Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Primeiras vagas na equipe olímpica

25 de fevereiro de 2011 1

Principais velejadores do Brasil em ação na raia de Jurerê, na Star. Foto Fred Hoffmann

Na sexta-feira, o vento nordeste finalmente soprou com mais intensidade e os velejadores que disputam a Semana Brasileira de Vela tiveram trabalho redobrado nas regatas realizadas na raia de Jurerê. A dois dias do fim, a maioria das classes já começa a definir seus representantes na equipe olímpica e no Pan de Guadalajara, no México, em outubro.

Na Star, Robert Scheidt e Bruno Prada ampliaram a vantagem que tinham para Torben Grael e Marcelo Ferreira. Com duas vitórias nas regatas desta sexta-feira, a dupla soma sete pontos perdidos, metade da pontuação acumulada pelos rivais diretos na disputa pela vaga na equipe olímpica brasileira de vela para 2011. Com dois segundos lugares nesta sexta-feira, Torben e Marcelo somam 14 pontos perdidos.

SCheidt e Prada lideraram a Star de ponta a ponta. Foto Fred Hoffmann

Com isso, a dupla só precisa correr as regatas de sábado para garantirem a classificação. Scheidt comemorou a boa velejada desta sexta-feira, em que o vento, nordeste, variou entre 12 e 15 nós (de 22,2 a 27,7 km/h).

– Foi um dia muito bom. O vento aumentou, que é nossa condição preferida para velejar. Mas nossa disputa com o Torben continuou bem intensa. Fomos beneficiados porque eles largaram escapados na primeira regata e, com isso, conseguimos largar com uma boa vantagem. Na segunda prova, travamos uma boa disputa no primeiro contravento. Conseguimos abrir um pouquinho no primeira popa e segurar até o final _ analisou Scheidt.

Bochecha e Marco venceram 9 das 12 regatas disputadas. Foto Fred Hoffmann

Na 49er, André Fonseca, o Bochecha, e Marco Grael dominam amplamente a seletiva com vitórias em nove das 12 regatas disputadas. A dupla está com uma vantagem de 12 pontos em relação aos segundos colocados, os chilenos Luis Felipe e Pablo Herman. Na terceira colocação estão os cariocas Rodrigo Monteiro e Gabriel Borges. Ainda restam quatro regatas a serem disputadas. Esse resultado garantiu a dupla Bochecha/Grael na Equipe Brasileira de Vela em 2011 e os deixou muito perto do título da competição.

– Nos primeiros dias o vento estava muito fraco, o que tornou as regatas mais disputadas. Hoje (25), com mais vento, facilitou para nós – disse Bochecha.

Na classe RS:X, Ricardo Winicki, o Bimba, aproveitou bem as condições climáticas e praticamente confirmou presença nos Jogos de Guadalajara e na Equipe Olímpica. Bimba abriu seis pontos de vantagem sobre o rival Albert Carvalho.

– O vento apareceu e a briga foi boa com o Albert durante todo o evento. O ano todo será de muitas competições. Vai assim até a Olimpíada, com competições todos os meses – destaca Bimba.

Na versão feminina da prancha à Vela, Patrícia Freitas deve confirmar a vaga no Pan nas provas de sábado. A vantagem para Patrícia Castro subiu para seis pontos.

– Acho que já estou garantida no Pan. Não digo nem pelas regatas da Semana Brasileira de Vela, mas porque estou velejando melhor do que o resto da flotilha. Fruto da minha dedicação e dos meus treinos – reforça Freitas.

Jorginho Zarif pode terminar a Semana de Vela invicto. Foto Fred Hoffmann

Outro que já comemora de maneira antecipada o título da Semana Brasileira de Vela é Jorge Zarif na classe Finn. Falta apenas entrar na água e participar das regatas finais. O velejador é o único que mantém os 100% de aproveitamento depois de oito regatas.

Na classe Laser Radial, Adriana Kostiw repetiu o bom desempenho do dia anterior e fechou a sexta com duas vitórias. O resultado coloca a velejadora paulista com vantagem confortável para a segunda colocada, Odile Ginaid.

Bruno Fontes confirmando o favoritismo como melhor velejador de Laser do Brasil na era pós Robert Scheidt. Foto Fred Hoffmann

O mesmo ocorreu na Laser com Bruno Fontes, que terminou em primeiro as últimas quatro regatas disputadas na seletiva. O velejador catarinense está próximo de representar o País no Pan pela primeira vez na carreira.

– Liguei a turbina e encaminhei a vaga. Agora posso levar o título com duas regatas de antecipação já que meus adversários ficaram para trás – festejou o velejador patrocinado pela Eletrosul/Unimed e Akakia Cosméticos.

A Match Race teve a definição do título nesta sexta-feira. A tripulação formada por Juliana Mota/ Marina Jardim e Larissa Juk bateu, na final, a equipe de Renata Decnop por três matches a um. Na disputa pelo terceiro lugar, as comandadas de Juliana Senfft superaram as de Carolina Béjar.

Favoritos, Fabio Pillar e Gustavo Thiesen finalmente assumiram a liderança da 470. Foto Fred Hoffmann

A disputa maior acontece na classe 470. Prova disso é a nova liderança após oito regatas. A dupla Fábio Pillar e Gustavo Thiesen chegou em primeiro nas duas provas da sexta-feira e confirmou o favoritismo. Os atuais líderes do ranking brasileiro estão com três pontos de vantagem sobre Fernanda Oliveira e Ana Barbachan. – A gente estava atrás, mas as condições melhoraram e a passamos as meninas. Ventos fracos beneficiam as tripulações mais leves, mas a coisa estava complicada – indica Fábio Pillar.

Em colaboração com ZDL Comunicação, Local e Clube Jangadeiros

Comentários (1)

  • ACES Escolas de Surf diz: 26 de fevereiro de 2011

    O Brasil é mais que futebol, muito mais.
    Boa sorte e sucesso.
    ;-)

Envie seu Comentário