Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 1 maio 2012

Alemã investe em Barra Velha

01 de maio de 2012 0

Executivos da alemã Butting, Rolf (E) e Richard Brands (C) se reuniram com o prefeito de Barra Velha, Claudemir Matias (D), para fazer definições quanto à instalação da empresa no município.

O começo das obras da fábrica de tubos de aço para atender demanda da Petrobras no mercado de pré-sal está previsto para 2013. A montagem das máquinas deve ser feita em 2014. O investimento é de 30 milhões de euros (R$ 81 milhões). O objetivo é começar a fabricar em janeiro de 2015, em unidade a ser construída em Itajuba, no km 92,5 da BR-101.

Univille volta ao lucro

01 de maio de 2012 0
A Furj/Univille deu a volta por cima. A instituição de ensino aumentou as receitas e o lucro. Em 2010, apurou receita líquida de R$ 66,5 milhões e, no ano seguinte o valor pulou para R$ 72,5 milhões. O superávit obtido no ano passado foi de R$ 973,5 mil contra prejuízo de R$ 1,02 milhão um ano antes.
A instituição de ensino Furj/Univille tem a receber R$ 30,2 milhões de clientes (alunos) por serviços prestados, e que não foram pagos. A situação da inadimplência piorou: em 2010 o valor tinha sido um pouco menor: R$ 28,5 milhões. No ano corrente, a universidade considera perdidos (provisão para perdas) R$ 10,1 milhões. Então, na prática, espera receber, ainda, R$ 17,4 milhões. No total, a Furj provisionou R$ 54,9 milhões para a necessidade de pagar ações trabalhistas, cíveis e tributárias. Parte deste valor (R$ 16,4 milhões) está coberto por depósitos judiciais.

Ex-sócios da Busscar explicam plano alternativo para empresa

01 de maio de 2012 0

O advogado Dícler Assunção, que representa ex-sócios e parentes dos controladores da Busscar Ônibus, Randolfo Raiter e Valdir Nielson, apresentou plano alternativo de recuperação judicial para a companhia há aproximadamente 30 dias. O primeiro ponto do documento é a possibilidade de converter créditos dos credores em participação acionária na empresa, via criação de sociedade de propósito específico (SPE). Outra questão é reduzir os deságios sugeridos no plano encaminhado pela fabricante de carrocerias para a Justiça.

A nova proposta ainda considera necessário desmobilizar ativos improdutivos e definir indexador e juros na atualização da dívida. E, ainda, montar um negócio novo, “completamente diferente do atual, com governança corporativa, gestão profissionalizada, novo controle e novos controladores, nova administra-ção e novos administradores”, diz o texto. A estratégia sugere a manutenção das empresas e atividades rentáveis, “sem prejuízo de eventuais cisões, fusões e incorporações”, acrescenta.

Os ex-sócios entendem que é adequado chegar a produzir sete mil unidades de ônibus por ano, chegando a 22% de market share, com mais de seis mil empregados. Para isto, é necessário encontrar investidores e parceiros, com entrada imediata de R$ 100 milhões para início de produção, atingindo aporte de R$ 300 milhões em até três anos. E, igualmente fundamental, a proposta só se viabilizará se for aprovada – ou não houver oposição – dos atuais donos da Busscar Ônibus. Vai ser difícil. Absolutamente improvável.