Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A Schulz reduzirá a jornada dos funcionários para quatro dias por semana

26 de março de 2015 0

A Schulz reduzirá a jornada dos seus 2,6 mil funcionários para quatro dias por semana. Os empregados, de todos os setores da empresa, não trabalharão às sextas-feiras, mas esta parada também poderá ocorrer em outro dia da semana. A proposta foi apresentada em assembleia realizada no dia 18 deste mês, com 70% de aprovação em voto secreto.

A decisão entrou em vigor no dia 20 e vale por um ano. As informações são do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Sebastião Alves. A implementação da medida resulta de redução expressiva de demanda por parte da indústria automotiva nacional. Alves diz que não está prevista redução de salários.

A partir de março de 2016, os funcionários vão trabalhar um sábado por mês. E haverá desconto de um dia das férias também. O acordo será encaminhado ao Ministério do Trabalho. O presidente da Schulz, Ovandi Rosenstock, por telefone, às 18h41 desta quinta-feira, disse que vai falar a respeito nesta sexta-feira.

Porto de São Francisco lançou edital para dragagem

26 de março de 2015 0

O Porto de São Francisco do Sul analisa as condições da baía da Babitonga.  Segue o texto com a posição da administração em relação à necessidade de dragagem.

- As condições atuais da Baía da Babitonga já possibilitaram que o Terminal de Itapoá esteja hoje operando no limite de sua dimensão e capacidade operacional.

- O Porto de São Francisco do Sul já lançou edital para a dragagem de manutenção mantendo, assim, a profundidade de 14 metros já adquirida;

- A dragagem do berço externo do TESC,  é de responsabilidade do próprio terminal do qual a LogZ é sócia. Apenas essa dragagem ampliaria em mais de 30% sua capacidade operacional. Esse investimento independe de novos investimentos públicos.

- A evolução da atual profundidade de 14 metros para receber navios ainda maiores, implicará em vultuosos investimentos para a adequação da geometria do canal externo. O Porto de São Francisco do Sul, em parceria com o Terminal de Itapoá, já iniciou estudos nesse sentido envolvendo a Secretaria de Portos através do Instituto Nacional de Pesquisas Hidrográficas – INPH responsável por esse projeto.

- O Porto de São Francisco do Sul acredita que a continuidade do trabalho em conjunto dos terminais com as autoridades governamentais é importante para continuar garantindo a excelência já reconhecida nacionalmente dos Portos e Terminais de Santa Catarina.

 

Águas de Joinville mostra na Câmara projetos de obras até 2035

26 de março de 2015 0

A Águas de Joinville vai apresentar na Câmara de Vereadores de Joinville, a partir das 9h20 desta sexta-feira (27), o plano diretor de água. O documento mostra os projetos da companhia para garantir o abastecimento da cidade até 2035.

A apresentação será feita pelo presidente da Águas de Joinville, Roberto Luiz Carneiro, durante o Seminário “Água: os desafios para evitar a escassez em Joinville”.

O planejamento para a construção de uma nova estação de tratamento de água, na região Sul do rio Piraí, é o principal ponto do plano. A companhia iniciou estudos do local onde será instalada a nova unidade.

A ETA Piraí Sul terá capacidade de produção de 750 litros por segundo e terá investimento estimado em R$ 63,7 milhões. A ETA vai atender, no início de sua operação, uma população estimada de 152 mil habitantes.

Unidades da Whirlpool demitem 50 em Joinville, diz sindicato

25 de março de 2015 0

O sindicato dos trabalhadores confirmou, na tarde desta quarta-feira, o plano de demissão de 50 profissionais nas unidades de compressores (Embraco) e de eletrodomésticos da Whirlpool em Joinville.

A medida, segundo o presidente da entidade, Rolf Decker, não está ligada ao comportamento do mercado, mas a uma reestruturação interna. Os desligamentos não atingem os trabalhadores da fábrica, aqueles que atuam em turnos de produção. O foco são profissionais com perfil técnico.

Segundo Rolf, a exemplo de outras empresas que trabalham com novos produtos, ocorre a necessidade de contratar profissionais para todo o processo de desenvolvimento e que acabam retornando ao mercado quando o projeto é finalizado.

O líder sindical não soube informar quantos, entre os 50, são profissionais da Embraco e quantos são da Whirlpool Latin America, e qual o nível salarial dos atingidos.

Procuradas pela reportagem, a Embraco e a Whirlpool não se manifestaram até o momento.

Whirlpool e sindicato monitoram, juntos, estoques e produção

25 de março de 2015 0

A Whirlpool e o sindicato dos trabalhadores na indústria de refrigeração (Sinditherme) reúnem-se semanalmente. Na mesa avaliam, em conjunto, dados sobre atividade econômica ( produção, nível de estoques) das duas companhias com operação em Joinville: Embraco e Whirlpool eletrodomésticos. O acompanhamento acontece para que as duas partes verifiquem se há, ou não, necessidade de dar férias coletivas, novamente. Por ora, não é o caso. Em fevereiro, os 8 mil funcionários entraram em férias por 15 dias.

A última reunião entre as partes aconteceu na segunda-feira, dia 23 de março. Os encontros já acontecem há três semanas seguidas.

O presidente do sindicato, Rolf Decker, afirma que o turn over de funcionários é de 50 trabalhadores, em março. Nos dois meses anteriores, a rotatividade de mão de -obra foi de 60 pessoas em janeiro, e 70 no mês seguinte, sempre para ambas as unidades, no total. Antes, no segundo semestre de 2014, o turnover chegou, no pico, a 200 trabalhadores conta o sindicalista.
Não há expectativa de demissões.

Expectativa por mais voos em Joinville continua

24 de março de 2015 0

A Azul poderá abrir novo horário de voo no Aeroporto de Joinville para atender a demandas de clientes de Joinville e região. Há possibilidade de ter frequência entre Joinville e Brasília, mas a informação não é oficial. O secretário de Desenvolvimento Econômico, Jalmei Duarte, explica que não recebeu nenhuma confirmação por parte da empresa e nem da Anac até este momento.

O superintendente da Infraero em Joinville, Rones Heidemann, desconhece o assunto. Diz que é boato.

A Prefeitura tinha pedido, em reunião realizada no dia 10 de fevereiro, para que Gol, TAM e Azul aumentem número de voos para o aeroporto local. Também está à espera por resposta para solicitação de redução de tarifas.

Um passo à frente. E só

22 de março de 2015 0

A semana foi marcada por uma notícia positiva inesperada: a conclusão do trabalho do projeto executivo para a duplicação da rua Dona Francisca no trecho urbano que corta parte importante da área industrial do município de Joinville. Vencida esta etapa, agora é hora de se avançar mais, com o encaminhamento de abertura de processo licitatório.

* * *

Méritos para a Secretaria de Infraestrutura do governo estadual. Claro que os governos, quaisquer que sejam eles, têm a obrigação de atuar a favor da comunidade. Os eleitos, e suas equipes, estão lá justamente para isso. Então, por que reconhecer-lhes qualidade extra se apenas cumprem com o que devem fazer? Porque sequer a Prefeitura de Joinville esperava por essa notícia. Surpresa geral. E, convenhamos, sermos surpreendidos por ações governamentais é um tanto raro.

* * *

O empresariado local faz, intensivamente, reclamos por mais eficácia no sistema de mobilidade. E é natural que assim seja. É ela, a infraestrutura, um dos instrumentos decisivos a permitir maior ou menor competitividade aos negócios. A compreensão para essa realidade não deve obscurecer que, no total, serão necessários R$ 131 milhões (a valores agora orçados) para tudo ficar pronto daqui a alguns, sabe se lá quantos, anos. Decompondo: as desapropriações de imóveis estão orçadas em R$ 40 milhões. E a duplicação da via, em si, levará outros R$ 71 milhões. Isso, claro, se esta licitação, a ser promovida pelo Estado para esta finalidade específica, não for contestada por algum perdedor ou pelo Ministério Público, no uso de suas atribuições legais. A história nos mostra que o retardamento de resultados ou o cancelamento de concorrências públicas, em quaisquer esferas, é algo bem frequente, como sabemos.

* * *

A população nem se deu conta de que houve algum avanço para esta reivindicação empresarial que é a provável duplicação da Dona Francisca. Praticamente ninguém comemorou. Nem as lideranças empresariais, nem a Prefeitura vieram a público dizer “muito bom”. Muito menos bradaram vitória. Se eles, que são os mais interessados em publicizar conquistas, não o fizeram, é sinal de que devemos ser cautelosos. E deixar para comemorar, de verdade, apenas quando as obras começarem. O motivo para esse silêncio nos parece óbvio: a finalização do projeto executivo é só uma etapa intermediária de um longo processo.

* * *

De todo modo, se não alcançamos o objetivo final para esta situação, quando o assunto é o projeto de duplicação da avenida Santos Dumont, podem surgir alternativas. Para lá não há dinheiro para desapropriação de terrenos. Por isso mesmo, a equação deverá passar por mudança no trajeto para viabilizar a obra. Claro que a luta por melhores infraestrutura e mobilidade continuará.

UniSociesc vai financiar 100 % dos juros do programa Fies

20 de março de 2015 0

A UniSociesc vai subsidiar os estudantes de cursos de graduação de Joinville que não conseguiram financiamento do programa Fies em função das restrições impostas pelo governo federal. Para isso, os alunos precisarão contratar um crédito educacional privado a juro zero, subsidiado pela instituição de ensino, e pagarão mensalmente o equivalente a 50% da mensalidade. Para validar a iniciativa, a instituição fechou parceria com o PraValer, que será o operador deste crédito educacional privado, revela o diretor de gestão Bruno Watte.

A UniSociesc vai bancar, integralmente, os juros dos empréstimos. Assim, poderá atender a centenas de estudantes que desejarem continuar os estudos. Inclusive aqueles pensam em desistir de frequentar o curso, independentemente da instituição de ensino onde se matricularam.

Campanha publicitária será lançada neste sábado, dia 21, no Jornal do Almoço, da RBSTV.

Num exemplo, no caso da mensalidade ser de R$ 1 mil, o custo semestral seria de R$ 6 mil para o aluno. Com o financiamento, o aluno vai pagar doze mensalidades de R$ 500,00. E poderá renovar a operação, na sequência. A instituição de ensino superior investe R$ 4,5 milhões para efetivar a novidade.

Pretende atender, de imeditato, a 250 estudantes matriculados em seus cursos, em Joinville. E capturar novas matrículas de quem desistiu ou está a caminho de desistir de seus estudos, mesmo de outras universidades. Atualmente, só em Joinville, a UniSociesc tem 6 mil alunos de graduação nos dois campus: Boa Vista e Marquês de Olinda. E 25% do total – 1500 – contrataram empréstimos via Fies.

Produtos da Docol passam a ter garantia vitalícia

20 de março de 2015 0

A Docol passa a dar garantia vitalícia para todos os seus produtos. Em ação pioneira, é a única empresa do setor de metais sanitários do país a ter selo de qualidade a garantir perenidade ao que fabrica. A novidade é consequência de domínio do processo produtivo e dos elevados padrões de qualidade.

Leia as últimas notícias de Joinville e região

Presidente da CDL fala como será 2015 para o comércio em Joinville

20 de março de 2015 0

Em entrevista exclusiva à coluna, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Joinville, Luiz Kunde, revela que a entidade está finalizando negociações com cooperativa de crédito para reduzir custos dos lojistas com pagamento de serviços de taxas cobradas por operadoras de cartão de crédito. O dirigente ainda aponta grande preocupação com os efeitos da situação econômica sobre o nível de emprego. No primeiro bimestre, o setor já encolheu 334 vagas de trabalho. A entidade ainda quer rápida aprovação da Lei de Ordenamento Territorial (LOT). Kunde reuniu-se com o prefeito Udo Döhler ontem. Trataram de temas de interesse recíproco. Na segunda, dia 23, acontece o jantar festivo de posse da diretoria da CDL.

Sistema viário
– Outra prioridade é a melhoria do sistema viário, que é caótico. É importante que se volte a otimizar o uso dos espaços públicos de estacionamento (estacionamento rotativo). Há duas razões para que todas as cidades importantes do mundo tenham esse serviço. A primeira é de ordem econômica: trata-se de importante fonte de recursos para a Prefeitura, e não pode nem deve ser ignorada. São aproximadamente R$ 8,5 milhões por ano de receita bruta.
Doze pessoas
– A segunda razão é que não nos parece justo privar centenas de pessoas de uma vaga de estacionamento em favor de alguns poucos que fazem uso abusivo de um direito que deveria ser democraticamente compartilhado. Doze pessoas usufruindo de uma vaga de estacionamento durante um dia nos parece bem mais democrático e justo do que uma pessoa usando esta mesma vaga só para si o dia todo. Há como discordar?
Aluga-se
– No primeiro bimestre, o comércio fechou 334 vagas de trabalho em Joinville. Há tendência desse comportamento continuar. Há muitos pontos comerciais com placa de “aluga-se” ou “vende-se”. No Centro da cidade é fácil notar.
Favorecidos
– Há incertezas: provável racionamento de energia, falta de água em importantes regiões, falências de empresas associadas a projetos da Petrobras. Um bom exemplo de empresa que se beneficia desta situação é o fabricante de caixas d’água ou de sistemas de aproveitamento das águas de chuva.
LOT
– Hoje o foco da CDL é na aprovação da LOT. É fundamental que tenhamos ela aprovada até o final do ano para que a cidade possa recomeçar a se organizar de acordo com regras bem definidas. Isso não chega a ser uma reivindicação à Prefeitura, pois temos interesses afins.
Compras coletivas
– O segundo serviço, lançado experimentalmente ao final do ano passado, é o programa de compras coletivas de materiais comuns aos lojistas, como sacolas ecológicas, bobinas de papel para impressoras de cupom fiscal, papel A4 para impressão e lâmpadas Led. A primeira compra coletiva de sacolas, da qual participaram 31 lojistas, permitiu economia de R$ 24,5 mil aos participantes, aproximadamente R$ 800 por lojista.
Prioridades
– A prioridade da CDL neste ano é oferecer um leque maior de serviços a um número maior de associados. Temos 1.803 associados. Nossa meta é alcançar 2 mil até setembro, quando a entidade completa 50 anos de atuação. Nova parceria permitirá trazer as taxas cobradas pelas operadoras de cartão de crédito a níveis aceitáveis. A expectativa é gerar economia média de 20% ao lojista, algo em torno de R$ 7 mil por ano. Atualmente, as operadoras cobram, pelo menos, 3,5% do valor de cada transação entre a loja e o cliente. Há entendimentos avançados com cooperativa de crédito para o percentual de cada operação cair a 2,8%.
Cenário
– A redução do investimento gera redução do nível de emprego, que gera redução da massa de salários, que, associada à alta da inflação, gera queda generalizada de vendas. Quando a queda de vendas ultrapassa o ponto de equilíbrio das operações, estas se tornam deficitárias. E exigem maior imobilização de recursos do empresário. Em muitos casos, falência.
Tsunami
– Vemos o ano de 2015 como um grande desafio. Vai ser um ano de ajustes muito grandes e custos crescentes, num mercado em retração. Não há alguém no Brasil que tenha alguma noção de quando este tsunami termina. A função da CDL é, nestes momentos, nortear a ação dos nossos associados, tornando a passagem por esta tormenta mais segura.
Capacitação
– Nosso vice-presidente de desenvolvimento pessoal, Fernando Martins, programou uma série de cursos e eventos para este ano. O mais relevante será o 4º Encontro Regional de Vendas, que acontecerá entre os dias 22 e 24 de setembro. Os palestrantes já confirmados são Leila Navarro, Seu Chico e Cia. e Clóvis de Barros Filho, possivelmente o mais reverenciado palestrante da atualidade.

Avança projeto para duplicação da rua Dona Francisca

18 de março de 2015 3

Está pronto o projeto executivo da duplicação da rua Dona Francisca, trecho que abrange parte da área industrial na zona Norte de Joinville até a BR-101, e que vai beneficiar várias indústrias, inclusive o complexo multissetorial Perini Business Park.

A empresa Sotepa entregou o projeto à Secretaria de Infraestrutura do governo do Estado. O valor das obras está orçado em R$ 71 milhões.

O custo das desapropriações de imóveis vai ficar ao redor de R$ 40 milhões, somando investimento total de R$ 131 milhões. Cabe agora, ao governo do Estado, lançar a licitação.

Polêmica na estreia

17 de março de 2015 0

A Whirlpool abriu edital, em Joinville, para expandir as franquias da assinatura dos purificadores de água da marca Brastemp. Os interessados terão que investir R$ 350 mil.

A expectativa é que o franqueado possua uma base de 10 mil assinantes em até cinco anos. Diz a empresa, que assim o empreendedor poderá ter lucro líquido anual de R$ 500 mil.

Projeto executivo que prevê a duplicação da rua Dona Francisca está pronto

17 de março de 2015 0

Está pronto o projeto executivo que prevê a duplicação da rua Dona Francisca, trecho que abrange área industrial de Joinville. Reunião com técnicos do Deinfra poderá acontecer no prazo de 15 dias. A informação é do presidente da Acij, João Martinelli. Ele está animado com a perspectiva das obras saírem do papel.

Por que o 15 de março será emblemático

15 de março de 2015 0

As ruas vão se encher de gente neste domingo, dia 15 de março, em manifestações grandiosas em dezenas de cidades brasileiras. Os atos públicos vão juntar empresários de diferentes setores e tamanhos, lideranças de movimentos sociais, sindicalistas e partidos políticos. E, claro, anônimos. Milhões deles.

* * *

Todos eles são porta-vozes de extrema indignação contra o desgoverno da presidente Dilma e de sua incapacidade de continuar a liderar a Nação. Antes da eleição que a reconduziu ao posto mais importante da escala de poder, Dilma era tida como promessa de gerente competente. Ao menos no primeiro mandato. Esta esperança acabou faz tempo. Há descrédito generalizado. Raros são os que (ainda) acreditam nela como líder. Lógico: são aqueles mais próximos a ela.

* * *

Este sentimento coletivo “anti” é natural na situação em que vivemos. Corrupção desenfreada a enojar a sociedade, crise econômica aguda, recessão combinada com inflação ascendente e um (necessário) ajuste fiscal doloroso nos empurra para dois anos sem crescimento. Isso tudo justifica o berreiro. Em Joinville não será diferente. A multidão – teremos 8 mil pessoas, se não chover (teremos?) – que vai tomar a praça da Bandeira, no Centro, vai se compor de pessoal de todos os estratos sociais. Desta vez, estudantes e integrantes de movimentos sociais estarão lado a lado com donos de empresas. Isso é emblemático.

* * *

O encaminhamento antecipado de dois núcleos do poder econômico local importantes, a favor das manifestações (pacíficas), indica o tamanho das frustrações. E nos faz pensar a respeito do que vivemos nesta quadra dura. A Acij, com seu peso econômico e político (bem mais de mil associados), e a Ajorpeme, legítima representante dos interesses de micro e pequenas empresas (mais de 2 mil associados), dão ainda mais significado aos atos. A Ajorpeme chegou a encomendar – e mandar colocar – outdoors em pontos estratégicos de Joinville. A mensagem central é “somos contra.”

* * *

A dimensão da encrenca em que o País se meteu pode ser medida, justamente, pelo alcance que o grito de todos terá para mudar o rumo da história. Em Joinville, ver a elite econômica local bradando pública e claramente contra um governo é raridade a ser registrada. Como no País todo, o 15 de março poderá ser divisor de águas. Vai depender dos efeitos práticos e do alcance que este grito comum terá em Brasília. Se não houver eco, as manifestações deste fim de semana poderão descambar para o limbo. Aí sim poderemos cair num perigoso vácuo institucional. Está aí a ideia de impeachment. Ideia danosa, a sugerir o roteiro do caos.

* * *

Atualmente, não dispomos de figuras com a dignidade que tínhamos nos difíceis anos 80, sob Sarney. Nem no pós- Collor, em 1992-93. Hoje, temos a lama da Lava-jato. Estamos vivenciando um momento histórico neste 2015, ano repleto de ansiedades, dúvidas e anseios reprimidos.

Prefeitura de Joinville pede, à Celesc, novas obras de fiação subterrânea

13 de março de 2015 0

As obras de fiação subterrânea na área central de Joinville deverão ficar prontas em julho. Uma nova etapa, para beneficiar outras ruas do centro é tema que será tratado na audiência que o prefeito Udo Döhler terá com o governador Raimundo Colombo na próxima semana.

A informação surgiu depois de reunião do comando da Celesc com o prefeito e secretários municipais realizada nesta sexta-feira, dia 13. A prefeitura também sugere a implantação de fiação subterrânea em trecho de 100 metros, na subida ao morro do mirante: Neste caso, a proposta é ser feito via crédito do ICMS, como foi feito em Jaraguá do Sul.​