Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Por que não dar bolacha maria e de maisena para crianças?

02 de setembro de 2016 13

Por Giane Guerra

 

Foto: Reprodução.

Foto: Reprodução.

 

Mais um post da série do Lado Natureba para alertar sobre alimentos que não devem ser oferecidos para crianças. Parceria com a nutricionista infantil Fabíola Frezza Andriola, que conduz a página Sabores do Bem – BLW e Introdução Alimentar Participativa.

 

Por que não dar bolacha maria e de maisena para crianças?

Sabe aquela marca tradicional, a Maizena? É uma farinha usada há décadas, que é amido de milho.

Só que as bolachas têm muito mais do que apenas esta farinha de milho e usam maizena (marca) ou maisena (farinha) no nome.

Há várias marcas no mercado. Olhem os ingredientes de duas delas:

“Farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico, açúcar, gordura vegetal, amido, açúcar invertido, extrato de malte, sal, vitaminas: B1, B2, niacina, B6 e A, aromatizantes, emulsificante: lecitina de soja (INS 322) e fermentos químicos: bicarbonato de amônio (INS 503ii), pirofosfato ácido de sódio (INS 450i) e bicarbonato de sódio (INS 500ii). Contém Glúten.”

“Farinha de trigo rica com ferro e ácido fólico, açúcar, amido de milho, gordura vegetal, açúcar invertido, leite em pó, malte, sal, fermentos químicos: bicarbonato de sódio, bicabornato de amônio e fosfato monocálcico, emulsificante: lecitina de soja e aromatizantes. CONTÉM GLÚTEN.”

As bolachas maria vão na mesma linha.

A nutricionista Fabíola Andriola alerta que são produtos industrializados ultraprocessados.

Entenda a escala de alimentos – Do in natura até o ultraprocessado

Industrializado X Processado – Quem realmente é vilão?

Os ingredientes já são um alerta: começam com farinha branca refinada, seguida por açúcar. Lembrando: a lista mostra os ingredientes por ordem de quantidade.

Algumas marcas ainda têm gordura vegetal hidrogenada, que é a gordura trans, a pior que tem. Sem falar nos aditivos. Por não ser colorida, os pais acham que não tem corantes e aromatizantes artificiais.

- Os pais têm medo de dar uma banana inteira para um bebê de sete meses, mas não têm medo de dar essas bolachas. Isso é uma distorção. – desabafa a nutri.

Como são ingredientes baratos, a bolacha fica barata. Acaba sendo mais um atrativo.

Essas bolachas são, muitas vezes, dadas para crianças de menos de um ano! E bebês nem deveriam comer açúcar nesta idade.

Para crianças com tendência à obesidade, agrava o quadro. Para crianças magras que os pais querem engordar, até podem ganhar peso com um produto cheio de farinha e açúcar, mas não de uma forma saudável.

Como substituir?

Frutas frescas, frutas secas… Ou chips de batata, de berinjela, de abobrinha fatiados bem fininho e assados no forno.

Ou que tal essa receita da nutri Fabíola:

Cookie de banana com ameixa

- 1 banana madura
- 3 ameixas secas picadinhas (ou uva passa)
- 2 colheres de sopa de aveia em flocos

Esmagar a banana, misturar a aveia e as ameixas. Com a ajuda de uma colher, fazer os biscoitinhos. Untar a forma com óleo vegetal ou de coco e assar os cookies por 15 a 20 minutos em fogo médio.

Outras receitas aqui: Livro para baixar grátis na internet traz receitas saudáveis para bebês

 

 

cookie

 

 

Leia os outros posts da série:

Por que não dar salsicha para crianças?

Por que não dar achocolatado para crianças?

Por que não dar gelatina para crianças?

Por que não dar suco de caixinha para crianças?

Por que não dar mingau pronto e engrossante para crianças?

Por que não dar “inhos” para crianças? Não valem por um bifinho.

 

===

Restaurantes precisam caprichar mais no menu kids

Kinder Ovo está proibido e McLanche teve que mudar pela saúde das crianças do Chile

Dá pra ver na televisão que é gostoso! – diz menina em pesquisa sobre publicidade de alimentos

Criança brasileira come muito biscoito recheado, macarrão instantâneo e bebida adoçada

Criança saudável – O que fazer quando o amigo do filho só come guloseimas

Quatro alimentos essenciais na papinha dos bebês

Bela Gil responde perguntas sobre introdução alimentar infantil

Alimentação infantil – arroz e feijão não são suficientes

===

Siga o @ladonatureba no Twitter.

 

Comentários (13)

  • Denis de Paula diz: 2 de setembro de 2016

    Resumindo a série: Porque não dar … para as crianças?

    Somente dê as crianças água e ar, mas sem exageros. Um brócolis orgânico uma vez por semana é permitido.

  • Sra.M diz: 2 de setembro de 2016

    Solução: plante sua comida e crie seu gado.
    Desculpe, mas tudo que tem nos mercados tem uma tabela nutricional tipo esta. Alguns que são um pouco diferentes são transgênicos…

  • Laís diz: 2 de setembro de 2016

    Frutas secas e chips de beringela… qual criança não adora? rsrsrsrs

  • Susumu Kodai diz: 2 de setembro de 2016

    Denis matou a pau agora!

  • Mozart diz: 2 de setembro de 2016

    Mas Denis, não dê qualquer ar, viu? Tem muito ar poluído por aí. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Marcel Zelanis diz: 2 de setembro de 2016

    Em tempos de “geração mimimi”…essa reportagem cai como uma luva. Reportagem voltada para esta geração, a de pais mimimi. Criam seus filhos numa bolha.

  • Lucas diz: 2 de setembro de 2016

    Nossa hein Denis, que mentalidade lixo a sua. Tenho pena do seu filho/filha se você já for pai. A Sra. M é outra atrasada na vida. Existem sim opções boas no mercado, basta saber pensar e analisar os rótulos.

  • biscoito diz: 2 de setembro de 2016

    Não de bolhacha, de Biscoito

  • Leandro diz: 2 de setembro de 2016

    Meu avô comia pão com banha de porco e açucar… e dizia que era muito bom. Hoje é tanta frescura dessa geração mimimi… Eu não sei o que é pior, os senhores naturebas ou os senhores bactérias …tudo tem bactéria…

  • Filipe Medina diz: 3 de setembro de 2016

    Temos como alimentar nossos filhos com alimentos saudáveis sim,porém país sempre querem na grande maioria os mais fáceis e práticos .agora se realmente,vc se preocupa com a alimentação de seus filhos e tem importância, vc se dedica mais e dá uma atenção maior para que isso não vire rotina.

  • Raquel diz: 9 de setembro de 2016

    Na época dos nossos avós e pais não tinha tanta informação como hoje, por isso muitos sofreram com infartos, obesidade, hipertensão, diabetes, etc. Infelizmente escutamos muitos usam essa frase: “eu comia isso e não morri!”. Era pra morrer?
    Hoje temos informações, mas as pessoas continuam querendo ficar na ignorância ou comodidade, pois é mais fácil dar besteira do que ter trabalho em preparar algo mais saudável.
    E esses que criticam e até fazem piadas sobre matérias e pessias que optaram em nao ser preguiçosas e passaram a ler as informações nutricionais por entender que estão cuidado da saúde do filho.

  • vergonha alheia diz: 30 de setembro de 2016

    Revoltante ler os comentários estúpidos acima…pior ainda é pensar que vem de gente “informada”…concordo com Lucas e espero mesmo que esses idiotas(pq não dá pra não dar nome aos bois) não tenham filhos….

  • maiara diz: 10 de outubro de 2016

    Eu entendo o objetivo da matéria, realmente hoje em dia há muito mais coisas que fazem mal às crianças do que na época em que eu era criança (há mais de vinte anos). Mas eu comia biscoito maria e sou uma pessoa saudável. Minha mãe me dava alimentos variados, na maioria caseiros. Mas hoje em dia todos os alimentos são perigosos, até os naturais, e os que são orgânicos, quem garante que são mesmo? Muitos produtores acabam sendo desmascarados. O negócio é dar uma alimentação mais variada possivel e orar muito, porque o negócio não tá fácil não.

Envie seu Comentário