20 jun10:01

Hospital Marieta remaneja setores para obras

A direção do Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhausen, no Centro de Itajaí, começa nesta quarta-feira, o remanejamento de alguns setores da unidade para que as obras do Complexo Madre Teresa possam iniciar.

A partir da próxima semana a entrada da unidade de urgência e emergência será realizada por onde hoje funciona o setor de internação, com acesso pela Avenida Sete de Setembro. As clínicas do Sistema Único de Saúde (SUS) também serão remanejadas. O setor de internação de pacientes eletivos será transferido para a entrada principal do hospital, na Avenida Marcos Konder.

O Complexo Madre Teresa será construído num terreno da Avenida Sete de Setembro, ao lado do Pronto Socorro – espaço hoje usado como estacionamento. A nova estrutura terá 14 andares e um aumento de 200 leitos. Destes, 180 são de internação e 20 de UTI. O prédio terá ainda seis novas salas de cirurgia, além de aumento no espaço do centro obstetrício, do atendimento oncológico e Pronto Socorro.

O projeto tem custo total de R$ 45 milhões e prazo de dois anos para a conclusão. Em março deste ano, o governador Raimundo Colombo assinou um convênio para o repasse de R$ 12 milhões ao Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhausen. O recurso será destinado ao Complexo Madre Teresa.

Sem ampliação desde 1970

Administrado pelo Instituto das Pequenas Missionárias de Maria Imaculada, o hospital passou por uma ampliação na década de 1970, quando saltou de 96 para 344 leitos. Desde então, a população regional atendida pelo Marieta Konder Bornhausen triplicou.

Hoje, todos os anos 570 mil pacientes passam pelo hospital, que é referência em alta complexidade na região. A falta de leitos causa superlotação e demora no atendimento, que estão entre as principais queixas dos usuários do Marieta. Por falta de espaço, pessoas em estado grave chegam a passar até três dias no pronto socorro à espera de vaga na UTI, que hoje conta com 30 leitos.

Por

Comentários