Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 2 abril 2010

A história da Guilherme Schell

02 de abril de 2010 3

Ela vai longe. Aliás, tão longe que atravessa a cidade toda sem que se possa avistar seu final. Assim é a Guilherme Schell, avenida que leva nome em homenagem a major da Guarda Nacional e comerciante homônimo, nascido em Cachoeira do Sul, em 1835, de acordo com informações do arquivo literário da Biblioteca Municipal João Palma da Silva.

Dotado de grande fortuna, Schell, que morreu em 1892, deixou herança para o filho Israel Rodrigues Barcelos Schell. Este, por estes lados de cá, em 1895, acabou por comprar o Capão das Canoas – pitoresco povoado – que contava com hotéis e chalés para veranistas, algumas casas de comércio e pequenas indústrias. A estação ferroviária, hoje Fundação Cultural de Canoas, no Centro, era o local onde a vida social dos moradores daquela época sucedia.

Israel, naquele mesmo ano de 1895, mandou desenhar planta com intuito de ampliar o loteamento inicial. Ao abrir novas vias, surge um dos caminhos mais antigos da cidade, o qual, mais tarde, acabou por levar nome em homenagem ao major.

Hoje, por tamanha extensão, a avenida comporta de tudo, tendo na diversidade de elementos sua maior característica. Ali, encontram-se empresas, postos de gasolina, centros comerciais, ambulatórios e bares, entre outros estabelecimentos. É um dos pontos de grande movimento da cidade. E o curioso da longa via é que, se num lado comporta diversos estabelecimentos, no outro é acompanhada por um extenso muro de proteção ferroviário.

E você, anda muito pela avenida?

Texto e foto enviados pelo blogueiro Tiago Pinheiro 

Leia hoje nas bancas

02 de abril de 2010 0

Pesquisa de vitimização encomendada pela prefeitura revela que os canoenses desconfiam da polícia. No estudo, que ouviu 1.315 adultos, 81% dos entrevistados desconfiam da atuação da Polícia Civil e 77,8%, da Brigada Militar. Confira na edição do + Canoas mais detalhes sobre a pesquisa que também abordou outras questões como vandalismo.

Veja também a programação para a Páscoa com os serviços que funcionam no feriado, as atividades religiosas da cidade e informações da feira do peixe. Por falar em Coelhinho, a professora Patrícia Pereira, do Colégio Concórdia, mostra como fazer uma cestinha com garrafas PET.

Entre os personagens, confira a história do técnico do Universidade Sport Club Círio Quadros que investe no Gauchão. Conheça a médica Eleonora Walcher, diretora-geral do Hospital Universitário, e a mente inquieta de Arnildo Livino Atkinson. Se na sua comunidade tem problema como mato alto na rua, lâmpada queimada ou a poda das árvores participe da seção Voz das Ruas. Mande um e-mail para canoas@zerohora.com.br ou ligue para 3428-7353 com a repórter Sabrina.

Para quem fica na cidade no feriadão, vale a pena conferir as dicas do Roteiro. Não deixe de participar também da seção Em foco. Veja se adivinha a foto da rua que está na coluna do fotógrafo de Zero Hora Arivaldo Chaves. Mande a sua sugestão para o nosso e-mail.

O + Canoas circula hoje encartado dentro da Zero Hora e do Diário Gaúcho