos _ três deles no Beira-Rio _, que há tempo de reverter o perigoso quadro, mas pelo que se viu até agora, o Colorado tem menos farinha no saco do que Corinthians, São Paulo, Atlético-MG e Cruzeiro. São apenas oito dias para tentar arrumar uma casa que está bem desarrumada.

O perdedor fica a perigo

Logo mais, no Alfredo Jaconi, os rivais Juventude e Caxias se enfrentam, num jogo em que o vencedor, na pior das hipóteses, fica na porta da zona de classificação e deixa o derrotado em situação de risco.
Com o fim do Carnaval e pela importância do jogo para a tabela, tudo indica que o torcedor vai aparecer, fazer a sua parte, o que pouco aconteceu até agora nos espetáculos da Serra.

Ficou bem complicado

Apesar de jogar em casa, empurrada pelo seu povo, a Universidad de Chile perdeu para o Emelec e agora vai ter que ralar, nos jogos que restam, se quiser passar de fase na Libertadores.
Dá para apostar até a última ficha que o time chileno decide a sua vida na próxima semana, aqui no Beira-Rio, quando está na obrigação de somar ponto para não ficar com a água batendo na ponta do queixo.

Não deu nem para a saída

Fora de casa, contra um adversário capenga, mas motivado, o Racing, que não estava entre os mais cotados, goleou o Táchira por 5 a 0 e mostrou que vai tirar o sono de muita gente nesta Libertadores.
Pela boa largada, somada com a qualidade nada assustadora dos outros componentes do Grupo, fica bem fácil afirmar que o atual campeão argentino vai passar de fase com um pé nas costas.

Perguntinha

O Inter tem bala para levar a Libertadores?

Bookmark and Share

Homem de confiança

12 de fevereiro de 2015 12

É normal no futebol o novo técnico indicar jogadores da sua confiança. No Inter, Diego Aguirre chegou e pediu o veterano zagueiro Lugano. Não levou. Todas as contratações (Léo, Réver, Nilton, Anderson e Vitinho) são convicções da direção. Agora, finalmente Aguirre deverá receber o seu volante de confiança, já que o uruguaio Nicolás Freitas está se acertando com o clube.
Os dirigentes trabalharam bem, assumiram o controle das negociações e contrataram de acordo com suas ideias. E não deixaram, no final, de fazer um agrado ao técnico.

Novo estilo
O zagueiro Erazo, titular do Grêmio no começo do ano, está tendo em Porto Alegre uma postura diferente da que teve no Rio de Janeiro no ano passado, quando não foi bem e acabou saindo com o Flamengo pagando o salário para tê-lo longe do Ninho do Urubu.
O equatoriano trouxe a família para morar no Estado. Além disso, está procurando se informar sobre a história do clube. Durante a semana, pediu para conhecer o Olímpico. Já é um bom começo. Fora de campo, está fazendo a sua parte. Agora, só falta confirmar dentro das quatro linhas.

Recomeço
A notícia de que o atacante Everton Costa, ex-dupla Gre-Nal, não poderá mais jogar futebol por causa do seu problema cardíaco é triste. Ele cumpriu trajetória de muita luta no futebol. Surgiu no Grêmio, encarou frio na Suécia, voltou para atuar no Caxias e voltou a um clube de ponta no Inter, quando até participou da final da Libertadores de 2010, no jogo contra o Chivas, no México.
Aos 28 anos, no Vasco, Everton terá de abandonar os campos, mas não o futebol. Jorge Machado, seu empresário, garantiu que vai dar um jeito de encontrar serviço para ele no escritório de representação de jogadores. Será um recomeço para Everton e uma oportunidade de seguir trabalhando com o que gosta.

Na Bolívia
O The Strongest, confirmado como adversário de estreia do Inter na próxima terça-feira, mostrou que vai dar trabalho na altitude. O veterano meia Pablo Escobar, 36 anos, com passagens por Ipatinga, Mirassol, Santo André e Ponte Preta, segue como referência técnica. Esbcobar marcou três gols nas duas partidas contra o Morelia. É bom abrir o olho com ele.

Mais um
Depois de fechar com Lodero, vem aí mais um grande reforços nome para o Boca Juniors na Libertadores. O argentino naturalizado italiano Osvaldo, com passagens por Internazionale, Juventus, Roma e Fiorentina, foi contratado. O velho Boca está de volta. É bom se cuidar.

Perguntinha
Quando o Grêmio deixará de vender e partirá para contratações?

Por Eduardo Gabardo/Interino

Bookmark and Share

Internacional precisa melhorar

02 de fevereiro de 2015 20

Com a Libertadores como prioridade, o Inter tem duas semanas para evoluir. No empate, com derrota nos pênaltis, contra o Lajeadense, foi possível perceber que Diego Aguirre terá bastante trabalho pela frente. Dos novos contratados, Léo ainda não confirmou e de Nilton se espera muito mais. No segundo tempo, com um a menos, o time teve poder de reação. Vale lembrar que em breve Réver e Vitinho poderão ser aproveitados, e Anderson está chegando. Até o jogo contra Monarcas Morelia ou The Strongest, o técnico comandará o time contra o São José, Novo Hamburgo, Cruzeiro e Caxias. Nos três primeiros confrontos, é imprescindível escalar o time titular.

Sem saída

Foto: Jefferson Botega/Agência RBS

Foto: Jefferson Botega/Agência RBS

O Grêmio precisa vender Barcos. Alguns detalhes são fundamentais para a diretoria se desfazer do centroavante. Ele tem apenas mais um ano de contrato, e o clube lhe deve oito meses de direito de imagem. Parte do dinheiro da transação será utilizado para pagar essa dívida. O restante, para bancar a rescisão de Kléber. O presidente Romildo Bolzan aguarda que o Changchun Yatai, da China, aumente o valor da proposta para bater o martelo. É preciso entender a situação. A corda está no pescoço. E, além disso, Felipão tem à disposição Marcelo Moreno, que será valorizado como titular absoluto da equipe.

Força xavante

Depois de terminar 2014 em alta, o Brasil abriu o Gauchão da melhor maneira possível. A vitória contra o Caxias, dentro do Centenário, mostrou que o Xavante, com a base do vice-campeonato da Série D, é a grande força do Interior no momento. Vale lembrar que o primeiro adversário na Copa do Brasil será o Flamengo, no Bento Freitas.

Imperador sem clube

Não deu certo a negociação do Le Havre, da segunda divisão da França, para contratar o centroavante Adriano. Na última hora, o investidor Christopher Maillol não aplicou os recursos e o negócio foi desfeito. Dessa maneira, o imperador segue inativo. Seu último clube foi o Atlético-PR, no primeiro semestre de 2014. Aos 32 anos, a última vez que jogou em alto nível foi em 2009, no título brasileiro do Flamengo. Seis anos depois, é impossível acreditar que isso volte a se repetir.

Fechou o tempo

No sábado, integrantes de uma torcida organizada do Flamengo invadiram o vestiário do Macaé e agrediram o goleiro Ricardo Berna, revelado pelo Fluminense. Pois a confusão não terminou. O Flamengo emitiu uma nota oficial manifestando “estranheza pelo incidente ter ocorrido quando o clube se posicionou contra a postura ditatorial da Federação Carioca”. Independentemente das brigas, o mais importante no momento seria identificar e punir os responsáveis pela agressão covarde.

Perguntinha
Lincoln deve ser titular do Grêmio?

Por Eduardo Gabardo / Interino

Bookmark and Share

Inter estreia fora de casa e em pleno Carnaval

24 de janeiro de 2015 38
Diego Vara

Diego Vara

A estreia do Inter na Libertadores está marcada para o dia 17 de fevereiro, que cai na terça-feira de Carnaval. O que é pior, fora de casa. O adversário sairá do vencedor de Monarcas Morelia x The Strongest. Assim, nada de festa e muito trabalho no Beira-Rio. Como existe a necessidade de viajar com antecedência, a direção já começou o planejamento. O deslocamento em voo fretado é a tendência, seja qual for o rival vindo da Pré-Libertadores. Se a partida for no México, a dificuldade será a distância. Se for na Bolívia, o inimigo será a altitude de 3,6 mil metros. Por isso, há a possibilidade de ficar alguns dias em Santa Cruz de la Sierra, ao nível do mar, antes do embarque para La Paz.

 

Luiz Adriano e Taison

Volta e meia surge no noticiário a possibilidade de retorno dos dois atacantes do Shakthar ao Inter. Taison tem ainda dois anos de contrato na Ucrânia. Disse que pretende cumpri-los e depois voltar ao Beira-Rio ou atuar em outro clube europeu. Luiz Adriano, convocado por Dunga no final de 2014, tem mercado entre as potências do velho continente, já que é o artilheiro da Liga dos Campeões. Dificilmente ficará na Ucrânia.

 

Cobertor curto

Depois de perder Ramiro por lesão e ainda sem Walace, que está na seleção sub-20, Felipão aposta na base, principalmente no volante Araújo. Mas também testou os laterais Galhardo e Marcelo Oliveira no meio-campo. Os dois podem render bem por ali, inclusive Galhardo teve seus melhores momentos no Bahia nesse setor. Mas é a velha história do cobertor curto. Com eles no meio, faltam laterais. Na direita, há Matías Rodriguez. Na esquerda, Marcelo Hermes. Para brigar pela titularidade, por enquanto, é isso.

 

Forlán

Craque da Copa de 2010, Diego Forlán não consegue mais jogar em alto nível. A passagem pelo Inter não empolgou, foi mal na Copas das Confederações e do Mundo. Aos 35 anos, mantém a forma nas férias em Montevidéu. Semana que vem, deve se reapresentar ao Cerezo Osaka, do Japão. Lá também não foi bem, e o time acabou rebaixado. Nos últimos dias, Bengochea, técnico do Peñarol, conversou com ele sobre um retorno. Ficou só na conversa.

 

Pato

O atacante revelado pelo Inter é outro que está em baixa. Harry Redknapp, técnico do Queens Park Rangers, penúltimo colocado do Campeonato Inglês, disse que Pato foi oferecido, mas não interessa. Atualmente no São Paulo, não tem mais mercado entre os grandes da Europa. Nesse caso, nem em um clube médio.

 

Perguntinha: Qual é o clube do Interior melhor preparado para o Gauchão?

 

Por Eduardo Gabardo/Interino

Bookmark and Share

Direção do Grêmio precisa descobrir onde está o furo da bala

15 de abril de 2014 13

Vale uma reflexão. Neste momento complicado, após uma goleada, a perda do Gauchão para o seu maior rival, todos os que vestem azul, preto e branco estão atrás de explicações para o que aconteceu, pedem mudanças no comando técnico, dispensa de jogadores, tudo o que sempre acontece após um fracasso.

Se quiser voltar a acertar o passo, sonhar com o fim de jejum de títulos, a primeira coisa que a direção tem a fazer é descobrir onde está o furo da bala, quais os motivos que impedem o clube de atingir os objetivos ou, em outras palavras, entender que as vitórias só acontecem para quem sabe porque perde.

Troca

Deu mais do que certo. Verdade que D’Alessandro é diferenciado, que Alex jogou dois clássicos em alto estilo, que Aránguiz defendeu e atacou com muita qualidade, mas o maior mérito da conquista deve ser creditado na conta do técnico Abel Braga, que descobriu a tempo a necessidade de colocar Alan Patrick no time.

Com a mudança, o Inter ganhou mais um jogador habilidoso, de muita movimentação, que aparece na recomposição com rapidez, se apresenta como opção na hora de atacar e, pelo menos por enquanto, deixa o Colorado com muito mais qualidade no principal setor.

Melhores

É hora dos melhores. Após a maratona de jogos, a seleção da coluna ficou assim: Marcelo Grohe (Grêmio); Gilberto (Inter), Fernando Cardozo (Brasil-Pe), Rhodolfo (Grêmio) e Fabrício (Inter); Aránguiz (Inter), Riveros (Grêmio), D’Alessandro (Inter) e Alex (Inter); Barcos (Grêmio) e Rafael Moura (Inter).

Entre os técnicos, Abel Braga, perfeito nos dois clássicos decisivos, fecha o Gauchão com o título de melhor, enquanto o árbitro Márcio Chagas de Freitas, com muito mais acertos do que erros, acabou como destaque entre os apitadores.

Prejuízo

Aconteceu de novo. Quando já se preparava para soltar o grito de campeão, o Vasco sofreu outro gol irregular do Flamengo, viu o título do Cariocão escapar e, como não poderia de ser, botou a boca no trombone.

Apesar de perder um título que estava na sua mão, o Vascão mostrou que tem muito mais bola do que tinha em 2013 e que vai passar pela Segundona de cola erguida.

Proeza

Foi bem merecido. Com sangue, suor e lágrimas, o pequeno Ituano levou um gol no primeiro tempo, segurou a bronca no resto do tempo, empurrou a decisão do Paulistão para os pênaltis e derrubou o favorito Santos.

Uma façanha de um clube que fez belo campeonato, que parecia apenas coadjuvante e conseguiu um título que entrou para a história do futebol.

Perguntinha

No Beira-Rio seria diferente o Gre-Nal?

Bookmark and Share

Grêmio nem viu a placa do Colorado que o atropelou

14 de abril de 2014 21

Nem deu para ver a placa. Consciente da bela vantagem, o Inter começou a decisão mais preocupado em administrar, passou a maior parte do primeiro tempo sem a bola, mas foi cirúrgico num dos poucos ataques. Abriu o placar com a ajuda de um erro do zagueiro Werley e foi para o intervalo ainda mais tranquilo do que já estava.

No início da etapa final, com o Grêmio mais aberto, na busca da reação, o Colorado marcou três vezes em poucos minutos, selou a goleada, liquidou com o maior rival – que ainda descontou com um gol contra -, botou a mão na taça de tetracampeão e confirmou a melhor campanha do Gauchão com um atropelamento que ninguém imaginava.

Qualidade

Valeu a qualidade. Nestas duas vitórias seguidas, neste título de tetracampeão, que acabou com um surpreendente 6 a 2, ficou muito claro que, no momento, o Inter tem mais bala na agulha do que o Grêmio. Acima de tudo, no meio-campo, lugar onde quase todas as coisas se decidem dentro das quatro linhas.

Claro que cada jogo é um jogo, que cada competição é uma competição, que o futebol muda do dia para a noite, mas, pelo que se viu na disputa regional, principalmente nos dois clássicos decisivos, não é exagero dizer que, antes de a bola rolar, a turma do técnico Abel Braga é quem começa o Brasileirão com mais chances de chegar.

Diferenciado

Até as paredes sabem que o futebol é coletivo, mas o grande diferencial a favor do Inter chama-se D’Alessandro, capitão, líder de vestiário, que joga fácil, trata a bola como se fosse um simples brinquedo, desequilibra um jogo numa única jogada, tira os adversários do prumo, prática quase incomum nos dias atuais.

Mais experiente a partir de amanhã, quando comemora seu 33 anos, o gringo fecha o Gauchão como dono do título de craque da competição, com todo merecimento, e com a incumbência de continuar exibindo sua classe e fazendo a diferença, a partir de sábado, no sempre complicado Brasileirão.

Alerta

Não acabou o mundo. Verdade que não foi uma derrota qualquer, que vai exigir muita conversa nos próximos dias, mas a missão de todos que cuidam dos interesses do Grêmio é bem simples: curar as feridas e seguir correndo atrás do objetivo.

Em quase dez dias, com toda certeza, o técnico Enderson Moreira vai achar um jeito de fazer seus jogadores esquecerem a goleada, o Gauchão e seguirem a vida atrás da Libertadores.

Decisão

Pode ter sido o último. Ainda muito machucado com o episódio que viveu na Montanha dos Vinhedos, o árbitro Márcio Chagas da Silva, ao final do Gre-Nal, anunciou que pode pendurar o apito.

Tudo indica que, nos próximos dias, o responsável pela direção do último jogo do Gauchão, na Serra, vai pesar os prós, os contras, conversar com os familiares, com os amigos e bater o martelo.

Perguntinha

Qual é o melhor time do futebol brasileiro?

Bookmark and Share

Grêmio precisará jogar muito mais no Gre-Nal se quiser o caneco

11 de abril de 2014 23

Deu a lógica. Mesmo sem jogar grande coisa, o Grêmio derrotou o eliminado Nacional. Chegou aos 14 pontos e fechou a fase de grupos com a segunda melhor campanha. Atingiu o único objetivo que perseguia, ontem, na Arena. Agora terá pela frente o argentino San Lorenzo, com o último jogo dentro de casa.

Antes disso, porém, a turma do Humaitá vai respirar, pensar e sonhar com o clássico Gre-Nal do Centenário. Terá que jogar bem mais do que contra os uruguaios se quiser reverter o quadro.

Frustração

Não estava no cardápio. Dono da melhor campanha geral, com o direito de decidir em casa, o Inter, mais uma vez, vai subir a Serra, jogar com muito menos público do que jogaria no Beira-Rio, o que não deixa de ser uma enorme frustração para a torcida e jogadores.

Verdade que o Centenário tem um bom gramado, que o time de Abel está mais adaptado ao ambiente do que o rival, mas a transferência do local é dessas coisas que fica bem difícil de entender, depois de dois eventos grandiosos e sem nenhum incidente.

Sumiço

Tem ruído na linha. Como já havia acontecido no primeiro jogo, o argentino Messi, acostumado a desequilibrar, quase não foi visto em campo na decisão contra o Atlético Madrid, virou jogador comum na eliminação e passou a impressão de que está longe da melhor forma física e, consequentemente, técnica.

Após essas duas fracas atuações, muito abaixo do que quase sempre acontece, é muito fácil adivinhar que a turma responsável pela seleção argentina já detectou o problema, sabe onde atacar a dificuldade, tudo para o gringo dar o máximo e tentar fazer a diferença na Copa.

Decepção

Não adiantou nada. A direção antecipou salários, a torcida lotou o Maracanã, mas o Flamengo, em campo, perdeu para o mexicano León e virou assistente da Libertadores.

Nesta justa eliminação, sobrou empenho, e a coisa só terminou do jeito que terminou por um motivo muito simples, que está acontecendo com quase todos os clubes brasileiros: falta de qualidade.

Reviravolta

Já é um começo. Ao contrário do primeiro julgamento, o Esportivo foi punido, pelo mesmo TJD, pelos atos de racismo contra o árbitro Márcio Chagas da Silva. Acabou rebaixado.

Aconteça o que acontecer no STJD, a última instância que resta ao clube de Bento Gonçalves, a decisão de ontem foi o primeiro passo para acabar com essa praga no futebol e na sociedade.

Perguntinha

Quem vai comemorar o Gauchão?

Bookmark and Share

Até o pipoqueiro já sabe o time do Inter para o Gre-Nal

08 de abril de 2014 6

Parece mas não é pouco. Classificado, atualmente com a terceira melhor campanha na geral, o Grêmio vai enfrentar o eliminado Nacional, quinta-feira, na Arena, conhecendo os resultados de outros jogos, sabendo quem pode surgir no seu caminho e com todas as chances de fazer a melhor escolha.

Claro que é importante somar pontos e fechar na ponta da tabela, mas o caminho para o sonhado título passa, também, pela estratégia, que em outras palavras significa evitar confrontos de maior risco, com rivais nacionais, quando as dificuldades, com toda a certeza, serão muito maiores.

Definido

Até o pipoqueiro já sabe. Sem problemas de lesão, satisfeito com o rendimento nos dois últimos jogos, o técnico Abel Braga, se não acontecer nenhum desvio de rota nos treinos da semana, vai escalar o mesmo time que começou o amistoso festivo contra o Peñarol, com uma única mudança: Alex no lugar de Valdívia.

Mesmo que seja uma decisão de título, parece que o chefe do vestiário do Beira-Rio, mais uma vez, vai passar longe do tradicional mistério, expediente utilizado quase sempre em jogos deste calibre e que, na imensa maioria das vezes, não acrescentam coisa nenhuma no desempenho do time.

Triste

É tudo com os motivadores. Quem assiste os jogos do Barcelona certamente vai concordar que o habilidoso Neymar não está nada confortável com essa condição de titular num jogo, reserva no outro. Situação que nunca pensou viver pela bola que joga, pela grana que custou e pela condição de titular da Seleção.

Sempre de olho em tudo, em todos, o técnico Luiz Felipe Scolari certamente vai chamar o quase dono do time brasileiro no dia da apresentação, dizer da sua enorme importância e devolver a alegria que o jogador não está tendo, tudo para que o Brasil possa ter chance de botar a mão na Copa.

Aberto

Segue tudo em aberto. No primeiro dos dois jogos da decisão, Flamengo e Vasco empataram em 1 a 1, reclamaram muito da arbitragem e deixaram a impressão de que tudo pode acontecer nos últimos 90 minutos.

A igualdade deixa o Mengão em vantagem, mais perto de botar a mão na taça, mas é válido dizer que o Vascão tem bala na agulha para fazer a operação.

Qualidade

Tem tudo para dar certo. Após alguns dias de namoro, o Corinthians finalmente anunciou a contratação do volante Elias, que também estava nos planos do Flamengo, mas preferiu o seu antigo amor.

Dono de um fôlego invejável, motivado, tudo indica que o novo reforço do Timão vai acrescentar muita qualidade ao meio-campo e pode ser decisivo para uma boa campanha no Brasileirão.

Perguntinha

Vamos ter um Gre-Nal sem brigas?

Bookmark and Share