Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2011

DAMIÃO VOLTANDO!

14 de outubro de 2011 2

A angústia dos colorados está terminando. O goleador Leandro Damião se recupera com rapidez da lesão sofrida no último dia 21 de setembro, naquele empate contra o Figueirense, em Santa Catarina.

Uma semana e o maior artilheiro do Brasil na temporada, poderá estar, de novo, desfilando seu repertório pelos gramados do país. É o que pude apurar num bate papo informal que tive hoje, bem cedinho, com um dos fisioterapeutas do Inter, Rodrigo Rossatto.

Por não ter tido base e nem sofrido com qualquer lesão, desde que foi alçado ao time principal, Damião ainda gera dúvida no que diz respeito a maneira como vai se comportar nesse período final de recuperação. É um jogador fisicamente muito forte e se empenha, dia após dia, pra recuperar terreno e estar apto a ajudar o time na reta final de 2011.

Essa próxima semana se dará definitiva pra que o jogador possa passar do estágio da fisioterapia para o do recondicionamento físico. Será entregue ao professor Élio Carravetta. Dali, pra preparação física e na seqüência ao treinador Dorival Júnior.

A previsão inicial apontava uma ausência em torno de 40 dias. O goleador já corre em volta do gramado. Acelera o processo. Diminui esse tempo, em pelo menos, uma semana. Um grande alento aos corações colorados, que vivem dias de decepção com atuações pequenas de Jô, Dellatorre e outros candidatos que não conseguiram suprir a falta do “nove”.

Uma baita noticia pra quem ainda sonha com Libertadores!

JEJUM LONGO!

13 de outubro de 2011 0

     Tava lembrando, com um colega gremista aqui da tv, dos últimos anos do Grêmio. Ele, decepcionado depois do fiasco de ontem contra o Figueirense, que praticamente alija o time de pensar em Libertadores no próximo ano. O negócio é começar a se contentar com Copa do Brasil, Gauchão e um planejamento bem mais equilibrado e coerente, no que diz respeito a formação do plantel pra 2012.

   Mas, sobre as lembranças, me ocorreu que após a Copa do Brasil de 2001, ganha, por sinal com todo o merecimento do mundo sobre o Corithians lá no Morumbi, o Grêmio parou no tempo. Fruto de gestões pífias, pensamentos pequenos, interesses menores e o clube que foi ficando pra trás em termos administrativos.

   Vejamos. A Copa do Brasil daquele ano, levou o time pra Libertadores. Veio 2002 e o Grêmio, ainda sob a fatídica regência da parceria com ISL, foi às semifinais. Tudo bem, há o questionamento do pênalti, da má intenção do árbitro, enfim. O time parou ali pro Olímpia. Em 2003, ainda com resquícios de ISL, novo fracasso na Libertadores. Quartas-de-final, crise, saída do Tite e o restante do ano que se arrastou. O drama de escapar do rebaixamento se deu até o jogo final da temporada, contra o Corinthians, em casa, goleada, festa, Adílson Batista. Pouco, bem pouco.

   Em 2004, pagina que os gremistas aboliram do livro. Mas que é evidente, precisa ser lembrada. No Gauchão, caiu pra Ulbra nas quartas. No Brasileirão, lanterna, rebaixamento, fundo do poço e uma administração que vangloriava o site, o ônibus, etc. A reconstrução vem em 2005. Recursos escassos, time mediano, campeão da Série B, Batalha dos Aflitos. Volta ao lugar de origem e nova chance pra ser campeão de algo relevante.

    O ano de 2006 mostra um Grêmio forte. No campeonato nacional, um terceiro lugar honroso. No Gauchão, a recuperação da hegemonia estadual, dentro do Beira-Rio. Vamos pra 2007. Libertadores. Aos trancos, especialmente com os jogos em casa, uma final. Contra o mítico Boca. Fracasso, derrotas nos dois jogos e, de novo, o quase. Por aqui, mais um título gaúcho. No ano seguinte, a oportunidade real de um título brasileiro. Como pôde o clube perder aquela taça pro São Paulo, depois de estar onze pontos frente? Até hoje, inimaginável, inaceitável pro torcedor que se esforça pra entender, mas que não consegue. Celso Roth consegue?? Dois mil e nove, nada. Zero de tudo. Dois mil e dez, semifinal de Copa do Brasil contra o Santos, um quase rebaixamento no Brasileirão. A volta por cima com Renato Portaluppi. Ah, e um título gaúcho!

   E hoje? E 2011. Melhor nem falar no ano que ainda se desenrola. Tem gremista preferindo esquecer, olhando de lado, cara fechada. Nhaca pouca é bobagem. Jejum longo, inaceitável pra um clube desse tamanho, dessa grandeza. Concordam??

O QUE A SELEÇÃO TEM A NOS MOSTRAR, SINCERAMENTE??

11 de outubro de 2011 1

Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai. Fico só nestas quatro seleções, só pra não me alongar muito. O que elas têm em comum?? Todas, eu escrevi TODAS, jogam de forma oficial uma busca por vaga na próxima Copa do Mundo. Nossa Copa, que por enquanto, só nos causa dor de cabeça e preocupação.

São seleções que bem ou mal, precisam estar na ponta dos cascos, provando a cada rodada das Eliminatórias, que merecem jogar aqui no Brasil em 2014, ambicionando o título máximo do futebol mundial. A Argentina trocou o comando, aposta em Sabella, que revigorou o Estudiantes e pega uma equipe desacreditada após o fiasco na África, com Diego Maradona. A exemplo do Brasil, os argentinos não tem um time definido. São vários jogadores, de relevância e destaque, mas sem que haja um conjunto, uma harmonia e o fundamental, um time formado e escalado. Sabella experimenta, testa, mas num campeonato oficial!!

Os uruguaios sobram. A Copa de 2010, o título da Copa América revigoraram a Celeste. A inveja que me dá, é perceber que há prazer naquilo que eles fazem. Especificando bem: os caras que estão lá, se divertem jogando bola, gostam de defender sua seleção e transformam esse prazer, essa alegria, num futebol vistoso, competitivo, com a alma charrua e de extrema competência.

Já a nossa seleção…difícil descrever o momento de instabilidade e de falta de confiança! Que Brasil é esse, alguém consegue explicar?? Creio que seja algo sem resposta. Infelizmente, perdemos o respeito por nós mesmos!! Nosso time, se é que se tem um time, hoje é movido por interesses e não merecimento. Falta planejamento, clareza, grandeza pra admitir que ficamos pra trás. Recomeçar do zero seria o ideal. Oxigenando o ambiente da CBF, botando “o pingo nos is”, mas não será assim. Não passa de desejo pessoal. Uma pena.

Por hora, pergunto e reflito: O que essa seleção tem a nos mostrar, sinceramente