Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de novembro 2009

A HISTÓRIA DA LETÍCIA

28 de novembro de 2009 12

   A Letícia é uma telespectadora fiel do TVCOM ESPORTES, do Bom Dia Rio Grande, do RBS ESPORTE, das transmissões esportivas que faço na RBSTV e na TVCOM. Fã do trabalho mesmo! Tá sempre ligada e manda mensagens pro twitter e eu respondo, assim que consigo.

   Lendo o blog, a Letícia gostou das últimas crônicas que fiz, envolvendo meus filhos em situações inusitadas e disse que passa por cada uma…

   Pedi pra que ela me mandasse uma dessas, que eu publicaria a história dela…Ela mandou e na sequência, reproduzo uma das aventuras vividas pela Letícia. Desde já, obrigado pelo carinho e audiência. Se diverte aí Letícia!! 

*               Bom, ontem acordei 7hs. Não muito animada, pois se tratava de quinta-feira. Ai, como eu odeio as quintas-feiras (nunca gostei). O motivo deve ser que as quintas a gente já está bem desgastada e ainda tem sexta!!! Continuando… tive que lavar bem meu rosto, dormi com rímel e acordei com a cara de um panda! (hehehe). Coloquei minhas lentes. Desci, fui pra cozinha tomar um café. Depois, adivinha??? Computador! É um vício, como diria minha mãe.

           De primeira já entrei no Msn (outro vício) e em seguida no Twitter (mais um vício). Fui direto no @leti_costa e lá estava um reply de Jader Rocha. EEEEEEE, que felicidade! Ele tinha dito que sim, que eu poderia mandar uma história minha que ele publicava em seu Blog! Me senti a última bolachinha do pacote! Depois respondi meus e-mails, aqueles sabe: piadas, slides de amigos, etc. Já era 10hs, de banho tomado e arrumada, fui para o centro.

      De lá, para o Shopping Iguatemi. Sempre pensando: “O que eu posso contar neste Blog?”. Sempre acontece cada coisa comigo, coisas que a gente até pensa: “Porque isso só acontece comigo?”. Mas justo hoje não vai acontecer nada??? Aí que eu me enganei. Coloquei a mão no bolso e adivinha? Cadê meu dinheiro??? Tinha perdido toda a grana que eu tinha levado, não tinha nem pra passagem. Que desespero, até chorei (confesso, sou chorona). E é sempre nessas horas que o celular nunca ajuda

       Lembrei de uma amiga minha que trabalha lá no shopping, a Michele (a Micha). Quando eu encontrei ela dei um grito: -Micha, nem sabe o que me aconteceu? -Léti, tu que não sabe o que me aconteceu! -Eu perdi meu dinheiro! -Aii, e eu fui assaltada! A gente se olhou e caiu na gargalhada!!! Uma rindo da outra, que situação.

       No fim consegui dinheiro para uma passagem, mas fui para a Assis Brasil à pé. Detalhe: de rasteirinha. Só uma mulher entende isso… Bom, cheguei em casa (como doía meus pés) e contei o ocorrido para a mãe. Levei “xixi”, é claro! Depois, adivinha??? Computador! Novamente abri o Twitter e li: TÔ ESPERANDO TUA HISTÓRIA! Mas que história eu poderia contar??? Bom, está aí… Aii, como não vou ser fã de Jader Rocha!”

Postado por Jader Rocha, POA

REVEILLÓN, UM CAFÉ E MUITOS REAIS A MENOS!

26 de novembro de 2009 0

   A cada final de ano que vai chegando me lembro de uma história, uma situação inusitada, que um grande amigo meu passou num certo reveillón.

   Estava no auge da solteirice. Era o final de 97. Já tínhamos, eu e um grupo de amigos, definido como seria nossa passagem de ano. Iríamos pra uma festa, daquelas holywoodianas. Piscina decorada, tendas, balões, muita música, comida farta. Era num lugar tradicional aqui em Porto Alegre. Já havíamos garantido nossos convites com mais de um mês de antecipação. A rapaziada tava empolgada!

   Trabalhamos numa boa. Último dia do ano, calorão, expectativa! Nos reunimos na cada de um deles já de noite, perto das nove. Tava chegando a hora…Fomos pra tal da festa. Uma muvuca daquelas pra entrar. Fomos em dois carros. Um era o meu. E quem disse que conseguíamos estacionar?? Perdemos um bom tempo, nem sei dizer quanto, nessa aí. Não tinha vaga! Fizemos um belo teste de paciência. Pensávamos que afinal de contas estávamos ali pra nos divertir, comemorar mais um ano que terminava e festejaríamos o novo que estava prestes a chegar.

   Passado e superado esse capítulo, entramos, finalmente. Logo nos dispersamos. Era comum isso. Algo como conhecer o território. Fazer uma varredura do local. Conhecer o terreno onde estávamos pisando. Festa boa, bebida gelada, comida de primeira. Música, muita música!! Cada um fazendo sua parte!!

   E o tempo passando…meia-noite…fogos…brindes…Era 98!! Assim nos divertimos. Já de manhã, cedinho ainda, se bem me recordo, seis horas, começamos a ir embora. Peguei meu carro e me fui pra casa. O melhor tava por vir.

   Uns dias depois, um dos meus amigos me contou o desfecho daquele reveillón pra ele. Da festa, “casado”, saiu direto pro Hotel Plaza, no centro de Porto Alegre. A guria queria porque queria tomar um café da manhã lá. Disse que fazia sempre, era quase um ritual. E ele foi, faceiro, até pra fazer média, ganhar pontos com a gata. E tomou, segundo ele, um baita de um café. De hotel, com tudo o que tem direito. Comeu, namorou, riu. Que ressaca que nada! Era um mundo a parte aquele começo de ano. Fez isso tudo até o momento em que viu a conta!! Falou pra ela, assim que chagaram, que pagaria tudo, era por conta dele. Mas não acreditou no valor que tava escrito no papel. Não podia ser verdade!! Nem imaginava um café tão caro!! Pensou em reclamar!! Mas como, ia ficar feio pra ele! Pegou a carteira, olhou, procurou e…nenhum real no bolso! Nada, nem um mísero real!! Pagar como?? Solta num canto, meio amassada, uma sobrevivente folha de cheque. Só uma, filha única!! Era ela ou nada. Ela ou a pagação de mico. Escreveu com todo o cuidado pra não errar! Pagou a tal conta exorbitante. Nem tinha aquela grana na conta. Mas saiu feliz com a missão cumprida. Rendeu aquele reveillón. Se deu bem na festa, tomou um belo café da manhã no Plaza e o futuro namoro…não engrenou. A guria disse a ele, em meio as despedidas na frente da casa dela, que estava embarcando pra Londres no dia seguinte e que ficaria por lá uns seis meses, no mínimo…

   Dá pra imaginar a cara do parceiro, não dá não??!!

Postado por Jader Rocha, POA

HANNA, ISA...SÓ DÁ ELAS!

25 de novembro de 2009 1

   Mais uma da minha filha. Já faz tempo que ela largou os desenhos mais educativos, mais ” bobos”. Desenhos que eu cansei de assistir junto com ela no Discovery Kids. Barney, Jay-Jay, o Jatinho, Bob o Construtor, Charlie e Lola. Ihh, já nem lembro mais como são, suas características, voz. Esqueci numa velocidade impressionante.

   A mesma velocidade em que essas crianças crescem. Olho pra minha dupla e vejo como é rápido o “espichão” dos dois. Eram bebezinhos até bem pouco tempo. Hoje, quase não pego mais no colo.

   Mas, sobre os desenhos. Minha filha agora vive noutra fase. Essa bem mais moderna, atenta aos acontecimentos e as vontades que cercam essa geração. De uns tempos pra cá, convivo diariamente com vozes femininas juvenis. Em inglês e espanhol. Vozes que cantam canções que parecem petrificar as gurias, minha filha, inclusive.

   É a tal da Hanna Montana pra cá, Isa TKM pra lá. Um disco inteiro, cinco, dez vezes. O outro na mesma proporção. Uma overdose! Mas uma overdose positiva. Tem seu lado bom. Minha filha aprende bastante. Tem coisas instrutivas, claro que tem. A gente acompanha. Observa como se dá essa adoração, pra perceber se há algo que execeda os padrões, os limites. Tudo bem controlado.

   Já não bastasse minha esposa, a minha filha, mãe, irmã, tias, avós, arrumei mais duas pra mim. Hanna e Isa, o nome delas!!

Postado por Jader Rocha, POA

O DRAMA DA BARRINHA

20 de novembro de 2009 1

   Criança tem cada uma. Se sai com coisas que a gente nem imagina. Meus filhos que o digam. Um mais esperto que o outro, sempre com uma resposta que derruba qualquer argumento que a gente tenha em mente. O que dizer então na hora de contar uma história, uma situação vivida no colégio, por exemplo. Tenho dito à minha esposa, que parece que nascem com um chip dentro da cabeça. Geração hi-tec, hig sei lá o quê. Enfim…

   Minha filha me saiu com uma esta semana. Veio com aquela cara de choro, beiço pendurado. Na segunda ou na terça, faceira da vida, comia uma barra de cereal, um dos ítens do lanche, no recreio na escola. Ela e suas amigas. Todas próximas, conversando, comendo, brincando. Assim mesmo, tudo junto e misturado como faz a gurizada.

   Dava ela uma mordida bem dada na barra de cereal, sabor tortinha de limão, que ela mesmo escolheu. Nunca vi gostar tanto de barra de cereal. Influência do pai? Talvez. Gosto de uma barra de cereal. Mas, mordia a tal barra, com todo o gosto do mundo, já terminando o lanche, quase indo de volta pra sala de aula, quando uma das amiguinhas, empolgada com uma brincadeira, uma dança que elas haviam inventado, levanta o braço além da conta, empolga-se além do normal e tasca um tapa na mão da minha filhota. Em meio segundo, o pedacinho da barra sai da mão dela e vai parar no chão, estatelado e esfarelado. Minha filha disse que ficou olhando, atônita, não acreditando no que tinha acontecido. Quase chorou…A amiga pediu desculpa, mas não deu muita bola pro desconsolo.

   Tinham que ver a cara dela me contando e encenando a história. Digna de uma participação em novelas. Uma atriz nata. Dei muita risada, mas muita risada!! Fiquei imaginando ela no momento do fato. Pra me surpreender, além do que já tinha surpreendido, ela me sai com essa:

    - Pai, põe a minha história no teu blog??

   Negar como…aí está!

Postado por Jader Rocha, POA

O MITO CAZUZA

19 de novembro de 2009 1

   É uma bela pedida pra esta quinta a noite. A Globo coloca no ar mais uma edição do POR TODA A MINHA VIDA. Programa que aborda a vida e a obra de grandes nomes da nossa música.

   Hoje será a vez de reverenciar um dos maiores compositores, cantores de uma geração caracterizada pela luta, pela busca da liberdade de expressão. Uma geração sufocada com a ditadura militar, mas ao mesmo tempo, esperançosa com a reabertura política e o retorno da democracia no país nos anos 80. Uma geração sem medos.

   Cazuza, o poeta, cantou e retratou em seus versos, os vários sentimentos que moveram esta geração. Estava a frente do seu tempo. Foi intempestivo, corajoso, audacioso, polêmico.

   A primeira vez que ouvi Cazuza foi no show do Barão no Rock in Rio de 85. Passei a respeitá-lo enquanto artista. Na banda ou em carreira solo.

   Vou retardar o sono logo mais pra olhar de novo esta história. Vale a pena.

Postado por Jader Rocha, POA

UM OLHAR PRA ZONA SUL DE POA

18 de novembro de 2009 1

   Tava a dias querendo escrever algo aqui sobre um problema que observo, quase que diariamente, no trajeto que percorro entre a tv e a minha casa. Um fato que chama a atenção não só pelo atraso que representa, mas como também incomodação pra quem vivencia o drama.

   É o seguinte. Avenida Padre Cacique, sentido centro-bairro. Logo depois da quadra da Imperadores do Samba, existe uma rótula. Três semáforos, várias combinações pra você usufruir em termos de caminho. Ou segue pra zona sul, passando em frente ao Museu Iberê Camargo, ou dobra a direita e sai na Avenida Beira-Rio, ou ainda tem outra possibilidade, entrar a esquerda, subir o morro, em direção a outro caminho que leve a zona sul ou ao Morro Santa Tereza. Enfim.

   O transtorno se dá justamente neste semáforo que indica a passagem pela Padre Cacique em direção ao museu. Se não me engano, ali, depois da rótula, a avenida já passa a ser a Diário de Notícias. Esse semáforo tem sido um caos, um martírio pra quem vai nesta direção. Meu caso, por exemplo.

   Hoje, por volta de 8h45 da manhã, literalmente parei em meio a um sem fim de ônibus, caminhões, lotações, carros, motos que se aglomeravam na via, esperando pelo sinal verde. Estava mais ou menos em frente a quadra da Praiana, outra escola de samba tradicional daqui, localizada na avenida. Em horários que não sejam os considerados de pico, não se leva mais do que trinta segundos pra percorrer este pequeno pedaço de asfalto. Hoje contei no relógio. Levei nove minutos. NOVE INTERMINÁVEIS MINUTOS!!

   Tempo esse, agravado pelo simples fato de que o semáforo no vermelho, fica até dois minutos até mudar pro verde. Quando se acelera, não passam mais do que QUINZE SEGUNDOS, na cor que autoriza a partida! Ora, assim no máximo três, quatro carros conseguem seguir. Isso se não tiver um automóvel de grande porte! QUINZE SEGUNDOS!! Não pode!!

   Tá na hora dos responsáveis reverem conceitos. Olhar com mais carinho pra essa situação. Assim, nosso trânsito já caótico, imagina como vai ficar!! 

Postado por Jader Rocha, POA

CÔSA DE LÔCO 3!

16 de novembro de 2009 0

   Essa não envolve nosso nobre cronista esportivo. Aquele, consagrado no rádio e na tv, protagonista dos dois primeiros episódios. Essa envolve, diretamente, este que vos escreve. E não faz nem tanto tempo assim. Foi na semana passada.

   Quinta-feira. A noite, já em casa. Meus filhos brincavam e eu e minha esposa decidimos pedir uma pizza. Uma daquelas cobertas por muito queijo!! Estávamos com fome e precisávamos daquela pizza.

   Liguei pra uma pizzaria, tradicional da zona sul aqui de Porto Alegre e fiz o pedido. Quatro sabores, pizza família. Quatro queijos, camarão, cebola, tomate, azeitona preta. Tinha de tudo nos sabores que escolhemos. Uma mistura de gostos e cheiros que dão água na boca agora, faltando vinte minutos pras oito da manhã, horário em que escrevo este post.

   Pois bem. Aguardamos a chegada da tele entrega. Meia-hora no máximo. Dinheiro separado, mesa posta, era tocar o interfone e partir pro “sacrifício”. Uma olhada na tv, uma troca de canal, uma piada aqui, uma brincadeira com as crianças e toca o interfone.

   Pergunto: - Sim??

   A resposta é música pros meus ouvidos: - Pizza!!!

   Maravilha! Era chegada a hora do prazer da gula. Fui em direção a porta do prédio. Passos rápidos. A fome era grande. Abro a porta e dou de cara com o entregador. Capacete sobre a cabeça. A pizza, exalando um cheiro espetacular e uma leve fumaça, que indicava que recém havia sido feita no forno a lenha.

   Me dirigi até o portão. Faltava só esse obstáculo a ser vencido até chegar na pizza. Vou chegando perto, quando ouço a frase do motoboy, direta e cheia de convicção:

   - Pô, olha só! O cara da previsão do tempo da tv! Prazer hein!!

   Fui abrindo o portão, rindo e explicando que não era bem esse cara. Trabalhava em tv, mas em outra área. O cara se desculpou, viu que tinha confundido tudo, me entregou a pizza, mas insistiu.

   - Tu não é o cara, mas é bem parecido! E saiu acelerando a moto. Eu entrei no prédio, com mais fome ainda. Só pensei que essa era mais uma história que deveria contar. Principalmente ao Cláudio Andrade, apresentador do Redação RS e que faz a previsão do tempo eventualmente. Por vezes, dublê do Jader e vice versa!

  

Postado por Jader Rocha, POA

CÔSA DE LÔCO 2!

11 de novembro de 2009 1

   Mais uma história vivenciada por aquele amigo meu, cara famoso de tv, baita profissional. Não foi só o cara que o abraçou no meio da rua, em pleno centro não!! Tem mais…

   Nessa, meu amigo aguardava na fila do banco. Olha só, de novo um banco e um episódio desses! Só pode ser sina!

   Na fila, pacientemente, nosso cronista esperava a vez. De novo, salário na conta, carnês na mão. Lá ia ele cumprir com suas obrigações. Deixar as coisas em dia.

   Em banco, cê sabe como é né. Fila, pra andar, só com reza braba! Essa não era diferente! Quase meia-hora em pé!! Haja paciência…E não era uma fila só não! Eram duas que se mantinham em paralelo! Um absurdo de gente tanto numa, quanto noutra!

   E nosso cronista lá…Reparou ele, que na fila do lado, uma senhora o fitava! Não tirava os olhos do seu rosto. O conhecia, certamente da tv, pensou ele. Quer puxar assunto, perguntar algo sobre o programa, a carreira, enfim.

   Ficou assim durante um tempo. Um passo adiante, uma nova olhada. Meu amigo já meio constrangido. Um leve sorriso, indisfarçável no rosto. E a senhora ali, firme na olhada. Passou mais um tempo e os dois, quase na boca do caixa, se encontram. Foi aí que ela não resistiu. Dá uma olhada mais determinada, encara ele nos olhos e tasca, sem titubear!!

   - Já sei de onde te conheço! Por um acaso, tu não vende carro ali na Ipiranga??

   Restou ao nobre homem sorrir e seguir em frente. Era hora de, finalmente, pagar as contas!!

Postado por Jader Rocha, POA

200!! DUZENTOS!! CC!!

11 de novembro de 2009 0

   Lembram da regressiva??

   Faltavam cinco posts pra chegar aos 200 aqui no blog!!

   E ele chegou!! Post 200!!

    Mais uma conquista, sim uma conquista, do Jader Rocha in blog!!

   Sigam acompanhando!!

   O 201 tá vindo, daqui a pouco!!!

Postado por Jader Rocha, POA

CÔSA DE LÔCO!

10 de novembro de 2009 1

   Um amigo meu, cara famoso de tv, um dos mais respeitados cronistas da atualidade, me contou uma história. Daquelas que a gente não imagina que possa acontecer conosco, até por se tratar de surreal, do ponto de vista da surpresa.  Pois bem. Caminhava, esse meu amigo cronista pelo centro de Porto Alegre. Ia na José Montauri. Buscava o banco. Queria cumprir sua rotina como todo o bom trabalhador. Recebeu salário, nada mais normal do que pagar as contas.

   Passos firmes e determinados. Tinha de chegar ao banco antes do fechamento, quatro da tarde. Cabeça baixa, vez por outra aquela olhada pra ver se não bateria em ninguém. Conhecendo o centro de POA é possível concluir que isso pode acontecer a qualquer instante. O formigueiro humano pulsava, pra variar!

   Quase concluindo o trajeto, eis que nosso cronista é surpreendido por um cidadão que acabava de atravessar a rua justamente na sua direção. O reconheceu, óbvio. Já disse, o cara é famoso na tv, tem credibilidade. Nada mais natural de que seja reconhecido. Até aí nada de mais. Ledo engano. Ciente de que o sujeito o iria abordar, meu amigo o observa. Nunca havia visto esse homem na vida. Um desconhecido! É pego no contrapé. O cidadão avança sobre ele, tasca-lhe um abraço, mas um abraço, um senhor abraço!! Aquele abraço que a gente dá no pai, num irmão, num fiho!! Um abraço fraternal!! Olha nos olhos do cronista e diz a ele, sem titubear:

    - Fulano! Não te preocupas. Me separei, é verdade, mas vai ficar tubo bem!!

    E saiu andando como se nada tivesse acontecido…Restou ao meu amigo, o cronista, seguir seu rumo. Rindo, constrangido, mas abraçado e confortado!!

Postado por Jader Rocha, POA