Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de fevereiro 2010

AH, ENFIM FÉRIAS!!

09 de fevereiro de 2010 1

   Na última vez que JP havia consultado o relógio, o ponteiro dos segundos mansamente avançava. Era uma tarde infindável. Uma tarde diferente das outras. Era A tarde. A última antes das sagradas e merecidas férias de final de ano. Ao contrário da hora, dezembro avançava rápido. Assim como rápida era a pressa do nosso honesto trabalhador brasileiro que urgia por aquele momento.

   Afinal foram quase doze meses de espera. Com suor, cansaço, muitas horas extras no cartel, nenhum aumento de salário. Nós e mais nós italianos na gravata que ainda insistia em apertar-lhe o pescoço.

   JP andava esgotado. Não é fácil lidar com números diariamente, religiosamente. Erro zero. Lidar com o balanço financeiro da empresa dos outros…quanta responsabilidade. Não foram poucas as noites em que JP debatia-se no travesseiro. Noites terríveis!! Sono de menos, números de mais. Ao ponto de ter pesadelos com 3, 4, 7, X, =, %, -, +. Tudo isso tomava proporções gigantescas. O perseguiam em plena noite. JP, pobre dele, não dormia.

   Por conta do estresse provocado pela profissão, procurou ajuda médica. Sabia que não poderia continuar daquele jeito. Sem uma boa noite de sono, como dar conta de tantas contas? Antes de a bomba explodir, um SOS bem-vindo. Tomava uma medicação leve, começou a praticar esportes, sentia-se melhor, pouca coisa, mas melhor. O esgotamento, no entanto, era visível.

   Por isso a ansiedade pelas férias. Mar, praia, sol, calor, sem gravata, sem hora, sem números. Bastavam-lhe o contato com a liberdade dos trinta dias de descanso, pra que as coisas se tornassem mais fáceis. Era só o que ele queria. Poderia, enfim, tomar sua caipira descompromissadamente. E uma bela caipira. Preparada no mais alto gabarito no quiosque escolhido por JP na sua livre rotina praieira. Dois limões, uma dose de suco de maracujá, duas de vodka e gelo, bastante gelo e açúcar. Pronto! Tava encaminhado o descarrego pelos dias de tensão. Caipira, solteirice, mulherada desfilando na areia. Uma química perfeita, prestes a acontecer.

   Antes que nosso herói desse mais uma saboreada no visual que batia a sua porta, um chamado o fez despertar pra realidade cruel daquele último dia. Era o colega da mesa ao lado, Alfredo. Um daqueles experientes do escritório. Em qualquer lugar sempre tem um Alfredo. Trocentos anos de empresa, dedicação absoluta, integral, quase 24 horas por dia. Uma bela puxada no saco do chefe. Alfredo era assim. Calvo, bigodinho fino e o óculos que batia na ponta do nariz. Baixo e uma barriga de dar inveja ao maior campeão de sumô da atualidade. Alfredo invejava a juventude e a ousadia de JP. Só não invejava o salário. Esse um capítulo a parte. Bem mais velho, sabia que na condição atual, na velocidade das coisas e seus avanços, só mesmo mantendo uma competição pra poder manter-se empregado. JP sofria. O Alfredo esbanjava mau-caratismo. Era um “leva e traz” daqueles. Gostava de “apimentar” a rotina do trabalho. JP era o alvo.

   – Pela distração, o sonho deve estar é bem bom, não garoto??!!

   JP, como num passe de mágica, acordou. Voltou à realidade.

   – Você nem sabe o quanto. E falta pouco pra ele virar realidade, seu invejoso de m…!! Respondeu baixo, cara a cara com o desafeto.

   Alfredo resignou-se. Não quis saber de discussão. Preferiu engolir a afronta de JP e seguiu trabalhando. Pro nosso herói, a frase dita segundos antes, representava um troféu. O que tinha a perder afinal. Último dia de trabalho, últimos minutos de uma rotina tediosa e cansativa. Havia engolido todos os sapos de Alfredo ao longo da temporada. Conseguiu o revés aos 45 do segundo tempo. Aquilo o aliviou. O deixou mais solto e leve pra encarar o restante do tempo.

   Teria que terminar aquele balanço. Os números, cheios de incertezas e diferenças, insistiam em tirar-lhe a paciência. Mero detalhe. Logo, logo, o quadro iria mudar. Assim como fez com Alfredo. Estava preparado pra virar mais essa página.

  

  

Postado por Jader Rocha, POA

BEACH SOCCER

01 de fevereiro de 2010 2

   Fazia um ano de dois meses que eu não corria atrás de uma bola. A não ser na beira da praia, durante as férias, brincando com meus filhos. Sábado, voltei a jogar. Mesmo debaixo de uma “lua” daquelas!! Devia fazer uns 40 graus lá no litoral. Mas encarei!!

   Fui um dos “atletas” que formou o time de convidados da rapaziada do Pretinho Básico, da Atlântida. No Villa del Mar, uma arena foi montada pra que pudéssemos mostrar nosso “talento” com a bola nos pés. Foi um prato cheio pros veranistas e fãs que lotaram o espaço. Certamente se divertiram muito!!

   No meu time, alguns dos músicos mais populares do RS. Jonathan Correa, da Reação em Cadeia, Mc Jean Paul, o DJ Finna, do Fat Duo, amigos e boleiros de carteirinha. O Pretinho jogou reforçado. Botaram o Dinho, ex-Grêmio, se somando ao Fetter, ao Maurício Amaral, ao Piangers, ao Pi.

   Nós perdemos. Se não tô enganado, três gols de diferença. Mas, sinceramente, não dei bola pro resultado. Legal mesmo foi brincar, curtir. Confraternizar.

   Só não posso esquecer. Meu saldo, foi um gol, um torrão nos rosto e um roxo na região da bacia!!

Postado por Jader Rocha, POA