Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Site mostra quais os celulares mais radioativos

29 de setembro de 2009 2
The following two tabs change content below.

Guilherme Neves

Jornalista, fã de gadgets e traquinanas tecnológicas em geral. Linux user convicto, mas não xiita.

Tem gente que não gosta de morar perto de antenas de celular. Outros, sequer usam o celular. Ambos, no caso, por medo da radiação vinda dos aparelhos. Tudo para evitar “fritar o cérebro”, como diria um dos meus amigos próximos, avesso a tudo que é tecnológico.

Para todos saberem qual o risco radioativo que correm, o site do Environmental Working Group oferece listas com smartphones, celulares novos e todos os aparelhos disponíveis e seus níveis de radiação quando próximos do corpo e encostados na orelha.

O iPhone está na lista com 0,97 W/kg. No 3GS, sobe para 1,19 W/kg. No 3G, fica em 1.39 W/kg. Mesmo assim, está longe de ser um dos piores.

Outros aparelhos de ponta também figuram na relação. Confira o print abaixo, feito pelo Engadget, com o topo e o pé da lista.


Você pode acessar as listas aqui.

Comentários

comentários

Comentários (2)

  • Alexandre Burmann diz: 29 de setembro de 2009

    e como descubro a relação entre nível de radiação emitido e danos à saúde? tem alguma referência?

  • Adriano diz: 29 de setembro de 2009

    Dizer que o aparelho de telefone celular é radioativo é uma inconsistência científica. Radioativos são os elementos químicos como urânio, césio, entre outros, e ondas eletromagnéticas como os raios gama, raios X, etc. São ditos radiação ionizante, ou seja, possuem energia suficiente para ionizar átomos e moléculas. A faixa de frequência da telefonia celular é dita como radiação não ionizante, ou seja, são as radiações de frequência igual ou menor que a da luz e não alteram o átomo. Televisão e rádios AM, OM e FM também estão nesta faixa.
    A chamada do artigo está equivocada e foi publicada de maneira irresponsável, pois induz o leitor(a) a relacionar o perigo da radiação – no sentido de radioatividade – com o uso da tecnologia celular.
    No Brasil, a ANATEL regulamenta a emissão máxima que um aparelho celular deve irradiar – 1 Watt – e é por isso que não deve-se utilizar aparelhos “importados” os quais não têm o selo de homologação da Agência.
    O site http://www.icnirp.de/ contém informação suficiente sobre as emissões eletromagnéticas na faixa da telefonia celular e suas implicações na saúde humana.

Envie seu Comentário