clicRBS
Nova busca - outros

investimentos

06 fev08:21

Ovinocultura recebe linhas de crédito nesta semana

A partir desta semana, o Programa Estadual de Fortalecimento da Ovinocultura deve disponibilizar suas linhas de crédito. Com um capital de giro de cerca de R$100 milhões, incluindo o valor para aquisição de matrizes, o Banrisul financia até 80% dos ventres com mais de 6 meses e 100% das fêmeas com menos de 6 meses.

Com a assinatura do convêncio entre o governo estadual e o Banrisul, a taxa anual deve cair de 10,75% para entre 2% e 5,75% e os juros deverão ser equalizados com a reativação do Fundovinos. A Secretaria da Agricultura (Seapa) planeja, junto com a Assembleia Legislativa, um subsídio de R$2,5 milhões do valor da taxa, para cobrir a primeira parcela do empréstimo.

O produtor que tiver interesse no crédito deve solicitar a declaraçaõ de estoque de ventres ovinos à Inspetoria Veterinária e Zootécnica de sua cidade e encaminhar o processo no banco. A ação pretende um investimento de 80 mil matrizes e 30 mil cordeiros para 2013, atualmente são 13 milhões de cabeças.


A ação vai de encontro ao bom momento dos criadores do Ovinos na região. Nesta semana, a 33ª Exposição Feira de Ovinos de Verão de Sant’Ana do Livramento obteve mais de R$ 1 milhão em vendas. Participaram do evento as cabanhas: Santa Filomena, Recanto Esperança e Nova Aurora, fechando a temporada de verão dos remates de ovinos.


Comente aqui
02 fev10:56

Eletrosul investe em patrocínio social e institucional no RS

Em dezembro a Eletrosul tornou público os resultados dos projetos selecionados em dois editais de patrocínio lançados em 2010 e que serão executados neste ano. Há cerca de dois anos a empresa institui uma política de investimento social que norteia as ações na área de responsabilidade social nos estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

No total, serão investidos R$ 1,6 milhão em projetos (R$ 146 mil deles para o RS) que contemplem a questão social – principalmente os voltados à educação complementar, qualificação profissional, geração de trabalho e renda e conservação do meio ambiente – e institucional, como os direcionados a cultura e esporte, eventos ambientais, do setor elétrico, industriais e comerciais ou agropecuários com público superior a 10 mil pessoas. Na área social foram selecionados 52 projetos de um total de 336.

Entre os institucionais foram 64 projetos entre 409 inscritos. A aprovação e seleção foi realizada por comissões técnicas, dentro dos critérios apresentados nos editais.

Projetos contemplados na região:

Institucionais:

15ª Fenamilho- Santo Ângelo

Expo São Luiz 2011- São Luiz Gonzaga

2ª Cavalgada na Trilha dos Santos Mártires- Roque Gonzales

XIV Mostra de Arte Missioneira- São Luiz Gonzaga


Sociais:

CPM Escola Municipal Santo Onofre- Rolador

Clube de Mães Amor e União – Dezesseis de Novembro

Clube de Mães Nossa Senhora do Lar- Dezesseis de Novembro

Associação de Reciclagem e Educação Ambiental Ecos do Verde- Santo Ângelo

Comente aqui
12 jan18:35

Eletrosul inaugura Setor de Manutenção em Santana do Livramento

A expansão dos serviços oferecidos pela Eletrosul no Rio Grande do Sul está alterando o quadro econômico e contribuindo para o desenvolvimento da metade sul do Estado.

Com a entrada em operação da linha de transmissão Presidente Médici-Santa Cruz 1, a construção da Usina de Energia Eólica Cerro Chato – localizada em Santana do Livramento – e a implantação da interligação Brasil-Uruguai, que prevê a construção de uma subestação de 500/230kV em Candiota e duas linhas de transmissão, a empresa está alterando a logística de atendimento a metade sul do RS.

O objetivo da nova estrutura é melhorar e agilizar o atendimento ao sistema energético do Estado, especialmente na região da fronteira. O evento de inauguração do novo setor está marcado para as 10h do dia 17 de janeiro, próxima segunda-feira. O Setor de Manutenção é o responsável pelos trabalhos de manutenção nas linhas, sistemas de proteção e controle, equipamentos de pátio das subestações e instalações elétricas com que fazem a interligação com o Uruguai e a Argentina. A região concentra, atualmente, um dos maiores investimentos da Eletrosul no RS, como a construção do Complexo Eólico.

Além da inauguração da nova unidade em Santana do Livramento, a Eletrosul promove uma palestra com o escritor, folclorista e músico Paixão Côrtes, uma das mais importantes figuras do tradicionalismo gaúcho, e uma visita técnica à obra da usina eólica.


O empreendimento

A construção das usinas eólicas – que deve ser concluída no segundo semestre de 2011 – representa investimentos de R$ 400 milhões e a geração de 1.300 empregos diretos e 1.800 indiretos. Ao todo serão 90MW, capazes de produzir energia suficiente para abastecer uma cidade com 660 mil habitantes. A obra é resultado de uma parceria formada pela Eletrosul (com 90%) e pela Wobben (10%), subsidiária no Brasil da alemã Enercon, uma das maiores empresas mundiais de tecnologia para aerogeradores.

A usina contará, ainda, com uma subestação coletora em 230kV e uma linha de transmissão que levará a energia produzida até a Subestação Livramento 2, a partir da qual será distribuída para o Sistema Interligado Nacional.


Tradição e modernidade

O folclorista e compositor João Carlos Paixão Côrtes, nascido na localidade Cerro Chato em 1927 e referência do tradicionalismo gaúcho, fará uma palestra no dia 18 de janeiro, próxima terça-feira, às 17h30min na Câmara de Vereadores de Santana do Livramento sobre


Visita à obra de construção da Usina Eólica Cerro Chato

Na quarta-feira, 19, a partir das 8h30min, acontece uma visita técnica ao empreendimento. Estarão presentes a diretoria da Eletrosul, autoridades e imprensa. A visita contará, ainda, com a participação do folclorista Paixão Côrtes. Haverá transporte saindo do escritório da Usina – rua Rivadávia Correia, 1.271 – Centro.

Comente aqui
28 dez11:24

Confirmados recursos do Pac para obras em Livramento

Está confirmada a liberação de verbas para obras importantes na estrutura urbana do município, dentro dos vários projetos encaminhados junto ao comitê de avaliação de projetos para aplicação de recursos na segunda fase do Plano de Aceleração do Crescimento, o PAC 2 do Governo Federal. O prefeito Wainer Machado recebeu, no dia 24 de dezembro, a notícia da publicação da portaria que destina mais de 20 milhões para Santana do Livramento no PAC 2.

Em 2011, estão previstos investimentos de mais de 17 milhões de reais para a segunda etapa do saneamento básico de Livramento, 1,6 milhões para a construção de 30 casas, uma Unidade Básica de Saúde, que será construída na vila Santos e uma unidade pró-infância para o Loteamento Vila Nova. Wainer Machado comemora mais esta conquista e diz que é fruto do trabalho de equipe, tanto técnica quanto política, pois este projeto já havia sido apresentado em 2007 quando foi contemplada somente a bacia da Vila Alexandrina, que já está em execução.

O prefeito, o diretor do Dae, João Carrets, e os secretários Marcírio Silva e Robson Cabral, prepararam o projeto novamente e obtiveram em Brasília resultado positivo.

- Este é um grande presente do governo Lula para nosso município. Acredito que Livramento tem muito a agradecer ao presidente, pelos diversos investimentos. Estas ações envolvem mais de 20 milhões de reais, que além de oferecerem melhoria a nossa população, também gerarão muitos empregos – avaliou Wainer.

Quanto às realizações de 2010, Wainer salienta as ações na área de infra-estrutura iniciadas neste ano e que estão atendendo uma expectativa da comunidade demandada há muitos anos. Destaca o calçamento de várias ruas e as calçadas dos prédios públicos, obras que estão em andamento e que beneficiam milhares de santanenses que usam destes espaços no dia a dia. Conforme o prefeito são mais de 70 empregos diretos nestas obras.


Conclusões

Já foram concluídas as obras de calçamento nas ruas Romagueira de Oliveira, Manoel Novaes, Valeriano Marques dos Santos, Diamantino Menezes e Julio Remigio Igarçaba (Praça da Brigada). Algumas ruas devem ter continuidade de mais algumas quadras, como a Diamantino Menezes e Valeriano e outras serão calçadas como a Avenida Brasilia, início pela Camilo Gisler, mais a Vila Santa Rosa, e Vila Simon Bolivar, desde a entrada da BR 158.

Comente aqui
19 dez13:57

Projeto de construção de casas populares é aprovado pelo Governo Federal

O Ministério das Cidades anunciou na última semana a aprovação do projeto da Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente que prevê a construção de 19 casas populares e infraestrutura na Vila Real, referente a seleção do chamamento público do Governo Federal para famílias atingidas pela enxurrada. Os recursos deverão também atender prioritariamente famílias moradoras em áreas de risco. A proposta prevê investimento de aproximadamente R$ 710 mil e segue agora para Caixa Federal de Santa Maria para contratação. Na sequência deverá ser incluída no orçamento do Município em 2011.

O secretário de Planejamento e Meio Ambiente, Robson Cabral, salientou que esta notícia positiva soma-se à recente habilitação da proposta da construção de uma Unidade básica de Saúde (UBS), nas imediações da AABB, orçada em R$ 400 mil. A proposta foi habilitada pelo Ministério da Saúde e seguem os trâmites para aprovação do projeto de engenharia, bem como, o devido depósito dos recursos ao Município.

A expectativa é que outros recursos que trarão benefícios à comunidade santanense sejam confirmados até o final deste mês.

Comente aqui
12 dez08:43

As quatro forças do Pampa: Uma safra de arroz ainda maior

Caderno Rumos da Fronteira

Poucas culturas são adaptáveis em um solo raso e em regiões propensas a períodos de seca como a Fronteira Oeste e a Campanha gaúchas. Para culturas maleáveis a essas condições, porém, o sucesso é garantido. É o caso do arroz e da pecuária, que nos últimos anos dividem espaço com videiras e eucaliptos.

Uma safra de arroz ainda maior

A bem sucedida empreitada de diversificar as culturas com a plantação de uva e o florestamento trouxe um alento para gerações futuras e promete injetar milhões em investimentos na região nos próximos anos. As potencialidades dessas quatro forças econômicas do Pampa você acompanha nesta reportagem.

Leilões promovidos pelo governo devem ampliar a venda de arroz no mercado externo e reduzir o excedente do grão no mercado interno, segurando o preço em 2011. A expectativa é do Instituto Riograndense do Arroz ( Irga), que prevê uma safra com 1 milhão de toneladas a mais do grão no ano que vem na comparação com a última safra.

Maior região produtora de arroz do país, a Fronteira Oeste tem 328,9 mil hectares de lavouras de arroz, o que gera cerca 6,5 mil empregos diretos em função do cultivo. A produção da região é de 2,6 milhões de toneladas do grão, o que representa 32% do que é colhido em todo Estado.


Plantio segue atraindo novos investimentos

Além de tradicionais arrozeiros da Fronteira Oeste, a região atrai migrantes que chegam focados no cultivo do grão. Foi o caso de Ari Foletto, 51 anos, nascido em Santa Maria e hoje um dos maiores produtores da região, com 10 mil hectares de arroz semeados.

Entre Uruguaiana e Itaqui, suas lavouras estão distribuídas na extensão de 24 quilômetros da rodovia que liga os dois municípios ( BR- 472). Cerca de 80% das terras são arrendadas.

O segredo para o crescimento, segundo Foletto, é saber delegar funções: – Consegui encontrar pessoas capazes, com potencial. O segredo é confiar nos meus colaboradores.

Segundo o gerente geral, Luiz Antônio Rodrigues ( foto), a empresa conta com alta tecnologia, o que facilita o beneficiamento do arroz com marca própria, que já está nos supermercados.


Leia também:

As quatro forças do Pampa: Inspiração na serra gaúcha

As quatro forças do Pampa: Pecuária em alta no país

As quatro forças do Pampa: Preparando a colheita

Comente aqui
11 dez07:40

As quatro forças do Pampa: Preparando a colheita

Caderno Rumos da Fronteira

Poucas culturas são adaptáveis em um solo raso e em regiões propensas a períodos de seca como a Fronteira Oeste e a Campanha gaúchas. Para culturas maleáveis a essas condições, porém, o sucesso é garantido. É o caso do arroz e da pecuária, que nos últimos anos dividem espaço com videiras e eucaliptos.

A bem sucedida empreitada de diversificar as culturas com a plantação de uva e o florestamento trouxe um alento para gerações futuras e promete injetar milhões em investimentos na região nos próximos anos. As potencialidades dessas quatro forças econômicas do Pampa você acompanha nesta reportagem.


Eucaliptos, pinus e acácias cobrem grandes extensões de terra e hoje dividem espaço com a pecuária


Preparando a colheita

Nos próximos dois anos, a aposta no florestamento na Campanha e na Fronteira Oeste terá seu ápice com a primeira grande colheita, que deve gerar 1 mil empregos diretos e atrair novos investimentos.

A nova economia do eucalipto, que mudou a paisagem da região com seus 46 mil hectares de árvores, atraiu duas multinacionais e centenas de pequenos produtores às regiões. Uma das multinacionais é a Stora Enso, que prevê o plantio de 100 mil hectares e a instalação de uma unidade industrial na Fronteira, ainda sem previsão de início.

Na opinião do presidente da Associação Gaúcha de Empresas Florestais (Ageflor), Leonel Menezes, a escolha de investir na região se deve ao clima e solo favoráveis e à disponibilidade de terras e de mão de obra.

A nova economia é vista como uma injeção de ânimo e de dinheiro. A madeira proveniente das plantações pode ser destinada a serrarias e moveleiras ou empresas de secagem de grãos e de produção de celulose.


De consultor a produtor rural

O florestamento atraiu até mesmo quem não tinha relação com o campo. O diretor de uma empresa de consultoria de empresas Ricardo Walter, 56 anos ( foto), é hoje um produtor rural na fronteira oeste. O gaúcho radicado em Porto Alegre encontrou na plantação de eucaliptos a chance de investir em algo produtivo.

– Pesquisei a região e a cultura. Mas só hoje, vendo como as árvores estão crescendo bem, é que tenho certeza que fiz um bom negócio – dizWalter.

Na área de 75 hectares, adquirida em 2008, na localidade de Itapevi, interior de Cacequi, 60 hectares estão ocupados com as árvores que deverão ser colhidas dentro de 17 anos.

O prazo longo não assusta o empresário, que sabia do tempo necessário para realizar a colheita, e que preferiu não realizar cortes intermediários no período.


Leia também:

As quatro forças do Pampa: Inspiração na serra gaúcha

As quatro forças do Pampa: Pecuária em alta no país

1 comentário
10 dez17:32

As quatro forças do Pampa: Pecuária em alta no país

Caderno Rumos da Fronteira

Poucas culturas são adaptáveis em um solo raso e em regiões propensas a períodos de seca como a Fronteira Oeste e a Campanha gaúchas. Para culturas maleáveis a essas condições, porém, o sucesso é garantido. É o caso do arroz e da pecuária, que nos últimos anos dividem espaço com videiras e eucaliptos.

A bem sucedida empreitada de diversificar as culturas com a plantação de uva e o florestamento trouxe um alento para gerações futuras e promete injetar milhões em investimentos na região nos próximos anos. As potencialidades dessas quatro forças econômicas do Pampa você acompanha nesta reportagem.

A Fronteira Oeste e a Campanha têm 4,6 milhões de cabeças de gado de um total de 13,3 milhões de exemplares no Etado
(Fonte: Secretaria Estadual da Agricultura)

Pecuária em alta no país

Com o preço do boi gordo em cerca de R$ 3 – 25% acima do mesmo período do ano passado, a venda para o mercado interno continuará no foco dos pecuaristas. Em 2011, o número de abates deverá ficar estável em 1,66 milhão de cabeças.

Juntas, a Fronteira Oeste e a Campanha gaúchas têm mais de 4, 6 milhões de cabeças de gado, distribuídas em cabanhas que utilizam tecnologia em aprimoramento genético para produzir cortes premium.

– A região agrega quem entende do que faz, há integração com a agricultura e condições climáticas favoráveis que resultam em um gado com o mínimo de enfermidades e pasto farto para alimentação – avalia o professor de Sistema de Produção de Bovinos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul ( UFRGS), Júlio Barcellos.


Tradição familiar mantêm a pecuária em alta no Pampa

Em 2010, 80% dos leilões de primavera foram realizados na região e ultrapassaram os R$ 30 milhões em arrecadação. Resultado obtido com ajuda de remates feitos por famílias centenárias que passam o ofício de criação de gado de corte de geração para geração são responsáveis por garantir a continuidade da pecuária no Pampa.

Um dos exemplos é Eduardo Linhares ( foto), que está entre os maiores criadores do Estado, dono da GAP Genética.  Localizada na Estância São Pedro, em Uruguaiana, a GAP tem mais de cem anos de tradição na criação de angus, hereford, brangus e braford. Boa parte da família está integrada no negócio, hoje referência em termos de genética no país, e não apenas no Estado.

– A nova geração agrega conhecimento, traz tecnologia que passa pelo crivo dos mais velhos e é adaptada nos nossos afazeres diários – explica Linhares.

Os plantéis da GAP contaram em 2010 com 7 mil ventres responsáveis pela produção de 650 touros que foram comercializados e usados na própria estância. Com isso, a cabanha atingiu o maior faturamento em remates na última temporada: R$ 2,2 milhões.


Leia também:

As quatro forças do Pampa: Inspiração na serra gaúcha

As quatro forças do Pampa: Preparando a colheita


Comente aqui
09 dez15:21

AES Sul apresenta obras e investimentos para 2011 em coletiva


AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia reúne imprensa, autoridades e representantes da comunidade de Santana do Livramento na próxima sexta-feira, 10 de dezembro, para apresentar as obras realizadas no município em 2010 e os investimentos previstos para 2011.

Os convidados serão recebidos pelo Superintendente para a Região Fronteira, Luiz Alberto Krummenauer, e gerentes regionais.

O evento será realizado às 8h30min, no Hotel Jandaia – Rua Uruguai, 1452.


Outras informações podem ser obtidas com nos telefones: (51)3286.5933 – 3084.5933 – 9916.5136 – 9807.4993, com Susiâni Silva.

Comente aqui
09 dez07:26

As quatro forças do Pampa: Inspiração na serra gaúcha

Caderno Rumos da Fronteira

Poucas culturas são adaptáveis em um solo raso e em regiões propensas a períodos de seca como a Fronteira Oeste e a Campanha gaúchas. Para culturas maleáveis a essas condições, porém, o sucesso é garantido. É o caso do arroz e da pecuária, que nos últimos anos dividem espaço com videiras e eucaliptos.

Em uma década, número de vinícolas nas regiões passou de duas para 15

Inspiração na serra gaúcha

A bem sucedida empreitada de diversificar as culturas com a plantação de uva e o florestamento trouxe um alento para gerações futuras e promete injetar milhões em investimentos na região nos próximos anos. As potencialidades dessas quatro forças econômicas do Pampa você acompanha nesta reportagem.

O setor vitivinicultor da Campanha chegará a 2011 com 15 vinícolas e mais de 150 produtores de uva independentes. Em 2000, eram apenas duas empresas na região.

O crescimento da última década deve estimular novos investimentos. Um exemplo disso é o projeto de enoturismo, que deve ser colocado em prática pela Almadén em 2011, com a previsão de gerar mais cem empregos diretos.



Almadén é a pioneira do vinho na Campanha

Para o presidente da Associação de Produtores de Vinhos Finos da Campanha Gaúcha, Afrânio Moraes, está se formando na Campanha uma cadeia produtiva do vinho, a exemplo da que existe na serra gaúcha. Hoje, a maioria das vinícolas não produz vinho até o engarrafamento por falta de cantina, cenário que deve mudar nos próximos anos.

A Almadén foi a primeira vinícola a se instalar na região há 37 anos.

– Um estudo encomendado na época à Universidade de Davis ( Califórnia, EUA) apontou a Campanha como a melhor região do país para produção de uvas – lembra Moraes, que também é diretor da empresa.


Leia também:

As quatro forças do Pampa: Preparando a colheita

As quatro forças do Pampa: Pecuária em alta no país


Comente aqui