Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2014

Solte a sua imaginação com o LEGO® online

29 de janeiro de 2014 0

As famosas peças de LEGO® ganharam uma versão online muito divertida com o Google. No Build With Chrome (www.buildwithchrome.com/builder) é possível montar casas, edifícios, barcos e tudo o mais que sua imaginação quiser, sem o perigo de machucar os pés depois.

É fácil usar o Build With Chrome com o mouse no computador ou o touch do tablet, pois os comandos são intuitivos, permitindo visualizar de vários ângulos e até personalizar as peças. Mesmo assim, quem precisar de algumas dicas pode querer começar sua jornada no mundo virtual dos blocos coloridos pela Academia de Construção.

google

O recurso mais interessante é poder fazer suas construções em qualquer lugar do mundo. O Build With Chrome está ligado ao Google Earth, o que permite escolher um local real para sua criação virtual, para assim outros usuários poderem ver.

O Google acredita que “a liberdade criativa que os bloquinhos de LEGO® oferecem não deveriam ser limitadas apenas ao plástico”. A plataforma foi criado por um time na Austrália em junho de 2012. Mas só agora foi aberto para todo mundo, como uma forma de divulgação do filme Uma Aventura LEGO®:

Bookmark and Share

Cinco reações da internet para a prisão de Justin Bieber

23 de janeiro de 2014 0

O mundo parou para rir da cara diante da notícia da prisão Justin Bieber, que teve direito até a foto posada com o uniforme laranja de detento.\


Foto original — Miami Beach Police (@MiamiBeachPD) - 23 janeiro 2014

 E como já era de se esperar, a reação dos internautas foi imediata. Aí então ele…

Bera904CEAElqH-

1. Foi cotado para o elenco da nova temporada de Orange is the New Black.

kOxonvV

2. Ganhou alguns ajustes estéticos.

BergHxfCAAAESvc

3. Foi desmascarado como na verdade a Miley Cyrus sem maquiagem.

4. (se alguém ainda duvida da 3)

5. “Você sempre tem que manter um sorriso no seu rosto” (até quando preso…)

Bookmark and Share

Duolingo é o melhor curso de inglês portátil

15 de janeiro de 2014 1

d3Imagem: Divulgação / Duolingo

O título já resume tudo: o Duolingo é um aplicativo para aprender e reforçar idiomas, disponível de graça e sem propagandas para iOs e Android. Por enquanto tem disponível apenas o inglês a partir do português – mas é possível aprender outros idiomas, como francês, espanhol e italiano a partir do inglês.  Diferente dos sites que oferecem cursos com “professores americanos”, ele usa como método de ensino a gameficação ao transformar as questões em desafios e os acertos em recompensas.

d1
Imagem: Divulgação / Duolingo

O objetivo do Duolingo é ensinar a ler, escrever, ouvir e falar, com base em uma árvore de idioma dividida em níveis: básico, médio e avançado. Cada um deles têm vários módulos, como saudações, comidas, animais, entre outros. E cada uma dessas categorias tem um conjunto de questões, onde o usuário deve traduzir palavras escrevendo, selecionando opções e até mesmo falando, pois o aplicativo usa o fone dos aparelhos para captar a voz e testar a pronúncia. Há também alguns atalhos, testes de aptidão para avançar etapas, caso já se tenha um bom conhecimento.

A característica mais interessante é que durante cada lição há corações (como as vidas de jogos de videogame). Se forem perdidos todos os corações, a lição falha e é preciso repetir para reforçar. Caso a lição seja concluída com todos os corações há um bônus de pontos e de “Lingots”, uma espécie de moeda virtual que pode ser trocada por outros bônus e lições extras no site www.duolingo.com ligado ao aplicativo.

d2
Imagem: Divulgação / Duolingo

O Duolingo usa ainda as conexões com amigos dos perfis sociais (Facebook e Google+), para criar uma tabela de pontos. E a ideia de competição incentiva ainda mais a usar o aplicativo e praticar o idioma. Além disso, há bônus para quem realiza grandes “ofensivas”, que são dias seguidos de aprendizado. Se precisar também é possível programar lembretes das aulas. Tudo restrito ao próprio aplicativo, sem aqueles pedidos chatos de jogos sociais que infestam o Facebook.

Todas estas características contribuem para o Duolingo ser um aplicativo fácil e útil de usar. Tanto que ele foi eleito pelos usuários um dos melhores aplicativos de 2013 do iTunes e do Google Play. Também por ser portátil é ótimo para enfrentar filas ou aproveitar alguns minutos do intervalo do almoço, pois cada lição pode ser feita facilmente em 10 ou 15 minutos. E segundo os próprios desenvolvedores, 34 horas de prática no Duolingo equivalem à um semestre em um curso normal. Ou seja, quem começar agora vai conseguir uma boa base para conversar com os visitantes que vierem para a Copa do Mundo.

Bookmark and Share

Ryse: Son of Rome é legal, mas...

08 de janeiro de 2014 0
Imagem: Microsoft Studios / Divulgação

Imagem: Microsoft Studios / Divulgação

A nova geração de videogames está aí, trazendo novos desafios com engines poderosas e gráficos mais próximos da realidade. E o jogo Ryse: Son of Rome (exclusivo de Xbox One / Microsoft Studios / 2013 / totalmente em português) pode ser considerado o primeiro marco do novo console da Microsoft. Mas os desenvolvedores precisam lembrar que os efeitos especiais só ficam bons se acompanhados de uma boa história e, principalmente, experiência de imersão no jogo.

Na história, o jogador acompanha a jornada do general Marius Tito (ou só Mário na dublagem…). Ele lidera as tropas da Roma antiga, que logo no começo do jogo devem defender a cidade de um ataque de bárbaros. Acontece que a família de Marius acaba sendo morta na sequência e, no desenrolar da trama, é descoberto que os acontecimentos na vida do general não são tão ao acaso como ele pensava. Os desenvolvedores descrevem tudo como um “um conto épico de vingança abrangendo toda uma vida” – porém, quem conhece o filme Gladiador pode encontrar muitos clichês no roteiro, inclusive com Marius tendo que lutar em arenas.

Imagem: Microsoft Studios / Divulgação

Imagem: Microsoft Studios / Divulgação

O jogo é baseado na ação, no clássico estilo hack and slash, com muita violência explícita e membros decepados (ou seja, dar espadadas em qualquer coisa que se mexer). Os comandos são simples e apresentados ao jogador na medida que progride na história. Há ainda os chamados quick time events, que são sequencias rápidas onde se deve apertar os botões em uma ordem correta. E é nesta parte que o jogo apresenta seu primeiro ponto fraco: mesmo se o jogador não apertar os botões certos, ou mesmo não fazer nada durante a cena, a ação é concluída automaticamente. A diferença entre apertar os botões de forma correta ou não são apenas alguns pontos de experiência, que podem ser trocados em novas habilidades.

Os gráficos e os detalhes das expressões faciais dos personagens são o ponto alto do jogo, provando o potencial da nova geração de consoles. O cenário também é bem trabalhado, apesar de ser linear e com caminhos bem demarcados para seguir. Porém, há uma repetição excessiva de inimigos (você vai enfrentar uma centena de vezes o mesmo “gordo do escudo”). Já a tradução dos textos em português e a dublagem ajudam bastante para entender a história, mas as falas são muito mecânicas e sem emoção – e traduções de jogos anteriores provam que não precisava ser assim.

Imagem: Microsoft Studios / Divulgação

Imagem: Microsoft Studios / Divulgação

Ryse: Son of Rome é um jogo com uma bela estética, que oferece uma história interessante para quem assiste. Mas quem está no controle pode ter a impressão de pouca participação e o sentimento de “estar faltando algo”. Parece que o foco do jogo são os gráficos, enquanto que a experiência de jogar foi deixada simples demais, talvez para agradar novos jogadores – mas o que é um ponto muito negativo para quem procura mais desafios.

***

Quem estiver em Balneário Camboriú ou região pode experimentar pessoalmente Ryse: Son of Rome e outros jogos do Xbox One na Clans BR.

Bookmark and Share

Cinco resoluções para sua vida digital em 2014

03 de janeiro de 2014 0

Nos primeiros dias do ano é hora de fazer promessas de renovação. E tem gente que diz que vai emagrecer, outros desistir de hábitos ruins e até outros de vão começar a fazer algo saudável. Mas e a vida online?

Confira cinco resoluções para o mundo digital, para se orgulhar no final do ano ou pedir uma prorrogação na próxima virada. Se você também tiver alguma sugestão, fique a vontade para compartilhar nos comentários.

1 . Não fazer “braggie”

102_2143-alt-blog-rihannaEsta é a Rihanna, seguindo os conselhos da Valeska Popozuda, dando um Beijinho no Ombro para espantar o recalque, enquanto faz um #braggie (Foto: Instagram / Arquivo Pessoal).

Postar fotos suas em situações de luxo e ostentação, para “sambar na cara da humanidade”, agora tem um nome: “braggie”. A palavra começou a ser sucesso neste início de 2014 e é definida como “postar imagem em rede social na internet com o objetivo de provocar inveja nos amigos ou nos seguidores” – mas não significa que seja um hábito legal. Ser orgulhoso de conquistas e registrar momentos inesquecíveis é uma coisa, querer ser alvo de recalque com falsa modéstia é outra.

2 . Comer menos com as câmeras

137912661396A prática de compartilhar fotos de comida sem nenhum pudor controle é conhecida como #foodporn (Foto: allcomics.com).

Todos acham que é legal mostrar para o mundo aquilo que está comendo, talvez para não passar pelo inconveniente de não lembrar caso alguém perguntar qual foi sua última refeição. Embora seja tão tentador “comer” com as lentes da câmera, a dica é pensar em um limite para as pessoas não confundirem seu Instagram com um menu de restaurante.

Comece se perguntando: O prato foi servidor em uma ocasião muito especial? É apresentado de uma forma que nunca foi visto antes por olhos humanos? Será que a refeição contêm carne unicórnio? Se a resposta a uma destas três perguntas for “não”, a foto tem grande potencial para ser mais do mesmo.

3 . Verificar as informações antes de compartilhar

noceu-9341Renato Aragão (Didi) foi uma das celebridades mais “mortas” no Brasil em 2013.

Antes de matar qualquer celebridade com um retuíte ou compartilhar qualquer informação, tente achar algumas fontes diferentes e confiáveis que confirmem a bomba – especialmente se o primeiro lugar que você viu a informação for daquele conhecido que ainda compartilha links da Telexfree.

A circulação rápida de informações incorretas em uma situação de crise pode ser assustadora e, em alguns casos, pode mais atrapalhar do que ajudar. Ou seja, antes de causar o pânico, pense no que pode acontecer.

4 . Ser mais positivo

2218047791_a3535324e9_zSe o dia estiver ruim, pense neste gatinho (Foto: Flickr, Vitor Corrêa Fogassa / Divulgação).

As redes sociais estão abertas para receber tudo aquilo que querermos compartilhar. Mas, da mesma forma que a gente não quer ouvir a velhinha que puxa conversa e reclama do seu reumatismo enquanto estamos na fila do banco, é legal pensar duas vezes antes de postar comentários ou atualizações negativas.

Se for algo realmente ruim, que vai mudar a vida de muitas pessoas, até que é compreensível. Mas reclamar todo dia do ônibus lotado, xingar um estilo musical deliberadamente ou expressar seu ódio mortal por coisas “orkutizadas” já é vandalismo virtual: todo mundo sabe que #classemediasofre.

5 . Aumentar a configuração de privacidade dos perfis

burqa11O método acima não é confortável em dias quentes (Foto: 9GAG).

Gerenciar as configurações de privacidade, níveis e permissões em redes sociais é extremamente importante, para que as coisas certas só sejam vistas pelas pessoas certas. Isso vale para aqueles convites inconvenientes de jogos ou spam de aplicativos suspeitos, que você curte sem ler o que ele vai fazer com sua conta – poderíamos colocar um 5.1 aqui: leia o que o aplicativo pede em troca da sua “gratuidade”.

Também é importante cuidar com aquilo que se guarda, para se os aparelhos caírem nas mãos erradas não aumentar a lista de caiu na net.

Texto inspirado em: Social Media Resolutions for 2014

***

Bookmark and Share