Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Games memória: Street Fighter - parte IV

18 de dezembro de 2009 10
The following two tabs change content below.


 
Diz a sabedoria popular que nada nem ninguém é perfeito. Sei lá até que ponto isso é verdade, mas fato é que a Capcom provou que nem com seu grande game Street Fighter, a maior franquia de jogos de luta de todos os tempos, conseguiu ficar sem dar umas bolas fora.
      
No ímpeto de lucrar – e também de combater outras empresas que tentavam embarcar na onda dos jogos de luta um-contra-um e emplacar seus próprios games – a Capcom lançou algumas coisinhas que deveriam ser esquecidas. Teve até game estilo “Tetris” com participação da turma do SF. E, quando a própria Capcom não lançou, a pirataria tratou de colocar no mercado os “streets” mais grotescos.
 
PARTE IV – OS “STREETS” RUINS
 
Street Fighter Movie
 
O filme do Street Fighter foi muito ruim (acho que não tem quem discorde). E o game não podia ser diferente. Street Fighter Movie cometeu alguns dos erros do filme, e também tratou de cometer alguns novos. Por exemplo, em toda a série dos games (e dos desenhos animados, dos gibis…) Ryu e Ken sempre foram os protagonistas. Mas no filme, norte-americano, tentaram colocar o estadunidense Guile (representado pelo “brilhante” Jean-Claude Van Damme) como personagem principal. E fizeram o mesmo no game.
  
O jogo é uma tentativa da Capcom de fazer sua versão de Mortal Kombat, sucesso da Aklaim que ameaçava a hegemonia do SF na época. Gráficos digitalizados de atores e sangue à vontade – reparem nas imagens. Além dos atores do filme, o jogo tem personagens que não apareciam nas telas do cinema. As magias, também ausentes na película, estavam presentes no game, sem qualquer explicação.
  

Clique na imagem para ver ampliada e com legendas
  
Aliás, outra tentativa de lucrar com o sucesso do SF foi sair do clássico estilo 2D. A Capcom se aventurou pelo poligonal com Street Fighter EX – algo como a versão SF do Tekken. Nunca joguei, não posso resenhar – mas parece bem estranho.
   
Streets piratas em consoles 8-bits
   
Oficialmente, antes da geração dos consoles mais modernos (PlayStation, Xbox, blablabla), somente o Super Nintendo e o Mega Drive haviam tido suas versões do Street Fighter. Mas muita gurizadinha ainda se divertia com plataformas como o Master System e o Nintendinho (e suas “variações” brasucas). Então, a pirataria tratou de abocanhar esse filão de mercado com adaptações – algumas bem cachorras, outras legais – do clássico da Capcom. Eu mesmo, no meu velho Phantom System, tive o prazer de jogar algumas. Sério, acho que era mais fácil concentrar energia e soltar um hadouken de verdade do que disparar um com aquele controle.
 
Em sequência, saíram o SF II, o III (muito antes da Capcom lançar o SF III de verdade) e o um “VI 12 Peoples“. No fundo, todos eram versões do SFII tradicional, com alguns cenários diferentes e tentativas de disponibilizar mais personagens (que acabavam sendo os mesmos várias vezes, com cores diferentes).
 
A versão mais curiosa foi a chamada “Street Fighter IV“: embora com personagens que “lembravam” os clássicos da Capcom, não usava os nomes dos heróis conhecidos, e trazia alguns lutadores realmente inéditos. Era o caso das sugestivas Tracy e Bunny, respectivamente garotas tipo coelhinha e gatinha da Playboy.
   

Clique na imagem para ver ampliada e com legendas
  
Surpreendentes foram os Street Fighter Alpha para o Nintendinho. Acho que nem o Super Nes teve um Street Alpha, mas os amantes do velho console de 8-bits conseguiram adaptar uma esforçada versão para ele. E, dadas as limitações, até que ficou bonito, principalmente as telas de apresentação.
 
Para fechar sobre os consoles da geração antiga, é preciso lembrar que a TecToy (representante da Sega aqui no Brasil) lançou oficialmente uma versão do Street Fighter para Master System. Mas como eu sou da gurizadinha da Nintendo (mais ainda quando se fala em 8-bits) não tenho muito a dizer sobre esse jogo.
 
Street Fighter era sucesso, garantia de vendas em qualquer console ou plataforma. Mas, após ver os guerreiros empilhando blocos de Tetris, em versão poligonal, digitalizada e reduzida para 8-bits, os jogadores só queriam uma coisa: o terceiro game da série.
  
CONCLUI A SEGUIR…
 
Confira todos os capítulos do Games memória: Street Fighter
Parte IParte IIParte II e ½ - Parte III - Parte IV - Parte V (final)
 
>>>Veja também
Games memória: Street Chaves - a vingança do Seu Madruga

  
Imagens reprodução

Comentários

comentários

Comentários (10)

  • Kico diz: 18 de dezembro de 2009

    Cara, eu joguei esse Street fighter Movie, foi na 1ª vez que joguei Playstation, até achava que era delirio meu pois nunca mais ouvi falar desse jogo. Quanto o de mega drive era esquisito, com o controle de 3 botões alguns personagens só davam socos e outros só pontapés.

  • Allan Azevedo diz: 18 de dezembro de 2009

    Muito boa essa matéria sobre o clássico dos clássicos dos jogos de luta.
    Lembro de ter jogado o SF Movie no fliperama, era um Mortal Kombat com personagens do SF. Sobre os SF EX, foram 6 versões no total (EX, EX Plus, EX Plus Alpha, EX 2, EX 2 Plus e EX 3), não joguei a EX3, dizem que é a pior versão, mas as outras até que são divertidas, mantinham uma jogabilidade parecida com a 2D. No final da vida do SNES, saiu uma versão oficial do SF Alpha 2, muito boa por sinal.
    Resposta: Ah, essa do SF Alpha pra Snes não conheci, vou ter que correr atrás então. Valeu!

  • Theo Cruz diz: 18 de dezembro de 2009

    Eu joguei SF EX. A impressão é de se jogar um protótipo tosco de Tekken com os personagens do Street feitos da caixinhas de fósforo e embalagens de danoninho. Apesar disso, a jogabilidade era supimpa! Combos encaixavam bem direitinho e nunca foi tão fácil desferir as magias e movimentos especiais.

  • Theo Cruz diz: 18 de dezembro de 2009

    Ah, sim! SF Movie era tão tosco que até a caixa do game é horrenda! :P

  • jborba diz: 18 de dezembro de 2009

    Apenas gostaria de lembrar que a serie EX do Street é considerado por muito apaixonadas da serie com sendo a melhor, eu também me incluo neste grupo, devido ao fato de inserir uma nova jogabilidade, tanto para combinaçoes de combos quanto especiais. Na minha opinião a os jogos da Serie EX PLUS são os melhores.

  • Luiz diz: 18 de dezembro de 2009

    Começei a jogar video game com o Street Figther 2 do SNes.

  • Carlos diz: 18 de dezembro de 2009

    O quê? Não falou nada sobre o STREET CHAVES? Imperdoável, caro blogueiro. O Street Chaves mereceria até um post próprio.
    Resposta: Pois Carlos, para tua alegria, eu JÁ fiz um post exclusivamente sobre o Street Chaves – http://wp.clicrbs.com.br/infosfera/2008/03/03/street-chaves-a-vinganca-do-seu-madruga/?topo=52,1,1,,224,e224

  • Infosfera » Blog Archive » Games memória: Street Fighter – parte I diz: 30 de dezembro de 2009

    [...] os capítulos do Games memória: Street Fighter Parte I – Parte II – Parte II e ½ - Parte III - Parte IV - Parte V   >>>Veja também Games memória: Street Chaves - a vingança do Seu Madruga [...]

  • Infosfera » Blog Archive » Games memória: Street Fighter – parte III diz: 30 de dezembro de 2009

    [...] os capítulos do Games memória: Street Fighter Parte I – Parte II – Parte II e ½ - Parte III - Parte IV - Parte V   >>>Veja também Games memória: Street Chaves - a vingança do Seu Madruga [...]

  • Thiago diz: 20 de março de 2013

    Cara, tu esqueceste de mencionar um jogo de Street Fighter que, se eu não me engano, saiu para o Sega Saturn em forma de desenho. O protagonista do jogo era um cyborg que tinha que capturar os golpes do Ryu. Depois de passar todo o desenho, o cyborg lutava contra o Ryu.

    Resposta: Bah, nunca na minha vida vi esse jogo. Até sei que existe um game chamado Street Fighter que é com um ciborgue, mas não tem nada a ver com a série da Capcom.

Envie seu Comentário