Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2013

Um espaço para quem gosta de tecnologia em Itajaí

26 de março de 2013 0

Próximo encontro do HackLab acontece no escritório compartilhado do Grupo Coworking Itajaí (Foto: Divulgação)

Se você mora em Itajaí ou região e gosta de tecnologia precisa conhecer o HackLab Itajaí. O grupo tem o objetivo de manter um hackerspace, que é uma espécie de laboratório comunitário, aberto e colaborativo. Lá acontecem trocas de ideias e experiências entre entusiastas de tecnologia. Além desse intercâmbio, é possível também realizar projetos em diversas áreas, como segurança, hardware, eletrônica, robótica, espaçomodelismo, software, biologia, neurohacking, música, artes plásticas, ou o que mais a criatividade permitir.

Qualquer pessoa pode frequentar o espaço gratuitamente. Normalmente organizados em estrutura similar a um clube, hackerspaces costumam ter fonte independente de financiamento como forma de garantir que o uso da infraestrutura seja livre de formalidades, burocracias ou conflitos de interesse.

O HackLab Itajaí terá um encontro nesta quarta-feira, dia 27, com início às 19h. O encontro é gratuito e acontece no escritório compartilhado do Grupo Coworking Itajaí.
Confira o local no mapa:


Exibir mapa ampliado

Se você não puder ir ao encontro, mas tem interesse, tem um grupo de discussão no Facebook para os entusiastas da tecnologia – HackLab  Itajaí.

Bookmark and Share

TelexFree é o maior golpe online da atualidade

15 de março de 2013 356

Dinheiro fácil sem trabalho. A fórmula mágica para o sucesso financeiro parece ter sido inventada agora com o chamado Marketing Multinível na web. A teoria é bem elaborada, com muitas estatísticas e até depoimentos de beneficiados. Mas acontece que o negócio de hoje  é o velho esquema de pirâmide, que ganhou a repercussão e ferramentas digitais.

World Prelaunch, Muticlick e, principalmente, TelexFree são as “empresas” com maior destaque que prometem dinheiro em tarefas online. A ideia delas é que se forme uma rede de colaboradores (conceito que combina com a web), onde estes pagam uma taxa para entrar e depois tem um suposto retorno. Neste tempo estes precisam captar novos colaboradores, para ganhar dinheiro em cima dos próximos – e assim sucessivamente.

Lembra bastante os esquemas de pirâmide, não? É a mesma coisa, pois em alguns cálculos simples de progressão, a rede com o tempo torna-se insustentável (no 10º nível, de um esquema que começa com 10 pessoas, teríamos quase a população toda do Brasil envolvida). Só que tudo isso é feito enquanto os enganados colaboradores fazem papéis de bobos na web.

Até o Ministério da Fazenda, por meio Secretaria de Acompanhamento Econômico, foi obrigada a emitir uma nota esta semana, para esclarecer que isto é um golpe (“crime contra a economia popular”) de forma oficial.

Clique na imagem para ver direto no site do Ministério da Fazenda.

A TelexFree e outras “empresas” usam a desculpa de trabalhar para um serviço de Voz Sobre IP, para ligações telefônicas mais baratas (numa suposta parceria com operadoras de telefonia). Quem entrar na roubada como colaborador ganharia desconto nas ligações. Bobagem, pois existem vários programas que fazem esse serviço com preço bem mais baixo e até de graça, como o Skype, o Google Hangout, o Facebook e o What´s App.

No Reclame Aqui há 1443 reclamações contra a empresa (em sua maioria, de usuários que se sentem prejudicados pelo software usado pela companhia), sendo que 249 não foram respondidas. A empresa tem nota 7.36 de avaliação no site.

Todas as empresas de Marketing Multinível que atuam na internet também gostam de usar o termo Marketing Digital. Pessoas que realmente atuam na área de forma séria, que estudam para isso, tem arrepios ao ouvir esse termo (leia o slide 32 da apresentação Tendências da Comunicação Digital, por Martha Gabriel).

Outro problema dessas empresas é o spam gerado. Os que caíram no golpe colaboradores passam o dia enviando mensagens (e-mail, mensagem direta pelo Twitter ou Facebook) tentando convencer os outros a entrar, para ressarcir seus gastos. Muitos vezes, os filtros do e-mail não pegam estas mensagens, porque são enviadas de forma nominal e (pelos parâmetros dos robôs do filtro) certos. Esta é a parte mais triste.

Infelizmente, pessoas próximas, que acreditamos ter um mínimo grau de instrução, acabam iludidas pela promessa de dinheiro fácil. É como se o TelexFree e seus derivados fossem um vírus, que afetasse a mente das pessoas e se propagasse pelos canais online delas. E a melhor vacina é a informação contra este tipo de golpe.

Moral da história em vídeo:

(o He-Man foi uma das formas humoradas que o pessoal encontrou para combater e alertar sobre o golpe do TelexFree e outras “empresas” do gênero).

Discorda? Tem dados novos para trazer à discussão? Use o espaço dos comentários para agregar!

Bookmark and Share

Ajude Lara Croft a sobreviver no novo Tomb Raider

10 de março de 2013 0

Imagem: Divulgação - www.tombraider.com

Sobreviver em um ambiente hostil com poucos recursos. Não é mais um episódio de À Prova de Tudo, apesar de Lara Croft parecer a filha de Bear Grylls no novo Tomb Raider (para PC, Xbox 360, PlayStation 3 / Crystal Dynamics e Square Enix / 2013 / versão com legendas em português). O décimo jogo da série, que ficou famosa inclusive no cinema, chega para recomeçar do zero a jornada da arqueóloga britânica que explora tumbas.

A história começa com o naufrágio do navio Endurance, contratado para uma expedição arqueológica. Cenas rápidas e fortes de uma tempestade no mar. Lara, que era uma das tripulantes, sobrevive ao naufrágio e acaba em uma ilha misteriosa (qualquer semelhança com Lost não é coincidência, com coisas estranhas acontecendo). Mas quando está na praia acaba raptada por uma figura estranha, antes mesmo de encontrar com outros tripulantes.  A partir disso, ela começa um caminho bem tortuoso (e sofrido) pela sobrevivência.

A imagem acima foi registrada direto da televisão, por isso está em baixa qualidade. Registrei o início do jogo, onde Lara aparece suja, machucada e assustada dentro de uma tumba.

O roteiro completo é revelado ao longo do jogo por flashbacks, que ajudam a contextualizar o motivo da expedição e o que diabos uma adolescente está fazendo no meio de um lugar chamado Mar do Diabo (onde a ilha está localizada). Esta forma encontrada para contar a história é bem criativa, com uma pequena filmadora, diários dos tripulantes e outros objetos de registro – quanto mais você explora o cenário e encontra coisas, mais história você ganha.

Aliás, uma herança dos antigos jogos da série são os artefatos escondidos. Eles também ajudam a contar mais sobre o que está acontecendo na ilha, além de combinar com o interesse arqueológico de Lara – é legal notar o fascínio dela por máscaras cerimoniais ou pinturas nas paredes. A novidade são equipamentos encontrados em caixas, peças e outros “entulhos” que podem ser usados para melhorar armas e equipamentos (ao melhor estilo MacGyver).

Imagem: Divulgação - www.tombraider.com

O sistema de evolução da personagem também ficou muito bom. Em cada cena de ação concluída, animal caçado ou desafio vencido ganha-se experiência, usada para adquirir novas habilidades. Com o tempo é possível conseguir carregar mais coisas, encontrar melhores recompensas, ficar com a pontaria mais precisa ou melhorar seu Instinto de Sobrevivência.

O Instinto de Sobrevivência é outra novidade de Tomb Raider. É uma visão mais aguçada do cenário, como a visão detetive do Batman. Serve para ajudar a resolver os famosos quebra-cabeças dos cenários, além de dar pistas de objetos importantes ou trilhas de caças. (Não sei se já sou acostumado estilo, mas usar esta habilidade deixa o jogo fácil demais).

Imagem: Divulgação - www.tombraider.com

Esqueça as famosas pistolas duplas de Lara Croft. A principal e melhor arma é um arco (e parece que as flechas brotam em árvores, de tanto que aparece para coletar). Mas no arsenal ainda estão pistolas simples, metralhadoras e rifles. As situações de combate fluem bem, a mira é precisa (até demais para quem nunca tinha usado uma arma antes como ela) e há um sistema de cobertura bem prático (é só ficar próximo de um muro, que é automático).

O jogo é bem linear (segue um caminho e pronto). Mas para quebrar isso há pequenas áreas livres ao redor dos acampamentos, onde é possível caçar e explorar ruínas pelos detalhes extras. Acampamentos são áreas importantes, que servem para salvar o jogo, fazer melhorias em equipamentos ou habilidades – depois de explorados, pode-se viajar automático entre eles.

Imagem: Divulgação - www.tombraider.com

Gráficos, trilha sonora e outros detalhes técnicos estão impecáveis. E tudo ajuda a ressaltar o sofrimento da personagem – aliás, tome cuidado: Lara geme bastante de dor e alguém que estiver ouvindo de outro cômodo pode pensar que você está vendo pornografia.

Outro detalhe que chama a atenção é o novo visual de Lara, que em sua nova versão é bem mais jovem e aparenta ser mais frágil. Não muda em nada a jogabilidade e fica até estranho seu porte realizando certas proezas físicas. Mas de forma geral o jogo é muito bom, principalmente pelos mistérios que só são resolvidos com exploração – muito justo, afinal Lara, assim como Natan Drake, são inspirados em Indiana Jones.

Bookmark and Share