Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Jovens empreendedores

19 de julho de 2014 0

Crédito: Mário Amaral Teixeira/Arquivo Pessoal

Por Mário Amaral Teixeira, do Conselho de Blogueiros

Historicamente, Canoas sempre recebeu pessoas vindas de outras lugares do Estado e do Brasil. Muitos vinham em busca de oportunidade de emprego. Com o tempo e com o crescimento das instituições de ensino superior, começamos também a receber muitos jovens estudantes.

Neste leque há também os que chegam para empreender e participar de forma efetiva do crescimento da cidade.

É o caso dos casais Maurício Caponi e Taliane Riguez e Mauri Caponi e Caroline de Souza. Há quase dois anos, os quatro chegaram de Espumoso, no Vale do Taquari.

— Eu e o Mauri somos irmãos e trabalhávamos como chapeadores na oficina mecânica do meu pai, em Espumoso. Queríamos mudar de rumo e virarmos empreendedores. Meu tio Antônio Vanine, que ministra cursos de confeiteiro no Senai, comentou conosco que haveria a possibilidade de alcançarmos sucesso abrindo uma padaria no bairro Niterói. Aceitamos o desafio e aqui estamos há quase dois anos — relata Maurício.

Os jovens contam que a experiência do tio de mais de 15 anos no setor e a colaboração da tia Marlene Caponi foram essenciais.

— Não é somente topar o desafio, é também o querer e a dedicação em aprender o ofício. Eu e a Caroline trabalhávamos em lojas de departamentos, por exemplo. Hoje, formamos uma equipe na qual todos cuidamos de todas as tarefas. Queremos ir além e expandir o negócio. A união é fundamental — comenta Taliane.

Quando questionados se houve uma fácil adaptação à cidade, a resposta é positiva.

— As pessoas são muito receptivas. É legal ver como elas se preocupam conosco por saberem que estamos distante de nossa família. Isso é muito bacana — afirma Caroline.

— Além de clientes, ganhamos amigos. Isso, por si só, comprova que fizemos a escolha certa — afirma Mauri.

Maurício estuda Administração e pretende concluir o curso para ajudar na administração do negócio.

Desejo sucesso a esses jovens e a todos aqueles que vislumbram se tornar empreendedores em nossa cidade. Sejam eles naturais desta terra ou vindos de fora.

Você sabe por que da data que aparece no brasão de Canoas?

14 de abril de 2014 0

Por Cauê Nascimento, do Conselho de Blogueiros

Crédito: Reprodução

No brasão municipal da cidade, aparece a data de 14 de abril de 1874. Mas, qual seria o motivo se a criação da cidade ocorreu em 27 de junho de 1939? E mais: a posse do primeiro prefeito se deu em 15 de Janeiro de 1940?

Em 1874,ocorria a inauguração da estrada de ferro Hamburger Berger (hoje Novo Hamburgo) — Porto Alegre, com uma parada na Estação das Canoas, que se situava onde, atualmente, é a Rua Domingos Martins.

O tempo passou, Canoas cresceu e se modernizou, mas, infelizmente, a data de hoje passa desapercebida pela maioria dos canoenses. São 140 anos do nosso município, que já pertenceu a Gravataí e a São Sebastião do Caí.

Curioso que, passado todos estes anos, o trajeto que antes era feito de forma inversa —por uma Maria Fumaça, vinda de Novo Hamburgo para Porto Alegre —, hoje volta a ser feito partindo da Capital, pelo Trensurb.

Assembleia decide o modelo do Skate Park Canoas

11 de abril de 2014 0

Matheus Beck

O lar de quem pratica o skate é a rua. Girar as rodinhas no asfalto e raspar o shape nos obstáculos urbanos são um estilo de vida. Mesmo assim, os skatistas precisam de um lugar para chamar de casa, e ela está prevista para o primeiro semestre de 2015.

Crédito: Spot/Divulgação

Uma área de aproximadamente 600m², à direita da entrada principal do Parque Esportivo Eduardo Gomes, no Fátima, deve ser o local escolhido para receber o Skate Park Canoas. Ela substitui o antigo estudo, que previa a instalação da pista no lugar da atual, com menos da metade do tamanho, aos fundos do parque. Haverá rampas, corrimãos, todo tipo de obstáculo. O projeto feito pela Spot Skate Parks Otimizados prevê ainda um espaço de outros 400m² para área de circulação com 16 bancos e colocação de arquibancadas para receber eventos, e um grande painel para grafite. Segundo o secretário especial Herbert Poersch, o DJ Cabeção, da Coordenadoria da Juventude, a infraestrutura prevista poderá colocar a cidade na rota de grandes campeonatos internacionais:
_ Poderemos sediar até mundial _ empolga-se.
O anteprojeto será apresentado à comunidade em assembleia marcada para a próxima quarta-feira, às 18h30min, no auditório Sady Fontoura Schiwitz (Rua 15 de Janeiro, 12). O modelo não é definitivo. Praticantes do esporte e outros interessados podem sugerir alterações ao desenho final. O skatista Paulo Galera, por exemplo, acredita que a pista precisa ter todas as possibilidades para esportistas em todos os níveis: bordas, áreas de transição, bowl (piscinas secas). Para o canoense de 26 anos, se ficar restrito a um estilo, pode afastar praticantes de outras modalidades:
_ O Rio Grande do Sul tem muitas marcas, mas, em relação à pista profissional, só temos a do IAPI (em Porto Alegre). Canoas é a maior cidade da Região Metropolitana, a que tem mais praticantes, e a única que não tem pista. O que falta para darmos um passo maior é o Skate Park, para que o pessoal mostre seu talento e evolua _ afirma Galera.

 

Empréstimo de equipamentos e oficinas
O bowl de 200m², no entanto, deve entrar apenas na segunda etapa do projeto, conforme DJ Cabeção. O objetivo é, com a aprovação do projeto em até 30 dias, encaminhá-lo para o processo licitatório. Se os prazos forem mantidos, a previsão é que a obra seja concluída no início do ano que vem. A estimativa é que o Sakte Park custe cerca de R$ 300 mil e que seja público, com empréstimo de equipamento e até oficinas para jovens em situação de vulnerabilidade social.
_ Nunca teve um projeto. Teve ideias. Se tivesse algo consistente, talvez já existisse a pista _ diz o secretário.
Embora o parque exclusivo para os esportes radicais, eventos do gênero seguirão ocorrendo nos bairros. A ideia da Coordenadoria da Juventude é criar campeonatos itinerantes nas pistas instaladas nas principais praças de cada quadrante. A Secretaria Municipal de Transporte e Mobilidade irá mapear as ruas com declives que podem ser fechadas aos domingos para integrar também os praticantes de longboard.

matheus.beck@zerohora.com.br

 

Chris Oliveira, a Professora Maluquinha

11 de abril de 2014 0

Por Mário Amaral Teixeira, do Conselho de Blogueiros

Crédito: Mário Amaral Teixeira/Arquivo Pessoal

Christiane Costa de Oliveira lecionou por 18 anos nas escolas públicas do município. Atualmente, atua na Secretaria de Educação, onde ocupa o cargo de assessora pedagógica da educação e juventude cidadã. Formou-se em História e Geografia, mas optou por atuar com as crianças das séries iniciais e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

— Trabalhar com alunos do EJA e com as crianças a partir da contação de estórias é a minha paixão. Adoro apresentar a eles o mundo por meio da literatura e percebê-los encantados com os personagens e situações — comenta.

Em 2000, começou a trabalhar com os livros Ziraldo, autor de obras como Menino Maluquinho e Professora Maluquinha.

— Além da possibilidade de trabalhar as obras do autor com os alunos, tivemos o prazer de recebê-lo no Colégio Luterano Concórdia. Ele se mostrou emocionado, pois era a primeira vez que via todos os seus personagens serem apresentados no palco. De lá para cá, nunca mais perdemos o contato. Foram várias as visitas do autor na escola ou a ida de alunos ao encontro dele na Feira do Livro de Porto Alegre — conta, orgulhosa.

Crédito: Mário Amaral Teixeira/Arquivo Pessoal

A Professora Maluquinha — alcunha que o próprio Ziraldo a concedeu — conta que uma das maiores emoções de sua carreira junto à educação foi quando o autor a chamou em uma das feiras para relatar a importância do seu trabalho para os que ali estavam:

— Leciono para alunos do 2º ano e tenho o objetivo de torná-los cidadãos críticos e atuantes na sociedade por meio da leitura. Da mesma forma, busco isso para os alunos do EJA. É muito legal andar pela cidade e ser reconhecida como a Professora Maluquinha. É emocionante ver mães engajadas nos projetos. São as queridas mamães maluquinhas, como muitas se intitulam.

É muito gratificante encontrar professoras como a Christiane, engajadas em promover à literatura. Os autores agradecem este reconhecimento e comprometimento com sua literatura. E, claro, os alunos também, pelo empenho e dedicação em bem educar.

Eu e Canoas: uma jovem empreendedora

10 de abril de 2014 0

Indaiara Cremonese*

Moro em Canoas há 12 anos, tenho 33 anos, sou estudante de Administração na Ulbra e, em 2011, cursei um módulo de Técnico em Produção de Moda, no Senac Canoas. Nele, aprendi a desenhar croquis e gostei da experiência. Como já curtia essa área, passei a desenhar as minhas roupas de trabalho. Sempre que as usava, meus colegas adoravam e aprovavam o estilo de me vestir. Trabalhava no setor administrativo e financeiro de uma grande empresa de refeições e, então, passei a observar a quantidade de uniformes que a empresa utilizava e a importância que isso representava. Não só na questão de custos, mas também em relação à identidade.

 

Crédito: Arquivo Pessoal

 

Levando em consideração o número de empresas que Canoas possui, passei a refletir sobre o uniforme, enquanto vestimenta. Percebi que deve existir uma relação de identificação com a pessoa que o utiliza e, ao mesmo tempo, manter uma caracterização de identidade da marca ao qual está relacionado.

Por isso, com a ideia de proporcionar uma parceria com essas empresas — muitas delas são de jovens empreendedores, como eu — , em uma cidade que cresce mais a cada dia, pensei em investir na minha marca e abrir o meu próprio empreendimento.

Foi, então, que realizei uma pesquisa de mercado e encontrei uma sala no bairro Marechal Rondon, onde já havia uma confecção de uniformes que atendia a área industrial de Canoas. A partir daí, aperfeiçoei meus conhecimentos, criando e direcionando modelos para um público que busca também estar bem vestido e elegante e transparecer uma imagem de representatividade dentro de um contexto de eventos institucionais. Nasceu, assim, a Designed by Inda, Elegância em Uniformes.

A minha equipe construiu um site e começou a divulgar nosso trabalho. A ideia deu muito certo. Hoje, conto com três funcionárias diretas, quatro costureiras que trabalham em facções e uma carteira de clientes que mantêm minha renda mensal e das minhas funcionárias. Estou muito feliz por tudo isso e por contribuir, de alguma forma, com o crescimento de Canoas, uma cidade que tanto gosto de viver.

* Estilista, diretora da empresa Designed by Inda, Elegância em Uniformes e moradora do bairro Igara

Vagas abertas para os projetos Mulheres da Paz e Protejo

09 de abril de 2014 0

Estão abertas as inscrições, até 9 de abril, para os projetos Mulheres da Paz, voltado à capacitação de mulheres na promoção de direitos e atuação comunitária, e para o Protejo, destinado aos jovens. São 65 vagas, no total.

Crédito: Tadeu Vilani

Para preencher as 25 destinadas ao bairro Guajuviras e as 20 aos bairro Olaria, Estância Velha e São José, no Quadrante Nordeste, as interessadas em fazer parte do Mulheres da Paz precisam ter no mínimo 16 anos e serem moradoras de um desses bairros. Como incentivo de atividade voluntária, as integrantes recebem uma bolsa que varia de R$ 100 a R$ 190. Com exceção das moradoras do Guajuviras, às dos demais bairros será fornecida passagem.

Já o Protejo, para com idades entre 15 e 24 anos, especialmente aos que estão em conflito com a lei, egressos do sistema prisional e que cumpriram, ou ainda cumprem, medidas socioeducativas, há oficinas com temas de segurança, juventude, arte e cultura e inclusão digital. Os jovens selecionados receberão passagem, lanche e uma bolsa no valor de R$ 100.

Locais de inscrição
Mulheres da Paz — No local onde funciona o projeto (Setor 2, Quadra S, Casa 01, bairro Guajuviras)
Protejo — Na Casa das Juventudes (Setor 2, Quadra W2, Casa 01, bairro Guajuviras)

Com o Mais Canoas na mão!

08 de abril de 2014 0

Crédito: Cauê Nascimento/Arquivo Pessoal
O blogueiro do Mais Canoas Cauê Nascimento “flagrou” a leitora Joseane Pereira Gonçalves, 30 anos, lendo o Mais Canoas. Ela é funcionária do Hospital Nossa Senhora das Graças e, de acordo com o blogueiro, não deixa de ler o caderno nas sextas-feiras, assim como o Diário Gaúcho, todos os dias!

E nós, do Mais Canoas, agradecemos!!

 

 

Um mascote chamado Banana

08 de abril de 2014 0

Banana é a mascote da Daiana Carneiro de Oliveira. A Golden Retriever é o xodó da assistente comercial, que comenta: “Ela é extremamente dócil e adora brincar no parque com os amiguinhos. Quando chego em casa do trabalho, me espera para passear. À noite, quando estou escovando os dentes, costuma dar a patinha porque também quer. É uma serelepe”.

Crédito: Arquivo Pessoal

 

### Faça como a Daiana e envie fotos do seu mascote para esta seção, com nome completo e telefone, para canoas@zerohora.com.br

Victor Barreto terá corredor exclusivo para ônibus

07 de abril de 2014 0

A Avenida Victor Barreto, no Centro, terá faixa exclusiva para ônibus nos horários de pico a partir do dia 22 de abril. Um corredor no lado direito da via será disponibilizado para o transporte coletivo das 7h às 9h e das 16h às 20h, de segunda a sexta-feira.

 

Crédito: Divulgação
A medida, segundo a Secretaria Municipal de Transporte e Mobilidade, é para dar mais fluidez ao trânsito na região. Será pintada uma pista na cor azul em um trecho que vai desde a Rua Gonçalves Dias até a Rua Muck. Por isso, nesses 590 metros, terão de ser remanejados os pontos de táxi, estacionamento, horários de carga e descarga e posicionamento de contêineres.

Também serão transferidos os pontos de integração dos ônibus L1, L2, L3 e Nazário/São João da Galeria Golden Center para a Estação Férrea, ao lado do Colégio La Salle. Com isso, 188 veículos a menos passarão no local por dia, o que representará uma diminuição de 37% dos ônibus que circulam no trecho. Cinco novos abrigos já foram instalados na Praça da Emancipação e na antiga estação de trens.

A mudança passa a valer a partir do dia 22 de abril, logo após os feriados de Páscoa e Tiradentes.

PERGUNTAS E RESPOSTAS
Confira o que muda a partir de 22 de abril

Como será feita a sinalização no local?
Placas com luzes em amarelo piscante farão a indicação para motoristas e pedestres. O corredor dos ônibus também será sinalizado por uma faixa contínua ao longo do pavimento, além das tachas nas laterais delimitando o espaço.

Nos horários em que o corredor não estiver disponível apenas para os ônibus, é possível ser utilizado por outros veículos?
Sim. Fora dos horários de pico, o fluxo na região será normal, com acesso de veículos de acordo com a sinalização de trânsito. O mesmo serve para carga e descarga no local.

O que acontecerá com os pontos de táxi ao lado do Calçadão?
Os veículos que prestam serviços na esquina da Victor Barreto com o Calçadão serão distribuídos em outros quatro pontos, sendo desativado o serviço naquele local. São eles as esquinas das ruas Tiradentes e 15 de Janeiro (duas vagas), a Praça da Bandeira (três vagas), Rua Frei Orlando esquina com a Praça da Emancipação (duas vagas) e a Rua Tiradentes com a Praça da Bíblia (duas vagas).

O que ocorrerá com as vagas da Área Azul no trecho?
Na Avenida Victor Barreto, entre as ruas Gonçalves Dias e Frei Orlando, foram retiradas 30 vagas de estacionamento. Nesses locais já foram colocadas placas que indicam a proibição de parar e estacionar.

Tem muitos comerciantes e feirantes ao longo desse trecho. Quais serão os novos horários de carga e descarga no local para eles?
O novo horário em que será permitido o estacionamento para carga e descarga será das 9h às 16h e das 20h às 7h, e não mais entre 7h e 8h e 19h e 19h30, nos locais permitidos, entre as ruas Frei Orlando e Fioravante Milanez.

Os contêineres serão retirados dos pontos atuais?
Sim. Os equipamentos para resíduos orgânicos e de coleta seletiva terão de ser realocados.

Com a transferência da integração das linhas L1, L2, L3 e Nazário/São João, quais serão as paradas utilizadas pelos ônibus na avenida?
Essas linhas acessarão os pontos do Edifício Ipicuê, da Praça da Emancipação e da Estação Férrea.

A parada da Estação Férrea se torna terminal para quais linhas?
Ela passa a ser ponto de terminal das linhas L1, L2, L3 e Nazário/São João e ponto de integração das linhas convencionais com as demais, e continua servindo para embarque e desembarque de todas as linhas Oeste e Leste.

As linhas intermunicipais seguirão utilizando a parada da Praça da Emancipação?
Não. As linhas das empresas Vicasa, Sogil, Transcal e Via Nova não pararão mais nesse ponto. O ponto de parada dessas linhas será direcionado para o Edifício Ipicuê, para o Colégio La Salle e para a Estação Férrea. O local continua como ponto de embarque e desembarque de todas as linhas Leste.

As mudanças interferem também nos ônibus seletivos?
Será implantado um novo ponto exclusivo para os seletivos, em frente à Sonepar, próximo à Rua Gonçalves Dias, e não mais a parada da Praça da Emancipação. Com exceção das linhas 1, 2 e 3, que terão seu fluxo direcionado para o novo ponto, também podendo utilizar a parada do Edifício Ipicuê, todas as demais linhas de seletivo seguirão usando a parada da Galeria Golden Center.

Dignidade conquistada com as próprias mãos

06 de abril de 2014 0

Matheus Beck

As mãos de Luciana Santos da Silva existem para transformar. Com elas, é capaz de converter calotas de automóveis em telas, metamorfosear resíduos obsoletos em objetos de arte. Com elas, reconstruiu sua história de vida, exposta em forma de quadros no Canoas Shopping. E, com elas, converteu sua realidade para uma vida mais digna.

Crédito: Matheus Beck

A artista plástica nasceu em Torres há 40 anos. Filha de um pequeno agricultor, foi criada em Capão da Canoa pelos ganhos do pai com o cultivo de abacaxi. Á época um negócio rentável, pôde cursar Direito em Caxias do Sul por quatro anos. A convivência com estudantes e intelectuais de todas as áreas despertou em si o apreço pela arte, embora não praticasse nada do tipo ainda.

Há 15 anos, porém, uma enorme ruptura fez com que sua vida mudasse totalmente. Luciana mudou-se para Sapucaia do Sul, se separou do marido e teve de cuidar das três filhas _ com idades de zero a cinco anos _ sozinha. A solução imediata foi se tornar recicladora, e passou a catar lixo pelas ruas.

_ Não tinha o que comer, passava o dia na rua. Não tive oportunidades. As empresas me julgavam pela aparência. Então optei por trabalhar com reciclagem _ recorda-se.

O ambiente inóspito, no entanto, não arrefeceu sua força de vontade. Ao encontrar materiais que poderiam ser reaproveitados, levava para casa e construía suas pequenas obras-primas. Ela lia as instruções em latas de tinta para saber qual a superfície ideal para pintar, buscava inspiração em revistas e jornais e vendia de porta em porta suas peças.

A boa recepção do público só aumentou sua motivação. Hoje, Luciana até já define seu estilo:

_ Eu gosto do abstrato. As paisagens são cópias. Identifico-me mais com as formas porque cada peça fica única _ diz a artista.

Reconhecidamente autodidata, Luciana divide seus quadros pela técnica e pelo valor combinado a eles. As peças de pintura acrílica e com textura geralmente são mais baratas que as telas a óleo, feitas apenas sob encomenda. Com a exposição no espaço Ray Kroc (prorrogada por mais 15 dias), no Canoas Shopping, vendeu 15 quadros, além de outros 40 feitos após requisição de clientes que visitaram a mostra e entraram em contato depois.

A forma de comercializar suas obras, aliás, é parte de seu sucesso. Todos os fins de semana ela deixa Sapucaia em direção a Canoas em uma Kombi carrega de quadros. Aos sábados, ela fica em um posto de gasolina no Mato Grande das 9h até o sol se por, e, aos domingos, estaciona o estande móvel na Avenida Boqueirão, no bairro Igara.

_ Canoas foi o único lugar que me permitiram expor. Hoje tenho uma vida muito mais digna. Só faltam as oportunidades de exposição _ relata.

Além dos quadros, Luciana ainda aventura-se com objetos e móveis de decoração. O atual marido é marceneiro e auxilia nas obras em MDF. E ela também não precisa mais buscar a matéria-prima no lixo. Conta agora com um fornecedor próprio de tintas e peças de madeira.

 

Crédito: Matheus Beck

 

 

Crédito: Matheus Beck

No clima da Copa do Mundo

05 de abril de 2014 0

Por Mário Amaral Teixeira, do Conselho de Blogueiros

De olho no clima de Copa do Mundo, que já toma conta da Grande Porto Alegre, o empresário canoense Maurício Martins dos Santos, 39 anos, teve uma sacada. Ou melhor, uma jogada interessante para criar o seu próprio estabelecimento comercial. Desde 2012, há na Rua Venâncio Aires, no bairro Niterói, uma lanchonete que utiliza a temática do futebol na rotina.

Crédito: Mário Amaral Teixeira
– Trabalho há dez anos com lanches e sempre quis criar um espaço para reunir os amigos que são apaixonados por futebol. E aí surgiu a ideia de criar a Camisa 10. Aqui se pode assistir à jogos, lanchar e viver o futebol em tempo integral – comenta o dono do estabelecimento.
E o futebol está, realmente, em todo o lugar. Inclusive no cardápio, que tem lanches com o nome de jogadas e de jogadores. Um deles, chama-se Jules Rimet, uma homenagem à taça roubada da sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro, em dezembro de 1983, e posteriormente derretida (por um argentino).
– São lanches com nome de jogadores da dupla Gre-Nal ou consagrados por terem vestido a camisa da Seleção Brasileira. Nem todos vestiram, necessariamente, a camisa 10, claro. O único lanche de nome estrangeiro chama-se Maradona. A homenagem se dá um função do que o atleta representou para o futebol. Na Camisa 10, a torcida será toda para a Seleção Canarinho – brinca Maurício.
Em qualquer horário do dia é possível ir ao bar e assistir a algum jogo no telão, desde que esteja passando na televisão, claro. Para os dias de jogos do Brasil durante o Mundial, o canoense está preparando atrações especiais para os torcedores:
– Será uma corrente para frente pela nossa Seleção, assim como ocorre nos dias de jogos do Internacional ou do Grêmio. É um ambiente familiar.
A criatividade para se criar espaços diferenciados, gerando novas opções na cidade, é sempre muito bem vinda.

Atendimento para dependentes químicos é ampliado em Canoas

04 de abril de 2014 0

Matheus Beck

Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) foram criados para acolher, recuperar e devolver ao convívio social usuários de drogas e pessoas com problemas psíquicos. A falta de continuidade nos projetos e a impossibilidade de atender fora do horário comercial, entretanto, enfraqueceram as ações. O contraveneno foi lançado nesta semana _ e será completado no dia 17 de abril _ com três novos CAPS especializados que manterão as portas abertas 24 horas por dia.

 

Crédito: Matheus Beck
Somente em 2013 foram realizados, em média, 1,8 mil atendimentos por mês nos quatro CAPS para dependentes de álcool e drogas e com problemas psiquiátricos. Para ampliar o serviço e atender 2,4 mil pessoas mensalmente, foram investidos R$ 374 mil na infraestrutura das três novas unidades e serão aplicados R$ 492 mil a cada mês para mantê-las em funcionamento, o que representa mais de R$ 6,2 milhões aplicados nos centros especializados por ano.
_ O grande problema era o horário. Jovens eram mandados para casa à noite, e, se viviam em um local de conflito, tinham acesso facilitado à droga. Com os CAPS 24h, o atendimento é individualizado, e não só por psicólogos, mas com a integração, inclusão em oficinas _ afirma o prefeito Jairo Jorge.
As três unidades 24h colocam Canoas no mesmo patamar de Porto Alegre na rede de atendimento aos usuários de drogas. O exemplo da cidade a outros municípios de grande porte foram destacados pela secretária estadual da Saúde, Sandra Fagundes, na última quarta-feira, durante a inauguração do CAPS Amanhecer:
_ Quando um município importante resolve enfrentar o problema das drogas e consegue, como vemos aqui, é muito importante, pois mostra para os outros que é possível.
A rede de CAPS é a alternativa de reinserção na sociedade. Porém, em casos extremos, a internação na ala psiquiátrica do Hospital Universitário (HU) é necessária. No ano passado, 352 pacientes tiveram de ser internados. O ponto positivo é que apenas 31, menos de 12% deles, foram reinternados por recaídas _ índice considerado baixo pela Secretaria Municipal de Saúde. O foco, segundo o secretário Marcelo Bósio, é mapear os locais de vulnerabilidade e identificar os entorpecentes mais utilizados. E o álcool, presente em 98% dos casos investigados, é a porta de entrada mais evidente para drogas mais pesadas, como crack e cocaína.
_ As drogas lícitas são a entrada das ilícitas. O alcoolismo tem impacto na sociedade. Trabalhamos na busca ativa dos usuários em suas cenas de uso. O problema é que ele é velado em camadas sociais mais elevadas.

Quando o hábito vira doença
M. A., 48 anos, começou a ingerir bebida alcoólica aos 15 anos. Passou para a maconha e, em seguida, viciou-se em cocaína. A diversão se tornou dependência e o hábito se converteu em doença. Foi demitido, encontrou cada vez mais dificuldades em ser admitidos em novos empregos. Perdeu a confiança da família e as coisas fugiram do controle. Ao mesmo tempo, por insistência dos familiares, procurou o Caps Travessia, ainda na Rua Araçá, em 2006. Desde então, são oito anos de atendimentos e a prática do que ele chama de “evites”.
_ Logo que começa a desintoxicação, o dependente fica muito suscetível. A distância (das drogas) é de um braço. Assim que se toma um gole de bebida alcoólica, se parte para outras drogas. Se esquece tudo, e só se pensa no prazer que ela te dá. Por isso, tenho que evitar as companhias, as festas _ relata.
Para a coordenadora do CAPS, Sara Cougo, o sucesso na política adotada se deve às atividades oferecidas. Embora haja leitos para a estadia dos usuários, o objetivo principal é envolver a família no acolhimento ao dependente e auxiliá-lo a desenvolver uma profissão por meio de oficinas e outras atividades de integração.
_ A droga é uma paixão. Quando acaba um grande amor, vamos trás de outro. O que o Caps faz é substituir esse grande amor por outro saudável. Porque é uma dependência não só física, mas emocional, afetiva _ diz a coordenadora.

matheus.beck@zerohora.com.br

Os endereços
_ Caps AD III Travessia: Rua Sepé Tiarajú, 116 _ Centro
Caps AD III Amanhecer: Rua 15 de Novembro, 82 _ Nossa Senhora das Graças
Caps III Recanto dos Girassóis: Rua Frederico Guilherme Ludwig, 180 _ Centro
Caps II Novos Tempos: Rua General Salustiano, 466 _ Marechal Rondon

Mostra de desenhos contemporâneos na Casa das Artes Villa Mimosa

01 de abril de 2014 0

Crédito:  Ireno Jardim/Divulgação

Outras Direções é tema da mostra de desenhos contemporâneos inaugurada na Casa das Artes Villa Mimosa (Avenida Guilherme Schell, 6.270, Centro). Com apoio da Secretaria Muncipal de Cultura, a mostra destaca os processos realizados durante as 12 aulas da oficina coordenada por Fabiano Gummo, de novembro de 2013 a janeiro deste ano.

Licenciado em Artes Visuais pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs), Gummo é o curador da exposição. A exposição conta com desenhos em diversas plataformas, como por exemplo, fotografia fotocopiada, elementos tecnológicos (fios de computador, cabos, placas de vídeo, etc.), manequins, tatuagens simbólicas com textos, comparativos históricos de fotos, fotos autobiográficas ressignificadas, painel de colagem de fotografias, tinta acrílica sobre tela, painel de madeira, colagem de fotos e cartas pessoais.

As obras que integram a mostra são de autoria dos alunos Rafael Schultz, Vanessa Morais, Antônio Brandão Donati Neto, Elaine Castilhos, Tatiane Oliveira, Rodger DH, Guilherme Kuhn, Juliana Soares, Raquel Oliveira e Mateus Esteves.

A exposição, com entrada franca, estende-se até 6 de abril, de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 17h30min. Informações pelo telefone 3428-5789.

Curso gratuito de qualificação para mercado de trabalho está com inscrições abertas

31 de março de 2014 0

Crédito: Mateus Bruxel
Estão abertas as inscrições, até 8 de abril, para o curso de Preparação para o Trabalho. As vagas são limitadas e os interessados, a partir de 14 anos, podem se inscrever gratuitamente.

O curso, destinado a jovens e demais pessoas que querem se recolocar no mercado de trabalho, integra o Projeto Profissional do Futuro, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), por meio da Diretoria de Emprego, Trabalho, Renda e Formação Profissional, em parceria com as Subprefeituras do município.
Para se inscrever, é necessário comparecer na subprefeitura Sudeste (Rua Marechal Rondon, 100, bairro Niterói), portando carteira de identidade.

Ministrado pelo palestrante Paulo Boleck, o curso será realizado nos dias 8, 10, 15 e 17 de abril, das 14h às 16h. No programa do curso, Mudanças do Mundo Moderno, Equipe de Trabalho, Motivação, Postura e Apresentação Pessoal, Currículo, Entrevista de Trabalho e Empregabilidade. Ao final do treinamento, os alunos recebem certificado.

Informações pelo telefone 3475-2525.

Em foco: intervalo merecido

30 de março de 2014 0

Crédito: Matheus Beck

A hora de intervalo pode ser aproveitada nas academias públicas. Se não para um exercício, mas para um merecido descanso.

Participe

# Envie fotos para o e-mail canoas@zerohora.com.br. Mande com seu nome completo e telefone. Vale alguma imagem curiosa, bonita ou antiga, da região. Também é possível mandar fotos, com a dica, para a seção Que Rua é Esta?

# Atenção: as fotos devem ter pelo menos 300kb para serem publicadas.