clicRBS
Nova busca - outros

Volvo Ocean Race

10 jun09:11

Curiosidades sobre Lisboa, sede da 8ª parada da Volvo Ocean Race

Dagmara Spautz – Enviada especial, Portugal

Lisboa, sede da 8ª parada da Volvo Ocean Race, guarda muita história e belezas especiais. Confira algumas curiosidades que a repórter Dagmara Spautz, enviada especial a Portugal, observou em meio a etapa:

- A sede da Volvo Ocean Race fica na Doca de Pedrouços, na região de Algés. Assim como no Brasil, o local precisou ser revitalizado para receber a Regata Volta ao Mundo. O Ministério do Turismo de Portugal e a Secretaria do Mar já manifestaram interesse em manter Lisboa como sede das próximas edições da competição.

- Em Portugal, a regata ocorre no Rio Tejo, lendário palco das grandes navegações. Os lisboetas podem assistir às manobras dos barcos ao longo de todo o rio. Durante as regatas, os velejadores passam por alguns dos mais importantes monumentos de Lisboa, como a Torre de Belém e o Monumento aos Descobridores, que homenageia os maiores navegadores portugueses e suas conquistas.

- Além dos monumentos, a Vila da Regata também está próxima de outro patrimônio de Portugal: a fábrica dos pastéis de Belém. O doce, vendido em confeitarias e padarias por toda cidade, é considerado uma herança cultural, assim como o fado e a navegação.

- Falando em doces, não é à toa que os dos portugueses são tão famosos. Macios e saborosos, derretem na boca – e pouco lembram os similares vendidos no Brasil.

- Lisboa está repleta de prédios históricos – a maioria, muito bem conservados. Caminhar pelas ruas mais antigas é como voltar no tempo. É primavera, e algumas delas ganharam um colorido arroxeado com o florescer dos ipês. As árvores trazem sombra e um agradável perfume à capital portuguesa.

- Nesta época do ano, o clima é agradável e anoitece tarde. O sol só se põe depois das 21h, o que garante mais tempo para conhecer a cidade.

- O resgate das heranças está evidente em Portugal. Em parte, devido à crise que se instalou na Europa, causando desempregos. Por toda Lisboa veem-se faixas e pichações de revolta contra a atual situação do país. 

- Em momento de crise, o esporte parece ter sido visto pelos governantes como uma boa forma de unir os portugueses. Propagandas na TV estimulam o amor à Seleção Portuguesa de Futebol, preparando a torcida para a próxima Copa do Mundo.

- Em geral, os portugueses sabem muito do Brasil. Conhecem nossa história política e enumeram com facilidade as regiões do país. O Brasil também é uma fonte inesgotável de nomes para cafés e restaurantes pela cidade de Lisboa – Guanabara, Café Leblon, Brasileiras e Ipanema são alguns deles.

JORNAL DE SANTA CATARINA

Comente aqui
10 jun08:47

Barco Brasil 1 pode virar ponto de visitação em Itajaí

Dagmara Spautz – Enviada especial, Portugal  | dagmara.spautz@santa.com.br

Usado pela equipe comandada por Torben Grael, o barco Brasil 1, única embarcação de bandeira brasileira a disputar a Volvo Ocean Race, pode ser doado a Itajaí para que se transforme em ponto de visitação. O veleiro, usado na etapa 2005-2006, está hoje em poder da organização da prova.

Segundo a assessoria de comunicação da Volvo Ocean Race, há conversas em andamento para verificar a possibilidade da doação ocorrer. As discussões são comandadas por Knut Frostad, diretor da Regata Volta ao Mundo, que fez parte da tripulação do Brasil 1.

O envio do barco a Itajaí dependeria da escolha da escolha da cidade para sediar as próximas edições da Volvo Ocean Race. A cidade já passou pela primeira seletiva, em que, das 65 candidatas a sede, apenas 32 foram escolhidas.

- Itajaí tem chances, com certeza. Tivemos uma experiência muito positiva na cidade, que mostrou um bom trabalho – disse Frostad.

O resultado final da seleção deve ser divulgado no final do ano. A expectativa do Comitê Organizador da Etapa Itajaí já manifestou a vontade de ter a cidade como sede não apenas de uma, mas duas novas Stopovers.

>>> LEIA - Groupama vence Regata In Port e abre vantagem na Volvo Ocean Race

Comente aqui
10 jun08:15

Dragão chinês invade Vila da Regata em Lisboa

Dagmara Spautz – Enviada especial, Portugal

Um dragão, figura mitológica da China, tomou conta da Vila da Regata de Lisboa neste sábado. A apresentação, feita por um grupo de dançarinos, homenageou a cidade de Sanya, uma das cidades sede da Volvo Ocean Race, e chamou atenção dos portugueses que passaram pela Doca de Pedrouços para acompanhar a Regata In Port.

A Vila da Regata é palco de muita torcida. Os portugueses vestiram, literalmente, as camisas das equipes neste sábado. Como a parada ocorre num país europeu, também há muitos estrangeiros – especialmente espanhóis – que vieram a Lisboa especialmente para acompanhar as regatas do final de semana. Camper e Telefónica são os campeões em popularidade.

JORNAL DE SANTA CATARINA

Comente aqui
10 jun06:37

Groupama vence Regata In Port e abre vantagem na Volvo Ocean Race

Dagmara Spautz – Enviada especial, Portugal  | dagmara.spautz@santa.com.br

A equipe Groupama venceu a regata In Port neste sábado, em Lisboa, e abriu vantagem sobre a Telefónica, que já havia perdido a liderança na travessia entre Miami (EUA) e Portugal. Penalizados por uma manobra supostamente irregular, os espanhóis terminaram a prova em último lugar e conquistaram somente um ponto. 

A apenas uma etapa da grande final, o resultado significa, para os franceses, estarem mais próximos de vencer a Volvo Ocean Race – embora a diferença entre os quatro primeiros colocados ainda seja muito pequena. 

Groupama liderou boa parte da prova, e chegou com folga à reta final. Já o Telefónica sofreu a penalidade após ter encostado no barco Puma. Para completar a maré de pouca sorte dos espanhóis, a corda que segura a vela balão arrebentou, justo no momento em que a equipe ensaiava uma recuperação.

Responsável pelo cumprimento das regras no Telefónica, Luís Sáenz Mariscal disse que a equipe não concorda com a posição dos juízes. Segundo ele, o Puma deveria ter se movido de forma a evitar a colisão que resultou no atraso da equipe espanhola. 

Mariscal acredita que o resultado da regata teria sido outro se a equipe não houvesse sido penalizada. Apesar disto, não há possibilidade de recurso.
Iker Martinez, comandante do Telefónica, deixou o veleiro com expressão preocupada. Em entrevista, logo após a regata, disse não entender a posição do juri:

— Estou 100% certo de que tínhamos razão, estou muito desiludido e desanimado — confessou Iker, que espera que o mau desempenho na etapa de Lisboa não venha a definir o resultado da equipe.

Diferente do comandante espanhol, o líder do Groupama, Franck Cammas, era só sorrisos quando desceu do barco junto à Vila da Regata. Disse que a vitória aumenta a confiança da equipe para a próxima etapa, que será disputada na França. Mas prefere não falar em vantagem:

— Não tenho certeza de que estamos em vantagem, porque todas as equipes conhecem muito bem a costa francesa. Precisamos é de vento, porque nossos concorrentes são muito rápidos — disse Cammas.

Próximo trajeto será decisivo

Embora tenha conquistado mais seis pontos com a vitória na Regata In Port, somando 189, a diferença entre Groupama e Camper, quarto colocado, é de apenas 23 pontos. O trajeto entre Lisboa e Lorient conta 30 pontos para o vencedor – e, portanto, pode levar qualquer um dos quatro primeiros a liderar a prova.

É esta a expectativa que move Ken Read, comandante do Puma. A equipe ficou em segundo lugar na Regata In Port, e não espera nada além da vitória:

— Estamos brigando pelo primeiro lugar — avisou.

A largada ocorre neste domingo, a partir das 13h no horário local – 9h no Brasil

TABELA

Regata In Port Lisboa
1 – Groupama
2 – Puma
3 – Camper
4 – Abu Dhabi
5 – Sanya
6 – Telefónica

Classificação Geral
1 – Groupama – 189 pontos
2 – Telefonica – 181
3 – Puma – 176
4 – Camper – 166
5 – Abu Dhabi – 107
6 – Sanya – 34

JORNAL DE SANTA CATARINA

Comente aqui
01 jun11:24

Volvo Ocean Race chega a Lisboa

Com o veleiro Abu Dhabi encabeçando a flotilha, os seis barcos que disputam a Volvo Ocean Race chegaram a Lisboa entre quinta-feira à noite e a madrugada desta sexta-feira. O barco francês Groupama chegou em segundo lugar e assumiu a liderança da Regata de Volta ao Mundo. Puma chegou em terceiro e numa disputa acirrada no final, o Telefónica superou o Camper e tomou a quarta colocação na etapa, caindo para segundo lugar na classificação geral. O Sanya, lanterna da regata, chegou em último.

Classificação da Volvo Ocean Race 2011-12  após a etapa Miami-Lisboa:
1. Groupama – 183
2. Telefónica – 180
3. Puma           – 171
4. Camper       – 162
5. Abu Dhabi – 104
6. Sanya           – 32

Comente aqui
31 mai11:19

Telefónica cai para último lugar na reta final até Lisboa

O barco espanhol Telefónica, que tem a bordo o brasileiro Joca Signorini e que ganhou a torcida da maioria das pessoas que estiveram na Vila da Regata em Itajaí, vê sua liderança geral na Volvo Ocean Race ameaçada na reta final até Lisboa, em Portugal.

Os barcos devem chegar na cidade portuguesa ainda nesta quinta-feira e o time espanhol caiu para a última posição, na etapa que partiu de Miami há duas semanas. O veleiro Abu Dhabi lidera a flotilha, seguido por Groupama, Puma e Camper, que brigam pelo título geral da Regata de Volta ao Mundo. Na quinta colocação está o barco chinês Sanya.

>>> Acompanhe a localização e a chegada dos barcos

Confira a classificação provisória e como ficaria se os barcos chegassem nessa posição:

1 – Telefónica – 165 pontos ( + 5 pontos) – 170 (3º)
2 – Groupama – 158  (+ 25) – 183 (1º)
3 – Camper  - 152 – (+ 15)  - 167 (4º)
4 – Puma  -  151 – ( + 20) – 171 (2º)
5 – Abu Dhabi – 74 – (+ 30) – 104 (5º)
6 – Sanya  -  27 – (+ 10) – 37 (6º)

Comente aqui
28 mai09:02

Volvo Ocean Race mais perto do Velho Mundo

O veleiro da equipe Abu Dhabi lidera com folga a sétima etapa da Volvo Ocean Race, a regata de volta ao mundo, que há uma semana partiu de Miami (EUA) e cruza o Oceano Atlântico rumo a Lisboa, em Portugal.

A equipe árabe, comandada pelo capitão britânico Ian Walker, é a quinta colocada na classificação geral e ainda não venceu nenhuma etapa oceânica (só regatas internas), mas tem sido favorecida pelo infortúnio dos adversários, presos em uma zona de baixa pressão de ventos, o que faz o Abu Dhabi abrir vantagem na liderança.

O Puma, vencedor das duas últimas etapas, está em segundo, cerca de 50 milhas náuticas (aproximadamente 95 km) atrás dos ponteiros. O Camper é terceiro, o Groupama quarto e o Telefónica, líder na classificação geral da volta ao mundo, é quinto. Todos estão no páreo pelo título da etapa. O chinês Sanya, lanterninha da regata e que voltou após duas etapas fora, vem bem atrás dos demais.

A previsão é de que os barcos cheguem à capital portuguesa quinta-feira, dia 31.

CLASSIFICAÇÃO GERAL

JORNAL DE SANTA CATARINA

Comente aqui
21 mai10:05

Volvo Ocean Race parte rumo a Lisboa

A classificação geral da Volvo Ocean Race ficou ainda mais equilibrada depois da Regata do Porto de Miami, disputada no último sábado.

O Abu Dhabi terminou em primeiro, mas o que chamou atenção foi outra jornada irregular do Telefónica, que tem o brasileiro Joca Signorini como chefe de turno. Os espanhóis, líderes da Volta ao Mundo, ficaram em último lugar novamente e viram a diferença para o quarto colocado, o Puma, cair para 14 pontos.

Ainda estão na briga pelo título o Groupama (sete atrás) e o Camper (13 atrás), o que faz da perna que começou neste domingo, até Lisboa (Portugal), mais decisiva. O percurso até a capital portuguesa será de quase sete mil quilômetros.

- Todo mundo está navegando muito bem. Tentamos fazer o melhor possível, mas não deu. A competição será apertada até o final em Galway e tudo pode mudar – explica Iker Martínez, do Telefónica.

O Abu Dhabi marcou mais seis pontos ao cruzar a linha de chegada em primeiro.

- Foi uma corrida muito disputada. Conseguimos uma recuperação no final e tenho que agradecer todo o trabalho da tripulação, já que não tivemos muito tempo para treinar – relata Ian Walker, que fez o trecho em uma hora e 14 minutos.

O percurso teve quase 15 quilômetros e contou com um final bastante disputado, com Groupama em segundo (30 segundos atrás), Puma em terceiro, e Camper em quarto. A equipe do Sanya voltou a correr uma prova após dois meses fora. O Telefónica errou mais uma vez e acabou em último, assim como em Itajaí, no mês passado. Desta vez, os espanhóis escolheram uma rota quase sem vento e foram ultrapassados por toda flotilha.



Classificação geral da Volvo Ocean Race:

1º – Telefónica – 165 pontos
2º – Groupama – 158 pontos
3º – Camper – 152 pontos
4º – Puma – 151 pontos
5º – Abu Dhabi – 74 pontos
6º – Sanya – 27 pontos

Comente aqui
19 mai09:13

Regata do Porto de Miami, neste sábado, pode mudar classificação geral da Volvo Ocean Race

A classificação geral da Volvo Ocean Race 2011/2012 mostra que a regata de volta ao mundo não está nada definida. O Telefónica, que parecia imbatível, viu a vantagem de mais de 20 pontos cair para 11. O Groupama, segundo colocado, é ameaçado de perto pelo Camper e pelo Puma. Uma combinação de resultados pode mudar a ordem dos classificados e agitar ainda mais a disputa. Apenas Abu Dhabi e Sanya estão distantes do grupo da ponta. 

Por isso, quatro das seis equipes que disputam o título colocam a Regata do Porto como fundamentais na disputa. A In-port Race de Miami neste sábado (19) terá transmissão ao vivo do canal Bandsports, às 14h. No dia seguinte, os barcos partem dos Estados Unidos para Portugal em um percurso de quase 7 mil quilômetros pelo Atlântico Norte.

Apesar de dar menos pontos do que uma perna (6 contra 30 para o vencedor), a prova de aproximadamente uma hora poderá ser fundamental no final.

- O importante é somar o maior número de pontos possível. Por isso, as equipes fazem todos os esforços para vencer – diz o comandante do Camper, Chris Nicholson.

- Tratamos a Regata do Porto com seriedade desde o início. A prova ganha mais destaque porque estamos chegando perto da definição do título. 

Inconstante nas últimas etapas, o Telefónica quer retomar o caminho das vitórias. O comandante Iker Martínez relata que sua equipe está confiante depois uma série de treinamentos nos Estados Unidos.

- Estamos prontos para a regata. Tudo isso se traduz em treinos. Na prática, o objetivo é largar bem e manter a velocidade. Temos que voltar ao pódio - acrescenta o espanhol.

Vencedores da Regata do Porto DHL de Itajaí, no mês passado, os franceses do Groupama não se consideram favoritos. Na avaliação de Franck Cammas, Telefónica e Camper são mais consistentes nesse tipo de prova.

- Eles são os únicos que têm mais chance de ganhar, mas todos cometem erros. Por isso, a tática é ficar perto e aproveitar as chances – diz o comandante do Groupama.

Em Itajaí, o Telefónica liderava a Regata do Porto quando cometeu um erro de contorno de boia e acabou em último.

O Puma, que tem a melhor médias das últimas pernas com duas vitórias, corre em casa e espera fazer a festa dos torcedores locais.

- Temos fé no barco e fé na equipe. Está tudo dando certo e vamos continuar esse trabalho vencedor, sem focar em um adversário – acrescenta Ken Read, comandante do Puma.

O Abu Dhabi, mesmo em quinto e quase sem chances de título, espera voltar a vencer. Até o momento, os árabes venceram duas Regatas de Porto, em Alicante e em Abu Dhabi.

- Treinamos em Miami para a terceira vitória. Não existem favoritos e espero que sábado seja mais uma vez nosso dia – explica o líder Ian Walker.

O retorno da equipe do Sanya a Volvo Ocean Race também é o destaque da prova em Miami. Os chineses foram obrigado a abandonar a quinta perna e nem foram para a cidade de Itajaí.

- A nossa tripulação quer retomar o caminho com um vitória. Não seremos nada conservadores – conta Mike Sanderson, que está com apetite de voltar a velejar depois de mais de dois meses.

Classificação geral da Volvo Ocean Race – após seis pernas:
1º – Telefónica – 164 pontos
2º – Groupama – 153 pontos
3º – Camper – 149 pontos
4º – Puma – 147 pontos
5º – Abu Dhabi – 68 pontos
6º – Sanya -25 pontos

Com informações da Assessoria de Imprensa da Volvo Ocean Race

Comente aqui
18 mai17:24

Itajaí mais perto de sediar próximas edições da Volvo Ocean Race

O sucesso de público e organização da parada de Itajaí da Volvo Ocean Race pode ter garantido a cidade catarinense como sede das próximas edições da Regata de Volta ao Mundo. Nesta sexta-feira, a direção da Volvo Ocean Race selecionou os candidatos aprovados que vão passar para a fase final do processo de licitação para se tornar cidades-sede para as edições 12 e 13 da regata, programadas para 2014-15 e 2017-18.

Das mais de 60 candidaturas recebidas, Itajaí está entre as 33 selecionadas para a fase seguinte. O anúncio oficial do percurso e das cidades que sediarão as próximas duas edições da regata deve ocorrer somente no final do ano.

- Particularmente, é uma sensação de dever cumprido. Mas seria extremamente decepcionante se Itajaí não estivesse entre as classificadas, até pelo que ouvimos positivamente durante a Itajaí Stopover, tanto de competidores quanto da direção da Volvo Ocean Race – afirma o presidente do Comitê Central Organizador da Itajaí Stopover, Amílcar Gazaniga.

Os barcos que disputam a Volvo Ocean Race estão, até domingo, em Miami. De lá, partem para Lisboa e Llorient (FRA), antes da chegada a Galway, na Irlanda, quando o campeão da edição 2011-12 será conhecido. Para Gazaniga, é importante a presença de Itajaí até a última etapa.

- Assim como para os velejadores, para nós a regata ainda não terminou. Itajaí continuará presente nas próximas etapas e mostrar que estamos comprometidos com o evento. Em Lisboa, queremos confirmar a possibilidade concreta da construção de um barco luso-brasileiro aqui. Já vimos o que é a regata, já mostramos que sabemos fazer a festa. Agora, mais do que apenas sediar, podemos ter um barco brasileiro na disputa.

O CEO da Volvo Ocean Race, Knut Frostad, explica que, ao escolher uma rota para a Regata de Volta ao Mundo, uma série de fatores são considerados, como esportivos, culturais, comerciais e o legado que o evento para a cidade.


>>> Relembre: IMAGENS DA VOLVO OCEAN RACE


3 comentários