Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

#100happydays

03 de setembro de 2014 4

Depois uma pausa, sem motivo específico, apenas um período longe do blog, cá estou novamente escrevendo no Limonada Zen. Voltei porque, talvez, preciso externar reflexões, sentimentos, conflitos e situações que circulam na minha cachola desde o último texto, lá em março deste ano. Acredito que tive bastante tempo para reunir elementos para novas discussões.

 

Dizem que a vida é feita de momentos felizes. Para provar isso, terminei recentemente um projeto desafiador na minha vida: #100happydays. O movimento mundial tem por objetivo nos sacudir para encontrarmos a nossa felicidade, nem que seja por cinco minutos. Na prática, o participante precisa registrar apenas um único momento bacana do dia, durante cem logos dias, em uma das redes sociais mais usadas atualmente – Facebook, Twitter ou Instagram – com a #100happydays, contando sempre os dias, tipo, #day1, day2, day3…

 

Parece simples, mas 71% das pessoas que decidiram compartilhar da proposta fracassaram. A palavra fracassar é forte, mas é verdadeira. Não conseguiram, nas 24 horas do dia, encontrar um minuto pra si. Alegaram falta de tempo, muito trabalho e blá blá blá.

 

De fato, o simples registro chega a ser um fardo bem pesado no decorrer do andar da carruagem. E é fácil compreender: os tempos modernos exigem de nós muito trabalho, pouco lazer e uma dose cavalar de paciência: no trânsito, na faculdade, no ambiente profissional, no trato com as pessoas, nos serviços públicos que temos que usar e, até mesmo, nos privados. Sem falar que lidamos com chateações, decepções, tristezas, dúvidas, provenientes de problemas pessoais, como falta de grana, relacionamentos, doença e até mesmo perdas. Ou seja, coisas para aborrecimentos são infinitamente maiores que os motivos que temos para sorrir.

 

Como tudo nesta existência, há altos e baixos. Vivi dias com vários momentos bacanas. Já me peguei, no entanto, em semanas péssimas, que não sabia para onde correr, mas como não queria entrar para a estatística dos 71%, logo dava um jeitinho se ser momentaneamente feliz. Mesmo quando estava amolado, encontrava algo que me fazia um pouco menos amolado. E acreditem: sempre tem. E pode ser qualquer coisa: uma pausa no trabalho para um cafezinho, uma caminhada domingo no parque, um happy hour com um amigo, uma soneca depois do almoço, um copo de suco bem gelado…

 

Uma das maiores provas de me fazer feliz foi há setes dias para a conclusão do desafio. Um tio-avô faleceu muito querido faleceu. Como o velório e enterro eram em Canela, aqui na Serra Gaúcha, eu e meu irmão fomos juntos de carro. Nas quase cinco horas de estrada, ida e volta, tivemos um papo reto, de mano pra mano, resgatando nosso passado e falando sobre o presente e futuro. Ou seja, mesmo num encerramento de ciclo para a nossa família, como toda perda é, uma conversa com o Dudu representou um momento especial.

 

A peleia é dura, meus amigos, mas não é impossível!Venci. Consegui, durante os pouco mais de três meses, provar para mim mesmo que posso encontrar um tempinho para mim, mesmo na dor, na tristeza, na saúde e na doença. Mas o grande lance dessa iniciativa é entender que os momentos felizes dependem exclusivamente de nós, e de mais ninguém. E prova, por A + B, que sim, a vida é feita de momentos felizes, nem que sejam cinco minutos.

 

 

Alguns dos meus cem momentos mais felizes durante o projeto

Alguns dos meus cem momentos mais felizes durante o projeto

O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Comentários vazios, com palavrões ou contra o blogueiro não serão publicados.

 

Comentários (4)

  • Franciele diz: 3 de setembro de 2014

    Estava com saudades dos teus textos, e realmente e jogada é essa: ” é entender que os momentos felizes dependem exclusivamente de nós, e de mais ninguém. E prova, por A + B, que sim, a vida é feita de momentos felizes, nem que sejam cinco minutos.”
    Reclamamos muito pelo que falta e não valorizamos o que temos, essa é a realidade, todo dia é uma nova conquista, estarmos vivos é uma nova conquista e não sabemos valorizar isso, devido aos relacionamentos, ao trabalho, a faculdade a situações que seriam para somar aprendizado e que acabam jogando pra longe nossos happy days.
    Baita texto, seja bem vindo.
    Grande beijo

  • Samuel Haas diz: 30 de outubro de 2014

    Adriano…
    Quanto tempo. estávamos com saudades !!!
    2015 já está ai hein?

  • Vannise diz: 10 de dezembro de 2014

    Olá querido amigo, que bom saber que voltou! Estava com saudades dos teus textos.
    Usarei este exemplo, de tentar achar todos os dias, nem que seja por 5 minutos, um momento legal, um momento de felicidade nos meus dias.
    Na maioria das vezes, passam despercebidos.
    É dos ser humano achar só imperfeições e tristezas…

    Um forte abraço!

Envie seu Comentário