Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Google"

5 segredos sobre o aplicativo Secret

14 de agosto de 2014 2
Imagem: Thinkstock

Imagem: Thinkstock

O Secret é mais um dos muitos aplicativos polêmicos. Ele é anunciado como uma nova maneira de compartilhar ideias e sentimentos, mas, diferente de outros lugares onde os perfis das pessoas são bem detalhados, quem publica nele fica “anônimo”. Então aí entra uma questão complicada: o anonimato na internet, que é um assunto muito debatido, pois tem muitos prós e contras. A fama e a polêmica do Secret surgiu justamente com seu uso negativo (incluindo a #zuera e a #sacanagem), com usuários compartilhando segredos dos outros (não os próprios como é o objetivo). Porém, poucos desses sabem alguns segredos do próprio aplicativo.

secret

1. O Secret não é tão anônimo assim… 

É possível denunciar o conteúdo das postagens do aplicativo e até revelar a pessoas responsável por compartilhar o “segredo”. Além disso, os perfis do Secret são vinculados com número telefônicos e/ou perfis do Facebook – uma ação judicial pode requisitar os dados de quem emitiu determinada postagem. Também é possível entrar em contato com os desenvolvedores pelo e-mail legal@secret.ly e resolver problemas direto com eles (clique aqui para mais detalhes).

2. O Secret foi criado com um objetivo nobre

A ideia do aplicativo é servir como um espaço para que as pessoas compartilhem seus próprios segredos, de forma anônima. Isso porque muita gente sente dificuldade de expor seus medos, angustias ou dúvidas próprias – e assim seria mais fácil de buscar ajuda. É mais ou menos como o serviço prestado pelo CVV, mas em uma versão adaptada como uma rede social.

3. Não é culpa do Secret, ou de qualquer outra rede social, o conteúdo ofensivo ou destrutivo da internet 

Segundo psicólogos, as pessoas que reclamam constantemente ou atacam as outras fazem isso pela insegurança que sentem ou como um mecanismo de defesa. “A reclamação muitas vezes acaba sendo um tipo de esporte coletivo que pode gerar um sentimento de proximidade com outros através da rejeição mútua de uma pessoa ou situação” (clique aqui para ler mais detalhes). Ou seja, o aplicativo é apenas uma ferramenta para as pessoas divulgarem o que querem. Seu uso depende da intenção de cada um.

4. O Secret é considerado ilegal por juristas brasileiros

Inclusive já há uma ação civil que pede para a Apple e o Google retirarem o aplicativo de suas lojas. Na teoria, todos tem o direito de manifestação, desde que não agridam terceiros. Vale lembrar também que com a “Lei Carolina Dieckman” ficou mais fácil buscar os direitos em crimes sofridos pela internet. E também um advogado sempre pode orientar melhor sobre o que fazer nestes casos.

5. Tem uma página no Facebook que reúne as melhores publicações do Secret

No Vou te contar um Secret (www.facebook.com/voutecontarumsecret) tem humor, sofrimento, lamentação e tudo o que há de mais bizarro no aplicativo. Nada que envolva nomes ou queimação de filme (de forma destrutiva), apenas a #zuera.

secret-app-1-642x336

 

Bookmark and Share

Android ou iOS?

27 de julho de 2014 0

[soundcloud url="https://api.soundcloud.com/tracks/160556871" params="auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true" width="100%" height="450" iframe="true" /]

Meus amigos Luís e Vinícius me convidaram para um papo bem legal no podcast No Fim do Universo sobre um dos grandes “combates” do mundo da tecnologia: Android ou iOS? Conversamos sobre as vantagens e desvantagens de cada um nos celulares e outros dispositivos móveis, além de como cada um deles é ideal para cada perfil de usuário. É só clicar no play acima e ouvir (ou se quiser, você também pode baixar para ouvir mais tarde aqui: http://bit.ly/Android_iOS_).

E tem também uma discussão bem interessante que surgiu no perfil do Kauê (dias depois de eu ter gravado o programa). Vale conferir também:

Leia mais »

Bookmark and Share

Rastreie o Papai Noel na noite de Natal

23 de dezembro de 2013 0

Duas das maiores empresas de tecnologia do mundo vão ajudar você a realizar um sonho de infância: seguir o Papai Noel enquanto ele entrega presentes na noite de Natal.

Google Mapas usou a mais atual “engenharia de trenós mágicos” disponível ao público para criar o Siga o Papai Noel (www.google.com/santatracker). A partir da véspera do Natal será possível rastrear o trajeto do bom velhinho pelo mundo, em um site que vai atualizar em tempo real sua posição enquanto entrega presentes. No mesmo endereço há a Vila do Papai Noel, com o mapa dos check-ins e outras coisas divertidas (como a fantástica corrida de trenó!), além de flagras de situações cotidianas dos duendes, como o trabalho nas oficinas de presentes. É só explorar o cenário e clicar nos objetos para descobrir as atrações.

Já a Microsoft uniu sua tecnologia com o Comando Americano de Defesa Aeroespacial (Norad, na sigla em inglês) para também criar um rastreador do Papai Noel (http://www.noradsanta.org), usando o sistema global de radares militares, além dos mapas do Bing e do software Windows. Esta é a primeira vez que o órgão das forças armadas se une a Microsoft para a iniciativa, que criou um site com jogos e outras curiosidades do Natal, mas não a primeira que monitora um trenó:

A tradição do Norad de acompanhar os passos de Papai Noel na noite de Natal começou em 1955, depois que a empresa Sears Roebuck & Co convidou as crianças, em um anúncio de jornal, a ligar para o bom velhinho. Por erro, foi publicado um número reservado para situações de emergência da Defesa Aérea americana. O coronel que estava de plantão entrou na brincadeira com as crianças que telefonaram e, com isso, a iniciativa “se tornou um programa de extensão militar de boa vontade”.

Bookmark and Share

"BBB 13" foi o assunto mais buscado no Google em 2013 pelos brasileiros

17 de dezembro de 2013 1

O Google é responsável por indexar /organizar a maior parte das informações que circulam na web mundial. E nada mais justo que a sua retrospectiva de 2013 ser uma das mais importantes e interessantes. Prova disso é o fantástico vídeo que está acima, que conta a história da humanidade neste ano em um minutos e trinta segundos.

No Google Zeitgeist (espírito do tempo, em alemão) é apresentado tudo aquilo que o mundo buscou nos últimos 365 dias. Mas também há uma parte específica só para o Brasil. E nela constam desde marcas mais procuradas, até o “Como fazer arroz” ser o mais procurado item da culinária por aqui, passando pelo “Flamengo” como o time de futebol que teve mais pesquisas e “Meu Malvado Favorito 2″ como o filme mais popular na internet brasileira.

Todas as listas podem ser conferidas no Google Trends. Mas a lista geral Top 10 do que os brasileiros mais buscaram em 2013 você já confere aqui:

Bookmark and Share

Como os brasileiros usam as redes sociais

30 de julho de 2013 0

Pesquisa divulgada pela comScore virou um infográfico bem legal nas mãos de Alex Affonso. Mais prático de entender e útil para quem trabalha (e está imerso) na web.

Dados da pesquisa resumidos:

  • 90,8% dos internautas brasileiros acessam as mídias sociais e gastam em média 4,9 horas nestes sites de relacionamento;
  • as redes com mais usuários são: Facebook (94%), Google+ (75%) e Twitter (73%);
  • quando se trata de frequência de uso temos: Facebook (88,9%) e Twitter (41%) ;
  • 58,7% do volume de acessos nas mídias sociais é das mulheres;
  • quando se trata de compras, 41% dos internautas  pesquisam nas mídias sociais antes de comprar; 2 em cada 3 dão feedback para as marcas via mídias sociais; 54% seguem empresas no Twitter e 74% curtem empresas no Facebook.

O relatório completo de 2013 você pode baixar aqui: O Brasil na Web

Bookmark and Share

Você sabe usar as principais redes sociais?

06 de maio de 2013 2

O pessoal da Moving Targets montou uma tabela bem interessante, que apresenta especificações, destaques e outras características das plataformas sociais mais usadas na web.

As dicas exploram os potenciais e servem para planejar os conteúdos básicos publicados em cada rede. Muito útil para quem quer começar a investir no segmento, além de ajudar usuários do Facebook, Twitter, Foursquare, Pinteres, LinkedIn e Google+ a entender melhor as regras dos jogos.

O material original está em inglês, mas o designer gráfico Rodrigo Pereira de Barros montou uma versão em português. Ele então resolveu compartilhar com a gente o conteúdo. Aproveite.

Baixe uma versão em PDF das Dicas para as Redes Sociais aqui.

Se você também tem algum conteúdo legal que você montou e quiser compartilhar, envie para joelminusculi@gmail.com ou deixe um comentário aqui no blog.

Veja também outros infográficos já publicados aqui no Impressão Digital.

Bookmark and Share

Leis brasileiras recebem upgrade para combater cibercrimes

04 de dezembro de 2012 0

Cibercrimes

O Brasil agora tem duas leis dedicadas aos cibercrimes: a Lei 12.735 e a Lei 12.737, que foram publicadas no Diário Oficial da União em 3 de dezembro de 2012. O assunto parece bem juridiquês, mas é importante que usuários da web leiam os textos oficiais para entender seu papel de cidadão também no mundo virtual.

A primeira Lei, a 12.735 (que ficou conhecida como AI5 Digital), chegou à publicação com dois artigos, já que outros dois dos quatro originais foram vetados pela presidente Dilma Rousseff. Aqui o importante não é o que ficou, mas o que foi tirado, principalmente o Artigo 3º, que daria poder de controle de dados aos militares caso houvesse uma “guerra cibernética”. A intenção era evitar e punir uma possível WikiLeaks brasileira, mas o problema seriam os critérios estipulados para isso, o que inclusive foi o motivo da retirada por ser considerado muito “amplo e vago” (que poderiam ir contra os discursos de transparência pública de informações e acabar restringindo o uso livre da web).

Sobre esse assunto, o Google promove uma mobilização mundial para que governos não definam sozinhos o futuro da internet. Vale a pena conferir e ter uma noção do que pode acontecer se as pessoas não participarem mais na construção da rede mundial de computadores.

Já a Lei 12.737 (que ficou conhecida como Lei Carolina Dieckmann) transforma agora em crimes práticas que há muito tempo prejudicam usuários desatentos (e que antes os criminosos tinham quer ser enquadrados por outros motivos). O texto é bem detalhado, ao afirmar que cibercrime é “invadir dispositivo informático alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do titular do dispositivo ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita”.

Traduzindo: (por exemplo) agora quem roubar dados de uma empresa pela internet, vazar fotos íntimas de mulheres (ou homens) e enviar vírus ou programas trojans será punido com três meses até dois anos de prisão, além de multa. Mas há uma brecha no meu ver (não sou advogado, se algum estiver lendo, por favor, me corrija): não está prevista a invasão de contas hospedadas em servidores externos (só em equipamentos físicos pessoais, mas hoje as pessoas guardam informações importantes em contas de e-mails ou serviços de hospedagem).

As duas leis são um começo de muito ainda para alcançar a realidade, mas o importante é que há intenção de ajudar a proteger os usuários dos cibercrimes, que precisa ser reforçada agora com setores preparados (quantas delegacias hoje estão preparadas para investigar boletins de ocorrência desse tipo?). Outro ponto marcante foram as discussões levantadas sobre os limites da web e o livre acesso de informações, que devem continuar e serem estimuladas para adaptar todas as leis possíveis e garantir direitos (principalmente a privacidade) aos cidadãos online.

Leia também:
Lei ‘Carolina Dieckmann’ só vale para PCs protegidos, diz advogado
> Como 193 governos querem tomar o controle da internet

Bookmark and Share

Viaje pelas estrelas com o Google

28 de novembro de 2012 0

Quantas estrelas tem o universo? O Google conseguiu contar e catalogar aproximadamente 100 mil das mais próximas de nosso sistema solar, usando dados da Nasa e da ESA. O melhor de tudo é que as informações foram organizadas no site em CSS3D, uma linguagem de programação que permite ambientações em três dimensões nos navegadores, chamado Projeto 100.000 Estrelas.

A página é feita exclusivamente para Google Chrome (em outros navegadores até funciona, mas com muitos problemas). Nela é possível navegar pelo espaço sideral em altura, largura e profundidade, além de giro, com uma trilha sonora ao fundo. Ao clicar nos corpos celestes é aberto um menu com informações (em inglês). O legal também são as escalas, como da proporção de um ano luz ou de quanto nosso sistema solar está distante de outras estrelas.

A experiência é bem mais profunda que o Google Sky (outro site com mapas astronômicos e informações sobre planetas, mas bem simples). Vale lembrar que o o Google também já mapeou o solo lunar e a superfície de Marte, para quem quiser explorar mais o espaço sem sair da frente do computador.

Veja também:
Google leva você ao fundo do mar
Visite as ruas do litoral sem sair de casa

Bookmark and Share

Óculos do Google mostram que tecnologia também é fashion

18 de setembro de 2012 2

Nem cortes extravagantes ou a beleza das modelos. O que mais chamou a atenção na NY Fashion Week foram os Óculos do Google usados por Diane von Furstenberg nos desfiles de sua marca.  A estilista e outros membros de sua equipe usaram protótipos do grande projeto de realidade aumentada do Google, para mostrar como tecnologia e moda podem ficar unidas e integrar nosso dia-a-dia com estilo. O resultado é um vídeo bem legal, em primeira pessoa, com os bastidores do evento e até uma volta pela passarela. Segundo o próprio Google, “todas as cenas do vídeo foram filmadas usando apenas os óculos, com a mais recente tecnologia do Google que permite capturar momentos de uma perspectiva única e nova”. Veja o resultado:

O que é isso? Os óculos do Google fazem parte do Project Glass, projeto em desenvolvimento, com a intenção de criar um dispositivo de realidade aumentada integrado com a visão em um suporte de óculos. A ideia é deixar as mãos livres dos usuários, que receberão informações atualizadas, manipuláveis por comandos de voz, movimento dos olhos e uma pequena área de toque na lateral. O aparelho será um complemento de smartphones (que serão usados como uma base que pode ficar no bolso, por exemplo). Seu anúncio aconteceu em junho desse ano, enquanto os primeiros exemplares aos consumidores serão lançados no começo de 2013 por U$ 1.500,00. Confira o vídeo a seguir que mostra os detalhes de como funciona a tecnologia:

Então – O projeto é bem audacioso, por criar um dispositivo que faz algumas coisas sonhadas pela ficção-científica (além do visual futurista). A tecnologia também é cada vez mais integrada com as pessoas, com a intenção de tornar novidades em hábitos. Por esse lado foi uma boa sacada da Google apresentar ao vivo seus óculos em um desfile de moda, que por tradição serve para mostrar as próximas tendências do mercado. Já o preço de lançamento é bem salgado porque é novidade (e também serve para ajudar a financiar pesquisas de aprimoramento).


Fãs do desenho animado Dragon Ball Z vão achar o design dos óculos do Google bem familiar…

Bookmark and Share