Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Laços que o tempo não apaga, mas acrescenta

14 de abril de 2015 6

No sábado que passou fez quatro meses que perdi minha mãe, Ivone, e a dor de tamanha perda não se disfarça, se consigo trabalhar e até saí de casa para eventos duas vezes neste período, é porque é preciso seguir em frente. E toda a burocracia que envolve uma perda dessas no início revolta, mas logo percebi que aquilo tudo me ajudou a sobreviver, ao menos a não enlouquecer nos primeiros meses.

Ivne Ferraz Wosgraus quando jovem nos anos 1960 , em foto do também saudoso Paulo Dutra na nossa casa em Videira

Ivone Ferraz Wosgraus quando jovem nos anos 1960 , em foto do também saudoso Paulo Dutra na nossa casa em Videira

Agora fica a saudade imensa, vida que segue ainda sem graça, o trabalho também salva. Aqui está um santo remédio, mas claro que a minha cabeça não está boa ainda. E o que me ajuda a continuar em pé, tocando a vida, sem irmãos nem filhos, são os amigos e o trabalho.

E como quase todo mundo com quem converso tem alguém da família com problema de saúde, ou mesmo por conta da idade avançada, só posso dar um conselho: tudo o que a gente fizer por nosso pais, especialmente quando ficam velhos e doentes é o que nos ajuda a viver depois que eles se vão. Não fosse isso, a dedicação que dei a eles, Francisco e Ivone, eu não estaria aqui hoje trabalhando. Mesmo assim essa dedicação não é nada perto da que recebi de ambos.

Comments

comments

Comentários (6)

  • ANA MAIA diz: 14 de abril de 2015

    Juliana cada vez que vejo o que escreve movida pela saudade de sua mãe me sensibiliza e me faz lembrar da minha que partiu em 2013 após seis meses internada em cuidados paliativos a saudade e a falta de sua presença é constante tudo lembra sentimos falta do amor incondicional do afeto sincero em todos os momentos mas sempre aparece por incrível que parece um anjo para nos confortar . Te desejo muita luz e paz e muitas alegrias em tua vida pois és especial pois foste a melhor das filhas que alguém pode ter
    grande abraço
    Ana

  • Gisele diz: 17 de abril de 2015

    Juliana, belas e sábias palavras a sua ! Afinal nada melhor do que retribuir todo amor e atenção que nos foi dada durante a vida . Perdi meus pais cedo e sinto que falta um pedaço , mas a vida segue e nos momentos difíceis e felizes , são os primeiros a ser lembrados !!! Fica em paz , bj grande pra vc!!!

  • Daniela Santos diz: 19 de abril de 2015

    Ju!!!

    Tens uma amiga, pode contar comigo no que for preciso! Eu adorava tanto a sua mãe!!! bjos no coração

Envie seu Comentário