clicRBS
Nova busca - outros

economia

13 ago19:05

Entidades vão lançar "Observatório Social de Lajeado"

Deve acontecer ainda em agosto a assembleia geral de instalação do Observatório Social de Lajeado (OSL), órgão que terá como missão servir de apoio à comunidade na pesquisa, análise e divulgação de informações sobre o comportamento de entidades e órgãos públicos com relação à aplicação de recursos, comportamento de dirigentes e funcionários e à qualidade dos serviços prestados, assim como os resultados obtidos na transferência de subsídios a empresas e entidades. Na oportunidade, será eleita a nominata dos integrantes do primeiro conselho de administração do órgão, que terá representantes das 23 entidades comunitárias instituidoras do OSL.

A definição da data da assembleia, constituição da diretoria e conselho fiscal e outros assuntos compuseram a pauta da reunião realizada na Univates, uma das entidades apoiadoras da instalação. O Observatório funcionará inicialmente na sede da Associação dos Economistas dos Vales do Taquari e Rio Pardo, rua Saldanha Marinho, 269 – sala 209, Centro.

Os participantes da reunião debateram formas de garantir a sustentabilidade de funcionamento do órgão, que inicialmente contará com a contribuição financeira de algumas das entidades instituidoras.

Atualmente, existem 28 Observatórios em funcionamento em todo o Brasil. E há 15 em processo de instalação, sendo três deles no Rio Grande do Sul. Além de Lajeado, também estão mobilizados para constituição de seus Observatórios os municípios de Santa Maria e Itaqui.

Comente aqui
26 jul22:38

Brasil Foods anuncia venda da unidade de Bom Retiro

ZHDinheiro

A Brasil Foods anunciou hoje, por meio de nota, que acertou a venda de três unidades no Estado, localizadas em Bom Retiro do Sul, Santa Cruz do Sul e Três Passos.

As Unidades serão comercializados para cumprir o compromisso assumido com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para possibilitar a aprovação da compra da Sadia pela Perdigão.

Leia mais: Integrados na expectativa da fusão

No documento, assinado pelo diretor vice-presidente de Finanças, Leopoldo Viriato Saboya, a empresa também informa a negociação envolvendo outras unidades de outros estados: São Gonçalo dos Campos (BA), Lages (SC), Salto Veloso (SC), Duque de Caxias (RJ) e Brasília.

Além disso, a empresa confirmou a venda parcipal de operações das unidades industriais de Carambeí (PR) e Várzea Grande (MT), além da venda de equipamentos industriais na unidade de Valinhos (SP).

1 comentário
08 jul13:24

Embargo russo à carne suína tem impacto em criadores da região

Simone Wobeto, RBS TV

O embargo da Russia à carne suína fez o preço pago ao produtor despencar. O quilo do animal vivo passou de R$ 2,20 para R$ 1,50 nas últimas semanas. É o preço mais baixo nos últimos 12 meses.

Desde o início do embargo, o maior abatedouro de Lajeado está direcionando a produção de suínos para o mercado interno e aposta ainda em outros países.

O presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul, Valdecir Folador, explica que algumas empresas gaúchas e catarinenses estão adotando outro medida para minimizar o impacto. Os animais ficam mais tempo no campo. Bom para as empresas, que não ficam com produto estocado; ruim para o produtor, que vê seus gastos aumentarem.

Inconformado com o preço pago ao criador de suínos, o produtor José Piassini, de Arroio do Meio abandonou a criação de dois mil e quinhentos suínos. Os cinco galpões que ele tinha no distrito de Palmas estão desativados há um ano. O investimento de R$ 100 mil está parado.

- Trabalhava durante 7 dias por semana e nunca recebi um valor justo – reclama ele.

Comente aqui
07 jul13:12

Frio aumenta preço de hortaliças

Simone Wobeto, RBS TV

O frio intenso está prejudicando as lavouras de hortaliças. A queda na produção deve chegar a 30% em Lajeado. O consumidor deve sentir o reflexo negativo no bolso já nos próximos dias.

A geada que se forma nos campos produz belas imagens, mas é motivo também de preocupação para quem cultiva hortaliças. A fina camada de gelo afeta principalmente as folhosas, como alface e rúcula. As plantas não resistem ao frio intenso e ficam com aspecto de murchas, explica o engenheiro agrônomo Nilo Cortez, da Emater regional

O produtor Marcelo Seidel tem seis hectares destinados ao cultivo de hortliças e verduras. Ele explica que as plantas não se desenvolvem bem no inverno, o que representa outro prejuízo: a planta menor não atrai o consumidor.

Um pé de alface custa em média R$ 1, a expectativa é de que haja um aumento de até cem por cento.

Comente aqui
01 jul09:57

Audiência define áreas prioritárias para o Vale do Taquari

A Univates sediou na tarde de quinta-feira a Audiência Pública Regional referente à Participação Popular e Cidadã – Orçamento Estadual 2012. Na oportunidade, foi apresentada a dinâmica da Participação Popular para este ano, definidas as diretrizes do processo na região do Vale do Taquari, e escolhidas a Comissão Regional de Acompanhamento da Participação Popular e Cidadã e as áreas prioritárias.

De acordo com o diretor do Departamento de Participação Popular e Cidadã, Davi Schmidt, serão realizadas 28 audiências públicas no Rio Grande do Sul.

- A integração entre o Governo do Estado e os Coredes é maior a cada dia que passa. Precisamos integrar os processos e os setores participativos aqui no Estado – frisou.

As dez áreas escolhidas para o Vale do Taquari foram: Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico; Agricultura, Pecuária e Agronegócio; Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo; Turismo; Meio Ambiente; Educação; Saúde; Habitação e Saneamento; Segurança Pública; e Casa Militar (Defesa Civil).

Na audiência, ficou definido que 50% dos recursos serão destinados à Saúde, Educação e Segurança e divididos igualitariamente, enquanto o restante será direcionado às demais áreas.

A próxima etapa do processo consiste na realização das audiências municipais e microrregionais, oportunidades nas quais serão escolhidos os delegados. Já no dia 20 de julho, no auditório do Prédio 7 da Univates, haverá o encontro entre todos eles para apresentação dos projetos e definição da cédula de votação. A Participação Popular e Cidadã ocorre no dia 10 de agosto e a previsão é de que a região seja beneficiada com cerca de R$ 6 milhões.

Mais informações podem ser obtidas com o Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari pelo telefone (51) 3714-7023.

Comente aqui
29 jun15:33

Conheça a vida dos pescadores do Rio Taquari


Hoje, 29 DE JUNHO, É O DIA DO PESCADOR e resolvemos fazer uma homenagem a essas trabalhadores. Os repórteres da RBS TV Cícero Copello e Peterson Gonçalves acomapanhar um dia de trabalho de profissionais da região.

Cícero Copello, RBS TV

Eles levantam cedo e colocam as redes nas embarcações. Saem para mais um dia de trabalho e esperança de boa pescaria. Mas não uma pescaria qualquer.

Estamos iniciando uma viagem pelo Rio Taquari. Vamos acompanhar o trabalho dos pescadores profissionais de Arroio do Meio, Lajeado e Estrela na busca por peixes, na busca pelo sustento de suas famílias.

Enfrentam a chuva, o sol forte, o frio. Para eles é comum, pra nós não. O vento parece cortar. Mas o trabalho precisa seguir.

- Só não trabalhamos quando o rio ou o tempo não deixam – diz José Léo Käfer, presidente da associação de pescadores da região.

O rio Taquari cheio não é bom para pescar. Até redemoinhos ele forma. Em alguns pontos a profundidade é de quarenta metros. O que obriga os pescadores a viajar por outras regiões do estado. Para a fronteira, nos rios Uruguai, Ibirapuitã ou Ibicui. E ainda no Jacuí, na Região Central. Passam até uma semana longe de casa. Tem vezes que o tamanho do peixe é bom, dá para vender.

- Um peixo e com dois quilos rende até R$ 16 – conta um deles, Saul SeveroEm época de boa safra são retirados dos rios duzentos, até trezentos quilos de peixe. A produção vai para o comércio regional. O que não é vendido serve para consumo próprio. Já vão limpos para casa.

    • Ao entardecer, é hora de recolher as redes, limpar os barcos de pensar em mais um dia de trabalho faça frio ou não os pesacores estarão lá, precisam estar.
Comente aqui
29 jun11:39

Palestra com Faccioni reúne cerca de 300 pessoas

Interessados em saber como ganhar dinheiro com moda e outros negócios, cerca de 300 pessoas reuniram-se no Clube Tiro e Caça nesta terça-feira à noite. O empresário Jorge Faccioni dividiu com o público experiências de sua trajetória profissional e informações do primeiro livro lançado neste ano – The Black Book of Fashion – Como ganhar dinheiro com moda.

Faccioni advertiu logo no início de sua apresentação:

- Não existem fórmulas mágicas em nenhum setor de trabalho e negócios.

Segundo ele, a melhor forma de ganhar dinheiro é a informação e o conhecimento. Investir em pesquisa, conhecer os clientes, o comportamento de consumo e saber quais as tendências que se confirmarão são fundamentais para ter sucesso.

Ele destacou um conjunto de variáveis importantes para o bom resultado, como compra do volume certo de mercadorias, reposição rápida, renovação constante de novidades, baixo estoque e alto giro.

Crítico das liquidações, o palestrante afirmou que elas são prejudiciais aos negócios e orientou que devam ser evitadas pelos lojistas. O novo perfil do consumidor, mais insatisfeito, mais informado e menos fiel, além da nova conjuntura econômica que apresenta a invasão de produtos chinesa foram mais alguns dos temas tratados.

O evento foi uma parceria entre Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Lajeado, Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC Vale do Taquari) e Sindilojas Vale do Taquari. Os associados dessas entidades podem adquirir o livro de Faccioni com desconto. A obra está sendo vendida pela internet e chegará às livrarias no ano que vem.

Comente aqui
28 jun10:06

Westfália lidera ranking nacional de distribuição de renda

Caio Cigana, Zero Hora

Após esquadrinhar dados dos 5.568 municípios de Norte a Sul, a Fundação Getulio Vargas (FGV) identificou no mapa do Estado a liderança de um ranking nacional de distribuição de renda.

Das 50 cidades brasileiras listadas como as de maior percentual de famílias nas classes A, B e C, 29 são gaúchas, mostrou o estudo.

No topo da relação aparece a pequena Westfália, no Vale do Taquari. Com apenas 2,7 mil habitantes, tem 94,16% das famílias com renda mensal de pelo menos R$ 1,2 mil.

Saiba mais sobre os municípios gaúchos melhor posicionados

Por consequência, tem a menor taxa da população incluída nas camadas mais pobres. Carlos Barbosa e Montauri, na Serra, são respectivamente o segundo e o terceiro do ranking, com percentuais de 93,69% e 92,10% de domicílios nas classes A, B e C.

Para Marcelo Neri, coordenador da pesquisa e economista-chefe do Centro de Políticas Sociais (CPS) da FGV, os resultados refletem um nível de organização social acima da média brasileira.

— É uma região bem desenvolvida em todos os sentidos. Tem menos desigualdade, melhor nível educacional, mercado de trabalho organizado e até distribuição da propriedades mais equânime — diz Neri, referindo-se também a Santa Catarina, que emplacou 19 municípios no ranking.

Campo e indústria ligados impulsiona desenvolvimento

Além de Rio Grande do Sul e Santa Catarina, apenas São Paulo, com duas cidades, figura na relação.

Um outro município gaúcho aparece bem posicionado na lista das cidades com maior percentual de famílias na elite econômica. Ipiranga do Sul, no norte do Estado, é o 24° do ranking nacional no percentual de famílias com renda suficiente para serem incluídos na classe A.

Para o presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Mariovane Weiss, o segredo de municípios pequenos, como Westfália, é industrializar a produção agrícola.

– Em geral, esse equilíbrio econômico acontece em cidades menores. Quando o campo e a indústria trabalham juntos, os resultados tendem a ser muito positivos – avalia.

Comente aqui
14 jun15:02

Programa de Formação de Pomares rende os primeiros frutos em Teutônia


O programa de Formação de Pomares, elaborado e desenvolvido em 2009 pela Administração Municipal de Teutônia, através da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, já mostra seus resultados. Neste ano, foram realizadas as primeiras colheitas das árvores frutíferas plantadas pelos agricultores há dois anos.

O projeto tem como principal objetivo estimular os produtores rurais a produzirem seus próprios alimentos na propriedade e a evitar a utilização de agrotóxicos, pois se recomenda a utilização dos princípios da agroecologia, garantindo assim, a certeza do consumo de produtos naturais. As inscrições para participar do programa de Formação de Pomares ocorrem todos os anos, durante o mês de maio, e a entrega das mudas é efetuada no mês de julho.

Em 2011, 231 agricultores se inscreveram no programa, e um total de 924 mudas, das mais variadas espécies, serão entregues no mês de julho. Algumas das espécies frutíferas disponíveis são: laranjeiras, limoeiros, bergamoteiras, pessegueiros, ameixeiras, figueiras, caquizeiros, pereiras, macieiras, videiras e kiwi. A Secretaria Municipal está realizando a compra dessas frutíferas para efetuar a entrega no próximo mês.

O secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Luiz Fernando Rückert, salienta a importância do programa, pois estimula o consumo de alimentos naturais (sem agrotóxicos) e modifica uma realidade muito comum, que apresenta a cada dia mais novidades em produtos industrializados.

- É de grande valia o resgate da cultura de nossos antepassados, que produziam seus próprios alimentos, da forma mais natural possível, cultivando seus pomares, e tendo a certeza de que consumiam apenas alimentos saudáveis – observa.

Comente aqui
11 jun15:14

Empresas de Teutônia têm até dia 30 de junho para requerer incentivo

A Administração Municipal, através da Secretaria da Fazenda, lembra que as empresas de Teutônia têm prazo até o próximo dia 30 de junho para encaminhar a documentação necessária para receber o incentivo de 4,46% de retorno a partir do ICMS gerado. O valor do benefício de cada empresa está disponível no link “Cidadão” no site da Prefeitura de Teutônia (www.teutonia.com.br). A consulta pode ser feita pela própria empresa ou pelo contador.

Conforme o secretário municipal da Fazenda, Roger Luiz Wagner, o incentivo consiste na devolução da cota parte do Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A lei permite o retorno de 4,46% do total de retorno de ICMS gerado por qualquer empresa estabelecida em Teutônia, que agregou valor adicionado fiscal. Para a base do cálculo será apurado utilizando-se o valor adicionado fiscal agregado pela empresa no antepenúltimo e penúltimo exercícios que antecedam o ano de pagamento do incentivo, multiplicado pelo coeficiente 0,05%.

Por exemplo, em 2011 será observado o valor adicionado fiscal agregado em 2008 e 2009. Este montante será multiplicado pelo coeficiente 0,05% e gerará o valor do incentivo. Este dado está disponível para consulta individual para cada empresa através do site da Prefeitura.

Para ter direito a receber o incentivo, a empresa deve comprovar com documentos (nota fiscal) a aquisição de produtos ou serviços, no Município de Teutônia, em 100% do valor do incentivo a que terá direito. Este requerimento e a comprovação devem ser feitos no primeiro semestre de 2011 (até dia 30 de junho). Uma vez atendidos os critérios, o pagamento do incentivo será realizado no período de julho a setembro de 2011. Junto ao requerimento protocolado deve fornecer a agência bancária e o número da conta para depósito. A empresa também deve fornecer as negativas da receita municipal, estadual e federal.

Lei é inédita no Brasil

A lei que estabelece a Política de Incentivo ao Desenvolvimento Econômico e Social é uma forma inédita de incentivar as empresas estabelecidas no Município. – A intenção é criar um círculo virtuoso em Teutônia, pois concederemos o incentivo a partir de um investimento que a empresa fará em outra empresa estabelecida na cidade. Isto gerará novos impostos e novos valores adicionados. Será uma roda progressiva para a economia. E o retorno de ICMS para as empresas é inédito no Brasil – sustenta o secretário Roger Luiz Wagner.

Outros benefícios são: gerar um aumento de demanda (de produção e venda) e de funcionários para as empresas produzirem; proporcionar que as empresas saibam qual é o valor que geram de ICMS ao Município; abre-se uma rota de empresas interessadas em se instalar em Teutônia.

A lei também prevê os casos de venda subsidiada, concessão de uso de imóveis, pagamento de aluguel de prédio destinado ao empreendimento, execução de serviços de terraplenagem e transporte de terras, isenção de tributos municipais (IPTU, ISSQN, ITBI e taxas), devolução de cota parte do ICMS, incentivo fiscal conforme plano de expansão, entre outros. A partir da lei, podem requerer benefícios, conforme a situação específica: indústrias, estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços, agroindústrias e produtores rurais.

Comente aqui