Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Era uma vez Child of Light, um belo conto de fadas jogável...

14 de maio de 2014 0

cl0

Child of Light (2014 / disponível para PC, PS 3, PS 4, Xbox 360, Xbox One e WiiU) é uma das provas mais concretas que jogos de videogame são arte. E a Ubisoft Montreal conseguiu apresentar três das coisas mais importantes: gráficos bem trabalhados, uma jogabilidadade fluente e, principalmente, uma trama envolvente. Além disso, a combinação do estilo plataforma (onde o personagem percorre um cenário em duas dimensões) com o JRPG (RPG Japonês, em que os combates são por turno, alternando as ações dos participantes, os personagens ganham experiência por combate e podem evoluir com novas habilidades) cria uma experiência muito fluída ao longo da aventura.

A história de Child of Light começa com a pequena princesa Aurora (não a Bela Adormecida) acordando de um sono profundo em um lugar desconhecido. Sozinha e assustada, lá descobre estar presa em um mundo dominado pelas sombras. E no início dessa jornada, ela encontra uma luz de esperança em um pequeno vaga-lume mágico, que promete levar a princesa para sua casa, em troca de ajuda (contar mais do que isso estragaria a bela experiência de descobertas ao longo da história).

cl1

O jogo merece destaque por todos seus detalhes que contribuem na hora de envolver o jogador: os gráficos são trabalhados como desenhos artísticos, enquanto a música com um piano marcante é leve e delicada – combinando com a ideia da personagem Aurora, que é uma princesa e tem, entre suas habilidades, o poder de voar.  Já os diálogos são poéticos e rimados, no estilo dos contos de fadas. E a dublagem para o português merece destaque: as falas são localizadas, com entonação e ritmo envolvente.

Há o modo cooperativo, para duas pessoas jogarem na mesma tela. Mas outro ponto interessante do jogo é o esquema de controlar dois personagens ao mesmo tempo. Aurora e o vaga-lume mágico combinam suas habilidades para resolver quebra-cabeças criativos e enfrentar inimigos (o vaga-lume tem o poder de “atrasar” os inimigos em combate). Ainda ao longo da história, outros personagens entram na jornada, também ajudando a princesa – que de certa forma acaba ajudando todos também.

cl2

Com todos os elementos na medida certa e uma protagonista cativante, Child of Light é uma surpresa positiva entre os lançamentos de 2014. E sua bela experiência pode ser resumida um conto de fadas jogável, que vai agradar crianças e adultos, enquanto são envolvidos na jornada da princesa Aurora para recuperar a sua luz.

Bookmark and Share

Envie seu Comentário