Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Presidente da Ajorpeme fala de prioridades e cenário econômico

11 de fevereiro de 2015 0

17081995

A presidente da Ajorpeme, Silvana Fioravanti, recém empossada no comando, explica suas prioridades e comenta o ambiente de negócios em entrevista ao blog. Confira:

LOETZ - Como estão os projetos da Ajorpeme e entidades junto à prefeitura, como o projeto Atender?

SILVANA- Temos uma relação muito boa com a prefeitura e estivemos sempre juntos, para ajudar de todas as maneiras. Nas reuniões do projeto Atender, a Ajorpeme, através de seu núcleo contábil, está presente em todas as reuniões do comitê que cuida do projeto, trabalhando na busca da agilidade para a abertura de novas empresas. A lei complementar 414/2014, que regulamenta a abertura das empresas, foi aprovada e o que falta, agora, é colocá-la em prática. Como ela envolve vários órgãos, é um processo lento, pois une vários órgãos diferentes, é complexo, necessita de sistema, mas estamos progredindo….

LOETZ – Como as microempresas podem ser lucrativas num cenário negativo como o deste ano?

SILVANA – Existe um ditado que diz: “enquanto uns choram, outros vendem lenços”. Sim, o cenário está negativo. E o que fazemos diante disso? Podemos sentar para reclamar, e nos deixar tomar conta pelo negativismo, ou enfrentar o cenário como está e tirar o melhor dele. Acredito que as empresas que estiverem próximas de seus mercados, entendendo seus clientes, encontrarão uma maneira de passar bem esse ano. Temos que lembrar sempre que já passamos por muitas crises, e essa é mais uma. O empresário brasileiro é extremamente criativo e ousado, o que contribui muitíssimo para atravessar períodos difíceis. Somado a isso, lembremos que em uma pequena empresa, as decisões são muito ágeis, o que pode representar uma vantagem em relação às grandes empresas.

LOETZ – Mercado é mais exigente?

SILVANA – O mercado vai estar mais exigente este ano, pedindo dedicação, controles e inovação dos empresários. Não podemos nos deixar levar pelo negativismo. Temos que arregaçar as mangas, cuidar de nossas empresas de perto, entender nossos cliente e trabalhar muito. Isso tudo, de certa forma, não é novidade. Além disso, é fundamental que se fortaleçam por meio do associativismo, buscando soluções conjuntas, como capacitações, compras ou prestação de serviço em conjunto. Unir forças com empresas parceiras é uma excelente forma de aumentar a competitividade.

LOETZ – Já há um processo de demissões nas empresas por conta da crise?

SILVANA- É sabido que grande empresa de Joinville dará 15 dias de férias coletivas a todos os funcionários. Ou seja, sim, já há o temor das demissões por conta da crise em empresas grandes. Quanto às pequenas, acredito que apertando o cinto, cuidando bem dos processos e dos clientes, não haverá grande necessidade de demissões. No entanto, não temos esses dados confirmados.

>> Leia as últimas notícias de Joinville e região

LOETZ – O que a Ajorpeme fará para dar mais competitividade a estas empresas?

SILVANA – A Ajorpeme é parceira de seus associados. Na Ajorpeme, os empresários das micro e pequenas empresas e os empreendedores individuais podem buscar aprimoramento e atualização para eles próprios e para suas equipes, através das capacitações e palestras oferecidas pela Uniajo – Universidade Corporativa Ajorpeme. Hoje são oferecidos uma gama completa de treinamentos e consultoria e, ao longo do ano, novos programas voltados à produtividade e competitividade também serão incluídos. Também temos a preocupação e utilizamos nossos meios de comunicação para manter nossos associados informados do que está ocorrendo em termos de leis da MPE, tributos, etc.. Outra preocupação da Ajorpeme é ajudar nossos empresários a aumentarem sua rede de contatos e fazerem negócios, temos vários eventos com esse direcionamento. Ou seja, na Ajorpeme, o empresário não está sozinho, ele tem quem procurar quando precisa de algo ou quando, simplesmente, quer se atualizar ou aumentar sua rede de contatos. Isso é associativismo.

LOETZ – Quais segmentos podem se dar bem neste ano?

SILVANA- Acreditamos que em todos os segmentos, teremos empresas “se dando bem” e outras nem tanto. A diferença quem vai fazer é o empresário atento às mudanças do mercado, atualizado e bem capacitado versus aquele que diz: “mas eu sempre fiz assim”. Penso que há mercado para muita coisa e que ainda há muita coisa a ser inventada e ofertada. O ramo alimentício é um ramo que, em geral, se dá bem. Assim como serviços essenciais de reparos, pequenas reformas, consertos. Mas sinceramente, não temos bola de cristal. Acredito que o trabalho árduo e o contato com o mercado é que fazem as empresas se darem bem.

LOETZ – Que ideias propositivas a Ajorpeme vai levar ao seu associado?

SILVANA – Reforçamos a luta pelo aumento da tabela do simples, pela flexibilização das leis trabalhistas, pela não corrupção, dentre alguns dos entraves ao crescimento das micro e pequenas empresas.Nossa Uniajo, responsável pelas capacitações, trará cursos relevantes aos associados e que venham ao encontro do aumento de produtividade das empresas. Iremos motivar as empresas a investirem em capacitação para se tornarem competitivas. Estaremos, como sempre temos feito, informando nossos associados sobre as mudanças e novidades através de nossa revista e dos outros meios de comunicação que temos. Continuaremos a oferecer os tão bem sucedidos eventos de negócios para facilitar o aumento da rede de contatos de nossos associados e para que eles, efetivamente, fechem negócios.
A Ajorpeme continuará a desenvolver novos serviços inovadores para atender as demandas das MPEs associadas.

LOETZ – Que ações conjuntas estão previstas com a Fampesc?

SILVANA – Nossa federação é bastante atuante, presidida pelo nosso amigo Diogo Otero, um militante da causa da micro e pequena empresa. Nossas ações conjuntas englobam mobilizações junto ao poder público, como por exemplo o aumento da tabela do simples nacional, a flexibilização da CLT, captação de recursos a juros zero, bem como projetos para as empresas participantes de núcleos setoriais.

LOETZ – Qual é o papel da Ajorpeme no contexto nacional e da política governamental e do fórum nacional da micro e pequena empresa?

SILVANA – A visão da Ajorpeme é ser uma associação atuante e inovadora na defesa dos interesses dos seus associados. E para cumprir esse propósito, participa ativamente das discussões sobre o futuro das MPEs em todos os fóruns, seja municipal, estadual e nacional. A Ajorpeme inclusive coordena dois grupos de trabalho (relações trabalhistas e capacitação) do fórum permanente das MPEs e participa nos demais grupos de trabalho e nas principais demandas tem apoio da bancada catarinense de deputados federais bem como dos senadores. Dessa forma, podemos participar da proposição de políticas públicas e projetos de lei que tenham impacto nas MPEs e garantam o tão falado tratamento justo e diferenciado.

Envie seu Comentário