Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Games memória: conheça o videogame que era para ser o Super NES CD e deu origem ao PlayStation

18 de março de 2014 3
The following two tabs change content below.
Flavio Barboni
Gamer nerdão, curioso de tecnologia e principal responsável por quebrar os computadores da família durante a adolescência, hábito que perdeu depois de começar a pagar os consertos.

ps1 playstation sony infosfera

Os anos 90 representam para os games o que a década de 70 foi para o rock ‘n’ roll: uma época onde a maior parte dos grandes nomes de hoje nasceram ou se consolidaram. No caso dos joguinhos, os últimos dez anos antes da virada do século marcaram o domínio e queda dos arcades, com os jogos de luta, a guerra entre a Sega e a Nintendo, que já falamos no Infosfera e, principalmente, a “obsessão” multimídia.

Naqueles tempos, a ideia de vídeos, animações e trilhas sonoras que fossem executadas pelos consoles em sua forma “orgânica” (sem digitalizações para cartuchos) era apenas um sonho, sustentado por nomes como o fundador da Atari, Nolan Bushnell. E embarcaram nessa viagem onírica tanto a Sega, com o Mega CD (ou Sega CD), quanto a Nintendo, em uma parceria com a Sony para a criação de um ‘SNES CD‘. Ambos os periféricos seriam conectados, respectivamente, ao Mega Drive e ao Super Nintendo.

Sega Mega-CD Mega Drive infosfera

A Sega conseguiu lançar seu leitor de jogos multimídia em 1991, a tempo de competir com o TurboGrafx-CD, da NEC, seu maior concorrente no Japão e conhecido por lá como PC Engine. O produto obteve boas vendas (6 milhões de unidades até 1995), mas logo foi “canibalizado” pelo seu irmão mais novo: o Sega Saturn. Pelos lados de Kyoto, onde fica a base japonesa da Nintendo, o problema foi outro.

Desentendimentos entre a empresa e a Sony resultaram no fim da parceria. O projeto de console com disco a laser da Nintendo estava em concepção desde 1986 e, dois anos depois, foi assinado o início do desenvolvimento do SNES CD. A Sony, junto com a Philips, era detentora do CD-ROM-XA, uma tecnologia extremamente avançada para a época, que permitia o acesso simultâneo a todos os dados de imagem, som, textos e programação gravados em disco. Resultaria na prática na possibilidade de fazer jogos enormes, repletos de filmes, computação gráfica, músicas e gráficos poligonais.

snes cd sony super famicom nintendo infosfera

A escolha pela Sony tinha dois motivos fortes: o fato de ser uma empresa japonesa, e a exigência do lendário presidente da Nintendo, Hiroshi Yamauchi, em trabalhar com o engenheiro sonysta Ken Kutaragi. Ele foi o responsável pelo desenvolvimento da “obra de arte” que se tornou o processador de som do Super Nintendo, que seria lançado em 1991. Os leitores de CD-ROM para o SNES foram projetados, mas as duas gigantes não chegaram a um acordo sobre quem seria responsável pelo licenciamento de jogos e softwares para o periférico. O controle sobre a licença e monopólio de fabricação de jogos foi o grande e lucrativo trunfo da Nintendo com o NES nos anos 80, como nos conta David Sheff em Game Over (Os Mestres do Jogo, na edição brasileira), e ninguém gostaria de perder o poder nessa questão.

O tal projeto já estava em estágio tão avançado que a Sony decidiu prosseguir, mesmo sem comum acordo. Ele seria um console a parte com entrada para CD-ROM, para receber os futuros jogos da plataforma, e também funcionaria com os cartuchos originais do recém-lançado Super NES. Enquanto isso, a Nintendo já havia mandado para a Holanda o presidente da empresa nos EUA, Minoru Arakawa, e o chefe-executivo, Howard Lincoln. O objetivo? Negociar secretamente na sede da Philips uma nova parceria “mais favorável” para o lançamento de uma plataforma multimídia para Super Mario, Donkey Kong e companhia.

snes cd playstation one prototipo infosfera

Não contentes, Arakawa e Lincoln ainda travaram uma disputa de quase dois anos pela propriedade do nome do futuro console da Sony. Um nome bem próximo ao que se tornaria referência de videogame nos próximos anos: “Play Station”. O acordo veio finalmente no fim de 1992, mas os planos haviam mudado para o projeto conhecido como Play Station X (PSX) e no começo do ano seguinte a Sony já estava trabalhando em uma promessa da próxima geração, de 32 bits. Sem qualquer compatibilidade com o SNES, o console se focou nos jogos em CD-ROM e no processamento de gráficos poligonais.

Para sepultar qualquer relação com a antiga parceira, foi renomeado para PlayStation (sem espaço entre as palavras) e chegou às prateleiras do Japão em dezembro de 1994 e em 1995 no Ocidente, trazendo no pacote de lançamento clássicos como “Battle Arena Toshiden“, “Ridge Racer“, um dos muitos da parceria com a Namco, a novata Ubisoft com “Rayman” e o polêmico/lendário “Doom“. A sigla PSX foi por muitos anos após o lançamento um jeito informal de se referir ao console.

Enquanto a Sony vingou no lançamento de seu primeiro console, a Philips amargou com a Nintendo um prejuízo de quase um bilhão de dólares no fracasso do CD-i, a plataforma trambolhão aí embaixo, que era independente do SNES e dedicada a jogos e multimídia. Os desdobramentos da bem sucedida chegada do PlayStation ao mercado resultaram numa série de erros das concorrentes, mas isso é assunto para um próximo post.

CD-i philips nintendo infosfera

Gostou? Quer mais? Comenta aí!

Comentários

comentários

Comentários (3)

  • Cesar diz: 18 de março de 2014

    Me fez lembra de como era dificil ter um game ! Bons tempos…

  • Abraão Junior diz: 7 de abril de 2014

    Não sabia que a Nintendo e a Sony estavam desenvolvendo algo juntas na época. “SNES CD” certamente seria algo bem sinistro. Depois desta bela matéria pude entender hoje porque a Nintendo e a Sony na era dos 32 bits (ou 64, no caso da Nintendo), se estranhavam tanto. Lembro ainda hoje daquele jogo “Hey you Pikachu!” onde o jogador falava pelo microfone embutido no joystick do N64 a palavra “Playstation” e o pikachu ficava p da vida! A Nintendo sempre gostou de brincadeirinhas com seus “coleguinhas” fabricantes de consoles. Agora já entendi tudinho :-D

Envie seu Comentário