Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

EMBARQUE NESTA AVENTURA: CANOAGEM NAS CORREDEIRAS DO RIO DA PRATA!

02 de fevereiro de 2011 3

A região de Joinville é abençoada pelas suas águas, repleta de rios lindos, nascentes e cachoeiras. A grande maioria nasce na Serra Dona Francisca ou chegam por ela, sendo assim, possibilitam a prática de canoagem em corredeiras, esporte muito apreciado no Mundo todo.

Em Joinville, poucos aproveitam o enorme potencial esportivo de seus rios, porém, existe uma pequena turma que se aventura descendo corredeiras sempre que ocorre muita chuva por aqui, composta por mim (Alexandre Pierre Mattei), Moacir Conrad e Sidnei Bruske.

Nesta primeira aventura, irei  contar como foi a descida do Rio da Prata no dia 22/01/2011 (dia das enchentes na nossa região).

Vamos nessa?

“Toda descida começa bem antes de colocar os caiaques na água. Com alguns dias de antecedência, podemos saber se tem boa previsão de chuvas e daí começam os contatos para ver quem pode ir, qual horário, qual será o rio e outros assuntos necessários.

Já sabíamos que poderia chover neste meado de janeiro, mas não imaginávamos que seria tanto! Na sexta-feira o Moacir me ligou dizendo que a turma do Clube Kentuck, de Jaraguá do Sul, também viria a Joinville fazer a decida do Rio Cubatão, mas acabaram desistindo em virtude dos problemas nas estradas. Resolvemos então descer somente nós dois mesmo, pois este esporte não é aconselhável  ser praticado por uma pessoa só.

O volume dos rios de Pirabeiraba estavam excelentes no sábado de manhã e, ao invés do Cubatão,  resolvemos descer o Rio da Prata. É um rio perigoso para iniciantes de canoagem, ou para bóia-cross, pois guarda muitas “armadilhas” como pontes baixas( conhecidas como “pinguelas”), arames farpados e fios elétricos atravessando de lado a lado o rio, usados pelos colonos da região para conter o gado em suas propriedades. Por ser um rio pequeno, existe também a possibilidade de árvores caídas, o que pode ser uma grande ameaça aos canoístas.

Não conseguimos subir a Estrada Rio da Prata até o final, pois a Prefeitura interrompera a passagem para consertar as manilhas danificadas na madrugada de sexta –feira para sábado. Decidimos descer daquele ponto mesmo, pois já tínhamos subido bastante e teríamos um bom percurso até o cruzamento do rio com a SC 301.

Começamos a descer o rio e logo de cara várias corredeiras fizeram a nossa alegria, sendo que escolhemos alguns refluxos de pequenas quedas para praticar Rodeio, que é uma espécie de surf nas ondas desses refluxos.

 A natureza do Rio da Prata é exuberante, com muita mata tropical, água cristalina, lagoas e revelando  também sítios maravilhosos com suas exóticas casas dos colonos de origem alemã.

 Infelizmente vários colonos não respeitam os 30 metros de recuo de rio exigidos pela legislação ambiental e criam gado no local onde deveria existir mata ciliar, ocasionando quedas das margens e consequente assoreamento. Outro problema que sempre reparamos por ali são plantações de Eucaliptos e pastagens nos morros, nitidamente locais que deveriam ter somente mata nativa.

O Rio da Prata nos oferece várias quedinhas deliciosas, como pode ser visto nas fotos, feitas pela Marilise, esposa do Moacir e nossa fotógrafa oficial.

Além de fotógrafa, a Marilise é o nosso “resgate” também e foi o que ela fez na nossa chegada à SC 301.

Valeu pelo desafiador Rio da Prata, pelos momentos de pura adrenalina que passamos, pelas quedas, refluxos, pelo clima alemão da região… valeu tudo e ficamos muito felizes pela escolha acertada, com gosto de “quero mais”.

Toda aventura termina com um almoço na casa de alguém ou em algum restaurante para relembrarmos os momentos da expedição e desta vez não foi diferente…

Para quem tem interesse em participar desta turma, entre em conato pelo e-mail canoagemjoinville@gmail.com

Comentários (3)

  • Marilise Ronchi Conradi diz: 7 de fevereiro de 2011

    É Alexandre Flipper realmente um dia maravilhoso, vale ainda comentar a brincadeira de bóia-cross na quedinha show nos fundos do seu sítio, o almoço e a recepção calorosa da Márcia. Dia para ser lembrado por muitos anos…
    Valeu, um grande abraço!

Envie seu Comentário