Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Internet"

Falha dos próprios usuários pode ter causado vazamento de senhas do Gmail

11 de setembro de 2014 1
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Depois do maior vazamento de fotos íntimas de atrizes por meio de uma falha nos serviços da Apple, agora foi a vez dos usuários do Google ficarem preocupados. Uma lista com aproximadamente 5 milhões de usuários e senhas do Gmail começou a circular e, em um primeiro momento, a culpa foi de uma falha do sistema. Mas depois que a lista começou a ser analisada, os dados nela eram senhas antigas ou obtidas de outras formas. Mais detalhes sobre o que aconteceu estão aqui.

Segundo nota do blog de Segurança do Google, menos de 2% das combinações de nome de usuário e senha pode ter funcionado. “É importante notar que, neste caso e em outros, os nomes de usuário e senhas vazaram não eram o resultado de uma violação de sistemas do Google. Muitas vezes, essas credenciais são obtidas através de uma combinação de outras fontes”, detalha ainda o texto.

Essas “outras fontes” são normalmente aplicativos que roubam senhas, o famoso fishing ou ainda vulnerabilidade de outros sites. Este último caso funciona assim: muita gente usa o mesmo usuário e senha do seu serviço de e-mail para acessar diversos sites. Mas estes outros sites podem não ter uma segurança tão boa do seu banco de dados. Aí os mal intencionados acham a vulnerabilidade ali e tem listas, que vão testando até achar uma que abra também o e-mail – fora também que estas listas de e-mails são distribuídas para fazer spam.

Vale lembrar também que neste ano também aconteceu o Heartbleed, que mostrou vulnerabilidades em diversos serviços. Mas segundo os responsáveis de cada plataforma, tudo já foi normalizado. Mesmo assim, sempre é válido tomar as próprias medidas de segurança.

Para evitar problemas:

1. Use sempre uma senha forte e única para cada serviço importante (uma para o e-mail, outra para o Facebook, uma terceira para os sites de compras e assim por diante). A Microsoft tem um serviço gratuito para testar a força das senhas aqui.

2. Use a verificação em duas etapas quando o serviço disponibiliza. Do Google é possível configurar aqui.

3. Atualize sempre as opções de recuperação de conta, com o seu telefone e outro e-mail. Caso alguém tente mudar a senha, terá mais dificuldades.

4. Crie a senha com no mínimo oito caracteres. Quanto mais longo for, melhor será. Senhas mais longas são mais difíceis de serem decifradas.

5. Tenha cuidado ao clicar em qualquer link que peça para fazer login, alterar senha ou fornecer informações pessoais, mesmo que pareça ser de um site legítimo. Isso pode ser um golpe de phishing, em que as informações inseridas vão para um hacker. Em caso de dúvida, faça login manualmente digitando o endereço desse site na janela do navegador.

 

Bookmark and Share

Como manter seus filhos seguros na internet?

04 de junho de 2014 0

 seguranca Imagem: pcblindado.com

O caso do suspeito que usou o Facebook para conseguir informações sobre o menino raptado em Ilhota reacendeu a discussão da importância de cuidados no uso de redes sociais. Infelizmente, as crianças sem orientação acabam se expondo a ameaças além do sequestro, como a pedofilia e o ciberbullying. E muitas vezes por falta de experiência, os pais não sabem como educar para a vida digital. Para ser mais fácil de todos entenderem, a internet deve ser considerada uma extensão da nossa sociedade como um todo (mesmo que ela não seja palpável, tudo aquilo que acontece na “vida real” pode repercutir de forma mais ampla na “virtual”). Por exemplo, se os pais já orientam os filhos a não falar com estranhos na vida real, o mesmo vale para a internet. Algumas dicas gerais, apontadas por especialistas em segurança online, são:

  • Atenção dos pais. Os pais e cuidadores devem estar cientes do que as crianças estão fazendo na internet. Quais os caminhos, sites e tipos de interação que têm.
  • Sistema de monitoramento. Existem sistemas de monitoramento online, alguns do próprio sistema operacional do computador utilizado, é só escolher de acordo com a faixa etária da criança.
  • Ambientação. O computador deve ficar sempre em um ambiente coletivo ou de passagem, para facilitar o monitoramento pelos pais.
  • Computadores diferentes. A criança não deve utilizar o mesmo computador do adulto, pois os dados salvos podem gerar confusão, como por exemplo sites de compras, senhas e dados de cartões.

Outro material muito útil é a cartilha do site Família mais segura na internet. Nela estão explicados de forma bem didática os detalhes para a formação de “usuários digitalmente corretos para a construção de um ambiente virtual mais ético, seguro e legal”. Mas como tudo que envolve educação e segurança, o diálogo aberto entre a família e o cuidado com a repercussão das ações ainda são os conselhos mais certos para uma vida digital tranquila.

Bookmark and Share

Cinco coisas que você precisa saber sobre o Heartbleed, a maior falha de segurança da internet

12 de abril de 2014 0

bleeding

1. O Heartbleed é uma falha de segurança em um código chamado OpenSS. Ele é usado por quase dois terços de todos os sites do mundo para proteger informações (ou seja, a maioria das pessoas usam ele sem saber).  Mas quem souber explorar o problema pode pegar todas as senhas, contas de bancos ou dados sigilosos de todos os usuários dos sites afetados – sem deixar rastros. É como descobrir que um dos melhores cadeados que você comprou pode ser aberto com um clipes de papel por quem tiver a manha.

2. “Em uma escala de severidade de 0 a 10, eu diria que esse bug tem 11. Como ele já existe há dois anos, ninguém sabe se ele já estava sendo explorado ou qual o estrago feito”, avalia Camilo Telles, desenvolvedor, gerente de tecnologia e CEO da Agilize. Clique aqui para ler um relatório técnico sobre. O pior é que parece que a NSA (aquela que espiona todo mundo na internet) sabia do problema desde o início, mas não contou nada para ninguém.

3. Por isso, você precisa mudar agora a sua senha principalmente nos seguintes serviços: Amazon Web Services, Dropbox, Facebook, Google, GoDaddy, Instagram, Pinterest, Tumblr, Twitter, LastPass, OKCupid, SoundCloud, Wunderlist. (Vale lembrar que é bom alterar sua senha periodicamente em qualquer lugar, por questões gerais de segurança). Uma lista completa dos serviços que já corrigiram a falha e precisam ser mudadas as senhas você encontra aqui.

4. Todas as empresas que oferecem os serviços na internet já declararam que estão trabalhando para corrigir a brecha (só elas podem fazer isso). O Google, por exemplo, afirmou que já eliminou a vulnerabilidade dos seus servidores. Mas é importante ainda mudar sua senha, pois alguma pessoa mal intencionada pode ter roubado os bancos de dados antes da correção.

5. Enquanto isso, você deve evitar e-mails com links estranhos, pois eles podem conter o chamado phishing – as iscas para levar você para locais sem segurança de dados. Também não acesse sites duvidosos: acesse portais oficiais e com reputação para baixar coisas. Além disso, acompanhe a sua conta bancária e fatura do cartão de crédito. E desconfie de qualquer ação estranha nos seus perfis (mude a senha assim que perceber).

Bookmark and Share

Cinco reações da internet para a prisão de Justin Bieber

23 de janeiro de 2014 0

O mundo parou para rir da cara diante da notícia da prisão Justin Bieber, que teve direito até a foto posada com o uniforme laranja de detento.\


Foto original — Miami Beach Police (@MiamiBeachPD) - 23 janeiro 2014

 E como já era de se esperar, a reação dos internautas foi imediata. Aí então ele…

Bera904CEAElqH-

1. Foi cotado para o elenco da nova temporada de Orange is the New Black.

kOxonvV

2. Ganhou alguns ajustes estéticos.

BergHxfCAAAESvc

3. Foi desmascarado como na verdade a Miley Cyrus sem maquiagem.

4. (se alguém ainda duvida da 3)

5. “Você sempre tem que manter um sorriso no seu rosto” (até quando preso…)

Bookmark and Share

Por que tanta raiva nos comentários?

06 de novembro de 2013 0

A Web 2.0 deu para as pessoas uma das melhores funções do mundo online: a possibilidade de compartilhar conteúdo de maneira simples e democrática. Só que nenhum algoritmo foi capaz de prever o caos e o caráter destrutivo de algumas opiniões – indo completamente contra a ideia da Inteligência Coletiva, que é um dos aspectos mais interessantes da Cibercultura. E os comentários são a área favorita para destilar a raiva sobre qualquer coisa, tanto para um hater ou troll.

Todos têm o direito e a possibilidade de expressão na internet. Mas poucos entendem que só a plataforma não tem limites, enquanto as pessoas tem uma linha tênue chamada respeito (entre outros valores morais e legais). O resultado dessa falta de noção são pessoas cometendo suicídio por comentários maldosos em mídias sociais  e a criação de um bando de brucutus digitais. O negócio é tão destrutivo, que ganhou até uma definição pela Lei de Godwin:

“À medida em que cresce uma discussão online, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou o nazismo aproxima-se de 1 (100%)” (Mike Godwin)

Há muitas pessoas que não estão medindo suas palavras digitadas, talvez por verem a tela dos computadores (celulares, tablets…) como uma barreira protetora: podem jogar qualquer coisa no “ventilador”, pois acreditam que vão ser protegidas. Outro fator que contribui muito para isso também é o “anonimato” online. Nomes e fotos que formam um personagem são apenas máscaras de bites, das quais a pessoa pode assumir uma identidade e justificar que aquela raiva que expressa não é dela. Mas infelizmente a ilusão só serve para ela e as consequências vão muito além do mundo online.

anonimos

Bookmark and Share

14 sinais que você gasta tempo demais na internet

01 de novembro de 2013 0

A internet é um lugar maravilhoso cheia de Gatos, Bebês e Peitos. Por isso é até possível entender o motivo de ser tão difícil ficar longe dela. Mas de vez em quando a coisa fica complicada, principalmente quando nossos hábitos online começam a repercutir no offline.

E para ajudar a reconhecer o problema (e talvez procurar ajuda especializada), confira uma seleção de GIFs que ajudam a explicar de forma bem didática como 14 hábitos podem ser inconvenientes – mesmo sem os usuários perceberem.

  • 1.  Você ouve os barulhos de mensagens recebidas do Facebook e GTalk  quando está longe de um computador.
    Up-dogs
  • 2. Você ficou muito possessivo com seu computador/celular.
    Supernatural-computer
  • 3. Você sente vontade de estar no computador em momentos inapropriados.
    Computer-dance
  • 4. Faz muito tempo que suas conversas são baseadas exclusivamente em “Você viu isso no Facebook / Internet?”
    Rebel-wilson

     (eu roubei isso da internet)

  • 5. Em vez de usar seu rosto para transmitir uma emoção, você queria usar um GIF ou emoticon para expressar seus sentimentos na vida offline.
    Star-kids
  • 6. Você envia mensagens no Facebook para alguém na mesma sala.
    The-simpsons

    (é mais fácil ser amigo de muitas pessoas online do que uma pessoalmente)

  • 7. Você fica nervoso se vai para algum lugar sem qualquer tipo de sinal de internet.
    Thats-so-raven
  • 8. Você sente uma enorme sensação de alívio quando a internet conecta depois de uma queda.
    Crying-computer
  • 9. Você começa a rir do nada com seus amigos e explica: “Isso me faz lembrar de um vídeo que eu vi no Youtube”.
    Will-and-grace
  • 10. Você fala de memes como se todo mundo já conhecesse.
    Ian-somerhalder
  • 11. A primeira coisa que você faz quando você está planejando uma viagem é ver se no lugar tem Wi -Fi de graça.
    The-internship
  • 12. Você fica escolhendo GIFs que se encaixam perfeitamente no post do seu blog.
    Secret-window
  • 13. Ficar verificando o seu celular para atualizações e novas mensagens virou uma compulsão.
    Honey-boo-boo
  • 14. Seus piores medos são uma tela preta sem motivo e ficar sem bateria nos equipamentos.
    Modern-family

Conteúdo adaptado do Mashable.

Bookmark and Share

Fraudes eletrônicas são responsáveis por 95% dos roubos e furtos aos bancos brasileiros*

26 de setembro de 2013 0
Imagem: sevensheaven.nl / Divulgação

Imagem: sevensheaven.nl / Divulgação

Crimes poderiam ser evitados se os sistemas utilizassem novas tecnologias, como a biometria comportamental e o monitoramento contínuo das redes de dados

Pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) mostra que, dos R$ 1,4 bilhão roubados ou furtados no ano passado de bancos no Brasil e cerca de R$ 110 bilhões em todo o mundo, pelo menos 95% são causados por fraudes eletrônicas, feitas por internet banking, clonagem ou roubo de cartões. Estes números seriam menores se sistemas bancários utilizassem camadas de segurança modernas, como a biometria comportamental e o monitoramento contínuo das redes de dados.

Na internet em geral, o roubo mais comum é o de senhas de usuários, o que permite o acesso a muitas informações pessoais e financeiras das vítimas. A indústria de sistemas eletrônicos de segurança no país movimentou bilhões de reais em 2012 para tentar impedir os criminosos. Nos últimos dez anos, o segmento de sistemas de segurança cresceu a taxas médias de 11% ao ano, dados da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas de Segurança.

Uma solução

A empresa catarinense GlobalMinds IT, em parceria com instituições canadenses trouxe para o Brasil o BioTracker, software que autentica o usuário por meio da dinâmica de digitação e uso do mouse, que garante mais de 95% de segurança contra roubo ou fraude de identidade por hackers mal intencionados. O sistema de segurança é baseado na tecnologia inovadora – e inédita no mercado nacional – da biometria comportamental. O software funciona como um sistema de vigilância, autenticando continuamente a identidade de cada usuário por meio da coleta e análise da dinâmica de digitação e de uso do mouse, por exemplo. “Esta nova camada de segurança permite o reconhecimento contínuo do comportamento individual de cada usuário. Quem roubou o cartão ou os dados terá um outro comportamento e nesse caso o BioTracker vai identificar como sendo outro perfil e não autorizará a transação”, explica Marcelo Camêlo, da GlobalMinds IT.

O sistema não tem qualquer interferência com o conteúdo trabalhado, mantendo o sigilo e a confidencialidade além de respeitar as outras camadas de segurança já existentes. Com base na rastreabilidade do perfil comportamental de um indivíduo, o software previne situações como uso de usuário e senha por terceiros, fraudes de falsificação de identidade de usuários em transações financeiras, entre outras situações.

* Divulgação de release recebido por assessoria de imprensa.

Bookmark and Share

Brasileiros hackeiam site da NASA (por engano?) em represália à espionagem da NSA

10 de setembro de 2013 0

NASA HACKED

Como revelou Edward Snowden, os Estados Unidos monitoram as informações do mundo inteiro pela internet. E até o Brasil está na mira da NSAa agência secreta responsável pelo trabalho: desde as comunicações dos cidadãos, passando por uma atenção especial para a presidenta Dilma e até uma olhada nos arquivos da Petrobras.  Por tudo isso os brasileiros ficaram preocupados e resolveram fazer alguma coisa. Mas a espionagem virtual teve agora uma reação na mesma moeda.

Sem título

O grupo brasileiro BMPoC, que é composto por três integrantes, atacou os domínios da NASA na madrugada de terça-feira (10/9). Em 14 endereços (mas não o principal nasa.org)  uma imagem de uma criança da Síria machucada foi deixada junto com uma mensagem:

Parem de nos espionar.
A população brasileira não apoia sua atitude!
Os Illuminati agora estão agindo visivelmente!
Obama sem coração!
Desumano! Você não tem família? O objetivo de toda a população global é apoiar vocês. NINGUÉM!
Nós não queremos guerra, nós queremos paz!!!

Acontece que a NASA, que é responsável pelo programa espacial norte americano, até onde se sabe não tem nenhuma relação com a espionagem revelada (só espionam o planeta Marte, mas isto é outra história). Por isso está sendo especulado que o ataque foi um engano, já que a sigla da agência espacial é “parecida” com a da NSA.

Mesmo sendo um erro de alvo, ou não, a ação conseguiu cumprir seu principal objetivo: chamar a atenção do mundo para dois problemas causados pelos Estados Unidos – a espionagem e o possível ataque a Síria.

 

Bookmark and Share

Veja o que acontece na internet em 60 segundos

15 de julho de 2013 0

Hoje este espaço completa 365 dias online. Em um ano foram 113 postagens, em 19 categorias e com 533 tags. A repercussão dos temas gerou 423 comentários, principalmente nas duas postagens que também foram as mais vistas – TelexFree é o maior golpe online da atualidade e Justiça classifica como golpe online e interdita Telexfree.

Aproveitando que o tema são números, a Intel divulgou recentemente alguns dados interessantes sobre o que acontece atualmente em toda a internet em 60 segundos (a imagem do início, traduzida no vídeo do final). As cifras só confirmam uma constatação muito repetida pelos profissionais do mundo digital:

Os historiadores calculam que nas três últimas décadas, a humanidade produziu mais informações do que em toda a história. E continuamos criando coisas, produzindo e espalhando conteúdo, e principalmente, consumindo full time.

A tendência é só aumentar a produção. Hoje carregamos no bolso dispositivos capazes de registrar som e vídeo, além de servirem como comunicadores e terminais de informação global – ou seria mais ou menos o que alguém da década de 80 descreveria um simples celular com internet. Mas acontece que apenas informações espalhados, sem contextos, não servem para nada.

O  Big Data nunca foi tão importante. E também são necessários vários espaços (como este blog) que ajudem a pescar e oferecer conteúdo de forma segmentada e explicada (eu tento, juro), para ajudar a velejarmos pelas ondas desse infomar. Por isso, bem-vindo à internet, eu continuarei sendo o seu guia ;)

Em tempo: obrigado por acompanhar o conteúdo do Impressão Digital. E também quero agradecer o convite para ter este espaço e a ajuda para divulgação da equipe do jornal O Sol Diário (que também completa um ano de muita informação).

Bookmark and Share

Curso gratuito do Google acontece em Balneário Camboriú

02 de junho de 2013 2

A publicidade online deve superar a da TV em 2016. Mas antes que esse dia chegue, é importante entender como funciona o processo de divulgação na web (e por favor, esqueça o Marketing Multinível). A maior referência neste processo hoje é o Google, principalmente por meio do posicionamento em suas buscas e o AdWords. E uma grande oportunidade de aprender mais sobre as ferramentas do buscador vai acontecer em Balneário Camboriú (SC).

A Universidade do Vale do Itajaí – Univali sediará o seminário presencial gratuito para quem quiser aprender mais sobre a publicidade pelo Google. O evento acontece no dia 11 de julho, uma quinta-feira, das 19h30min às 21h30min, no Campus de Balneário Camboriú. Serão duas horas de um curso prático e teórico. As inscrições são gratuitas pelo site da Univali. As vagas são limitadas e as inscrições encerram no dia 8 de julho. Mais informações aqui.

Enquanto o dia do evento não chega, aproveite e conheça mais sobre o AdWords em vídeo:

Bookmark and Share