Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Guia rápido de etiqueta online

25 de setembro de 2012 0

Se você ainda pensa que está tudo liberado na internet, fique sabendo que a coisa não é bem assim. Os serviços online e redes sociais têm políticas de uso, muitas vezes ignoradas pelos usuários na hora de criar uma conta. As medidas servem para ajudar a organizar e preservar os próprios locais na web, da mesma forma que existem certas regras na escola ou trabalho, por exemplo.

A discussão do que pode ou não pode ficou bem mais intensa aqui no Brasil com o período eleitoral. Prova disso foram as ações que chegam a ser absurdas contra os serviços online, como o Vídeo com candidatos de Balneário que poderia tirar o Youtube do ar ou o recente (novo) mandato de prisão do presidente do GoogleBrasil, Fabio Coelho. Mas aqui mesmo foi defendido que a Responsabilidade deve ser do gerador de conteúdo, não da plataforma que hospeda.

Um Marco Civil da Internet no Brasil está em discussão com regras sobre direitos e deveres dos cidadãos na web. Infelizmente a tramitação está emperrada, pois a questão da neutralidade na rede não está clara para quem está montando as regras, além da falta de consenso entre empresas de telecomunicações, provedores de serviço, governo e setores que defendem a ampla liberdade no ambiente online. Vale muito a pena acompanhar a desdobramento (e até mesmo contribuir nas discussões) do que pode ser uma espécie de “Constituição” para o mundo virtual.

Perfil no Facebook da revista The New Yorker foi punido por uma charge, pela alegação de violar a política de uso sobre  anti-nudez e pornografia. A empresa pediu desculpar pelo erro e retirou o material.

O jornal Folha de São Paulo publicou uma matéria bem interessante sobre liberdade de expressão na rede. Também é uma boa leitura, mas a parte mais interessante é um apanhado das  políticas e proibições de cada um dos principais serviços online, que  compartilho a seguir:

Para saber mais - Programa da TV Brasil sobre SOPA, PIPA, ACTA, Marco Civil da Internet e Lei Azeredo.

Bookmark and Share

Envie seu Comentário