clicRBS
Nova busca - outros

rural

09 fev18:14

MST ocupa prefeitura pedindo soluções para a falta de água

Cerca de 60 integrantes de 11 assentamentos do MST que vivem na área rural de Livramento ocupam desde de as 12h30min a prefeitura à espera de auxílio. A assentada Jocerlei dos Santos explica que a revindicação se deve à falta de água na área rural e diz que eles não devem sair do local até alcançarem a certeza de uma ação concreta para resolver o problema.

- Em dezembro eram três assentamentos sem água. Agora já são oito dos 34. O problema é que esse número deve crescer – diz.

A estiagem já prejudica a agricultura local há cerca de seis meses, porém a partir do dia 22 de dezembro, segundo a assentada, a situação se agravou. Durante esse período, a Secretaria da Agricultura levou água a alguns assentamentos com caminhões pipa, porém a maioria deles não tem reservatório de água.

Estiagem preocupa zona rural da Fronteira Oeste

Os sem-terra pedem caminhões-pipa para a locomoção de três a cinco reservatórios, já que alguns dos assentamentos chegam a se localizar a 100 quilômetros do centro de Livramento. Jocerlei conta que já existem sete poços perfurados, porém sem rede de água

- Para esses poços precisamos de bomba e rede de água, queremos a perfuração de poços urgente com redes. Para o gado, pedimos algumas caixas de água e açudes.

Por enquanto, os assentados bebem água de um açude próximo a um dos acampamentos, porém, a água apresenta uma coloração amarelada e não parece própria para o consumo. Até o momento, 28 crianças e e alguns adultos apresentam vômitos e diarréia, segundo os assentados.

Prefeitura e Defesa Civil receberam 100 filtros de barro e 2 viniliq – Pipas de 4500 litros , a serem entregues na zona rural
do município às famílias assentadas atingidas com a estiagem

- Estamos preocupados que mais pessoas adoençam, sem falar na perda da produção, teve famílias que perderam 80% da lavoura e 50% da produção de leite por falta de água. Outra famílias nem conseguiram plantar – conta Jocerlei.

Entre os assentamentos sem água confirmados até o momentos estão: Dom camilo, Banhado Grande, Ibicui e Cerro da Cruz.


Leia também:

Definida data do cadastro para retirar recursos da estiagem

Defesa Civil recebe filtros de barro e pipas destinados a assentamentos prejudicados com as secas

Assentados fazem manifestação em frente à prefeitura



1 comentário
07 fev19:57

Livramento é destaque em Capão do Leão

Ana Cláudia Feltrim, De Pingo Alçado no Freio

O Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos de Pedro Osório promoveu seletiva de Paleteada, no dia 30 de janeiro, dentro da programação da 1ª Campereada do Centro de Treinamento Queixo Duro em Capão do Leão/RS.

A disputa reuniu 66 animais, julgados por Abel Dourado e Eduardo Azevedo, e credenciou oito duplas para a Classificatória de Paleteada das Regiões um e seis, que acontecerá em Pelotas nos dias 16 e 17 de abril, sob supervisão técnica de Fernando Drummond de Mello.

Veja os resultados (ainda não homologado pela ABCCC):

Diego Torres montando Amparo Puacá e Dario dos Santos com DS Iemanjá

Ildo Quevedo com Concertina do Mate Doce e Rudi Penso com Carmencita do Mate Doce

Michelli Machado montando Veneno da SM e José Carlos Silveira com Retiro do Pai Passo

Santiago Schiavo montando Licor da Magnólia e Jaime Molina com OPL Ibicuí

Mário Saldanha montando Isqueiro de São Bibiano e Francisco Veltrin com Prateada de Lima Negra

Jaime Molina com Oportuna da Brisa e José Carlos Arduvino com Apegado do Jundiá

Walter Souza montando Capanegra Farina e Vanessa Castilho com Posteiro da Rama Negra

Diego Orquissa com Lampião das Três Divisas e Adolfo San Martin com BT Posteiro II

Comente aqui
06 fev08:21

Ovinocultura recebe linhas de crédito nesta semana

A partir desta semana, o Programa Estadual de Fortalecimento da Ovinocultura deve disponibilizar suas linhas de crédito. Com um capital de giro de cerca de R$100 milhões, incluindo o valor para aquisição de matrizes, o Banrisul financia até 80% dos ventres com mais de 6 meses e 100% das fêmeas com menos de 6 meses.

Com a assinatura do convêncio entre o governo estadual e o Banrisul, a taxa anual deve cair de 10,75% para entre 2% e 5,75% e os juros deverão ser equalizados com a reativação do Fundovinos. A Secretaria da Agricultura (Seapa) planeja, junto com a Assembleia Legislativa, um subsídio de R$2,5 milhões do valor da taxa, para cobrir a primeira parcela do empréstimo.

O produtor que tiver interesse no crédito deve solicitar a declaraçaõ de estoque de ventres ovinos à Inspetoria Veterinária e Zootécnica de sua cidade e encaminhar o processo no banco. A ação pretende um investimento de 80 mil matrizes e 30 mil cordeiros para 2013, atualmente são 13 milhões de cabeças.


A ação vai de encontro ao bom momento dos criadores do Ovinos na região. Nesta semana, a 33ª Exposição Feira de Ovinos de Verão de Sant’Ana do Livramento obteve mais de R$ 1 milhão em vendas. Participaram do evento as cabanhas: Santa Filomena, Recanto Esperança e Nova Aurora, fechando a temporada de verão dos remates de ovinos.


Comente aqui
01 fev15:02

Remate do Recanto da Esperança é hoje na Rural

Após o remate da cabanha Santa Filomena na noite desta segunda-feira, no fim da tarde de hoje é a vez da cabanha de Campeões Recanto da Esperança, de Olimpio Simões Pires, mostrar a que veio.

O Recanto realiza seu tradicional remate Corriedale às 19h no Parque da Associação Rural de Livramento.

Comente aqui
31 jan18:09

Remate da Santa Filomena dá sequência à Feira de Ovinos

Nesta segunda, a partir das 19h, acontece o Remate da Cabanha Santa Filomena, de Jorge Antônio e Cláudia Guerra, que está dentro da programação do Remate de Produção Corriedale, no Parque da Rural.

Em pista, estarão 40 machos PO e SO e 200 fêmeas PO e SO, dando sequência à Feira de Ovinos 2011.

Até o momento, a exposição comercializou 493 mil em cinco remates e 936 animais com qualidade genética superior. Todos os remates venderam entre 30 e 40% a mais do que no ano anterior, com exceção do Mecotexel, que comercializou apenas 25 animais, mas tem a maior média de comercialização até agora: R$ 3.180 por animal vendido.

Faltando ainda três grandes remates a serem realizados – Recanto da Esperança e Nova Aurora – a previsão de faturamento é de mais R$ 330 mil, totalizando R$ 823 mil.

Outras informações sobre o remate desda segunda podem ser obtidas no Balcão de Agro Negócios, pelo telefone 3241-2000 ou no e-mail jorgeguerra@brturbo.com.br.


Comente aqui
26 jan21:07

Feira de Ovinos deve superar as vendas do ano passado

Se em 2010 a Feira de Ovinos de Santana do Livramento já havia registrado uma alta no volume de vendas, em 2011 a confirmação de um mercado aquecido e que pede cada vez mais carne e lã de qualidade.

Enquanto outros municípios ainda lutam para encontrar o nível ideal procurado pelo mercado interno e externo, de olho nos números e atualizados com a exigência do consumidor que sabe cada vez mais o que quer, os produtores santanenses apresentam produtos diferenciados e que são facilmente vendidos no evento.

Ao longo da semana, o público pôde assistir a um verdadeiro desfile do melhor das raças produzidas nos campos santanenses e que servem como modelo e referência para as demais regiões produtoras do Estado. Em 2010, a 32ª Feira de Ovinos de Verão faturou um total de R$ 640 mil, um valor que deverá ser facilmente superado, de acordo com as expectativas do presidente da Associação Rural de Santana do Livramento.

Até o momento, a exposição comercializou 493 mil em cinco remates e 936 animais com qualidade genética Superior. Todos os remates venderam entre 30 e 40% a mais do que no ano anterior, com exceção do Mecotexel que comercializou apenas 25 animais, mas tem a maior média de comercialização até agora: R$ 3.180 por animal vendido.

Faltando ainda três grandes remates a serem realizados: Santa Filomena, Recanto da Esperança e Nova Aurora, a  previsão de faturamento é de mais 330 mil, totalizando R$823 mil.

- São números que revelam a seriedade do trabalho empreendidos pelos nossos produtores que conhecem com profundidade os animais que estão em seus estabelecimentos e possuem a visão necessária para preencher as lacunas existentes no mercado exigente e competitivo, diz o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco), Paulo Schwab.

O Brasil tem um rebanho de 16, 4 milhões de ovinos, segundo o IBGE, com média por ano de consumo, por habitante, de 400 gramas de carne ovina contra 20 quilos de bovina. A expectativa é de que o mercado se mantenha aquecido.

- O desafio para os próximos cinco anos – acrescenta Schwab – é aumentar o consumo por habitante para 2,3 quilos por ano, o que dependeria da ampliação do plantel para 50 milhões de ovinos.

Comente aqui
19 jan13:02

Sobe número de municípios em estado de emergência no RS

Canal Rural

Subiu para 11 o número de municípios em estados de emergência por causa da estiagem na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. O último, segundo a Defesa Civil gaúcha, foi o de Piratini.

As outras cidades são Bagé, Candiota, Cerrito, Herval, Hulha Negra, Lavras do Sul, Pedras Altas, Pedro Osório, Pinheiro Machado e Santana do Livramento. A estiagem prejudica principalmente os moradores da zona rural.

Segundo a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, as prefeituras de Pedras Altas, Herval e Lavras do Sul destinaram, ao todo, 18,2 toneladas de alimentos não perecíveis às vítimas da estiagem.

Comente aqui
13 jan19:42

Red-e Pampa realiza atividade de campo na fronteira Brasil-Uruguai

O projeto Red-e Pampa é uma iniciativa de um grupo de pessoas e entidades preocupadas com o desenvolvimento rural da fronteira Brasil-Uruguai. Foi concebido ao longo de reuniões que iniciaram em outubro de 2009, com encontros em média duas vezes por mês e diversas palestras sobre o tema, além das atividades de campo.

A missão do projeto Red-e Pampa é contribuir de forma voluntária para o desenvolvimento rural na fronteira Brasil-Uruguai através da promoção da troca de experiências, debates, estudos, proposições e participação de pessoas e entidades, em ações que busquem soluções, oportunidades e alternativas que conciliem conservação ambiental, produção econômica e bem estar social.

Como forma de dar continuidade ao processo de reconhecimento da região onde o projeto Red-e Pampa virá a desenvolver suas atividades, será desenvolvido um novo diagnóstico, desta vez na região da linha divisória entre a localidade dos galpões em Livramento e de Masoller, em Rivera. Como característica diferencial desta atividade de campo, tem-se o fato de que será desenvolvida com incursões em ambos os lados da fronteira. Cinco grupos de participantes percorreram cinco trajetos diferentes durante o dia 19 de janeiro de 2011. O ponto de chegada da comitiva será a localidade de Masoller. Em seguida, os grupos se deslocarão até a Posada del Lunarejo onde será realizada a primeira reunião de síntese da atividade desenvolvida.

Fazem parte dos grupos técnicos da Emater Regional Bagé e do escritório local de Santana do Livramento, professores da Unipampa, Ufrgs, Ufsm. Uergs, Urcamp e Udelar (Uruguai), Prefeitura Municipal de Santana do Livramento, Plan Agropecuario (Uruguai), APA do Ibirapuitã, Embrapa CPPSul, Asseagro, Conselho de Desenvolvimento Rural de Santana do Livramento, Intendência Municipal de Rivera, Sindicato e Associação Rural de Santana do Livramento, CREA-RS-Inspetoria Livramento, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Time Assessoria e Consultoria, Graffitaé Publicidade e Propaganda, Damboriarena Escosteguy Agronegócios, profissionais liberais e produtores rurais.

O objetivo específico da leitura da paisagem ao longo da linha divisória é fazer um diagnóstico participativo binacional, realizando um levantamento a partir de observações, registros escritos e fotográficos georeferenciados, sobre o ambiente natural da região, suas formas de ocupação e exploração econômica atual com vistas a sugerir linhas de trabalho futuro em desenvolvimento rural.

Comente aqui
09 jan08:11

Pesquisa indica que RS deverá sofrer ainda mais transtornos com a estiagem

Maicon Bock, Canal Rural

Com base na quantidade de chuva dos últimos três meses e no prognóstico de meteorologistas, o Rio Grande do Sul deve se preparar para um período de mais transtornos devido à estiagem. Levantamento do jornal Zero Hora aponta que, quanto mais ao sul estiver um município no território gaúcho, mais ele estará sujeito aos efeitos da escassez de água.

De uma amostra de 14 municípios, 13 registraram precipitação abaixo do esperado de outubro a dezembro. Apenas Iraí registrou volume de chuva acima do esperado.

Nas outras 13 cidades, a chuva foi inferior ao previsto. A Metade Sul do Estado é a mais prejudicada. Santana do Livramento (choveu 28%), Uruguaiana (34%) Bagé (36%) e Santa Vitória do Palmar (36%) são os municípios onde menos choveu em comparação com o esperado no período.

– O fenômeno La Niña, que influencia as condições do tempo no Rio Grande do Sul, muda a circulação atmosférica, fazendo com que as frentes frias passem muito rápido pelo Estado, diminuindo as chuvas no sul e concentrando-as no sudeste e nordeste do país – explica a meteorologista Nadiara Pereira, da Somar Meteorologia.


>> Leia essa notícia na íntegra, no site do Canal Rural

Comente aqui
20 dez15:44

Maria-mole coloca em risco a saúde do gado

Jandira Vanin, RBS TV

Uma planta tóxica que recebe o nome popular de Maria-mole está a cada ano invadindo mais o espaço das pastagens naturais nos campos do Rio Grande do Sul. O problema é que o gado acaba comendo os brotos e as folhas da planta, e os produtores tendo prejuízos com a morte dos animais por intoxicação.

A paisagem dos campos gaúchos se modifica quando elas começam a crescer. A flor amarela, que atinge até um metro de altura, é tóxica e causa prejuízos para os criadores de gado.

O nome científico é Senecio brasiliensis. Nas diferentes regiões do país é chamada de Maria-mole, Berneira, Vassoura-Mole e Craveiro do Campo. A Maria-Mole é uma planta que tolera bastante a seca, por isso nos períodos em que o pasto fica mais ralo é que ela acaba atraindo bois e vacas.

Por causa da pouca oferta de pastagem a planta se desenvolveu ainda mais nessa época do ano. O trabalho de roçada e a aplicação de herbicidas são as alternativas mais comuns usadas para controlar o crescimento da Maria-Mole.

O pecuarista Roney Machado, de Santana do Livramento, conhece bem os problemas causados pela planta, que já matou pelo menos quatro de seus animais. Com a chegada do calor, a preocupação do criador aumenta: é que nessa fase, quando a Maria-Mole está seca, as sementes são levadas pelo vento semeando novas áreas no pasto.

A veterinária Karen Arèvalo diz que os ovinos podem ajudar a controlar a presença dessas plantas invasoras, porque são menos suscetíveis à intoxicação.

Comente aqui