Construção Civil

18 jan08:41

Esperança para 17 haitianos em Navegantes

Dagmara Spautz, Jornal de Santa Catarina

Dois anos após o terremoto que sacudiu o Haiti, os olhos que presenciaram cenas de morte e destruição enchem-se, pela primeira vez, de esperança. Contratados pela Inbrasul Construtora e Incorporadora, 17 haitianos, vindos do Acre, uma das portas de entrada dos imigrantes no Brasil, desembarcaram na noite de segunda-feira em Navegantes com carteira assinada e a promessa de uma nova vida.

A empresa ofereceu, além do salário a partir de R$ 950, dependendo da função, teto e alimentação. Em troca, os trabalhadores se dispuseram a aprender. Diretor da construtora, Alexandre Dias diz que, embora os contratados já tenham experiência em obras, o modo de construir no Haiti é diferente do usado no Brasil. Há ainda a barreira da língua. Alguns se comunicam em espanhol, mas a maioria fala o dialeto crioulo e o francês, língua oficial do país.

>>> QUEM SÃO OS HAITIANOS

A oportunidade era tudo que o pedreiro Thermilus Sylasse, 30 anos, esperava para se reerguer. Morador de Porto Príncipe, a capital do Haiti e o local mais devastado pelo tremor, ele viu, em janeiro de 2010, carros, construções e gente serem engolidos pela terra. Perdeu amigos, uma tia e o emprego.

Convívio forçado fez do grupo uma família: Josias Mirvil (E) ajuda o amigo e agora colega de trabalho Thermilus Sylasse a fazer a barba

Desde então, vivia sob uma lona. Realidade que, conta ele, é comum a muitos dos compatriotas.

A decisão de vir ao Brasil foi muito pensada. Sylasse vendeu tudo o que lhe restava e juntou US$ 2 mil para a viagem. Deixou a mulher e o filho pequeno em busca de uma renda que possa ajudar no sustento dos dois.

– Tive que sacrificar a mim e a minha família. Estou ansioso para começar a trabalhar, para poder mandar dinheiro para o Haiti – conta, esperançoso.

É este também o pensamento de Josias Mirvil, 33, que tem a companhia da mulher, Genica, na vida nova. Na bagagem vieram os poucos pertences do casal. No coração, a saudade dos filhos, uma menina e dois meninos, com quem não falam há três meses, nem por telefone.

– Me sinto mal de estar sem meus filhos, minha mulher chora a falta deles. Espero ficar bem para poder trazê-los para cá – revela.

Sem emprego, Josias havia saído do Haiti logo após o terremoto e buscado trabalho no Equador. Diz ter feito todo tipo de serviço, mas acabou, novamente, desempregado. Há três meses o casal decidiu vir para o Brasil.

A viagem para os haitianos é repleta de riscos. Os perigos incluem a ação de assaltantes e coiotes – pessoas que cobram cerca de 500 dólares pela levar os imigrantes do Peru à Bolívia, onde os haitianos finalmente têm acesso ao extremo Norte brasileiro. Apesar do drama, para o vidraceiro Marcedone Morigene, 35, a esperança de um recomeço faz tudo valer a pena:

– Os haitianos gostam do Brasil porque aqui nos tratam bem, como humanos. É como se eu estivesse no meu país.

Leia também:


Comente aqui
22 dez10:07

Construtoras de Itajaí e Balneário Camboriú apostam em estratégias de marketing diferenciadas

Duas importantes construtoras da região de Itajaí e Balneário Camboriú lançaram estratégias diferenciadas de marketing neste fim de ano.

A FG Empreendimentos reforça sua atuação no segmento luxo e proporciona passeios em um veleiro luxuoso pelas praias de Balneário Camboriu. Durante todos os finais de semana da temporada de verão, um veleiro com 20 metros, dois mastros e cinco quartos, irá circular pela orla com a logomarca da FG. A ação de passeios com o veleiro começa nesta segunda-feira (27) e vai até fevereiro.

A empresa também lançou a campanha “À altura de suas conquistas”, que tem mais de 20 frontlights espalhados pelos principais centros de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Em Balneário Camboriu, os clássicos Bondindinhos que passeiam pela praia desfilam com as peças promocionais, além da plotagem de todos os plantões de venda da construtora.

Também apostando em ações de marketing, o Grupo Riviera entregou esta semana desenhos para pintar, passatempos e quebra-cabeças em 22 restaurantes de Balneário Camboriú e Itajaí. A empresa, que lançou em novembro o Riviera Concept, primeiro complexo multiuso de Santa Catarina, produziu o material personalizado para cada um dos restaurantes envolvidos. Por exemplo, cada desenho leva a logo do restaurante. A ideia é garantir que os papais e mamães consigam comer com tranquilidade enquanto os pequenos pintam, rabiscam e montam os quebra-cabeças.

Comente aqui
15 dez13:40

Segunda torre de condomínio de alto padrão será lançada em Navegantes

A Construtora Mendes Sibara lança, neste sábado, a segunda torre do Condomínio Pharol do Porto Residence. O empreendimento, único de alto padrão de acabamento e qualidade na cidade de Navegantes, possui requinte de detalhes e uma área completa de lazer com sala de jogos, playground, academia e até uma sala de cinema exclusiva.

O Pharol do Porto é o primeiro condomínio residencial deste porte construído na cidade. A Mendes Sibara acredita no potencial de Navegantes, considerada um importante balneário com potencial turístico e imobiliário em Santa Catarina. O condomínio fica na Rua 26 de agosto, nº 85, no Centro da cidade.

Com informações Assessoria de Imprensa – Mendes Sibara

Comente aqui
08 dez16:34

Balneário Camboriú é destaque na revista Exame

Balneário Camboriú é destaque da revista Exame que chega nesta quinta-feira às bancas. É case de reportagem sobre as regiões mais dinâmicas do país, que souberam explorar suas vocações econômicas.

É claro que no caso de BC estamos falando da construção civil. De acordo com a página oficial da publicação no Facebook, o balneário mais badalado do Sul tem seis dos 15 prédios residenciais mais altos em construção no Brasil.

Por Blog do Pancho (Francisco Fresard, Jornal de Santa Catarina)

Comente aqui
01 dez08:51

Praia Brava, em Itajaí, atrai investimentos milionários

Por Dagmara Spautz, Jornal de Santa Catarina

A praia de ondas perfeitas e águas claras, que por muito tempo foi reduto de surfistas e moradores interessados no contato com a natureza, transformou-se, nos últimos anos, na menina dos olhos de investidores do ramo imobiliário. Aos poucos, obras de grandes empreendimentos tomam conta da paisagem da Praia Brava, tornando constante o vai e vem de operários da construção civil. Vendidos a preços que chegam a R$ 5 milhões, os novos apartamentos valorizaram a área e nascem com destino certo: o público de alta renda.

– A Praia Brava atrai investimentos por várias razões. Uma delas é a logística privilegiada, a possibilidade de estar entre Balneário Camboriú e Itajaí. E ainda oferece praia – avalia Evandro Dal Molin, presidente do Grupo Riviera, que lançou, semana passada, um empreendimento que alia hotel a residencial e edifício de negócios.

O interesse dos investidores causou um salto no valor imobiliário da praia. Em 10 anos, os terrenos valorizaram 10 vezes. Lotes nas quadras mais distantes da praia, que em 2001 eram vendidos a R$ 20 mil, hoje não saem por menos R$ 200 mil. Comprar um imóvel na Brava ainda é vantajoso se os preços forem comparados à vizinha Balneário Camboriú: o metro quadrado privativo – parâmetro usado para determinar o valor de um imóvel – custa, em média, de R$ 5 mil a R$ 10 mil. Na Avenida Atlântica de Balneário Camboriú, o valor pode chegar a R$ 15 mil.

– A diferença é que, para quem comprou um terreno na Praia Brava há 10 anos, havia risco, pois lá só havia lama e poeira. Hoje, a praia oferece restaurantes, comodidades, e isso tem preço – diz o corretor de imóveis Diego Hauber, morador da Praia Brava.

As construções diferenciadas fazem parte da proposta dos grandes empreendedores. A maioria das obras tem foco na sustentabilidade, com aproveitamento da água da chuva, aquecimento solar e áreas verdes preservadas. Também investem na segurança, áreas de lazer e de compras:

– Está se criando uma nova cultura de empreendimentos, inspirada em construções nos Estados Unidos e Europa, que atendem todas as necessidades do morador e racionalizam o tempo – afirma o diretor executivo do empreendimento Brava Beach, Cezar Leobet.

Presidente da Associação de Moradores da Brava, Tony Roberto Porto diz que a mudança é vista com bons olhos pela maioria das pessoas que vivem na região, porque tem como consequência investimentos na infraestrutura comum aos moradores:

– Muita gente ainda se preocupa com a infraestrutura da praia e o impacto ambiental dessas construções. Mas há quatro, cinco anos atrás, mal tínhamos esgoto e iluminação. O crescimento tem feito a diferença.

>>> CONHEÇA ALGUNS EMPREENDIMENTOS LANÇADOS

Leia mais:

1 comentário
17 nov14:07

Primeiro complexo multiuso de Santa Catarina será apresentado nesta quinta-feira em Itajaí

Será apresentado nesta quinta-feira, em Itajaí, o primeiro complexo multiuso de Santa Catarina. O empreendimento leva a assinatura do Grupo Riviera e integra área residencial, comercial e hotelaria em um mesmo endereço.

O Riviera Concept fica na Praia Brava, entre Balneário Camboriú e Itajaí, e inaugura uma nova geração de produtos imobiliários em Santa Catarina, com base na tendência urbana mundial que é integrar espaços.  O Valor Geral de Vendas (VGV) previsto de R$ 180 milhões.

- O raciocínio é o melhor de todos os mundos em um só lugar. Esse conceito multiuso já está presente em muitos produtos que usamos no dia a dia, como o smartphone, por exemplo. A ideia é integrar serviços em um produto imobiliário, facilitando a vida das pessoas e otimizando o tempo, que é um dos maiores luxos da vida moderna - aponta o presidente da empresa, Evandro Dal Molin.

O Riviera Concept contempla dois edifícios de alto padrão com projeto arquitetônico contemporâneo e terá unidades residenciais, comerciais e hoteleira, divididas entre o Riviera Concept Residence, o Riviera Concept Office e o Riviera Hotel, que será administrado com a bandeira Quality da rede Atlântica Hotels. Os apartamentos do hotel serão comercializados e destinados exclusivamente a investimento com todas as unidades participantes do pool de locação.
 
Elevadores ecológicos e sustentabilidade

Os projetos de sustentabilidade são criados com base em pesquisas que garantem maior economia financeira e preservação ambiental. Com uma Política de Sustentabilidade desenvolvida pela Aequo Soluções em Sustentabilidade sob medida para a empresa, o Grupo Riviera adotou várias medidas sustentáveis no projeto do Riviera Coincept, entre elas o uso da fachada com pele de vidro de baixa emissividade e transmissão luminosa elevada que reduz o gasto de energia elétrica, filtra os raios UV e IV, e não transmite calor ao meio ambiente. 

O empreendimento também prevê sensores de presença para o acionamento de lâmpadas em áreas comuns; iluminação com lâmpadas de baixo consumo, o que proporciona uma economia média de 60 a 80%; elevadores ecológicos com sistemas de travagem com regeneração de energia e comandos inteligentes. O sistema de travagem regenerativa permite recuperar a energia gerada e devolvê-la à rede, possibilitando uma economia de cerca de 30%. Os comandos inteligentes reduzem o consumo de energia através do acionamento da cabine mais próxima, indicando qual elevador é o mais adequado na situação, de acordo com os andares selecionados pelos passageiros, o que pode acarretar em até 3% de economia de energia.

Terá também o uso de energia solar fotovoltaica através de painéis solares para geração de parte da energia elétrica consumida nas áreas comuns do empreendimento, reduzindo a demanda de energia proveniente de fontes não renováveis e um sistema de aproveitamento de águas pluviais que além de economia de água, reduz o escoamento das águas pluviais e evita inundações.

O Riviera Concept estimula ainda a utilização de veículos zero-emissões prevendo vagas no estacionamento com pontos de abastecimento para carros elétricos. As vagas de carros elétricos contarão com medidores de energia individuais, para o controle da energia gasta no abastecimento dos veículos. O projeto ainda terá um bicicletário com vestiários próprios com intuito de incentivar o uso de bicicletas como meio de transporte, reduzindo a emissão de poluentes em nosso ambiente.

- O transporte por meio de bicicletas auxilia ainda nas questões de mobilidade urbana, diminuindo consideravelmente o tráfego de veículos -destaca André Montagna, diretor executivo da Aequo Soluções em Sustentabilidade.

 

Outros itens sustentáveis do Riviera Concept: 

- Estrutura para portadores de necessidades especiais: vagas para estacionamento próprias, rampas e acessos com calçadas táteis, elevadores espaçosos e banheiros adaptados facilitam o acesso de portadores de necessidades especiais;

- Sistema de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (SGRS): o Riviera Concept possuirá equipamentos de coleta seletiva e central de armazenamento de resíduos, permitindo a correta gestão dos resíduos sólidos;

- Uso de madeiras certificadas: o empreendimento utilizará apenas madeiras certificadas pelo Conselho Brasileiro de Manejo Florestal – FSC Brasil, estando de acordo com os princípios de bom manejo das florestas brasileiras;

- Pisos drenantes: as áreas externas terão pisos drenantes para facilitar a percolação da água da chuva para o solo, ajudando no processo de infiltração das águas e controlando enxurradas.

Ficha técnica: Riviera Concept  

Riviera Concept Residence 246 unidades 42 m² a 115 m² Unidades tipo e duplex  
Riviera Concept Office 199 salas 26 m² até 560 m²  
Riviera Concept Hotel 153 quartos  

Comente aqui
08 set08:49

Balneário Camboriú vertical

Três das 10 cidades brasileiras mais verticalizadas são catarinenses. Estudo do Ibope Inteligência revela que Balneário Camboriú aparece em segundo lugar no ranking nacional, atrás apenas de Santos (SP). Florianópolis ocupa a sexta posição e São José a nona.

Campeã no Estado, Balneário Camboriú também deverá abrigar, a partir de 2016, o segundo maior edifício da América do Sul, um projeto com 63 andares. Hoje, 57% dos imóveis da cidade são apartamentos – em Santos, o índice é de 63%.

Com uma densidade demográfica 54,8% superior à da líder Santos, a cidade catarinense tem no tamanho de seu território o maior limitador para passar à primeira posição no ranking do Ibope. Mas projetos não faltam para elevar o índice.

A Empresa Brasileira de Edificações (Embraed) prevê finalizar, até novembro do ano que vem, o Villa Serena Residence. Composto por duas torres com 46 andares cada uma, o maior empreendimento em construção da cidade fica na Rua 3.706 e tem dois apartamentos por andar.

Mas as obras mais ousadas têm a assinatura da FG Empreendimentos, há oito anos no mercado. A construtora tem seis empreendimentos em andamento, incluindo o Alameda Jardins Residence, um prédio de 45 andares e aproximadamente 140 metros de altura na Barra Norte. Lançado no último Carnaval e com conclusão prevista para setembro de 2015, o prédio está 70% vendido, segundo Toninho Roncaglio, gerente comercial da FG.

Mas são os próximos lançamentos que deverão colocar a construtora e Balneário Camboriú no mapa dos grandes empreendimentos do país. Segundo Roncaglio, em dezembro será lançado o projeto do prédio com 63 andares e quase 200 metros de altura na Barra Norte. Em número de andares e em tamanho, o empreendimento vai ultrapassar o maior edifício brasileiro, o Mirante do Vale, em São Paulo (que tem 51 andares e 170 metros).

Também há possibilidade de construir um prédio de 70 andares na Barra Sul. De acordo com Roncaglio, o novo projeto está em fase de definição do perfil do produto, mas a empresa pretende lançá-lo ao público ainda em 2012.

– Percebemos, nos últimos anos, que a verticalização ficou mais acentuada em Balneário Camboriú. Isso porque, pelo espaço territorial limitado, não há crescimento sem que ele passe pela verticalização – resume Roncaglio.

Verticalização municipal preocupa secretário de planejamento

O presidente do Sindicato da Habitação de SC (Secovi-SC), Sérgio Luiz dos Santos, concorda com esta tendência. Mas a verticalização da cidade preocupa o secretário de Planejamento Auri Pavoni, que defende uma revisão do Plano Diretor que, atualmente, não restringe o número de andares que um prédio pode ter, por exemplo. Na opinião de Pavoni, devem ser colocados limitadores para a verticalização municipal para que a cidade não perca a capacidade de oferecer qualidade de vida para os seus habitantes.

>>> Morando nas alturas

>>> Desafio é crescer com planejamento


Por Alessandra Ogeda, Diário Catarinense

2 comentários
28 jul14:08

Camboriú faz audiência pública para revisar Plano Diretor

A prefeitura de Camboriú vai promover audiência pública para iniciar o processo de revisão do Plano Diretor da cidade. Será dia 10 de agosto, ás 19h, no auditório da prefeitura. Discussão importante para evitar os erros da vizinha Balneário e receber, com planejamento, a onda do desenvolvimento litorâneo.

Por Francisco Fresard/Mercado Aberto, Jornal de Santa Catarina

Comente aqui
14 jul10:09

Prédio em Balneário Camboriú terá capela incorporada

Por Dagmara Spautz, Jornal de Santa Catarina

Maquete mostra como construtora manterá a capela, que não terá acesso direto ao edifícioEscondida sob a muralha de concreto que se ergue na Praia Central, a capela luterana da Rua 2.300 atravessou seis décadas intacta. Mas, a exemplo de outros prédios antigos na cidade, não resistiu ao avanço da construção civil. A edificação, tombada pelo patrimônio histórico municipal, está sendo incorporada por um edifício de luxo. A iniciativa foi a alternativa encontrada para garantir a manutenção do imóvel.

- A capela já estava muito deteriorada. Minha impressão, diante do estado do templo, foi a de que seria uma forma contemporânea de garantir a preservação do imóvel – avalia o conselheiro Ênio Faquetti, do Conselho da Cidade, que aprovou a ideia por unanimidade.

A permissão é para que a construtora reforme a capela e garanta a manutenção dela em meio ao edifício. A história da igrejinha remonta à década de 1950, época em que Balneário Camboriú ainda não tinha conquistado a emancipação e reunia principalmente turistas de cidades próximas, em busca de uma praia tranquila para passar o verão.

- A capela foi construída pela comunidade luterana que veraneava aqui. Teve uma importância muito grande para a fixação de moradores de cidades como Blumenau, Rio do Sul, Gaspar e Pomerode, que passaram a ficar mais tempo na praia sem deixar de lado as tradições religiosas. Alguns, inclusive, passaram a morar em Balneário Camboriú – comenta a conservadora e restauradora de bens culturais Lilian Martins, do Arquivo Histórico de Balneário Camboriú.

PATRIMÔNIO

Conforme os anos foram passando e a comunidade luterana cresceu no município, houve necessidade de um templo maior. Construíram, então, uma nova igreja na Rua Indonésia, no Bairro das Nações. À antiga capela coube a função de sala de reuniões da Ordem Auxiliadora de Senhoras da Igreja Evangélica de Confissão Luterana, dona do terreno da igreja e de outras duas construções no entorno, que eram usadas em retiros espirituais. Em 1998, a associação de senhoras passou a ter o nome de uma das fundadoras, Wally Heidrich. No mesmo ano, o imóvel foi tombado pelo município por decreto do então prefeito Leonel Pavan.

- O pedido de tombamento partiu da comunidade luterana. Durante um estudo para ver a significância do imóvel, foi verificado que extrapolava os limites da religiosidade – explica Lilian.

Dez anos após o tombamento histórico, a Associação Wally Heidrich já não conseguia manter a igrejinha. A construção antiga demandava cuidados que estavam além do orçamento da entidade sem fins lucrativos, afirma Ruth Baade, atual presidente da associação. Foi então que o representante jurídico da entidade procurou a construtora Ciaplan, oferecendo os terrenos.

Leia mais:

Obra exige cuidados especiais para preservar estrutura de 1950

Especialistas divergem sobre intervenção em imóvel tombado

Comente aqui
27 jun08:58

Balneário Camboriú sedia 1º Fórum de Resíduos da Construção Civil

Ocorre nesta segunda-feira, em Balneário Camboriú, o 1º Fórum de Resíduos da Construção Civil. O evento será na Câmara de Vereadores, de manhã e à tarde, com a participação de autoridades, palestrantes e entidades representativas do setor.

Informações podem ser obtidas através do telefone: (47) 3365 1953

Comente aqui