Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "daniel casas"

Montanhismo - CuruPáscoa

11 de abril de 2012 0
João Cassol na Pedra Lascada (9a)
.
Por: Daniel Casas.
Mais um feriado incrível com pedra seca e muitas cadenas no Parque Natural Braço Esquerdo ou Corupax para os mais íntimos!!!
Muita gente de fora a provar pela primeira vez o conglomerado do setor, os locais batendo o ponto e até alguns escaladores que aparecem no setor apenas uma vez por ano…rsrsrs !!!!
.
João Cassol na Pedra Lascada (9a)
.

Esse verão vai ficar marcado na história do setor pela boa vibração que assolou o pico.
Nessa onda foram abertas novas vias e variantes, trabalhos de contenções de erosão nas bases e acessos às vias e principalmente no meu ponto de vista, o fortalecimento de uma comunidade de escaladores assíduos, comprometidos com o setor e com o desenvolvimento da escalada.
Hoje o setor de escalada de Corupá está entre os melhores do Brasil para a prática da escalada esportiva!!!

Cotozinho na cadena da Sinapse Nervosa (8c)
.
Cotozinho na cadena da Sinapse Nervosa (8c)
.
Edu Pedro provando a Legumes Flutuantes (7b)
.
Rogério na via Badalhoca (8c)
.
.
ALERTA IMPORTANTE (retirado do Facebook de Gislaine Gis, frequentadora assídua do setor):
PARA TODOS QUE VÃO ACAMPAR NO BRAÇO ESQUERDO / CORUPÁ: na última sexta-feira tive uma dor de cabeça que foi piorando gradualmente até o ponto de procurar o hospital onde fui internada e obtive o diagnóstico de MENINGITE VIRAL!!! Ainda ñ tenho o agente etiológico, mas meningites virais geralmente têm como agente os do gênero enterovírus (Há várias espécies). A forma de transmissão desse vírus é fecal-oral. Geralmente se dá através da ingestão de ÁGUA CONTAMINADA!! O período de incubação varia de 1 a 35 dias – depende de muitos fatores. Os Enterovírus têm comportamento sazonal, predominando no final do verão e início do outono. . A duração
da doença geralmente é menor que uma semana. Os SINAIS E SINTOMAS mais comuns de infecções por enterovírus são, dor de garganta, dores articulares, dores musculares, dor de cabeça muito intensa. A meningite pode cursar com as seguintes características: febre, apatia, anorexia, dor e/ou rigidez na nuca, vômitos sem relação com a alimentação, dor no fundo do olho, com edema de papila… Outros sinais e sintomas que podem estar presentes são: sensibilidade à luz,erupção cutânea, diarréia e dor muscular.
CINCO ESCALADORES (ao menos dos que tive contato) QUE ESTIVERAM ESCALANDO EM CORUPÁ, QUE INGERIRAM DA ÁGUA DE LÁ, tiveram alguns desses sintomas em maior ou menor grau. E eu acredito que fui a única a submeter-se à coleta de líquido cefalorraquidiano (líquido da espinha) para diagnosticar isso. Fazendo a cronologia dos eventos, a única fonte de contaminação possível é a ÁGUA DO SETOR UTILIZADA PARA COMIDA E BEBIDA!
SENDO ASSIM, LEVEM ÁGUA MINERAL OU FERVIDA DE SUAS CASAS QUANDO FOREM PARA LÁ!!!!
Falarei com o César para comunicação à Vigilância Epidemiológica de S. Bento para as medidas cabíveis!


Diogo Raniere, o “Diretor”
.

ESCALADAS DE ALTO NÍVEL

27 de fevereiro de 2012 0

Daniel Casas na via Humildade no Ar (10a). Foto: Daniele Pinto

Acompanhando o crescente aumento e desenvolvimento da prática da Escalada em Rocha no país, o setor que vem se destacando no cenário nacional chama-se Parque Natural Braço Esquerdo, próximo à cidade de Corupá (SC).

A principal característica desse setor é a excelente qualidade do tipo de rocha chamada de Conglomerado, que aliado a inclinação negativa das paredes, tornam a escalada desse lugar tão peculiar.

Flora Zugaib na via Abonai (8b). Foto: Daniele Pinto

O cenário onde estão inseridas as vias de escalada é incrível, o local é bem conservado, em meio a rica biodiversidade da Mata Atlântica. Com rios e cachoeiras de água límpidas.  A melhor época é durante o verão, pois as paredes ficam bem secas e passam o dia inteiro na sombra, além da excelente opção de um bom mergulho entre uma escalada e outra.

Foto: Daniel Casas

O tipo da rocha não podia ser melhor e propiciou paredes repletas de boas agarras, com diferentes formas e texturas, principalmente buracos. De monodedos a agarrões, passando por bidedos, abaulados, pinças e até alguns regletes, ou seja, uma variação incrível. Textura abrasiva e de grande aderência.

Elton Koga na via Sinapse Nervosa (8b). Foto: Daniel Casas

O setor propicia escalada em um estilo bem específico, que exige do escalador uma boa dose de criatividade para passar os lances impostos pelas vias, gerando uma infinidade de movimentos e possibilidades. Outra característica é a dificuldade de se escalar “a vista”, justamente pelas agarras não seguirem um padrão de pegas.

Izabela Cardoso na via Dona Lila (7a). Foto: Daniel Casas

Outro destaque do setor é o grande número de vias de alta graduação, ao todo são doze acima de 10a, de um total de quase cinquenta. É o local onde estão as vias de escalada esportiva mais difíceis de Santa Catarina.

Para quem está escalando esse nível de dificuldade, com certeza vai se divertir nas linhas mais clássicas como a Seixo-no-ia (9c), Humildade no Ar (10a) e Eskavusca (10b) e para quem quiser ainda mais, tem sete projetos já equipados esperando a primeira ascensão.

Gislaine Gis na via Seixo-no-ia (9c). Foto: Daniel Casas

Vias fáceis são minoria, porém não perdem em nada em qualidade. Para quem está começando tem uma de 4.º grau (Chivas), vias de 6.º grau tem quatro e de 7.º tem seis. Entre as clássicas estão a Anônima (6sup) e Dona Lila (7a). Sem dúvida um setor impressionante!

Caiana da Silva na via Anônima (6sup). Foto: Daniel Casas

Além das belas paredes naturais o Parque possuí vários outros atrativos que podem ser acessados por trilhas em meio a mata, entres eles a Caverna da Fuga e a Cachoeira do Braço Esquerdo, com mais de 100 metros de altura. As trilhas são de dificuldade leve e revelam vários lugares interessantes, piscinas naturais, pequenas quedas-d’água, além de belos mirantes para o vale e outras montanhas da região.

Caverna da Fuga. Foto: Daniel Casas

Visual do vale. Foto: Daniel Casas


Mais informações sobre escalada no Parque Natural Braço Esquerdo no blog Ecos da Montanha – www.ecosdamontanha.blogspot.com ou na Fan Page da Salamandra Escola de Montanha no Facebook – www.facebook.com/SalamandraEscolaDeMontanha

Contato com a administração do Parque: (47) 9974-7874

Marcio Gualberto na via Seixo-no-ia (9c). Foto: Daniel Casas

Concentração. Foto: Izabela Cardoso


Daniel Juliano Casas: Praticante assíduo de montanhismo desde 1988. Faz parte do Corpo de Guias da Salamandra Escola de Montanha, sócio fundador da Associação Joinvilense de Montanhismo. Apoio: Hard Adventure, Fitness Online e Resseg .

BUSCA E SOCORRO EM MONTANHA

10 de fevereiro de 2012 0

No dia 12 de Janeiro de 2012 foi criado oficialmente o GVBS Joinville – GRUPO DE VOLUNTÁRIOS DE BUSCA E SALVAMENTO vinculado à Defesa Civil de Joinville. O grupo tem o objetivo de apoiar os órgãos de resposta (Policia Militar, Bombeiros dentre outros) nas operações de resgate em montanhas e áreas remotas na região de Joinville.

O GVBS de Joinville terá como área de atuação prioritária a região Nordeste do Estado de Santa Catarina. O que abrange preponderantemente a Serra do Piraí e a Serra do Quiriri, nas quais estão localizadas, dentre outros, o Pico do Jurapê, Castelo dos Bugres, Morro Pelado, Morro do Tromba e Monte Crista.

O grupo seguirá os procedimentos recomendados pelo Ministério do Turismo no manual de implementação do GVBS, denominado ‘Turismo de aventura, viaje nessa com segurança’, no qual são indicados todos os passos de como devem funcionar o GVBS.

Em Joinville o grupo foi criado com essa denominação, mas provisoriamente atuará como um grupo de voluntários vinculado a Defesa Civil Municipal por meio do NUDEC (Núcleo de Defesa Civil).

Apesar de já contar com voluntários experientes em montanhismo, escalada, radioamador e outras atividades, a equipe realizará treinamentos e capacitações em procedimentos médicos, gerenciamento de operações de busca e salvamento e outras atividades que tenham relação com os objetivos do grupo.

As reuniões são realizadas na sede do Clube de Radioamadores de Joinville (CRAJE), na Rua Saguaçú, n. 365.

Está aberta a possibilidade de adesão para novos voluntários até a data de 19 de fevereiro de 2012.

Para obter maiores informações sobre o grupo contatar o Coordenador Sérgio de Oliveira Netto através do email netto_sergio@hotmail.com, ou o vice-coordenador Jairo Dias avatardoidodepedra@gmail.com

Por: Sérgio de Oliveira Netto

Fonte: http://www.ecosdamontanha.blogspot.com/

100 ANOS DE MONTANHISMO NO BRASIL

22 de novembro de 2011 0
Em 2012 vai fazer 100 anos que o montanhismo começou a ser praticado no Brasil, tendo como marco simbólico a conquista do Dedo de Deus, na Serra dos Órgãos (RJ).

Venha festejar o centenário na 1ª Semana Brasileira de Montanhismo**, um grande evento que vai acontecer na Urca, Rio de Janeiro, entre 23 de abril e 1º de maio de 2012.
Além de reunir toda a comunidade de montanhistas e admiradores em geral, o evento visa também: (1) honrar o compromisso das entidades com a ética de montanha e a proteção do meio ambiente e (2) organizar o futuro do montanhismo e da escalada no Brasil.
Por isso, a Semana vai congregar uma série de eventos:
2º Congresso Brasileiro de Montanhismo e Escalada.
2º Encontro de Parques de Montanha do Brasil.
1º Encontro de Pesquisas Sobre Uso e Conservação de Montanhas.
25ª Abertura de Temporada de Montanhismo (ATM)*.
Campeonato Brasileiro de Escalada Esportiva.
Cine Montanha na Praça*.
Curso: Acesso e Conservação em Áreas de Montanhismo.
Exposição “Cem Anos de Montanhismo no Brasil”*.
Exposição fotográfica*.
Palestras com atletas internacionais convidados.
Workshops de segurança em escalada.
* eventos gratuitos e abertos ao público em geral
** Realização: Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME)
Organização: Federação de Montanhismo do Estado Rio de Janeiro (FEMERJ)

Montanhismo em Joinville - Programação de Novembro

14 de novembro de 2011 0

MOVIMENTE-SE!

Programação de Caminhadas em Montanha:

Dia 13/nov – Castelo dos Bugres

Dia 15/nov – Cachoeira do Braço Esquerdo

Dia 19/nov – Trilha Antiga Mutucas

Dia 27/nov – Monte Crista

Dia 04/12 – Morro do Canta Galo

Curta nossa Fan Page no Facebook e fiqu e por dentro das nossas atividades!!!

Bons Ventos Equipe Salamandra – http://asalamandra.com.br/

MONTANHISMO - Garotas Dedos Fritos

27 de outubro de 2011 0

Flora na via Abonai (8c). Foto: Daniele Pinto

O Calendário Garotas Dedos Fritos foi idealizado com o objetivo de divulgar a escalada em rocha a partir de suas belezas naturais, assim como incentivar a prática deste esporte que remonta a uma tradição secular, e que além dos seus diversos benefícios físicos, proporciona uma maior compreensão do corpo humano em relação ao meio ambiente em que vivemos. (fonte: http://calendariogarotasdedosfritos.blogspot.com/)
Para o ano de 2012 as páginas do Calendário apresentará Escaladoras e Setores de Escalada do Brasil. Com esse intuito a Salamandra Escola de Montanha foi convidada a colaborar e apresentar um setor de escalada aqui em Santa Catarina, assim, logo pensamos em Corupá.
Para completar a equipe juntou-se a nós, a escaladora Flora Zugaíb patrocinada pela Campo Base e a escaladora e fotógrafa Daniele Pinto.

A equipe em ação. Foto: Izabela Cardoso


A via escolhida foi a Abonai (8c) uma das clássicas do Setor Principal. Em dois dias produzimos um ensaio fotográfico bem legal, tentando em uma só imagem captar e apresentar os atributos que fazem desse setor um lugar tão especial.

Daniele Pinto. Foto: Izabela Cardoso

” Vai Flora, mais uma vez…” Foto: Dani Casas

Flora e Dani, conferindo os resultados. Foto: Izabela Cardoso

Outros trabalhos de fotografia de Daniele Pinto pode ser visto em seu site – www.imaginate.com.br

Flora na via Abonai (8c). Foto: Daniele Pinto


Como profissional, vejo esse tipo de trabalho muito importante para o desenvolvimento do esporte, pois além de apresentar os setores de escalada com belas imagens, gera todo um conjunto de atividades profissionais de escalada a se desenvolver, como a fotografia e a exposição de atletas e seus patrocinadores. São esses trabalhos que garantem a qualidade do desenvolvimento da escalada e de todo o mercado produtor e consumidor que envolve o esporte.
Em breve o Calendário Garotas Dedos Fritos 2012 será lançado e todos poderão conferir as belas imagens.


LITORAL SUL – UM ROLÊ PELAS ROCHAS

20 de outubro de 2011 0


Para que gosta de unir Escalada em Rocha + Praia, a cidade de Laguna é um destino perfeito! Foi com esse objetivo que mais uma vez rumei ao litoral sul catarinense para apreciar e desfrutar de bons momentos junto ao granito abrasivo dos costões rochosos a beira mar.

Via Perdendo a Virgindade (6 sup)

Aproveitando a oportunidade de participar do 2.º Encontro de Escalada do Litoral Sul Catarinense, que foi realizado nos dias 7, 8 e 9 de outubro, pude conciliar trabalho e diversão, rever e fazer novas amizades e claro, escalar muito.

Gerson escalando na Taba

O evento foi alucinante e mostrou mais uma vez a comunidade escaladora o potencial da região. Rolou oficina de escalada, desafio de boulder, confirmação de graus, palestras, projetos encadenados e outros que ficaram para outra oportunidade. A concentração do evento foi na Pousada Vila Gravatá e as atividades oficiais aconteceram na praia do Gravatá e no setor da Taba (praia da Tereza).

Galera curtindo o domingo de sol no setor

No sábado a tarde pude contribuir com o evento ministrando uma Oficina de Técnicas de Escaladas em Fendas, onde  apresentei como se movimentar, se posicionar e progredir nesse tipo específico de escalada. Quem participou teve a oportunidade de melhorar seu desempenho na rocha e aumentar seu repertório de técnicas.

Oficina de Escaladas em Fenda, setor Cuvanca

Oficina de Escaladas em Fenda, setor Cuvanca

Durante a noite além de muita confraternização e diversão, teve a palestra com o presidente da ASGEM – Associação Serra Geral de Montanhismo (Marlon R. Silva) que apresentou aos presentes os princípios de Mínimo Impacto em Ambientes Naturais e algumas das ações da associação. Teve também a apresentação fotográfica feita pelo Filipi Ronchi sobre a primeira ascensão do Morro da Mina, uma das maiores vias de escalada da Serra Geral. Para fechar a noite teve o Desafio de Boulder, uma pequena competição de escalada feita no muro da pousada, confiram a classificação:

Categoria Masculina

1.º lugar Eduardo Sorriso

2.º lugar Daniel J. Casas (Salamandra Escola de Montanha)

3.º lugar Diego Hennig Winckler (Montanha Equipamentos)

Categoria Feminina

1.º lugar Izabela Cardoso (Núcleo Mutucas)

2.º lugar Juliana Folchetti

3.º lugar Luana Martins (Grupo Aventura)

Filipi Ronchi mostrando as fotos do Morro da Mina

Eduardo Sorriso no Desafio de Escalada

No domingo o destino foi o setor da Taba, na praia da Tereza, um lugar muito legal e com muitas vias de fendas. Essa é a terceira vez que vou nesse setor e sempre tem coisa nova pra entrar. Foi um lindo dia de sol e todos aproveitaram e escalaram bastante.

Setor da Taba, muitas fendas para escalar

O evento envolveu cerca de 100 pessoas. Teve como patrocínio a Hard Adventure, Terrain, Sapo Agarras, Grupo Aventura, Montanha Equipamentos, Garopaba Vertical, Alpino e a 4 Climb. Os apoiadores foram: Salamandra Escola de Montanha, Pousada Vila Gravatá, Território dos Canyons, Trilhas & Montanhas, Centro de Escalada Granito, Reduto Natural e Semente Cristal. As entidades que estiveram representadas foram: FEMESC, ASGEM, Grupo de Montanhismo Tubaronense.

No total fiquei cinco dias na região trabalhando e escalando. Durante minha estada tive a oportunidade de aperfeiçoar três novos alunos na arte de escalar, ministrando o curso Avançado de Escalada. Poder compartilhar meus conhecimentos às pessoas que estão dispostas a aprender e evoluir no esporte é sem dúvida muito gratificante.

Curso Avançado de Escalada – Salamandra Escola de Montanha.

Fernando Bode praticando escalada em artificial durante o curso

Tiago Tatu aprendendo a lidar com os jumares

Davi praticando escalada em artificial durante o curso

Pude também conhecer 4 novos setores na região. O da praia do Gravatá foi o que mais gostei, uma bela praia deserta com muitas vias e boulders para escalar. Entre os projetos que esperavam a primeira ascensão era a fenda Coisas de Su (7a), que equipei em móvel e mandei guiando, foi alucinante.

Trilha para a praia do Gravatá

Izabela nas fendas da praia do Gravatá

Davi aprendendo a lidar com os equipos móveis

Na noite de segunda feira fui conhecer os boulders no Canto da Baleia na praia do Gi. A temperatura estava muito agradável e sob a luz das lanternas escalamos alguns lances. O mais incrível chama-se Endorfina e trata-se de um possível V9, digo possível pois não rolou de mandar, mas fiquei instigado e pretendo logo voltar a tentá-lo.

Escalamos também na falésia do Medíocre onde tem várias vias grampeadas e algumas ainda esperavam a primeira cadena. Mandei a Pirci no Mamilo Medíocre (8c) na segunda tentativa e a fenda do Medíocre (6 sup) a vista. Essa falésia se localiza na região de Laranjeiras e para quem gosta de vias esportivas de granito vale a visita.

No último dia, já quase sem pele nos dedos, fomos escalar na Pedra do Leão próximo a cidade de Gravatal. Trata-se de uma parede de 100 metros com várias vias no estilo Tradicional.

Esses dias na região foram uma “maratona de escalada” voltei a Joinville já planejando minha próxima viagem a litoral sul!

Foto 018  Fim de tarde com a cabeça feita de escalada. Foto: Izabela Cardoso

Daniel Juliano Casas: Praticante assíduo de montanhismo desde 1988. Faz parte do Corpo de Guias da Salamandra Escola de Montanha, sócio fundador da Associação Joinvilense de Montanhismo. Apoio: Hard Adventure, Fitness Online e Resseg .

Mais informações sobre montanhismo e escalada:

www.asalamandra.com.br

www.ecosdamontanha.blogspot.com

Técnica de Escalada em Fendas

10 de outubro de 2011 0

A escalada em livre, é um verdadeiro jogo com a força da gravidade, onde o escalador avança por suas próprias forças, sem depender de equipamentos, que servem apenas para segurar em uma eventual queda. Quanto melhor a técnica do escalador, menos força precisará ser empregada, equilíbrio, elasticidade e uma distribuição correta do peso são essenciais, gerando assim uma relação harmoniosa entre força e técnica.

Escalada em fendas: Rachaduras na parede propiciam um modo particular de escaladas, basicamente escala-se entalando mãos, pés e até mesmo o corpo, dependendo da largura das fendas.

Via Fissura da Meia Noite 8a – Setor Beira Mar São Chico


Durante o II
Festival de Festival de Escalada do Litoral Sul Catarinense realizei uma Oficina de Técnicas de Escalada em Fendas.

A ideia é apresentar e praticar a escalada nesse tipo de técnica. Desde fissuras de dedos, mãos, punhos, passando por técnicas de diedro e oposição, até fendas de meio corpo e chaminés!

Quanto maior o repertório de técnicas do escalador melhor seu desempenho na hora do aperto!!!
Fonte:
www.asalamandra.com.br

Montanhismo - Nova Via na Serra Geral (SC)

04 de outubro de 2011 1
Aberta nova via no Morro da Mina na Serra Geral de Santa Catarina!
A primeira ascensão foi levada a cabo por Filipe Ronchi, Sapo e Renato nesse último fim de semana!
Foram necessários 5 dias para abrir a nova linha, com direito a bivaque na parede e tudo.
A via se chama “Um maluco sonhador, porra loca e o segredo” o grau sugerido é de 7a (VIIb/A0) A2 E3, num total de 210 metros divididos em 8 cordadas.
Em breve maiores informações e fotos!!!

No próximo final de semana no 2. Encontro de Escalada do Litoral Sul de SC será apresentado mais informações e fotos dessa nova escalada!
Por: Daniel J. Casas – http://www.asalamandra.com.br/

EXPEDIÇÃO ESTRADA MUTUCAS

27 de setembro de 2011 0

Expedições Salamandra é um projeto na parceria que está rolando entre a Salamandra Escola de Montanha e a Go!Faster. A primeira expedição pronta para receber desbravadores é a Expedição Estrada Mutucas.

Estra trilha levará você a locais de natureza preservada e visual deslumbrante que abrigam parte da história da colonização da cidade de Joinville/SC. Expedição Estrada Mutucas é uma atividade rica em conhecimento, perfeita para exercitar o corpo, relaxar a mente e enriquecer o espírito


O DESTINO
A Expedição trilhará o curso do rio Mutucas morro acima rumo à antiga represa de captação de água construída em 1916, encravada entre belas cachoeiras e cenários de natureza exuberante. Serão 40 minutos de trilha (1.920 metros de caminhada e 210 metros de subida), revivendo o árduo trabalho dos colonizadores na construção desta represa.

APOIO
A Expedição tem o apoio de uma completa infra-estrutura pra garantir a segurança e conveniência do participante:
• Traslado EXPOVILLE / SÍTIO MUTUCAS
• Guias da Salamandra Escola de Montanha
• Hidratação e mesa de frutas ao final da Expedição
• Seguro contra acidentes


ROTEIRO
• Saída 07h da Expoville
• Desembarque no Sítio Mutucas
• Expedição em trilha até a represa (tempo 40 minutos / distância 1.920m / altitude 210m)
• Retorno na Expoville 12h30

QUEM PODE FAZER?
A Expedição Estrada Mutucas é um percurso curto, de dificuldade leve a moderada, para concluí-la é necessário um mínimo condicionamento para caminhadas e não devem haver restrições médicas à esforços físicos.
O número máximo de participantes é 15 e o mínimo é 5.


ENTRE EM CONTATO CONSCO PARA FAZER SUA RESERVA E SOLICITAR MAIS INFORMAÇÕES
Rogério / Revista Go!Faster
rogerio@gofaster.com.br

Daniel / Salamandra Escola de Montanha
djcasas@salamandra.com.br

Fotos: Rodrigo Galdino e Daniel Casas
Mais sobre a Salamandra Escola de Montanha
Mais sobre a Expedição Estrada Mutucas