Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2011

A "9" TEM DONO!

30 de março de 2011 2

   Muitos dos comentários que recebo, através de emails, ´”tuítes”, ligações, de torcedores colorados, são contrários ao argentino Fernando Cavenaghi, contratado pra ser o dono da camisa nove, em detrimento a Alecsandro, que até já se foi do Inter. Esses torcedores não compreendem como o clube pôde investir tanto, pra ter tão pouco retorno. Cavenaghi está devendo. Ele sabe disso. Conhece bem essas dificuldades. Imagino que esteja trabalhando arduamente dia após dia pra retomar a boa fase, marcar um gol que seja, um mísero gol, algo que ainda não ocorreu desde o seu desembarque por aqui.

   Cavenaghi não é mal jogador. Claro que não. Ele está numa fase azarada. Explico: No meio da contratação, Celso Roth já havia adiantado que Leandro Damião ganharia a concorrência pela “centroavância”. O argentino pintou, todo estiloso, cabelo desgrenhado, gravata, terno na apresentação, pinta de galã e Damião, com a humildade de um garoto oriundo do futebol da várzea paulista, desandava a fazer gols. Grife versus modéstia. Deu a modéstia.

   O “nome”, a fama conquistada ao longo da carreira, não foram suficientes pra transformar Cavenaghi em titular. Era preciso ganhar a vaga na bola, nos gols. E ele, por enquanto, está reprovado. Damião não deixa. Não dá margem. Sabe que não pode vacilar, um milímetro sequer. Joga todas como se fosse a última. Uma decisão de Copa, literalmente. Que fase!

   O próprio Roth já havia dito. Damião passa por aquela fase em que a bola bate e entra, não importando como. E aí? Questioná-lo? Nada. O negócio é seguir dando-lhe sequência. Lomba acima. Damião só vai. Cavenaghi espera. Logo mais, será assim. A “nove” tem dono. Agora com grife. Damião é Seleção, bradam os colorados!!

ADRIANO: SERÁ QUE AGORA VAI??

29 de março de 2011 4

   Fujo do tema GreNal que nos permeia nestes pagos. Vou além. Vou à São Paulo. De lá, a grande polêmica, o grande ponto de interrogação do futebol brasileiro do momento. Adriano. Imperador de outros tempos, interrogação da hora. Camisa dez, anunciado pelo Corinthians, vai pra enésima tentativa de sair do ostracismo, retomar a carreira, de novo! Será que agora vai?

    Particularmente, duvido. Beirando os 30 anos, envolvido em “rolos” cada vez maiores, longe, bem longe das quatro linhas, o jogador não conta com total apoio, simpatia da torcida mais exigente, mais influente do país. Não será fácil Adriano lutar pra ser Adriano, mais uma vez. Não creio. Passou-se muio tempo. Já está além da conta esse vai-não-vai dele com a carreira.

    Adriano, dentro de campo é o cara. Lá, sei que ele resolve mesmo. Em forma, no auge, é um dos mais completos atacantes do futebol mundial. Lembro sempre do Adriano da Copa das Confederações em 2005. Foi o dono. E aquele chocolate nos argentinos. O que dizer daquilo? Nada, só aplaudir. Foi-se o tempo.

   Hoje, o atacante, quase um ex-atacante se segura no que fez, no que representou. Não dribla as mazelas do dia a dia, da vida e suas turbulências, com a mesma competência, com que enfileirava os zagueiros antes de soltar a canhota poderosa. Não, definitivamente. As crises pessoais de Adriano somam-se e ele, afunda. Não há o suporte familiar, não há amigos. Se os há, são de má influência. E Adriano, se mostra vulnerável, sem noção pra lidar com isso.

   O Corinthians embarca numa nau sem rumo. Uma “barca furada”. Ah sim! Tite havia ajeitado o seu Corinthians com as saídas de Roberto Carlos e Ronaldo. Transformou o conceito. Revigorou a equipe. Adriano vem contra essa ideia do treinador. Tite sempre se mostrou contrário com essa vinda. Foi voto vencido. Há, ainda, o rompimento de Adriano com Gilmar Rinaldi, mais que empresário. Um pai pro jogador. Outro gol contra do antigo Imperador.

   Pobre Corinthians!

TAL QUAL IOIÔ

28 de março de 2011 3

Tô tentando, juro que sim. Faz tempo que prometo e não cumpro. Gostaria, mas gostaria muito de voltar a ter o contato diário com a escrita. Especialmente nesse espaço que criei, passando um pouco daquilo que aprendi e aprendo no decorrer do dia a dia, nesta profissão tão dinâmica. Juro que tô tentando. Falta tempo? Sim, falta.

Enquanto não recupero a frequência natural, sempre que dá, venho aqui e dou meus pitacos. Não é o ideal, o correto, mas, é o que consigo nesse instante. Por hora, garanto. Vou e volto, vou e volto. Chato isso né? Vai mudar, sei que vai. Tem que mudar!

Quarta, estarei no Sportv, narrando Inter x Jorge Wilstermann, 21h50, pela Libertadores.  Prestigiem! Compreendam, se possível!!

ESCALAS

04 de março de 2011 1

   Blogueiros carnavalescos ou não. Eis minhas próximas escalas pra vocês seguirem me acompanhando:

SÁBADO E DOMINGO DE CARNAVAL – Folga pra curtir os festejos com a família.

SEGUNDA-FEIRA, 07.03.11 – Estarei no Bom Dia Rio Grande, no Jornal do Almoço e Globo Esporte.

TERÇA-FEIRA, 08.03.11 – Bom Dia Rio Grande e TvCom Esportes

QUARTA-FEIRA, 09.03.11 – Bom Dia Rio Grande e a noite, 21h50, narro Grêmio x Caxias a decisão da Taça Piratini, no PFC, pra todo o Brasil e PFC Internacional!

EM BUSCA DA BATIDA PERFEITA

04 de março de 2011 0

   Saí do Olímpico pensando naquilo que Renato terá que fazer pra reajustar o Grêmio pra sequência pós Carnaval. O Grêmio teve imensas dificuldades pra furar o bloqueio peruano. Valeu-se da bola parada, qualidade e característica de um time bem treinado. Com a bola no chão, é que se deu o problema.

   Um ponto a ser trabalhado pelo técnico gremista. Adílson não dispõe da mesma qualidade na saída de jogo na comparação com Rochemback. Marca muito, é fundamental nesse ponto. Cumpre bem demais a função que lhe é atribuída. Peca no passe. O capitão do Grêmio, ao contrário, vive uma fase espetacular. É um dos mais regulares do time. Liderança, sobriedade e muita disposição a serviço do Grêmio. Quem sabe não esteja chegando a hora de Renato começar a pensar em Fernando. Ao menos testar o jogador, que terminou o Sul-Americano sub-20 como titular e um dos nomes do Brasil.

   Carlos Alberto é outro que precisa ser reavaliado. No entanto, o próprio jogador confessou na transmissão de ontem,  que vem cumprindo função tática. Jogando até mesmo fora das suas características principais. Renato pede, ele cumpre. Ontem, Carlos Alberto esteve liberado pra jogar mais solto. Aproximando-se de Douglas e dos atacantes. Sofreu com a marcação intensa do León e suas duas linhas de quatro atrás. Jogou menos do que se espera. Acredito que ainda vai crescer. Vai melhorar, é questão de tempo. Por hora, é preciso Lúcio voltar o mais rápido possível.

   Quarta, a decisão contra um Caxias motivado e perigoso. Serão dias de descanso, mas de pensamentos do treinador Portaluppi, em meio ao chopp, ao futevôlei e ao Sambódromo no Rio. Tudo, em busca da batida perfeita.

NÃO É JOGO JOGADO!

03 de março de 2011 3

   Sem o xodó, Paulão, o Grêmio tem a obrigação de vencer o León, peruano. Desconhecido, estreante em Libertadores. Vive a expectativa de tornar o futebol peruano vistoso, não mais do que isso. A lógica indica favoritismo gremista. No entanto, não significa que o time do Renato entre em campo já com os três pontos garantidos. Não.

   A Libertadores de 2011 tem sido um prato cheio no quesito surpresas. Que o diga Tite e seu Corinthians, batido na fase de mata-mata, antes mesmo dos grupos se iniciarem. Que o diga Muricy. O Fluminense, que agora na madrugada perdeu pro América mexicano, vê a classificação ir embora por entre os dedos, por mais que os investimentos o tornassem um candidato potencial ao título. Com reza e milagre, mas sobretudo, com muita bola, é que o Fluminense poderá ter alguma sorte diferente na sequência da competição. O Santos é outro virado numa incógnita. Sem Adílson, com Neymar e nada de deslanchar. Quatro jogos sem uma única vitória. Ontem, ganhava do Cerro, mas teve o embalo cortado pelos paraguaios num empate aos 45 do segundo tempo. O grupo santista, na teoria é fraco. Eu cravei o Santos como favorito do grupo e tô me dando mal até aqui.

   Grêmio e Inter, a rigor, passam, sem maiores problemas. As dificuldades dos outros podem servir de alerta e atenção pra não deixarem a Libertadores antes do previsto e imaginado. No caso gremista, Renato mandará a campo a formação que vem sendo trabalhada nos últimos jogos. Com a proteção de Rochemback e Adílson, Carlos Alberto e Douglas seguem com a incumbência de organizar o time. Carlos Alberto com tarefas defensivas, fechando um dos lados, liberando a passagem do lateral. É preciso dar velocidade, mas não descuidar dos contra ataques. Rafael Marques volta. Terá que entrosar com Rodolfo. Pode dar certo, mas não acredito como definitiva a parceria. O Grêmio vai às compras, certamente.

   Não se pode adiar. Hoje é ganhar ou ganhar. Mesmo que não seja um jogo jogado!