Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de julho 2009

Conheça os postos de saúde de Canoas

31 de julho de 2009 2

A Gripe A chegou de vez ao Estado – e em Canoas não poderia ser diferente. Devido à doença, há uma corrida da população aos hospitais Universitário e Nossa Senhora das Graças. A recomendação, contudo, é de que as pessoas com suspeita do novo vírus vão aos postos de saúde da cidade, em vez de lotar os hospitais.

Confira, abaixo, a listagem das unidades básicas  repassada pela Secretaria Municipal de Saúde. Fique atento aos horários de funcionamento.

 

Boa Saúde - Rua Boa Saúde, 950, Rio Branco. Telefone: 3476-9799. Horário de atendimento: das 8h às 17h

CAIC - Rua Principal, s/n°, Guajuviras. Telefone: 3468-6191. Horário de atendimento: das 7h às 23h – sábado, fecha às 18h

CAPS AD - Rua Araçá, 134. Telefone: 3472-8949. Horário de atendimento: das 8h às 17h

CAPS I - Santa Helena, 75. Telefone: 3464-3741. Horário de atendimento: das 8h às 17h

CAPS Idoso – Rua Regente Feijó, 277. Telefone: 3466-1456. Horário de atendimento: das 8h às 17h

CAPS II - Avenida Guilherme Shell, 5.136. Telefone: 3468-6410. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Central de Ambulâncias – Rua Frei Orlando, 141, Centro. Telefone: 3468-6463, 3463-9885 e 3472-1644. Horário de atendimento: das 7h às 19h

Centro de Saúde - Rua Frei Orlando, 141, Centro. Telefone: 3472-2182. Horário de atendimento: das 7h às 17h 

CEO - Rua Teixeira de Freitas, 70. Telefone: 3462-1601. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Cerne - Rua Eng. Kindler, 1.460, Vila Cerne. Telefone: 3472-3876. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Concoban - Rua Rodrigues Alves, 769, Niterói. Telefone: 3475-2463. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Conde D`Eu – Rua Conde D`Eu, 365, Rio Branco. Telefone: 3425-0465. Horário de atendimento: das 8h às 17h

CTA - Rua Ipiranga, 70, Centro. Telefone: 3472-1074. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Estância Velha - Rua São Matheus, s/n°, Estância Velha. Telefone: 3472-6974. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Fátima - Rua João Nicolau, 218, Fátima. Telefone: 3472-3993. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Fernandes - Rua Gomes Freire de Andrade, 1.036, Fernandes. Telefone: 3476-6944. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Guajuviras II – Avenida Principal, 1.991, Guajuviras. Telefone: 3468-3088. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Igara - Rua Tupi, 274, Igara. Telefone: 3477-3349. Horário de atendimento: das 8h às 17h

José Veríssimo - Rua José Veríssimo, 292, Harmonia. Telefone: 3465-7581. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Mathias Velho - Rua Caçapava, 201, Mathias Velho. Telefone: 3472-7150. Horário de atendimento: 7h às 23h – sábado, fecha às 18h

Mato Grande - Rua República, 560, Mato Grande. Telefone: 3465-7426. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Natal – Rua Nossa Senhora da Conceição, 285, Natal. Telefone: 3463-9603. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Niterói – Rua 1° de Maio, 534, Niterói. Telefone: 3475-2026. Horário de atendimento: das 7h às 23h – sábado, fecha às 18h 

Nova Niterói – Rua Quarai, s/ n°, Niterói. Telefone: 3475-3275. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Olaria – Rua Alberto Rodrigues de Oliveira Alves, 25. Telefone: 3472-3885. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Praça América - Rua Rio Grande do Sul, 420, Mathias Velho. Telefone: 3476-6977. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Rio Branco – Rua José de Alencar, s/n°, Rio Branco. Telefone: 3466-7697. Horário de atendimento: das 7h às 23h – sábado, fecha às 18h 

SAE - Rua Regente Feijó, 71. Telefone: 3427-3440. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Santa Isabel – Rua Coronel Vicente, 191, Centro. Telefone: 3472-6945. Horário de atendimento: das 7h às 17h

Santo Operário - Rua da Associação, 331, Vila Cerne. Telefone: 3472-5739. Horário de atendimento: das 8h às 17h

São José – Rua João Pessoa, s/n°, São José. Telefone: 3429-2963. Horário de atendimento: das 8h às 17h

São Luis – Rua Teófilo Otoni, 268, São Luis. Telefone: 3477-2538. Horário de atendimento: das 8h às 17h

São Vicente – Rua José Danilo de Menezes, 152, Estrada Velha. Telefone:  3478-4458. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Saúde da Mulher - Rua Teixeira de Freitas, 70. Telefone: 3462-1688. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Tisiologia - Rua Teixeira de Freitas, 70. Telefone: 3466-2568. Horário de atendimento: das 8h às 17h

União – Rua São Borja, 395, Mathias Velho. Telefone: 3466-6755. Horário de atendimento: das 8h às 17h

Postado por Thais Sardá, Redação ZH

Hoje, nas bancas da cidade

31 de julho de 2009 0

No + Canoas que circula nesta sexta-feira, apenas pelo município, você vai ler sobre a sobrecarga nos hospitais Universitário e Nossa Senhora das Graças, por causa da Gripe A. Também vai conhecer um projeto da Escola Municipal Dr. Nelson Paim Terra, para alertar seus estudantes sobre a gravidez na adolescência.

Além disso, um e-mail de leitor sobre o descaso com o Parque Eduardo Gomes, e a resposta da prefeitura para os problemas da área. Para completar, as obras no Marechal Rondon, uma receita do restaurante Jardim do Lago, a história do biólogo Samuel Santos – que escalou o Dedo de Deus, no Rio de Janeiro -, o perfil de João Vitor, compositor conhecido por El Cantante Gitano, e muito mais.

Para participar do jornal, com fotos e texto, escreva para canoas@zerohora.com.br

Postado por Thais Sardá, Redação ZH

Terreno baldio próximo a praça

30 de julho de 2009 2

Fotos: Arquivo Pessoal

A existência de terrenos baldios no município é um problema crônico, especialmente nas áreas mais urbanizadas.

É o caso do terreno situado entre a Santos Ferreira e a Sete Povos, ao lado de uma pracinha com brinquedos para crianças.

Sem cerca, a área está aberta a moradores de rua e usuários de droga, especialmente quando o mato está alto.

Ao mesmo tempo, transforma-se em perigo para as crianças que brincam na pracinha (por ser um local isolado) e permite, especialmente às noite, atos de vandalismo.

Postado por Marilise Soares de Zotti, Conselho de Blogueiros

Qual o seu meio?

29 de julho de 2009 8

Foto: Arquivo Pessoal

Imagine a cena, leitor canoense: você se apronta, pega o carro, e se dirige à BR-116. E o faz porque precisa chegar cedo ao trabalho, ou à casa da namorada, ou mesmo àquela aula de faculdade.

Então, ao deparar com a longa estrada, sem prévio aviso, o trânsito resolve, assim como quem não quer nada, diminuir lentamente. E, de tão vagaroso, complicando o seu relógio, decide parar por completo, deixando-o sem previsão alguma de retorno rápido.

Aí, você já sabe o que acontece: o chefe lhe desconta o salário, a namorada fica brava, e a impaciente professora decide lhe descontar os pontos do trabalho não entregue a tempo.

Pois sim, fruto dos tão comuns congestionamentos que acontecem na tal estrada, os canoenses, e os que se dirigem à cidade para fins diversos, cada vez mais adotam o metrô como meio de locomoção. E é nele, por exemplo, que milhares de estudantes chegam, de maneira mais prática e com horários mais confiáveis, todos os dias por aqui - intuito de assistir, de maneira plena, àquela tão necessária aula, evitando levar, por um não planejado atraso, o sermão da impaciente professora.

E você, leitor, numa relação custo-benefício, quando necessita transitar por Canoas, prefere a estrada ou os trilhos?

Postado por Tiago Maino Pinheiro, Conselho de Blogueiros

Quem é quem no céu da cidade

28 de julho de 2009 3

F-5 pode ser visto diariamente no céu de Canoas. Fotos: Arquivo Pessoal

Quem vive em Canoas acostumou-se a ver ou ouvir aviões rasgando os céus. O que muitos não sabem é o quanto de história e tecnologia passa sobre nossas cabeças. Desde a instalação do 3º Regimento de Aviação do Exército, em 1937, até as atuais instalações da Base Aérea de Canoas (BACO), vários tipos de aviões já nos fizeram erguer a cabeça e tapar os ouvidos.

Na década de 1940, eram os Curtiss P-40 que sobrevoavam Canoas. Na década de 1950, foram substituídos pelos históricos Gloster F-8 (hoje pousado na praça) que, em 1966, deram lugar aos TF-33 e T-Bird, utilizados até 1975.

Atualmente, aviões do Brasil inteiro passam por aqui, mas há alguns com presença certa em nosso dia a dia. O americano Northrop F-5E Tiger II, ou simplesmente F-5, é um avião de caça com projeto de 1975 modernizado em 2005, que faz parte do Esquadrão Pampa da BACO e pode ultrapassar os 1.700 km/h. Este pode ser visto diariamente em voos de treinamento.

Outro habitante da Base Aérea é o brasileiríssimo Bandeirante (à esquerda), um avião de projeto e fabricação da Embraer, utilizado tanto para o transporte de combatentes quanto para o deslocamento de cargas. É um avião robusto e valente, projetado no final da década de 1960 e pertencente ao 5º Esquadrão de Tranporte Aéreo (5º ETA).

 

Um visitante frequente, é o AMX (à direita), atualmente pertencendo à Base Aérea de Santa Maria (BASM), que pode ser visto utilizando os céus canoenses e a Base Aérea de Canoas como área de treinamento.

O que aos olhos de muitos é apenas um simples “avião”, que faz barulho e atrapalha, é na verdade um instrumento que além de sua finalidade bélica, carrega a história de um povo consigo.

Postado por Fabrício Lima, Conselho de Blogueiros

Canoas perde um espaço de cultura

27 de julho de 2009 12

No Estação Cultura, Tarcísio Casa Nova (à esq.) recebia escritores em saraus. Foto: Melissa Barbosa, Especial

Talvez você que está lendo este texto não saiba, mas nos últimos 15 meses, floresceu um jardim cultural em pleno centro de Canoas. Foram mais de 200 eventos, como saraus, exibição de filmes, lançamentos de livros de autores canoenses, entre outras expressões voltadas para cultura. Um jardim repleto de livros e regado com delicioso café, conhecido como Estação Cultura. Um espaço onde os artistas podiam se encontrar e se expressar. E agora este jardim morreu.

É triste ver alguém que lhe abre as portas fechando as próprias portas. Quando um amigo nos estende as mãos, ficamos agradecidos. Mas, quando um total desconhecido nos estende os braços e nos acolhe, o agradecimento torna-se uma palavra branda demais para expressar o sentimento de gratidão por esta acolhida. Bem como a amargura por sua partida, por se perder tão nobre espaço, que no último dia 24 de julho fechou um ambiente que a tantos recebia.

Não falta cultura em Canoas, nem pessoas que gostem e cultuem a cultura, mas infelizmente falta a cultura de prestigiar a própria cultura que reside, vive e principalmente sobrevive nos recantos desta nossa localidade.

Às vezes, a sombra de cidades maiores, que se encostam sob nossas divisas, parece atrair mais nossa atenção e direção rumo aos seus bares, restaurantes, espetáculos e similares, do que aquilo que aqui é cultivado. É como se a expressão “a grama é sempre mais verde no lado do vizinho” tivesse sido forjada em solo canoense.

O fato é que a cultura de um modo geral, que tenta germinar e se desenvolver em Canoas, perdeu um fértil pedaço de chão onde se enraizar e crescer. Enfim, quando um povo olha demasiadamente para além de seus horizontes, desvia o foco de acontecimentos importantes que ocorrem diante de seus umbrais, até que seja tarde demais.

Postado por Antonio Brás Constante, Conselho de Blogueiros

Solidariedade canoense

27 de julho de 2009 8

Fotos: Arquivo Pessoal

Em 31 de outubro do ano passado, foi fundado o Rotary Club de Canoas Integração. Além de fazer doações a asilos e instituições de caridade, eles organizam eventos para socializar e divertir os necessitados. Os 12 sócios do clube encontram-se sempre às 19h na Rua Santos Ferreira, 50, bairro Marechal Rondon. Para saber como fazer parte do clube, é só comparecer a uma das reuniões.
 
O grupo faz parte do Rotaract, que é uma organização de jovens entre 18 e 30 anos com o objetivo de realizar prestações de serviços à comunidade. Criado em 1968, o clube conta hoje com quase 200 mil sócios espalhados pelo mundo em mais de 7 mil clubes. O nome Rotarct foi criado a partir da expressão Rotary in Action.

As duas fotos deste post são da última festa junina organizada pelo grupo no Asilo Santa Bárbara, no bairro Estância Velha. Belo exemplo de cidadania!

Conhece alguma instituição que faça um trabalho legal no seu bairro? Deixe nos comentários para que possamos divulgar.

Postado por Diego Dias, Conselho de Blogueiros

Saudade dos campinhos de futebol

26 de julho de 2009 6

Foto: Arquivo Pessoal

Andando hoje pelas ruas de Canoas, percebe-se que a falta de locais públicos para a prática do esporte e do lazer faz com que os campinhos outrora abundantes hoje se limitem aos logradouros públicos. Apesar de já possuir o belo Parque Municipal Getúlio Vargas, o festejado Parcão e o Centro Olímpico Municipal, Canoas ainda carece de mais locais para o lazer, principalmente na periferia do município, como os bairros Mathias Velho e Guajuviras, sabidamente os dois maiores bairros canoenses.

Se formos comparar Porto Alegre com suas 582 praças mais seus oito parques e dividirmos para seus pouco mais de 1, 4 milhão de habitantes, teríamos, para cada 2, 4 mil pessoas, uma área de lazer. Em Canoas, teríamos as 92 praças mais os três parques e dividiríamos por seus pouco mais de 320 mil habitantes. Teríamos, para cada 3,8 mil habitantes, uma área de lazer. Ou seja, em comparação com a Capital, ainda precisamos de mais espaços verdes

Lendo o post da colega Marilise Soares de Zotti, fico feliz por ver que a atual gestão pretende arborizar a nossa cidade. Porém, cabe ressaltar que espaços que poderiam ser aproveitados como este da foto, na Rua Caçapava, atrás do Corpo dos Bombeiros e da Brigada Militar, que um dia foi um campo de futebol onde pude na minha infância jogar com meus amigos uma pelada, hoje serve apenas como depósito de lixo.
Por que não aproveitar o espaço para se criar uma bela praça? 
 

Postado por Pablo Prandini, Conselho de Blogueiros

Desafio de skatistas

25 de julho de 2009 0

Foto: Divulgação

Hoje, ocorre o Desafio de Inverno da Associação de Skate de Canoas (Ucasi) no Parque Esportivo Eduardo Gomes, popularmente conhecido como Parcão. O campeonato visa articular o cenário do skate no município, além de abrir espaço para várias tribos.

Os atletas interessados em participar das competições podem aparecer às 10h, no Parcão, e efetuar a inscrição através do pagamento da taxa de R$ 5. Todos os inscritos concorrem a premiação Best Trick.

Além das competições, o evento contará com a participação das bandas Desprezo e Ódio?, Mayday e Simplez. Mas as atividades musicais não ficam restritas a isso. O evento abre as portas também para DJs e para o movimento Hip Hop de Canoas. A intenção da Ucasi é esta: elaborar um evento voltado para várias ‘tribos’ e incentivar a cultura local.

Quem quiser saber mais, pode ligar para 8480-5392 (com Marcelo Morango) ou escrever para o e-mail ucasi_skate@yahoo.com.br

Veja mais sobre a Ucasi em http://www.ucasi.blogspot.com/

Postado por Wender Zanon, Conselho de Blogueiros

Tradicionalismo canoense

24 de julho de 2009 9

Muitos dos leitores já devem me conhecer como um escritor tradicionalista. Para os que ainda não me conheciam, a partir de agora terão a oportunidade para fazê-lo. Quero antes de mais nada saudar a iniciativa que agora é oportunizada no + Canoas que abre espaço para a divulgação de nossa cultura de bota e bombacha na cidade, fazendo um breve relato.

O tradicionalismo gaúcho canoense sempre rendeu matérias jornalísticas que foram assuntos abordados em diferentes periódicos, a começar com a convocação de João Palma da Silva (tema do primeiro post deste blog) para a fundação de uma entidade voltada a cultuar a tradição gaúcha. Assim como a realização, em setembro de 1955, do primeiro desfile com 150 cavaleiros pilchados comemorando a data magna.

Antes de dedicar-me ao tema, o que já faço há 10 anos, tivemos como escritores tradicionalistas João Palma da Silva, Juan Darci, Edilson Padin Duarte, Carmo Souza, Olegar Lopes, Omar e Eudes Silva. Depois vieram Braz Ivalmir, Paulo Vargas, Paulo Cezimbra, José Luiz e Angela Silva. Ainda temos Carmem e Martin Damasco, Dóris e Luis Henrique de Souza, Emerson Lima (Alegrete), Fabiano Gomes (Moka) e Edvaldo Ezidio, todos divulgadores de nossas tradições.

Foto: Arquivo Pessoal

Para os apreciadores de uma legítima boia campeira, está funcionando no Parque Esportivo Eduardo Gomes todas as sextas feiras, com inicio às 20h, o Restaurante Tonito, numa parceria entre a Assossiação das Entidades Tradicionalistas de Canoas (AETC) e prefeitura.

Na noite de inauguração, no dia 3 de julho, o cardápio foi feijoada.

No dia 10, o Flávio, patrão do CTG Estância do Nazário, preparou carreteiro. Está programado para hoje um costelão assado inteiro por 12 horas, coordenado pelo Piquete Chico do Galho de Itaqui.

Postado por Cauê Nascimento, Conselho de Blogueiros

Hoje nas bancas da cidade

24 de julho de 2009 1

Hoje circula a nona edição do + Canoas, encartado nos exemplares de Zero Hora e do Diário Gaúcho que vão para a cidade.

Entre os destaques, a reportagem de capa mostra por que pessoas de outras localidades estão escolhendo Canoas para viver.

Você também poderá conferir como a falta de sinalização nas ruas confunde moradores e prestadores de serviço.

Há, ainda, uma entrevista com um motorista de ônibus que há 35 anos conduz os canoenses.

Quer sugerir uma reportagem para a edição da próxima sexta-feira? Escreva para canoas@zerohora.com.br

 

Postado por Clarissa Ciarelli, Redação ZH

Falta d`água

23 de julho de 2009 1

Hoje, seis bairros da cidade ficarão sem água. Para substituir 162 metros de adutora na Avenida Guilherme Schell, a Corsan interromperá o abastecimento das 7h às 18h nos bairros Mathias Velho, Industrial, São Luiz, Pitangueiras, Santo Operário, Fátima (parcial) e Centro, atingindo 100 mil pessoas.

O sistema deverá se normalizar por completo em torno da 0h. A realização desse serviço estava prevista para o dia 7, mas foi transferida em decorrência das chuvas. O serviço de troca da adutora só pode ser feito com tempo bom.

 

Postado por Clarissa Ciarelli, Redação ZH

Uma cidade multicultural

23 de julho de 2009 4

Instituições como a Refap  e a Base Aérea atraem novos moradores à cidade. Foto: Fernando Gomes, BD

Convivo com Canoas desde menino, pois aqui passava parte das férias escolares em casa de familiares. Era uma alegria vir para Canoas de trem! Vamos voltar ao trem em outro momento, agora vamos falar sobre a formação da cidade.

Com o olhar de forasteiro, Canoas parece não ter uma densidade cultural forte. Explico. Em termos étnicos, ela não tem uma definição muito clara. Os alemães são os mais atuantes e estabelecem ligações com outras comunidades alemãs, como São Leopoldo e Novo Hamburgo. Quando lemos obras sobre a história de Canoas, encontramos origens portuguesas. O passado é importante para que possamos estabelecer os vínculos culturais de uma comunidade. Hoje, a cidade é habitada por uma variedade muito grande de etnias. Isto a torna um espaço multicultural importante e instigante para o estudo.

Talvez esta vocação para a multiplicidade faça de Canoas uma cidade acolhedora para todo forasteiro, pois ninguém se sente “desenraizado” quando chega por aqui. A Refap e o V Comar são entidades que trazem para cá um contingente muito grande de pessoas de outros lugares. A indústria local também tem poder atrativo. Outro foco de movimentação de pessoas na cidade são os três centros de formação universitária, aqui instalados (Ulbra, La Salle e UniRitter).

Podemos dizer que Canoas tem diante de si três grandes áreas de desenvolvimento que podem definir o perfil cultural da cidade: industrial, militar e educacional. Uma cidade tão nova como Canoas tem desafios de identidade muito grandes. Este é um tema ao qual retornaremos. Vamos encerrar por aqui, e aguardar a manifestação de leitores que têm um conhecimento maior sobre esta encantadora cidade.

* Da Redação:

Leia amanhã no + Canoas uma reportagem sobre as pessoas de fora que estão escolhendo a cidade para viver. Você optou por morar em Canoas? Deixe seu comentário.

 

Postado por Odiombar Rodrigues, Conselho de Blogueiros

Movimento na parada do Golden Center

22 de julho de 2009 10

Foto: Arquivo Pessoal

Quem frequenta diariamente o centro de Canoas já deve ter percebido e até ficado incomodado com o aumento do fluxo de pessoas na parada da galeria Golden Center, nos chamados horários de pico.

O local sempre foi um dos pontos preferenciais pelos usuários do transporte coletivo de diversos bairros. Mas aumentou após o término do transbordo, no dia 1° de março deste ano.

Segundo Ana Carolina, moradora do bairro Marechal Rondon, o número crescente de pessoas acaba dificultando o acesso dos passageiros que tentam embarcar.

- Os motoristas, muitas vezes não veem quando alguém tenta chegar até a porta do ônibus, por causa do grande número de passageiros que aguardam outro ônibus. O movimento aumenta em torno das 18h – diz Ana.

Marcelo Silva, morador do bairro Nossa Senhora das Graças, diz também ter notado um pouco de dificuldade ao utilizar o transporte na parada da galeria.

- Dependendo do horário, tenho preferência em aguardar meu ônibus em outra parada.

Qual sua opinião a respeito do assunto? Faça seu comentário.

Postado por Liziane Rafaela Brasil, Conselho de Blogueiros

As toscas marcas dos pichadores

21 de julho de 2009 18

Foto: Genaro Joner

Pichar, um ato de rabiscar o alheio sem se preocupar no quanto isso é feio. Não precisamos andar muito por Canoas para enxergar este bizarro tipo de manifestação com ares de infestação, em escolas, casas, comércio, praças e prédios públicos, como a antiga estação de trem (foto ao lado). São jovens que dizem querer se expressar, ganhar respeito em seu meio, mas agem de forma anônima sem qualquer respeito pelos seus semelhantes, vítimas de suas palavras “estilizadas” que servem apenas para depredar paredes, muros e fachadas.

Não confundir pichação com a arte do grafite, pois, no caso dos grafiteiros sérios, existe a criação da arte através das tintas em harmonia com a própria cidade. Seus desenhos servem para destacar, embelezar. São marcos culturais como no caso dos desenhos que foram grafitados há alguns anos atrás na murada do trensurb.

Quanto à pichação, infelizmente esta forma de rebeldia atrai muitos adeptos. Entre o pichador e a vítima da pichação existem dois mundos paralelos. De um lado, encontramos gente que sente a adrenalina correr pelo corpo ao saber que está transgredindo algo. Do outro lado encontramos a parede nua, indefesa, que sofre a violência contra si, sendo violentada por marcas de spray.

A juventude dispõe de uma energia gigantesca, que poderia mudar o mundo. Mas boa parte desta força viva é desperdiçada na geração de marcas sem futuro. Quando você marca uma parede com spray, qualquer tinta pode desfazer sua obra. Quer fazer algo que realmente marque, então ajude alguém. Ajudar é como tatuar seu nome na alma dos seus semelhantes, deixando de ser um anônimo pichador esquecido, para se tornar um artista imortal, um pintor de sorrisos.

E você? Já foi vítima ou conhece alguém que já foi alvo de pichações? Deixe seu comentário.

Postado por Antonio Brás Constante, Conselho de Blogueiros