Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Quebra-cabeça ou smartphone? Quem respondeu os dois, acertou... Acredite, vem aí o celular personalizável do Google

03 de novembro de 2014 0
The following two tabs change content below.
Gil Azevedo
E ai tens Orkut? Me passa teu ICQ? E canal do MIRC rola? Teu msn tá on? manda a resposta no meu e-mail do bol

O Google anunciou a segunda conferência do Project Ara, o projeto que pretende fabricar e comercializar “bases” para smartphones. A ideia é construir uma placa base, de modo que os consumidores sejam capazes de escolher o que pode ser mais útil para si, tanto pela capacidade quanto pela marca e preço do produto.

devia Embora essa tecnologia já esteja sendo desenvolvida a algum tempo, por enquanto nenhum modelo funcional foi apresentado oficialmente. Modular-Smartphone-Design Os componentes como câmera, visor, processador, etc, poderão ser “substituídos” individualmente, tais peças poderiam ser compradas por fábricas como LG, Samsung, Sony e outras. 179767-phonebloksmain

O objetivo do projeto é substituir apenas partes do aparelho, por uma mais potente ou barata para evitar a compra de um aparelho totalmente novo por conta da obsolescência de um ou outro componente.

DSC_4817-2040_verge_super_wide

A apresentação do gadget e, provável lançamento para o público é prevista para janeiro de 2015. E o modelo mais simples deve custar US$ 50,00.

Screenshot-2014-04-10-10.31.09-730x564

Por enquanto, existem três tamanhos para os smartphones modulares, são eles: mini, médio e grande, cada um com configurações distintas. Eles medem de comprimento  aproximadamente 100 milímetros(mini), 120  milímetros(médio) e 140  milímetros(grande).

ara-feat O sistema operacional do smartphone será o lançamento Android 5.0 Lollipop. A comunicação entre um módulo e outro será por um endoesqueleto equipado com a UniPRO, uma interface de alta velocidade desenvolvida para interligar circuitos integrados. id99356 A novidade ainda não tem data oficial, apenas rumores, então fica difícil saber se a tecnologia chegará em terras tupiniquins. O que nos resta é esperar. A grande duvida é, será que pega?

Comentários

comentários

Envie seu Comentário