Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2011

Brasileiro de Snipe em Porto Alegre

22 de janeiro de 2011 0

Logo do evento

O 37º Brasileiro de Laser foi encerrado nesta sexta-feira em Florianópolis com os títulos dos catarinenses Bruno Fontes (Laser) e Matheus Dallagnelo (Radial), e do gaúcho Antônio Rosa (4.7). Agora é a vez do 62º Brasileiro de Snipe, em Porto Alegre. A competição conta com a presença do campeão panamericano e bi mundial, o gaúcho Alexandre Paradeda, que irá competir ao lado de Gabriel Kieling, com quem foi campeão estadual em 2010.

O campeonato vai até o dia 29 de janeiro, no Clube dos Jangadeiros. Além de Paradeda e Kieling, mais de cem velejadores participam da competição, que terá regatas disputadas nas baías da Pedra Redonda e da Tristeza a partir de segunda-feira.

As inscrições estão abertas e podem ser efetuadas até às 18h do dia 23 de janeiro, junto a Secretaria Esportiva do Jangadeiros. A ficha de inscrição está disponível no site do clube jangadeiros: www.jangadeiros.com.br. O valor é de R$ 170 por barco.O evento tem o apoio da Olimpic Sails, da Pro Nautic, da Equinautic e da Companhia das Coberturas.

Atlântida (Xangrilá-RS) no Supersurf 2011

22 de janeiro de 2011 0

Caetano Vargas venceu uma das quatro etapas em 2010. Foto Daniel Smorigo

A ASP South America e a organização do Supersurf confirmaram a mudança da primeira das três etapas do Supersurf Internacional 2011. A etapa de nível 5 estrelas que oferece uma premiação de US$ 120 mil e 2 mil pontos no ranking de acesso ao ASP Dream Tour e no ASP South America Series vai acontecer em Xangrilá, município do litoral norte gaúcho, e não em Ubatuba, litoral paulista, como estava previsto.

A competição, entre os dias 22 e 27 de março, vai rolar na plataforma de Atlântida, onde a bancada oferece ondas mais constantes. Atlântida é um balneário que pertence ao município de Xangrilá, ao lado de Capão da Canoa, e sempre foi palco das etapas do circuito gaúcho de surfe profissional.

De lá, saíram surfistas que fizeram história no surfe gaúcho como Tuca Gianotti e Geraldo Ritter. A vitória também valerá os primeiros 1 mil pontos no ranking especial do SuperSurf 2011, que premia o melhor surfista com um carro zero. No ano passado, o vencedor foi o paranaense Caetano Vargas.

Estadual de Bodyboard

22 de janeiro de 2011 0

A moçada do bodyboard de Santa Catarina se mexeu e o primeiro encontro já está marcado para o balneário Morro dos Conventos, em Araranguá, entre os dias 5 e 6 de fevereiro. É aguardada uma grande presença de atletas de SC, além de convidados do Rio Grande do Sul e Paraná para a disputa do Marno Bodyboarding Festival, em memória a Felipe Sangaletti, que marca a abertura do Circuito Catarinense de Bodyboard 2011.

A estrutura e a organização ficam por conta da Associação de Bodyboard de Araranguá (ABBA). Além dos 1 mil pontos para o ranking estadual, os competidores serão premiados com pranchas, kits e troféus nas categorias Open masculino e feminino, master, júnior, mirim e local. As inscrições podem ser feitas de forma antecipada pelo site da ABBA,  com valor promocional, ou na praia até 11h30min de sábado, dia 5, o primeiro dia do evento. 

Maiores informações: Diego dos Santos (48) 9995- 5452 ou Thiago Kaxa (48) 9925- 1779.

Optimist de SC vence no Rio

22 de janeiro de 2011 0

A equipe de vela de Santa Catarina da classe Optimist venceu na última quarta-feira o 39º Campeonato Brasileiro 2011 no Rio de Janeiro. Dois grupos representaram o Estado, ambos formados por atletas do Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha.

Os campeões, da equipe SC2, foram Daniel Platt de Matos, Michel Dürieux, Carolina Boabaid e Erick Hoffmann. As competições individuais continuam até este domingo, dia 23, e Santa Catarina segue com três velejadores entre os 10 primeiros colocados: Paola Berenhausen, Daniel Platt de Matos e Michel Dürieux.

Dupla brasileira da classe 470 em Miami

21 de janeiro de 2011 0

Fernanda e Ana busca o título em Miami a partir deste domingo. Foto Adriano Leal/Divulgação Jangadeiros

Após treinar uma semana no Rio de Janeiro e outra em Porto Alegre, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan já estão nos Estados Unidos para a disputa do Rolex Miami Olympic Regatta, que inicia neste domingo, dia 23.

A competição reúne velejadores de todas as classes olímpicas e tem a participação de atletas de várias partes do mundo. Este será o primeiro teste do ano para a dupla do Clube dos Jangadeiros, de Porto Alegre (RS).

A dupla retorna de Miami no dia 31 e, logo em seguida, dia 1º de fevereiro, embarca para o Rio de Janeiro, onde compete no Campeonato Brasileiro da classe 470. Boa sorte para as gurias!


Surfe Amador na Prainha, em São Chico

21 de janeiro de 2011 0

Surfista do Norte do Estado, Diego Michereff levou o caneco na Open em 2010. Foto Basilio Ruy

Está tudo pronto para a primeira etapa do Circuito Catarinense Oceano de Surf Amador 2011 que rola neste fim de semana na Prainha, em São Francisco do Sul. A previsão para as condições do mar indica a chegada de uma ondulação de leste/sudeste, ideal para a Prainha, com ondas de meio metro a um metro nas séries.

As inscrições para a primeira etapa estão quase esgotadas e devem ser feitas na Fecasurf através do Fone (48) 3025-1880.  Os atletas que ainda não se filiaram, devem fazê-la juntamente com a inscrição na primeira etapa. A Festa Oficial de abertura do Circuito Catarinense Oceano de Surf Amador 2011 vai rolar no sábado, no Banana Joe, a partir das 23h. A Fecasurf e a Oceano através do projeto “Keep de Ocen Blue” realizam ainda no sábado uma coleta de micro-lixo onde os participantes serão membros da Fecasurf, Associação Francisquense de Surf e Oceano.

Matheus Navarro é uma das revelações do surfe catarinense. Foto Basílio Ruy

No domingo será realizada uma gincana de conscientização sobre sustentabilidade com a participação dos atletas das categorias de base. A comunidade do surfe também está convocada para participar da campanha Onda Solidária, que irá recolher donativos para as vítimas das chuvas no Rio de Janeiro. Os donativos também podem ser entregues durante a semana na sede da Fecasurf, no bairro Capoeiras, em Florianópolis (rua Comandante José Ricardo Nunes, 79, sala 16, Prédio da Fesporte).

CALENDÁRIO DO CIRCUITO CATARINENSE OCEANO DE SURFE AMADOR 2011

Janeiro -22 e 23 – 1ª Etapa – São Francisco do Sul
Fevereiro -19 e 20 – 2ª Etapa – Florianópolis
Março -26 e 27 – 3ª Etapa – Laguna
Maio -14 e 15 – 4ª Etapa – Florianópolis
Julho -16 e 17 – 5ª Etapa – Itajaí
Setembro -10 e 11 – 6ª Etapa – Florianópolis
Outubro -22 e 23 – 7ª Etapa – Barra Velha
Dezembro -03 e 04 – 8ª Etapa – Imbituba

Bruno é pentacampeão brasileiro

21 de janeiro de 2011 0

Bruno não deu chances para seus adversários na raia de Jurerê. Foto Charles Guerra

O velejador catarinense Bruno Fontes sagrou-se pentacampeão brasileiro da classe Laser na tarde desta quinta-feira ao faturar as duas regatas do dia no penúltimo dia de competições do 37º Campeonato Brasileiro disputado na raia de Jurerê. Bruno foi quase perfeito durante o campeonato, que teve todas as condições de vento, e venceu quase todas as regatas – oito de nove realizadas.

Além do título, Bruno deu um passo grande para voltar a integrar a equipe olímpica de vela que tem como principal objetivo Londres 2012. Agora, o velejador catarinense embarca para Miami, nos Estados Unidos, onde disputa a segunda etapa do mundial entre os dias 24 e 29 de janeiro.

-Foram 3 meses de treinos diários para este campeonato, onde meus técnicos me exigiram ao máximo na parte física com o Leonardo Trindade e na água com o Bruno Di Bernardi. Sinceramente eu não esperava uma supremacia tão grande, mas eu fiz por merecer já que a preparação foi perfeita – salientou Bruno, patrocinado por Unimed, Eletrosul e Akakia Cosméticos.

A classe Laser Radial, preparatória para a Laser, também teve definido seu campeão. O catarinense Matheus Dallagnelo ampliou sua vantagem para a lituana Gintare Scheidt (mulher de Robert Scheidt) e garantiu o título nacional. Dallagnelo é uma das promessas do Iate Clube Santa Catarina e no ano passado já faturou o sul-americano da categoria. De olho na vaga para o panamericano em Guadalajara, no México, Dallagnelo competiu na Radial e levou a vaga.

De malas prontas para o Havaí

20 de janeiro de 2011 0

Uri Valadão, campeão mundial de bodyboarding em 2008, está de malas prontas para embarcar para o Havaí. A onda de Pipeline será palco de abertura do novo Circuito Mundial e o baiano sabe que um bom resultado nesta etapa, que é a mais desejada entre os competidores, é muito importante para dar motivação para o restante da temporada.

“A expectativa para a primeira etapa do mundial é muito grande, ainda mais se tratando de Pipeline. Esse primeiro evento vai ser uma guerra, pois todos estão motivados para começar o ano com o pé direito neste novo circuito. Pipe é a largada, então pretendo chegar ao Havaí no meu melhor nível”, ressalta Uri.

Os melhores competidores estarão presentes neste evento, afinal a etapa marca uma nova era no bodyboarding mundial onde somente os 32 melhores do mundo buscam o título mundial.

Porém, não é só no Tour Mundial que Uri está focado este ano. Quatro vezes campeão brasileiro e tricampeão latino, o atleta pretende buscar mais títulos para sua coleção e aumentar o número de conquistas.

“Este ano não vou parar em casa. Vai ser o ano que mais viajarei. Pretendo competir todas as etapas do Brasileiro e do Mundial. Estou muito motivado para surfar e espero que isso me traga bons frutos”, encerrou.

Danilo Caboclo - Divulgação

Danilo Caboclo – Assessoria de Imprensa

Bochecha na raia

19 de janeiro de 2011 0

Dupla tenta classificação na equipe olímpica para 2012. Foto Mauricio Val/Fotocom

Aos 31 anos, o catarinense André Fonseca (esquerda na foto) está sedento por uma medalha olímpica. Com duas regatas de Volta ao Mundo (Volvo Ocean Race), três Olimpíadas e vários títulos nas classes 49er, 470 e Oceano, Bochecha está em mais uma campanha olimpíca, ao lado de Marco Grael, 21 anos, filho do maior velejador da história da vela nacional.

Ele está em Jurerê, onde disputa a partir de segunda-feira a seletiva pré-olímpica que define a equipe brasileira de vela olímpica. Na última quinta-feira, ele conversou comigo e falou um pouco sobre sua carreira, jurerê, volta ao mundo e olimpíada. A matéria foi publicada neste domingo na edição de impressa do Diário Catarinense, mas você confere a íntegra no blog.

RAIA DE JURERÊ

Aqui tem condições diversificadas para velejar. Tem vento nordeste com onda, tem o sul, o leste que para e entra toda hora, condições com onda e sem onda. São tanta variáveis que tornam o lugar muito bom. É raro de dar pouco vento, de impossibilitar um treino por vento. É parecido com Weymouth, mas lá tem um pouco mais de correnteza. O vento em Londres é forte e o nordeste que dá aqui em dezembro, janeiro e fevereiro, é muito parecido.

HOMEM DE CONFIANÇA DE TORBEN

Na verdade, a gente fez uma Volta ao Mundo muito legal e velejamos juntos há bastante tempo. Eu corro no barco dele, patrocinado pela Mitsubishi e graças a  esse contato com ele, fiz a parceria com o filho dele (Marco Grael, parceiro da classe 49er). O Torben nos ajuda muito na parte administrativa. Por causa dos contatos dele, a gente consegue ter algumas facilidades. Corremos junto em barco de Oceano e na Volta ao Mundo, e eu ainda velejo com o filho dele, então é uma parceria boa para caramba. Não sei se eu sou o braço direito dele, mas tem uma amizade muito grande.

PROFISSIONAL DA VELA

Sonhei, mas nunca imaginei que ia conseguir me manter tanto tempo como profissional. Hoje em dia eu sei o que eu posso conseguir, mas no início eu não sabia. Eu devo bastante ao Paradeda (Alexandre, campeão pan-americano), que foi quem me deu uma oportunidade de começar na classe olímpica, foi quem me colocou nesse meio mais profissional de vela, com treinamento, e a partir daí consegui demonstrar meu trabalho. Foi uma oportunidade única que me apareceu e através das Olimpíadas de Sidney eu conheci o Torben e consegui correr com ele. Depois, com as Olimpíadas de Atenas, eu consegui o convite para o Brasil 1. A classe olímpica me deu muita coisa. Nunca imaginei logo no início que ia ser tanto assim, com duas voltas ao mundo. E eu ainda sonho com a possibilidade de correr mais uma volta ao mundo.

A DUPLA E A SEMANA DE VELA

Faz um ano que estamos treinando. Era para ser o segundo ano, mas eu parei por causa da Volvo Ocean Race que fiz e, nossa expectativa é pelo que vamos fazer no ano. Primeiro temos que nos classificar. É o ano eliminatório para as Olimpíadas. Todo mundo fala em Londres, mas temos que falar nesse ano, que é classificatório para as Olimpíadas. Temos que fazer o máximo de eventos para correr no início de dezembro o Mundial, que é classificatório para os Jogos, em Perth, na Austrália. Para gente, esse (Semana Brasileira de Vela) é o principal evento do ano. A nossa Olimpíada começa aqui. É fundamental que a gente se classifique.

APOIOS

Sem o apoio da Confederação e do Comitê Olimpíco Brasileiro, o calendário fica muito caro. A gente tem o patrocínio do governo do Estado e consegue projetos, mas são pequenos pelo que a gente gasta e as vezes esse apoio só vem no final do ano. A gente ainda não tem uma fórmula para sobreviver sem a confederação. Isso é uma coisa ruim. No ano passado, o Bruno (Fontes) ficou com dificuldades porque não ficou na equipe olímpica. A classe dele (Laser) é um barco de uma pessoa só e ele ainda conseguiu se virar. Na nossa classe não tem muitos barcos para alugar, são dois velejadores e o gasto é maior também. (Além do Fundesporte, Fonseca conta com patrocínio da Mitsubishi).

OLIMPÍADA

Meu objetivo é brigar por uma medalha olímpica. Já fui para três Jogos Olimpícos (Sidney 2000, Atenas 2004 e Pequim 2008) e não quero ir apenas para competir. Quero estar lá em condições de disputar. Já disputamos medalhas em duas, e principalmente em Atenas, que terminamos em sexto e passamos metade da Olimpíada disputando uma medalha. Então, ou hoje a gente tem um projeto para disputar a Olimpíada em condições ou não adianta. Pode ser a minha terceira olimpíada na classe 49er, mas a primeira com um novo proeiro.

PARCEIRO

Os passos do Torben não se tem toda hora. Ele é nosso Pelé, nosso Ronaldinho. Eles (Torben e Robert Scheidt) são mega hiper talento e não são só grandes velejadores no Brasil. São seres de outro planeta. Por isso a gente não pode achar que porque é filho será igual ao pai. Pra mim, (meu parceiro) é o Marco velejador. Ele está começando, é a primeira campanha olímpica dele, então tem que explicar isso para ele. Se ele fizer um terço do que o pai dele fez já estamos estourando foguete. Vai levar uns 200 anos para ter um cara que nem ele. O Torben com 21 anos já ganhava uma medalha olímpica, e o Marco está começando.

OS ÍDOLOS

A vela é o que é no Brasil devido aos resultados desses dois caras (Torben Grael e Robert Scheidt), juntos, têm nove medalhas olimpicas _e mais alguns como o Lars (Grael), e a Fernanda (Oliveira, bronze em Pequim). Hoje, no COB, a cobrança é por medalha, porque sempre conseguimos medalhas, e 90% são desses dois caras. A vela acabou se tornando um pouco mais profissional e até popular. Ms ainda é uma coisa pequena, comparada com os esportes de massa.

VOLTA AO MUNDO

A próxima tem largada em outubro de 2011 a junho de 2012. Não tem como fazer as duas coisas (campanha olimpica e a Volta ao Mundo). Eu tentei até pouco tempo um convite e não consegui entrar em um dos seis barcos confirmados. São 60 caras no mundo para fazer essa regata, mas ficou bem estreito. Fiz alguns contatos, mas não deu certo, aí fiquei focado nas Olimpíadas. Talvez na próxima edição.

APRENDIZADO

Na Volta ao Mundo, tu cresce muito como pessoa. Tu te torna uma melhor pessoa. Fiz duas vezes e tem que saber lidar bem com as pessoas. É onde tu tem as melhores navegadas da tua vida. São condições extremas que só existem no meio do mar. A velocidade que o barco chega _ 40 nós ou quase 80 quilômetros por hora _, é muito alta, e que só tem numa regata de Volta ao Mundo. Queria muito participar da próxima porque vai ter uma parada em Itajaí, fiquei com uma vontade muito grande de participar. Mas a Volta ao Mundo é muito diferente da campanha olímpica, onde você depende do seu resultado. Na Volta ao Mundo tem que ser convidado, é mais restrito.

ASP divulga calendário de 2011

18 de janeiro de 2011 0


Pelo terceiro ano consecutivo, o calendário da ASP South America será iniciado no Peru. O Movistar Pro San Bartolo abre a disputa dos títulos sul-americanos do ASP South America Star Series 2011 nas duas categorias e também inaugura o ASP World Star feminino neste fim de semana em San Bartolo, na capital Lima. O masculino já começou em Sunset Beach, Havaí, com uma etapa nível 1 estrela como as do Peru. O escritório regional da ASP na América do Sul, comandado por Roberto Perdigão, apresenta mais um calendário recorde de premiação e pontos na corrida por vagas para o ASP Dream Tour e também vai promover o primeiro grande evento da temporada, o Hang Loose Pro Contest, primeira etapa do ASP World Prime 2011, nos dias 15 a 20 de fevereiro no arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha.

No total, serão doze etapas do Circuito Mundial masculino, três do ASP World Prime e nove do ASP World Star. Além dessa no Peru, tem uma no Chile e as demais são no Brasil, que mais uma vez é o país que vai distribuir mais pontos – 40.000 – no ranking de acesso para o Dream Tour da ASP. Em três provas do ASP Prime, cinco de nível 6 estrelas, uma de 5 e uma de 4 estrelas, será oferecida uma incrível premiação de 1 milhão e 680 mil dólares para os surfistas disputarem só no Brasil esse ano, mais 60 mil dólares no Chile e Peru.


A grande novidade são as duas provas que irão estrear no calendário do ASP World Prime 2011. O Hang Loose Pro Contest de Fernando de Noronha era a única, mas outras duas praias com grande potencial de ondas também foram incluídas neste ano, a de Itaúna em Saquarema (RJ) e a da Vila em Imbituba (SC). Os dois eventos foram marcados para acontecer na “perna sul-americana” de meio de ano, logo após a etapa brasileira do ASP World Tour, o Billabong Rio Pro, que em 2011 volta para a capital carioca com um evento móvel nos dias 11 a 22 de maio no Rio de Janeiro (RJ).


Depois, tem o Saquarema Surf Pro International nos dias 24 a 29 no Maracanã do surfe nacional, a Praia de Itaúna, seguido pelo SuperSurf Internacional Prime de 31 de maio a 05 de junho em Imbituba. Ainda em Santa Catarina, tem o 6 estrelas Maresia Surf International em 07 a 12 de junho na Praia Mole de Florianópolis. Uma nova etapa com nível 4 estrelas em Ponta Negra, Natal (RN), nos dias 03 a 08 de maio, está prevista para abrir esta perna de meio de ano da ASP South America, que só será encerrada nos dias 15 a 17 de junho no Arica Surf Challenge nível 3 estrelas em Arica, no Chile.


Já para a tradicional “perna brasileira de fim de ano”, estão agendadas quatro etapas com nível 6 estrelas. Esta série que decide o campeão sul-americano do ASP South America Star Series 2011 deverá começar pelo Rio Surf Pro International, de 27 de setembro a 02 de outubro na Praia do Arpoador. Depois do Rio de Janeiro, tem a volta de Itajaí (SC) ao calendário mundial nos dias 04 a 09 de outubro, o Billabong apresenta Surf Eco Festival em Salvador (BA) nos dias 11 a 16 e de 18 a 23 o SuperSurf Internacional novamente fecha a temporada provavelmente na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ).


CALENDÁRIO DO ASP SOUTH AMERICA STAR SERIES 2010 – MASCULINO:

1.a: Jan 21-23 – 1 Star – Movistar Pro San Bartolo em San Bartolo – PERU – US$ 10.000

2.a: Fev 15-20 – PRIME – Hang Loose Pro Contest em Fernando de Noronha (PE) – US$ 250.000

3.a: Mar 22-27 – 5 Star – SuperSurf Internacional em local a ser confirmado – US$ 120.000

4.a: Mai 03-08 – Tentativa 4 Star – Ponta Negra Pro em Ponta Negra, Natal (RN) – US$ 85.000

ASP TOUR – Mai 11-22 – Billabong Rio Pro móvel pelo Rio de Janeiro (RJ) – US$ 500.000

5.a: Mai 24-29 – PRIME – Saquarema Surf International na Praia de Itaúna (RJ) – US$ 250.000

6.a: Mai 31-05 – PRIME – SuperSurf Internacional na Praia da Vila, Imbituba (SC) – US$ 250.000

7.a: Jun 07-12 – 6 Star – Maresia Surf International na Praia Mole, Florianópolis (SC) – US$ 145.000

8.a: Jun 15-19 – 3 Star – Arica Surf Challenge em El Gringo, Arica – CHILE – US$ 50.000

9.a: Set 27-02 – 6 Star – Rio Surf Pro International no Arpoador, Rio de Janeiro – US$ 145.000

10: Out 09-09 – 6 Star – Santa Catarina Pro na Praia Brava, Itajaí (SC) – US$ 145.000

11: Out 12-16 – 6 Star – Billabong apresenta Surf Eco Festival em Salvador (BA) – US$ 145.000

12: Out 18-23 – 6 Star – SuperSurf Internacional na Barra da Tijuca (RJ) – US$ 145.000


ASP SOUTH AMERICA WOMEN´S STAR 2011:

1.a: Jan 21-23 – 1 Star – Movistar Pro San Bartolo em San Bartolo – PERU – US$ 8.000

2.a: Mai 03-08 – Tentativa 4 estrelas – Ponta Negra Pro em Natal (RN) – US$ 25.000

ASP TOUR – Mai 12-16 – Billabong Rio Pro móvel pelo Rio de Janeiro (RJ) – US$ 120.000

3.a: Jun 07-12 – 6 estrelas – Maresia Girls International na Praia Mole, Florianópolis (SC) – US$ 35.000

4.a: Out 12-16 – 4 estrelas – Billabong apresenta Surf Eco Festival em Salvador (BA) – US$ 25.000


ASP SOUTH AMERICA LONGBOARD SERIES:

1.a: Jan 26-29 – 6 Star – Huanchaco Longboard Pro Peru em Huanchaco – PERU – US$ 30.000

2.a: Jul 15-17 – 6 Star – Pena Bahia International Longboard Classic em Camaçari (BA) – US$ 30.000

3.a: Jul 22-24 – 3 Star – Pena Pernambuco International Longboard Classic em Ipojuca (PE) – US$ 15.000


ASP SOUTH AMERICA PRO JUNIOR SERIES:

1.a: Abr 01-03 – Quiksilver Pro Junior na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ) – US$ 18.000

2.a: Abr 08-10 – Vida Marinha Pro Junior em Balneário Barra do Sul (SC) – US$ 7.000

3.a: Ago 12-14 – Mormaii Pro Junior na Praia da Ferrugem, Garopaba (SC) – US$ 7.000

4.a: Ago 19-21 – Hurley Pro Junior na Prainha, São Francisco do Sul (SC) – US$ 7.000

5.a: Ago 26-28 – Billabong Pro Junior Series em local a ser confirmado – US$ 20.000


Texto: João Carvalho/assessor de imprensa da ASP