clicRBS
Nova busca - outros

água

17 mar17:30

Dezessete assentamentos continuam sem água

Dezessete assentamentos da reforma agrária, além de comunidades de quilombolas e de pequenos agricultores, continuam sem água potável em Santana do Livramento em decorrência da estiagem. Pelo menos 1500 famílias são atingidas com a falta de chuva na cidade. Em alguns assentamentos, as famílias estão com problemas de abastecimento desde dezembro de 2010.

Não há água potável nem mesmo para beber. O gado e as plantações também sofrem os efeitos da falta de chuva. Segundo levantamento da assentada da localidade Santa Rita Jocerlei de Fátima dos Santos, a quebra no leite já chega a 50% e, para quem planta milho e soja, a perda é total.

 

Os assentados exigem que Governos e Prefeitura resolvam o problema

Os assentados de Santana do Livramento exigem uma audiência urgente com o governo estadual, a prefeitura municipal e o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para tratar da grave situação. Em fevereiro, famílias assentadas ocuparam a prefeitura de Santana do Livramento para exigir o fornecimento de água. Naquele momento, eram 8 assentamentos que sofriam com a falta de água para os animais, plantios e consumo humano.

 Na ocasião, os assentados criaram uma Comissão da Seca, junto com a prefeitura e a Defesa Civil, para resolver a falta de fornecimento de água e minimizar os efeitos da estiagem. Desde então, o governos municipal, estadual e federal entregaram cestas básicas e caixas d’água, mas que de acordo com Jocerlei já estão vazias devido à falta de reposição de água. Para minimizar a falta de água, os assentados reivindicam dos governos a perfuração de poços e a construção de micro-açudes e a instalação da rede de água.

Comente aqui
12 fev12:16

Assentados recebem visita de avaliação dos prejuízos da seca

Após reivindicações do MST alertando para problemas relacionados à falta de água na zona rural, o prefeito Wainer Machado visitou, na tarde de sexta-feira, acompanhado pelo coordenador da Defesa Civil, Major Oscar Luís Moiano e o Adjunto da Defesa Civil em Livramento, sargento Brasil, os assentamentos mais prejudicados pela seca.

Banhado Grande com tem 13 famílias e o Dom Camilo com 37 contam as dificuldades que assolam a vida dos assentados sem água para consumo. A prefeitura busca soluções e, na próxima semana deve começar a perfuração de poços e ser realizada a entrega das cestas básicas às famílias.

Na quarta-feira, foram disponibilizados aos assentamentos Banhado Grande e Herdeiros de Oziel filtros de barro para melhorar a qualidade da água consumida.

Os assentados estavam tomando uma água de coloração amarelada, imprópria para consumo


Comente aqui
09 fev18:14

MST ocupa prefeitura pedindo soluções para a falta de água

Cerca de 60 integrantes de 11 assentamentos do MST que vivem na área rural de Livramento ocupam desde de as 12h30min a prefeitura à espera de auxílio. A assentada Jocerlei dos Santos explica que a revindicação se deve à falta de água na área rural e diz que eles não devem sair do local até alcançarem a certeza de uma ação concreta para resolver o problema.

- Em dezembro eram três assentamentos sem água. Agora já são oito dos 34. O problema é que esse número deve crescer – diz.

A estiagem já prejudica a agricultura local há cerca de seis meses, porém a partir do dia 22 de dezembro, segundo a assentada, a situação se agravou. Durante esse período, a Secretaria da Agricultura levou água a alguns assentamentos com caminhões pipa, porém a maioria deles não tem reservatório de água.

Estiagem preocupa zona rural da Fronteira Oeste

Os sem-terra pedem caminhões-pipa para a locomoção de três a cinco reservatórios, já que alguns dos assentamentos chegam a se localizar a 100 quilômetros do centro de Livramento. Jocerlei conta que já existem sete poços perfurados, porém sem rede de água

- Para esses poços precisamos de bomba e rede de água, queremos a perfuração de poços urgente com redes. Para o gado, pedimos algumas caixas de água e açudes.

Por enquanto, os assentados bebem água de um açude próximo a um dos acampamentos, porém, a água apresenta uma coloração amarelada e não parece própria para o consumo. Até o momento, 28 crianças e e alguns adultos apresentam vômitos e diarréia, segundo os assentados.

Prefeitura e Defesa Civil receberam 100 filtros de barro e 2 viniliq – Pipas de 4500 litros , a serem entregues na zona rural
do município às famílias assentadas atingidas com a estiagem

- Estamos preocupados que mais pessoas adoençam, sem falar na perda da produção, teve famílias que perderam 80% da lavoura e 50% da produção de leite por falta de água. Outra famílias nem conseguiram plantar – conta Jocerlei.

Entre os assentamentos sem água confirmados até o momentos estão: Dom camilo, Banhado Grande, Ibicui e Cerro da Cruz.


Leia também:

Definida data do cadastro para retirar recursos da estiagem

Defesa Civil recebe filtros de barro e pipas destinados a assentamentos prejudicados com as secas

Assentados fazem manifestação em frente à prefeitura



1 comentário
06 fev09:42

Governo libera R$ 20 milhões para o RS

Canal Rural

O Ministério da Integração Nacional anunciou a liberação de R$ 20 milhões para o governo do Rio Grande do Sul com a finalidade de atender aos municípios atingidos pela estiagem. O recurso será administrado pelo Estado na execução de ações de defesa civil, de socorro, assistência e restabelecimento de serviços essenciais, em municípios com a situação de emergência reconhecida pela Secretaria Nacional de Defesa Civil.

Já o ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, durante entrevista coletiva em Porto Alegre, anunciou que o governo federal vai disponibilizar 30 mil toneladas de grãos, principalmente trigo, para alimentação de animais. A prioridade é distribuir aos agricultores familiares e assentados da reforma agrária que trabalhem com a produção de leite.

Entre as medidas, também estão previstas a entrega de 27 conjuntos de equipamentos para irrigação. No caso das dívidas, agricultores e pecuaristas que acessaram o Pronaf, terão mais 180 dias após o vencimento da primeira parcela para começar a pagar.

Além dessas medidas, o governo do Estado pretende começar a trabalhar em projetos de irrigação e pesquisa de diversidade de culturas para essa região do Estado.

A estiagem que atinge a região da campanha gaúcha há mais de dois meses traz reflexos para diversas culturas. As pecuárias de leite e de corte estão entre as atividades mais prejudicadas devido a falta de alimentação para o gado.

Os municípios que serão beneficiados com os R$ 20 milhões são Candiota, Cerrito, Herval, Hulha Negra, Pedras Altas, Pedro Osório, Pinheiro Machado, Piratini e Santana do Livramento.

A situação de emergência é solicitada pelo município quando ocorre uma situação anormal, provocada por desastres, causando danos e prejuízos que impliquem o comprometimento parcial da capacidade de resposta do poder público do ente atingido.

Comente aqui
27 jan12:12

MDS prepara edital para a construção de seis mil cisternas no RS

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome prepara um edital para construir seis mil cisternas em cidades do Rio Grande do Sul. A finalidade é amenizar os prejuízos da seca às famílias das áreas rurais, com a armazenagem da água da chuva. De acordo com a pasta, essa reserva é suficiente para suprir a população por cerca de oito meses.

A estiagem que atinge parte do Rio Grande do Sul desde a segunda quinzena de dezembro levou 13 municípios a decretarem situação de emergência – Candiota, Pedras Altas, Herval, Hulha Negra, Cerrito, Santana do Livramento, Lavras do Sul, Pedro Osório, Bagé, Pinheiro Machado, Aceguá, Piratini e Dom Pedrito. Até terça esta terça, dia 25, mais de 340 mil pessoas haviam sido afetadas pela seca. O governo estadual usa dez caminhões-pipas para abastecer as regiões afetadas.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê para os municípios do Estado, durante esta quarta, dia 26, tempo seco com sol durante o dia e noite com muitas nuvens.

Comente aqui
25 jan19:48

Estiagem compromete oferta de terneiros até 2012

Jandira Vanin, RBS TV Livramento

A estiagem na região da Campanha, onde não chove há pelo menos três meses, vai comprometer a oferta de terneiros até 2012 no Estado. O reflexo imediato do clima é sobre o peso dos exemplares que vão ser comercializados em feiras municipais ou diretamente nas propriedades.

A pastagem que ainda resta no campo está seca e desidratada. Sem alimento, o leite das vacas diminui e o peso dos animais também. O pecuarista Cristiano Vargas Cabrera alimenta o rebanho de 500 cabeças misturando arroz na ração. Mas a alternativa não deve resolver o problema do baixo índice reprodutivo das matrizes e mortalidade dos terneiros.

- Nós já perdemos metade do ciclo das pastagens de inverno, onde tivemos problemas de parição devido aos animais estarem fracos. Esse ano não vamos poder colocar em cria as vacas porque elas não tem estado corporal para entrar em cria, isso deve representar uma safra de terneiro a menos – diz o Cristiano.

A região da Campanha tem um rebanho de 4,7 milhões de cabeças. A estimativa é de que o nascimento de terneiros sofra uma redução de 40%. Os prejuízos com a pecuária na cidade estão calculados em 32 milhões de reais.

Comente aqui
21 jan10:58

Municípios afetados pela estiagem recebem cestas básicas e água nesta quinta-feira

Na última quinta-feira, a Defesa Civil Estadual enviará 2,4 toneladas de alimentos para Cerrito e 1,6 tonelada para Pedro Osório, municípios em situação de emergência devido à estiagem.

Na sexta-feira, o município de Hulha Negra recebe 12 toneladas de alimentos e quatro reservatórios-pipa de vinil, com capacidade de 4,5 mil litros de água cada.

No Rio Grande do Sul, 12 municípios tiveram situação de emergência decretada em razão da estiagem: Candiota, Pedras Altas, Herval, Hulha Negra, Cerrito, Santana do Livramento, Lavras do Sul, Pedro Osório, Bagé, Pinheiro Machado, Piratini e Aceguá. A localidade de Dom Pedrito enviou à Defesa Civil uma Notificação Preliminar de Desastre (Nopred), que antecede o decreto de situação de emergência.

Já foram entregues 25,9 toneladas de alimentos, 150 filtros de água e disponibilizadas seis pipas de vinil, com capacidade de 4,5 mil litros cada, à população dos municípios que solicitaram o auxílio.

Comente aqui
19 jan13:02

Sobe número de municípios em estado de emergência no RS

Canal Rural

Subiu para 11 o número de municípios em estados de emergência por causa da estiagem na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. O último, segundo a Defesa Civil gaúcha, foi o de Piratini.

As outras cidades são Bagé, Candiota, Cerrito, Herval, Hulha Negra, Lavras do Sul, Pedras Altas, Pedro Osório, Pinheiro Machado e Santana do Livramento. A estiagem prejudica principalmente os moradores da zona rural.

Segundo a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, as prefeituras de Pedras Altas, Herval e Lavras do Sul destinaram, ao todo, 18,2 toneladas de alimentos não perecíveis às vítimas da estiagem.

Comente aqui
19 jan11:22

Perdas causadas pelo La Niña já somam R$ 140 milhões no RS

Guilherme Mazui, Zero Hora

O drama da estiagem fez o governo do Estado do Rio Grande do Sul acionar duas frentes – uma no interior, outra na capital Porto Alegre. No mesmo dia em que o governador Tarso Genro assinou a autorização para construção de 159 açudes na parte Sul do Estado, o secretário da Agricultura, Luiz Fernando Mainardi, reuniu-se com oito prefeitos da região em Pinheiro Machado.

Prestes, capataz de uma fazenda em Rio Grande, próximo ao Distrito do Taim, observa animais que sofrem com os efeitos do clima

Voltou com as atuais cifras do prejuízo: R$ 140 milhões. No encontro, o segundo entre municípios, Piratini e Defesa Civil, foram debatidas medidas para combater os efeitos da falta de chuva: lavouras perdidas, gado perdendo peso, produção de leite em queda. Projeto do governo anterior orçado em R$ 1,3 milhão, a construção de açudes precisa deixar o papel logo.

– Essas obras, na maioria, estarão prontas em duas semanas, e, todas, no prazo de dois meses – prometeu o secretário de Obras e Irrigação, Luiz Carlos Busatto.

Na lista dos 14 beneficiados, os municípios de Herval, Hulha Negra e Pedras Altas, com decreto de emergência reconhecido pela Defesa Civil.

A captação de água é a principal preocupação do governo e dos prefeitos da parte Sul do Estado. No encontro de quinta, dia 13, com líderes de Pinheiro Machado, Herval, Piratini, Hulha Negra, Pedras Altas, Candiota, Santana do Livramento e Bagé, foram alinhavadas ações da força tarefa que planejará o contra-ataque à estiagem. Técnicos municipais, de universidades e de institutos de pesquisa, como Fepagro e Irga, auxiliarão a mapear os problemas da região.

Santana do Livramento acumula perdas de R$ 40 milhões. Pedras Altas, onde vivem 2,2 mil pessoas, estima quebra de R$ 15 milhões. Anfitrião do encontro, que teve a presença do subchefe da Defesa Civil gaúcha, major Oscar Moiano, o prefeito de Pinheiro Machado, Luiz Fernando Leivas, mostrou-se otimista. Aguarda para o dia 28 uma audiência com o governador, com novo auxílio aos municípios.

Em Rio Grande, a seca começa a espalhar prejuízos. De acordo com Carlos Prestes, capataz de uma fazenda próxima ao Taim, a escassez de água afeta os animais. Uma égua da fazenda, prenha, morreu por beber água podre de um poça.

Comente aqui
18 jan16:20

Rio Grande do Sul tem dez municípios em estado de emergência por causa da estiagem

Canal Rural

A estiagem que atinge praticamente por um mês algumas cidades do Rio Grande do Sul levou a Defesa Civil do Estado a decretar situação de emergência em dez municípios: Candiota, Pedras Altas, Herval, Hulha Negra, Cerrito, Santana do Livramento, Lavras do Sul, Pedro Osório, Bagé e Pinheiro Machado. Além disso, Piratini, Aceguá e Dom Pedrito estão em observação e foram notificados de uma possível situação de emergência.

Em Bagé, um regime de racionamento está em vigor e, a cada 12 horas, moradores alternam períodos de fornecimento de água. Em Candiota, a Defesa Civil, distribui água aos moradores da zona rural com caminhões-pipa. A Defesa Civil estima que, na zona rural, houve uma perda de pelo menos R$ 3,6 milhões na produção agrícola e pecuária. No município de Pedras Altas, muitas famílias não conseguem alimentar o gado e cultivar as lavouras.

Segundo o tenente da Defesa Civil do estado, Aldo Bruno Ferreira, o órgão montou uma operação especial de assistência, que conta com a distribuição de cestas básicas e água potável.

– Foram distribuídos até agora, mais de 22 mil litros de água e mais de 25 mil toneladas de alimento para as famílias de pequenos agricultores e moradores da área rural – disse. Segundo ele, nas áreas rurais muitas famílias usam poços artesianos, e o abastecimento de água com a ajuda de caminhões-pipa, para minimizar a seca.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê para os municípios do estado, durante esta terça (18), tempo seco com temperatura máxima de 31 graus Celsius (ºC) e a miníma de 15 ºC.

Comente aqui