clicRBS
Nova busca - outros

água

13 jan18:16

Estiagem no RS: Defesa Civil confirma cinco municípios em situação de emergência

Zero Hora

Das 12h02min até as 20h36min, este site informou equivocadamente que sete toneladas de alimentos e um caminhão com 4,5 mil litros de água estariam sendo enviados hoje para Lavras do Sul. Na verdade, o pedido de ajuda à Defesa Civil foi feito pelo prefeito do município apenas na tarde desta quarta-feira e não há previsão para o envio dos alimentos. O texto foi corrigido.

A Defesa Civil do Estado já recebeu notificações e confirmou hoje cinco cidades em situação de emergência devido à estiagem: Lavras do Sul, Candiota, Herval, Pedras Altas, Santana do Livramento. As prefeituras de Pinheiro Machado e Piratini também assinaram decretos de situação de emergência, além de Hulha Negra e Cerrito, mas os documentos ainda não foram recebidos pela Defesa Civil.

O órgão vai enviar, ainda nesta quarta-feira, cerca de 6,7 toneladas de alimentos para a comunidade de Pedras Altas. Uma carga com 7,2 toneladas também será entregue para o município de Herval. Conforme a Defesa Civil, no início da semana foram entregues 300 cestas básicas e 50 filtros de água para Candiota que, assim como Cerrito e Pedro Osório, também recebeu viniliq pipas para o abastecimento de água.


Dados da Emater apontam que a produção de leite, por exemplo, caiu 40% na região da Campanha. De acordo com o assistente técnico regional da Emater em Bagé, Erone Lôndero, a pior situação é dos pequenos produtores que registram perdas de até 60% na produção leiteira.

A produção de grãos, como o milho e a soja, registra perdas de entre 30% e 50%. Em toda a Metade Sul, as perdas ultrapassam R$ 100 milhões.

No entanto, não é somente a agricultura e a pecuária que são afetadas pela seca. O gerente de uma loja de equipamentos elétricos e eletrônicos de Santana do Livramento Nilo Munhoz afirma que a estiagem afetou, também, o comércio da região. Segundo ele, a queda nas vendas chega a 6%, representada pela perda de poder aquisitivo da população da área rural.

Outros municípios podem decretar situação de emergência nos próximos dias. Canguçu, Aceguá e Bagé ainda dependem de estudos técnicos para assinatura dos documentos.

>> Leia mais e veja os mapas da estiagem na matéria da zerohora.com


Leia também:

Perdas com a estiagem superam R$ 100 milhões na Fronteira Oeste

Decretada situação de emergência em Santana do Livramento

Santana do Livramento assina decreto de situação de emergência

Livramento decreta situação de emergência por falta de chuvas nas próximas horas

Pesquisa indica que RS deverá sofrer ainda mais transtornos com a estiagem

Estiagem prejudica produção leiteira e pecuária de corte no Sul


Comente aqui
12 jan10:57

Perdas com a estiagem superam R$ 100 milhões na Fronteira Oeste

As perdas com a estiagem em lavouras na fronteira oeste do Estado já superam R$ 100 milhões. O levantamento é da Emater. A cidade mais afetada é Bagé, onde as perdas são de R$ 33 milhões.

Segundo o diretor-técnico da Emater, Alencar Paulo Rugeri, outros municípios que registram grandes prejuízos nas lavouras são:

— Dom Pedrito — R$ 29 milhões

— Santana do Livramento — R$ 29 milhões

— Hulha Negra — R$ 10 milhões


Castigada pela estiagem

O município Bagé pretende aumentar o racionamento da água. A medida deve ser adotada em fevereiro para garantir o abastecimento dos 116 mil habitantes. O período de restrição passaria de 12 para 18 horas sem água.

O prejuízo de R$ 33 milhões nas lavouras equivale a 30% do PIB agropecuário de Bagé.

O diretor do Sindicato Rural do município, Eduardo Candoreli, teme que moradores da cidade tenham que procurar outras regiões da cidade.

— Estamos com medidas preventivas para garantir que não ocorra o que aconteceu na seca de 1989-1990, quando as pessoas foram convidadas a se retirar do município e da zona rural — afirmou Candoreli.

Para compensar o aumento, o Departamento de Água e Esgoto de Bagé deve ativar três poços artesianos. Moradores também reclamam que a água chega suja nas residências.

>> Leia outras informações na matéria da zehora.com

Comente aqui
12 jan10:36

Chuva ameniza temperatura em Livramento

Na madrugada desta quarta-feira, entre 5h e 5h30 da manhã, a chuva voltou a cair forte em Santana do Livramento e Rivera, com direito a raios e trovoadas. Com a chuva, a temperatura mantem-se amena, com mínimas de 18.9°C.

Durante a tarde, no oeste, o calor volta a castigar e as temperaturas chegam aos 35°C em algumas cidades.

Segundo André Pereira, coordenador da Defesa Civil de Livramento, até ontem no fima da tarde, nos lugares mais afetados pela estiagem, a precipitação ficou entre 2 a 7mm, muito abaixo do necessário para controlar os prejuízos. Na área urbana choveu em torno de 38,5 mm.  Entre outros locais da área rural, a chuva ficou também entre 37 e 38mm, mas a parte mais prejudicada ainda continua necessitando de chuvas.



Comente aqui
11 jan11:37

Decretada situação de emergência em Santana do Livramento

Lucia Righi

Nesta segunda-feira, o prefeito Wainer Machado decreta situação de emergência em Santana do Livramento pela falta de chuvas no município. A estimativa é de que os prejuízos cheguem em torno de R$29 milhões.

Segundo o decreto assinado pela prefeitura de Livramento, a diminuição considerável da capacidade de exploração da água causou perdas consideráveis nas lavouras de milho, soja, feijão, culturas de subsistências, na criação de gado leiteiro, aves e afetou seriamente a produção da bacia leiteira.

No domingo, o coordenador da Defesa Civil de Santana do Livramento, André Pereira, já havia encaminhado um relatório de notificação preliminar de desastre para o Ministério da Integração Nacional e para a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil. Um levantamento da Emater e da Secretaria da Agricultura deste Município consideraram grandes perdas ocorridas na agropecuária local.

Segundo o coordenador, as maiores perdas foram identificadas no plantio de soja, pecuária de leite e pecuária de corte. A soja teve dificuldades em torno de 16% de replantio e prejuízo de 15% de diminuição da área plantada em um safra de 12 mil hectares. A pecuária de leite teve uma quebra de, até então, 40%. Segundo Pereira, até a semana passada, a estimativa era de que a perda chegasse a 60%, porém, alguns milímetros de chuva dos últimos dias amenizaram a situação. Na pecuária de corte, em 569 mil cabeças de gado existentes na região, nascem anualmente 100 mil terneiros, desses, prevê-se uma redução de 20%.

Nas propriedades rurais há escassez de água nas fontes naturais e açudes que abastecem o consumo local. Um contato com representantes dos trabalhadores rurais esclareceu alguns problemas de água potável na região. O coordenador confirma que as regiões de Ibicuí, Cerro Chato, Banhado Grande e Dom Camilo estão entre as que a água captada não é suficiente devido a falta de estrutura dos poços artesianos.

A vistoria da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil deve ser realizada nesta terça. Foram solicitados caminhões-pipa, pois os existentes na cidade são pequenos para abastecer todos os locais afetados pela estiagem.

No final de dezembro ouve graves transtornos com o abastecimento de água na cidade, devido a problemas com os reservatórios do Departamento de Água e Esgoto, já que a demanda de consumo no final do ano foi aquém do que os reservatórios tinham condições de abastecer. Porém, o racionamento não foi considerado, já que o problema está normalizado.

Comente aqui
10 jan14:21

Santana do Livramento assina decreto de situação de emergência

Guilherme Mazui, Zero Hora

O prefeito de Santana do Livramento, Wainer Machado, assinou às 13h desta segunda-feira o decreto de situação de emergência devido à estiagem. Com a seca, o município tem perdas nas lavouras e no rebanho bovino, além de enfrentar falta d’água em localidades do interior.


Após a assinatura do documento, que engloba somente à zona rural, a prefeitura aguarda a vistoria da Defesa Civil, marcada para amanhã. Conforme o parecer dos técnicos, o órgão homologa a situação. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e o Ministério da Integração Nacional já foram notificados da decisão.

- Com a seca, estimamos que as perdas cheguem a R$ 240 milhões ao longo do ano – afirma o prefeito Wainer Machado.

Sem chuvas regulares nos últimos meses, Livramento começou a tratar do assunto no dia 23 de dezembro. A precipitação do dia 24, cerca de 40 milímetros, não amenizou a situação. Em janeiro foram 22 milímetros de chuva. A média do mês é de 110.

O levantamento feito pelo município indica perda de 60% dos 6 mil hectares de milho plantados. Dos 12 mil hectares de soja, quebra de 15%. Na bacia leiteira a redução da produção já é de 40%. E cerca de 20 mil terneiros deixarão de nascer devido à perda de peso do gado.

- Precisamos de ajuda logo. Suporte para o campo, envio de caminhões-pipa para abastecer as famílias do interior. A situação é preocupante – frisa o prefeito.

Até o momento três cidades gaúchas estão em situação de emergência: Candiota, Pedras Altas e Herval. Além de Livramento, o município de Hulha Negra, na Campanha, aguarda a homologação do seu decreto.


Visualizar Cidades em situação de emergência por conta da estiagem em um mapa maior

Leia também:

Estiagem prejudica produção leiteira e pecuária de corte no Sul

Pesquisa indica que RS deverá sofrer ainda mais transtornos com a estiagem

Três municípios do RS decretam situação de emergência por causa da estiagem



Comente aqui
10 jan12:02

Livramento decreta situação de emergência por falta de chuvas nas próximas horas

A Defesa Civil de Livramento está em reunião extraordinária com o prefeito Wainer Machado e outras autoridades para elaboração do decreto que será homologado pela prefeitura nas próximas horas.

Neste domingo, o coordenador da Defesa Civil, André Pereira, encaminhou um relatório de notificação preliminar de desastre para o Ministério da Integração Nacional e para a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil.

A notificação foi registrada, após vistoria as condições do campo, prejudicado pela estiagem. Foram verificados:  Rincão da Bolsa, Cerro do Raio, Passo do Guedes, Marco do Lopes, Galpões, Caneleira, Camelos, Sarandizinho, Santa Rita, Pampeiro, Álvaro Crespo, Tafona, Cerro da Árvore, Cerro do Combate e Cerro da Cruz.

Outros três municípios decretaram situação de emergência no Rio Grande do Sul, são eles: Bagé, Candiota e Pedras Altas.


Leia também:

Estiagem prejudica produção leiteira e pecuária de corte no Sul

Pesquisa indica que RS deverá sofrer ainda mais transtornos com a estiagem

Três municípios do RS decretam situação de emergência por causa da estiagem



Comente aqui
08 jan14:11

Estiagem prejudica produção leiteira e pecuária de corte no Sul

Em média, já chega a 40% a perda na produção leiteira no sul do Rio Grande do Sul. Segundo o assistente técnico regional da Emater da cidade de Bagé, Fábio Schilick, em algumas propriedades, a redução é estimada em 60%, e a situação deve piorar. A queda na produção se deve à falta de água e alimento.

— A falta de pasto gera dois principais problemas: o aumento dos custos de produção e problemas no metabolismo dos animais — explica Schilick.

O presidente do Conselho Paritário do Leite do Rio Grande do Sul, Elton Weber, ressalta que o cenário na região é desastroso. A intenção, conforme ele, é negociar ainda nesta sexta, dia 7, ou na próxima segunda, dia 10, com a Companhia Nacional de Abastecimento para a liberação dos estoques de milho ao preço mínimo, de R$ 17,40.

No entanto, a redução da produção na região não deve alterar os preços a curto prazo, pois, de acordo com a Emater, á área é responsável por apenas 4% da produção gaúcha anual de 3,4 bilhões de litros.

>> Leia mais no site do Canal Rural.


Comente aqui
05 jan16:50

Morador pede solução da falta de água ao governo municipal

Paulo Sérgio Salgado, Leitor-repórter

Sou morador da vila Cristal, nas redondezas da Caixa D’agua do Wilson e estamos nos sentindo prejudicados com os excessos de corte no fornecimento de água. Os cortes geralmente são em horários estratégicos como próximo ao meio-dia ou no fim da tarde, horários em que mais precisamos, quando chegamos do trabalho e temos necessidade do uso de água.

Esperamos que os governantes de Santana do Livramento ao invés de querer aumentar as taxas, tentem incluir a população desta região em algum projeto do Governo para o fornecimento de caixas de água, seguindo o exemplo do nordeste do país. Já estamos nos sentindo como se vivéssemos no Sertão diante dessa situação.

Comente aqui
29 dez16:52

Pedido de aumento de taxas de água é negado

Nesta manhã, às 11h, uma sessão extraordinária na Câmara dos Vereadores reuniu autoridades da cidade a fim de definir sobre o valor da taxa de água e da contribuição do Sisprem.

Nos últimos dias, devido a situação crítica no Departamento de Água e Esgoto (DAE) muitas pessoas ficaram sem água. Indignadas, ligavam para o departamento e para as rádios para pedir resoluções.

O DAE aguarda a redução do calor e a chuva para auxiliar na recuperação do reservatório

Com uma dívida superior a R$2 milhões, resultado de um défict acumulado mensalmente, a ideia era o aumento das taxas para tirar a empresa da crise. César Maciel, presidente da Associação Rural, que participou ativamente do processo, diz que o projeto de readequação das taxas de água foi apresentado muito tarde.

- Há anos não há esse aumento, e em função dos aumentos dos salários, energia e custos indiretos, não tem como manter a receita compatível. A taxa de água de Livramento é a mais baixa do Estado.

Maciel acrescenta a gestão precisa ser realinhada para que o déficit seja superado, senão no ano que vem o problema pode se agravar.

- Deve-se rever contas, funcionários e CCs para que a situação se estabilize.

Para Ferrão, a falta do acréscimo será desastrosa para o DAE:

- Sentimos muito, pois o défict permanecerá por pelo menos mais um ano e isso vai refletir no funcionamento do DAE, que apresentará menor qualidade diante da crise.

O leitor Júlio Pereira conta que, na região central, na Rua dos Andradas, ja são quase 48hs sem água.

- A população santanense sofre a dois dias com a falta de água.

Segundo Francisco Ferrão, diretor administrativo do DAE, a situação se agravou nos últimos dias por uma série de circunstâncias que resultaram na falta de água. Ele conta que no dia 24 de dezembro, houve um rompimento na Av. Sérgio Fuentes, no bairro Prado. No dia 26, duas bombas queimaram no bairro Carolina e no dia 27 uma das bombas do posto da hidráulica também não aguentou.

Dia 28, todo o bairro onde fica localizado o departamento ficou sem energia, devido ao desligamento da energia elétrica causado pela AES sul para troca de postes, resultando no desabastecimento quase total do reservatório.

O prazo para que a situação se normalize, de acordo com Ferrão, é de dois dias, mas pede a compreensão da população:

- Os funcionários trabalhando sem folga, exaustivamente, para resolver o problema. Porém, a população precisa contribuir utilizando menos água nesses dias até que a situação se normalize, diz.

Ele explica que pelo menos meio reservatório precisa estar cheio, como fica tudo interligado, um puxa do outro, faltando água em vários pontos. O excesso de calor ainda piora a situação.

- A medida que o reservatório vai voltando a encher, tudo vai voltando aos poucos a normalidade.

8 comentários