Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Presidente da CDL fala como será 2015 para o comércio em Joinville

20 de março de 2015 0

Em entrevista exclusiva à coluna, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Joinville, Luiz Kunde, revela que a entidade está finalizando negociações com cooperativa de crédito para reduzir custos dos lojistas com pagamento de serviços de taxas cobradas por operadoras de cartão de crédito. O dirigente ainda aponta grande preocupação com os efeitos da situação econômica sobre o nível de emprego. No primeiro bimestre, o setor já encolheu 334 vagas de trabalho. A entidade ainda quer rápida aprovação da Lei de Ordenamento Territorial (LOT). Kunde reuniu-se com o prefeito Udo Döhler ontem. Trataram de temas de interesse recíproco. Na segunda, dia 23, acontece o jantar festivo de posse da diretoria da CDL.

Sistema viário
– Outra prioridade é a melhoria do sistema viário, que é caótico. É importante que se volte a otimizar o uso dos espaços públicos de estacionamento (estacionamento rotativo). Há duas razões para que todas as cidades importantes do mundo tenham esse serviço. A primeira é de ordem econômica: trata-se de importante fonte de recursos para a Prefeitura, e não pode nem deve ser ignorada. São aproximadamente R$ 8,5 milhões por ano de receita bruta.
Doze pessoas
– A segunda razão é que não nos parece justo privar centenas de pessoas de uma vaga de estacionamento em favor de alguns poucos que fazem uso abusivo de um direito que deveria ser democraticamente compartilhado. Doze pessoas usufruindo de uma vaga de estacionamento durante um dia nos parece bem mais democrático e justo do que uma pessoa usando esta mesma vaga só para si o dia todo. Há como discordar?
Aluga-se
– No primeiro bimestre, o comércio fechou 334 vagas de trabalho em Joinville. Há tendência desse comportamento continuar. Há muitos pontos comerciais com placa de “aluga-se” ou “vende-se”. No Centro da cidade é fácil notar.
Favorecidos
– Há incertezas: provável racionamento de energia, falta de água em importantes regiões, falências de empresas associadas a projetos da Petrobras. Um bom exemplo de empresa que se beneficia desta situação é o fabricante de caixas d’água ou de sistemas de aproveitamento das águas de chuva.
LOT
– Hoje o foco da CDL é na aprovação da LOT. É fundamental que tenhamos ela aprovada até o final do ano para que a cidade possa recomeçar a se organizar de acordo com regras bem definidas. Isso não chega a ser uma reivindicação à Prefeitura, pois temos interesses afins.
Compras coletivas
– O segundo serviço, lançado experimentalmente ao final do ano passado, é o programa de compras coletivas de materiais comuns aos lojistas, como sacolas ecológicas, bobinas de papel para impressoras de cupom fiscal, papel A4 para impressão e lâmpadas Led. A primeira compra coletiva de sacolas, da qual participaram 31 lojistas, permitiu economia de R$ 24,5 mil aos participantes, aproximadamente R$ 800 por lojista.
Prioridades
– A prioridade da CDL neste ano é oferecer um leque maior de serviços a um número maior de associados. Temos 1.803 associados. Nossa meta é alcançar 2 mil até setembro, quando a entidade completa 50 anos de atuação. Nova parceria permitirá trazer as taxas cobradas pelas operadoras de cartão de crédito a níveis aceitáveis. A expectativa é gerar economia média de 20% ao lojista, algo em torno de R$ 7 mil por ano. Atualmente, as operadoras cobram, pelo menos, 3,5% do valor de cada transação entre a loja e o cliente. Há entendimentos avançados com cooperativa de crédito para o percentual de cada operação cair a 2,8%.
Cenário
– A redução do investimento gera redução do nível de emprego, que gera redução da massa de salários, que, associada à alta da inflação, gera queda generalizada de vendas. Quando a queda de vendas ultrapassa o ponto de equilíbrio das operações, estas se tornam deficitárias. E exigem maior imobilização de recursos do empresário. Em muitos casos, falência.
Tsunami
– Vemos o ano de 2015 como um grande desafio. Vai ser um ano de ajustes muito grandes e custos crescentes, num mercado em retração. Não há alguém no Brasil que tenha alguma noção de quando este tsunami termina. A função da CDL é, nestes momentos, nortear a ação dos nossos associados, tornando a passagem por esta tormenta mais segura.
Capacitação
– Nosso vice-presidente de desenvolvimento pessoal, Fernando Martins, programou uma série de cursos e eventos para este ano. O mais relevante será o 4º Encontro Regional de Vendas, que acontecerá entre os dias 22 e 24 de setembro. Os palestrantes já confirmados são Leila Navarro, Seu Chico e Cia. e Clóvis de Barros Filho, possivelmente o mais reverenciado palestrante da atualidade.

Envie seu Comentário