Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de fevereiro 2011

Equipe Olímpica de Vela foca Londres 2012

27 de fevereiro de 2011 0

Equipe brasileira formada na Semana Brasileira de Vela 2011, em Jurerê. Foto Fernando Soutello

Após a Semana Brasileira de Vela, a equipe brasileira de Vela Olímpica formada durante o evento, parte para desafios na Europa de olho em Londres-2012. A competição também definiu velejadores no Pan de Guadalajara.  Os 16 atletas da equipe brasileira terão apoio para disputar as principais competições do ano, incluindo o evento teste na raia olímpica de Weymouth, e o Mundial de Perth, na Austrália, que aponta as classes que o Brasil estará classificado para Londres/2012.

A competição terminou neste domingo com a conclusão da última regata em cada classe. Apenas na Star não houve disputa, já que a classificação estava definida desde com o desempenho quase perfeito da dupla Robert Scheidt e Bruno Prada, com nove vitórias em 10 regatas. Os resultados da Semana Brasileira de Vela foram somados aos do Campeonato Nacional de cada classe para definir os escolhidos da Equipe Brasileira de Vela Olímpica, que é a seguinte:

- Bruno Fontes (Laser Standard)
– Adriana Kostiw (Laser Radial)
– Ricardo Winicki(RS:X M)
– Patrícia Freitas (RS:X F)
– Robert Scheidt e Bruno Prada (Star)
– Jorge Zarif (Finn)
– Fernanda Oliveira e Ana Barbachan (470 F)
– Fábio Pillar e Gustavo Thiesen (470 M)
– André Fonseca e Marco Grael (49er)
– Juliana Mota, Marina Jardim e Larissa Juk (Match Race).

Para as competições no exterior, a Confederação Brasileira de Vela e Motor dará prioridade aos atletas com melhores índices técnicos nas categorias. O primeiro desafio na Europa, em algumas classes, será a Semana de Palma de Mallorca, na Espanha, em abril. A RS:X (prancha à vela masculino e feminino) tem o Sul-Americano na Argentina, em março.

O bicampeão olímpico e integrante da equipe, Robert Scheidt, também elogiou os velejadores que se destacaram na Semana Brasileira de Vela.
– É uma equipe jovem, que tem muito potencial. Eles serão beneficiados pela entrada dos patrocinadores. Vejo um grande potencial no Bruno Fontes, no Bimba e na Fernanda Oliveira. Os outros ainda têm um caminho a percorrer, mas com investimento podem ter grandes chances de chegar bem em 2016.

Os velejadores do Brasil terão a oportunidade de classificar as classes para a Olimpíada de Londres no Mundial de Perth, na Austrália, em dezembro. Para chegar bem preparados ao evento que reúne todas as classes do calendário olímpico, os atletas comemoram a chance de poder participar das competições internacionais da temporada.
– É fundamental competir lá fora, principalmente com o nível de profissionalização da vela. Quem almeja bons resultados, essa é a coisa básica a se fazer – apontou Fernanda Oliveira, medalhista de bronze em Pequim/2008 na 470.

O maior medalhista olímpico do Brasil, Torben Grael, não conseguiu entrar na Equipe Brasileira de Vela na Star, mas, mesmo assim, viaja para competir no exterior. A primeira parada da dupla Torben Grael/ Marcelo Ferreira será a Semana de Palma de Mallorca.
– Vamos tentar a vaga para Londres/2012. Na China, eu tive que desistir por causa da Volta ao Mundo. Agora, a gente precisa correr atrás do tempo que ficou parado, sem ritmo de competição. O entrosamento de 22 anos com o Marcelo Ferreira (proeiro) ajuda nessa retomada – declarou Torben.

As regatas na raia da praia de Jurerê, em Florianópolis, apontaram também as tripulações classificadas para os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em outubro. O Brasil terá 16 representantes: Bernardo Arndt/ Bruno Oliveira (Hobie Cat 16), Bruno Fontes (Laser Standard), Adriana Kostiw (Laser Radial), Cláudio Biekarck/ Gunnar Ficker /Marcelo Batista da Silva (Lightning), Ricardo Winicki(RS:X M), Patrícia Freitas (RS:X F), Alexandre Tinoco/Gabriel Borges (Snipe), Matheus Dellagnelo (Sunfish). A classe J24, com quatro velejadores, não participou da seletiva em Florianópolis e o representante brasileiro ainda será escolhido pela entidade.

A logística de transporte de barco e viagem dos atletas ao México será definida entre o COB e a CBVM. No último Pan, em 2007, o Brasil trouxe sete medalhas, com três de ouro.
– O COB não faz projeção de medalhas, mas a esperança é de bons resultados. A vela passa por um bom momento e sempre conquista medalhas. Vamos tentar trazer todas possíveis, já que o grupo é forte – destacou Roberto Osiris Silva, superintendente de Esportes do Comitê Olímpico Brasileiro.

No Rio/2007, o Brasil só não ganhou medalha na Hobie Cat 16 (por desclassificação) e na Sunfish. Desta vez, porém, os velejadores esperam melhorar o desempenho.
– Vou me dedicar este ano para subir ao pódio no México. Vou mudar a rotina de treinos com a chegada de dois barcos Sunfish. Devo usar o que tenho de melhor na Laser e aplicar na classe – garantiu o catarinense Matheus Dellagnelo.

Na seletiva, o velejador conseguiu a vaga para o Pan velejando com barcos da Laser Radial, já que a Sunfish não é comum no País. Em junho,Dellagnelo disputará o Mundial da categoria, em Curaçau.

O grupo de velejadores terá patrocínio do Bradesco e da CPFL para as disputas internacionais na temporada 2011. Os integrantes da equipe devem participar das Semanas de Kiel (Alemanha), Medemblik (Holanda), além do Mundial de Perth (Austrália), em dezembro. Recentemente, a CBVM, em conjunto com COB, Clube Veleiros do Sul, Bradesco e Unifertil, trouxe seis barcos Elliott 6M para as tripulações femininas do Match Race, que integra o calendário olímpico em Londres/2012.

O investimento na modalidade mais vitoriosa do País comprova o profissionalismo da vela no Brasil.
– As empresas estão claramente acordando em relação ao potencial do esporte. Aí quando faz uma tabelinha de medalhas por esporte, você vai no topo e enxerga a vela. A modalidade tem um potencial de retorno de investimento às empresas que apóiam – analisa Enio Ribeiro, diretor da Brasil1 Esporte, agência de marketing da CBVM.

Resultados finais da seletiva olímpica

Laser Radial – 11 regatas (2 descartes)
1- Adriana Kostiw (SP) – 10 pp (1+1+2+5+3+1+1+1+1+1=1) – classificada
2- Odile Ginaid (ES)- 20 (5+2+3+2+1+3+3+4+2+2+2)
3- Monica Matschinske (RJ) – 25 (4+3+1+1+4+4+4+2+3+3+4)

Laser Standard – 11 regatas (2 descartes)
1- Bruno Fontes (SC) – 12 (4+1+6+4+1+1+1+1+1+1+1) – classificado
2- Eduardo Couto (RS) – 33 (3+3+1+5+13+3+3+3+2+2+13)
3- Adrion Santos (RS) – 39 (1+2+4+2+4+6+4+5+4+5+13)

RS:X Masculino – 11 regatas (2 descartes)
1- Ricardo Winicki, o “Bimba” (RJ) – 9 (1+1+1+1+2+1+1+1+1+1+1) – classificado
2- Albert de Carvalho (RJ) – 20 (2+2+2+2+1+2+2+2+2+2+5)
3- Gabriel Carvalho (RJ) – 29 (3+3+3+3+3+3+3+3+3+3+5)

RS:X Feminino – 11 regatas (2 descartes)
1- Patrícia Freitas (RJ) – 9 (1+2+1+1+1+1+1+1+1+1+1) – classificada
2- Patrícia Castro (RJ) – 20 (2+1+3+2+2+2+2+2+2+2+5)
3- Lélia Winkler (RJ) – 28 (4+4+2+3+3+3+4+4+5+3+2)

Finn – 11 regatas (2 descartes)
1- Jorge Zarif (SP) – 9 (1+1+1+1+1+1+1+1+2+2+1) – classificado
2- Henry Boening (RJ) – 16 (2+2+2+2+3+2+2+2+1+1+7)
3- Fábio Bodra (SP) – 31 (4+3+4+5+5+3+3+3+3+5+2)

470 – 11 regatas (2 descartes)
1- Fábio Pillar/Gustavo Thiesen (RJ) – 11 (6+1+1+6+3+1+1+1+1+1+1) – classificados
2- Fernada Oliveira/Ana Barbachan (RS) – 22 (5+4+3+2+1+3+2+2+4+2+3) – classificadas
3- Martine Grael/Isabel Swan (RJ) – 24 (2+3+2+3+2+2+6+4+5+4+2)

Star – 10 regatas (2 descartes)
1- Robert Scheidt/Bruno Prada (SP) – 8 (1+2+1+1+1+1+1+1+1+1) – classificados
2- Torben Grael/Marcelo Ferreira (RJ) – 15 (3+1+3+2+2+2+2+2+3+3)
3- Admar Gonzaga/Rony Seifert (DF/SP) – 22 (2+5+2+4+3+3+3+3+3+3)

49er – 16 regatas (2 descartes)
1- André Fonseca/Marco Grael (RS-RJ) – 18 – classificados (2+1+1+1+2+4+1+3+1+1+1+1+2+1+1+2)
2- Pablo Herman/Luis Herman (Chile) – 35 (1+3+2+3+3+3+3+1+3+2+3+3+3+3+3+1)
3- Santiago Silveira/Philipp Umpierre (Uruguai) – 36 (4+4+3+4+4+1+4+4+2+3+2+2+1+2+2+3)

Match Race
1- Juliana Mota/Marina Jardim/Larissa Juk – classificadas
2- Renata Decnop/Fernanda Decnop/Tatiana Ribeiro
3- Juliana Senfft/Gabriela Sá/Daniela Adler
4- Caroline Bejar/Andrea Grael/Kira Penido

A Semana Brasileira de Vela foi organizada pela Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM) e pelo Iate Clube de Santa Catarina, com apoio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), da Federação de Iatismo do Estado de Santa Catarina, da Prefeitura Municipal de Florianópolis e do Governo de Santa Catarina e a produção da Brasil1 Esporte. O patrocínio foi do Bradesco e da CPFL Energia, apoiadores oficiais da CBVM.

Com informações da ZDL Comunicação

Equipe olímpica de Vela 2011 definida

26 de fevereiro de 2011 0

Catarinense Bruno Fontes se confirma como sucesso de Scheidt na Laser. Foto Fred Hoffmann

O sábado foi de decisão na raia de Jurerê e os líderes do ranking brasileiro confirmaram favoritismo e asseguraram vaga na Equipe Brasileira de Vela Olímpica, que disputa as principais competições da temporada 2011. Apesar das definições, a Semana Brasileira de Vela termina neste domingo.
As novidades na equipe são Adriana Kostiw na classe Laser Radial, no lugar de Odile Ginaid, e Bruno Fontes, em substituição a Eduardo Couto, na Laser Standard. Adriana e Bruno também estão classificados para os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em outubro, ao lado de Ricardo Winicki e Patrícia Freitas, vencedores da seletiva na RS:X.
A Equipe Brasileira de Vela Olímpica é completada por Robert Scheidt e Bruno Prada (Star), Jorge Zarif (Finn), Fernanda Oliveira e Ana Barbacha (470 F), Fábio Pillar e Gustavo Thiesen (470 M), André Fonseca e Marco Grael (49er) e Juliana Mota, Marina Jardim e Larissa Juk (Match Race).

DUELO DOS DUELOS

Um dos destaques da Semana Brasileira de Vela foi a dupla Robert Scheidt/Bruno Prada na classe Star. Com desempenho quase perfeito, os líderes do ranking mundial levaram o título com duas regatas de antecedência. O entrosamento e o ritmo de competição da parceria fez a diferença em Florianópolis.
– Eles (Torben e Marcelo) são bicampeões olímpicos e chegar ao nível deles e eventualmente superá-los dá muita moral. Tenho certeza que o resultado de Florianópolis vai fazer com que treinem ainda mais. Quem g
anha com isso é a classe Star. O representante nacional na olimpíada vai brigar pelo título – destaca Robert Scheidt.

Scheidt e Prada estão afiados na Star. Foto Fred Hoffmann

O principal desafio da dupla para temporada 2011, além do evento teste na raia dos Jogos Olímpicos, em Weymouth, na Inglaterra, será o Mundial de Perth, na Austrália, em dezembro. A dupla Torben Grael e Marcelo Ferreira também participará do Mundial, que serve para classificar as classes para a Olimpíada de Londres/2012.
– Os caras estão sobrando. A gente perdeu as regatas por falta de treinamento. Vamos treinar bastante em 2011 para rivalizar com o Robert e o Bruno e elevar o nível da Star. Acredito que se o Torben não for para a regata Volta ao Mundo, teremos mais tempo para treinar de Star – salienta o proeiro Marcelo Ferreira.

TENTATIVA DE RECORDE


Na classe RS:X, Ricardo Winicki, o Bimba, não teve problemas para confirmar a vaga no Pan de Guadalajara e se manter na equipe. Na seletiva, o velejador de prancha à vela teve apenas Albert Carvalho como sparring à altura. Nas 10 regatas disputadas, ele perdeu apenas uma.
– Estou muito feliz pela vaga. Mas não será fácil e quero alcançar a terceira medalha de ouro e fazer história no Pan – relata Bimba, que pode igualar Robert Scheidt em número de títulos Pan-Americanos na vela nacional.

Bimba vai em busca de mais um título. Foto Fred Hoffmann

MEDALHA GARANTIDA

Patrícia Freitas vai pela primeira vez à competição continental. O desempenho da
velejadora do Rio de Janeiro foi parecido com o de Bimba, apenas um segundo lugar.
-Tenho certeza que dá para conquistar uma medalha no México. O Brasil é medalha
garantida na classe. A briga pelo ouro será contra a representante do Canadá – projeta Freitas.
Os atletas da RS:X disputarão, em março, o Sul-Americano da categoria em Buenos Aires, na Argentina. Durante a preparação para os eventos de 2011, os principais velejadores brasileiros da classe farão um time de treinamento com atletas da Espanha, Portugal e Inglaterra.

Patricia é esperança de medalha no Pan. Foto Fred Hoffmann


EM CASA TEM UM SABOR A MAIS

Bruno Fontes, na classe Laser Standard, conseguiu a classificação para Guadalajara velejando em casa. O catarinense aproveitou bem as condições da raia da praia de Jurerê e chegou em primeiro nas seis regatas finais. Depois da era Robert Scheidt, Bruno quer fazer história na categoria.
– A classe Laser da América é muito forte e não há favoritos. Eu sou top ten e vou confiante para o México. Tenho que representar bem o País, que tem tradição na classe com Robert Scheidt. Além do Pan, uma medalha no Mundial de Perth é meu objetivo para 2011 – conta Bruno Fontes.

EVOLUIR NO PAN

No feminino, Adriana Kostiw venceu a seletiva e vai tentar melhorar o resultado do Pan de 2007, quando terminou com a medalha de bronze.
– Esse Pan no México não terá tanta cobrança. No Rio, até o porteiro da Marina da Glória pediu para trazer uma medalha. Estou preparada para fazer bonito nos Jogos – declara Kostiw, que tirou Odile Ginaid da liderança do ranking nacional de Laser Radial.

Adriana Kostiw recuperou a vaga na equipe olímpica. Foto Fred Hoffmann

QUASE 100%

Jorge Zarif perdeu os 100% de aproveitamento na Semana Brasileira de Vela. O velejador da classe Finn foi superado por Henry Boening nas regatas de sábado. Mesmo assim, Zarif ratificou a condição de melhor da categoria no País e, para aprimorar ainda mais a parte técnica, o brasileiro vai para Espanha, em março, treinar com os dois melhores velejadores de Finn do mundo, o britânico Ben Ainslie e o espanhol Rafael Trujillio.
– Vou treinar com os feras da classe para ganhar mais experiência. O Ainslie tem muita coisa pra passar. Talvez, ao lado de Robert Scheidt e Torben Grael, seja o maior velejador da história – explica Zarif.

Jorginho Zarif vai treinar com o britânico Ben Ainsle na Europa. Foto Fred Hoffmann


NO FINAL, DEU OS FAVORITOS

Na 470 Masculino, os campeões da Semana Brasileira de Vela estão definidos. A dupla líder do ranking nacional Fábio Pillar/ Gustavo Thiesen confirmou o favoritismo e venceu as últimas cinco regatas do calendário.
– Agora começa a temporada européia. Vamos seguir com a mesma preparação. A ideia é fazer todos os campeonatos no exterior, conhecer os adversários na olimpíada para chegar preparado em Londres – relata Fábio Pillar, que vai competir ao lado de Gustavo Thiesen em Palma de Mallorca, no mês que vem, na Espanha.

Fabio e Gustavo venceram Paradeda e Baby na 470. Foto Fred Hoffmann

Entre as mulheres, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan mantêm a vantagem sobre Martine Grael e Isabel Swan.
– A classe está bem parelha com a presença dos principais velejadores. São alguns detalhes que fizeram a diferença na nossa campanha. A gente conseguiu evoluir depois de começar mal com ventos fracos. No final deu certo e terminamos bem – relata Oliveira.

Com técnico americano, a dupla era a primeira chegar no IASC. Foto Fred Hoffmann

MAIS RÁPIDOS

Na 49er, a dupla André Fonseca e Marco Grael nem precisava entrar na água, neste sábado, para ratificar a condição de melhor parceria do País na categoria. A diferença para a outra dupla brasileira (Rodrigo Monteiro/ Gabriel Borges) foi evidente na competição, principalmente na parte física.

- A gente tem o biotipo certo para 49er. Os nossos adversários brasileiros precisam ganhar um pouco mais de peso para se adequar à classe. Eu tenho experiência de 10 anos nesse barco e isso acaba fazendo diferença – declara Fonseca.

Bochecha e Marco Grael foram os mais rápidos da seletiva. Foto Fred Hoffmann

GRAND FINALE

A seletiva de Match Race terminou no sábado com o título da tripulação formada por Juliana Costa, Marina Jardim e Larissa Juk. As atletas devem disputar as principais competições internacionais com os barcos Elliott 6M, recentemente comprados para treinamento dos times femininos, visando classificação para a Olimpíada de Londres. A Semana Brasileira de Vela será encerrada neste domingo, com uma regata em cada classe a partir do meio-dia. A única exceção é a Classe Star que não competirá mais, pois os barcos serão retirados da água pela manhã. A premiação do evento acontece às 16h na sede do Iate Clube de Santa Catarina, e a oficialização do grupo de 16 velejadores que compõe a Equipe Brasileira de Vela Olímpica.

Na semana passada, outras quatro vagas foram definidas em Santa Catarina:
Hobie Cat 16: Bernardo Arndt e Bruno Oliveira
Lightning: Cláudio Biekarck, Gunnar Ficker e Marcelo Batista da Silva
Sunfish: Matheus Dellagnelo
Snipe: Alexandre Tinoco e Gabriel Borges

Resultados dia 4

Laser Radial - 10 regatas (2 descartes)
1- Adriana Kostiw (SP) – 9 pp (1+1+2+5+3+1+1+1+1+1)
2- Odile Ginaid (ES)- 18 (5+2+3+2+1+3+3+4+2+2)
3- Monica Matschinske (RJ) – 21 (4+3+1+1+4+4+4+2+3+3)

Laser Standard
– 10 regatas (2 descartes)
1- Bruno Fontes (SC) – 11 (4+1+6+4+1+1+1+1+1+1)
2- Eduardo Couto (RS) – 20 (3+3+1+5+13+3+3+3+2+2)
3- Adrion Santos (RS) – 26 (1+2+4+2+4+6+4+5+4+5)

RS:X Masculino
- 10 regatas (2 descartes)
1- Ricardo Winicki, o “Bimba” (RJ) – 8 (1+1+1+1+2+1+1+1+1+1)
2- Albert de Carvalho (RJ) – 15 (2+2+2+2+1+2+2+2+2+2)
3- Gabriel Carvalho (RJ) – 24 (3+3+3+3+3+3+3+3+3+3)

RS:X Feminino
– 10 regatas (2 descartes)
1- Patrícia Freitas (RJ) – 8 (1+2+1+1+1+1+1+1+1+1)
2- Patrícia Castro (RJ) – 15 (2+1+3+2+2+2+2+2+2+2)
3- Lélia Winkler (RJ) – 26 (4+4+2+3+3+3+4+4+5+3)

Finn - 10 regatas (2 descartes)
1- Jorge Zarif (SP) – 8 (1+1+1+1+1+1+1+1+2+2)
2- Henry Boening (RJ) – 14 (2+2+2+2+3+2+2+2+1+1)
3- Fábio Bodra (SP) – 28 (4+3+4+5+5+3+3+3+3+5)

470 – 10 regatas (2 descartes)
1- Fábio Pillar/Gustavo Thiesen (RJ) – 10 (6+1+1+6+3+1+1+1+1+1)
2- Fernada Oliveira/Ana Barbachan (RS) – 19 (5+4+3+2+1+3+2+2+4+2)
3- Martine Grael/Isabel Swan (RJ) – 22 (2+3+2+3+2+2+6+4+5+4)

Star – 10 regatas (2 descartes)
1- Robert Scheidt/Bruno Prada (SP) – 8 (1+2+1+1+1+1+1+1+1+1)
2- Torben Grael/Marcelo Ferreira (RJ) – 15 (3+1+3+2+2+2+2+2+3+3)
3- Admar Gonzaga/Rony Seifert (DF/SP) – 22 (2+5+2+4+3+3+3+3+3+3)

49er
– 15 regatas (2 descartes)
1- André Fonseca/Marco Grael (RS-RJ) – 16 (2+1+1+1+2+4+1+3+1+1+1+1+2+1+1)
2- Pablo Herman/Luis Herman (Chile) – 33 (1+3+2+3+3+3+3+1+3+2+3+3+3+3+3)
3- Santiago Silveira/Philipp Umpierre (Uruguai) – 34 (4+4+3+4+4+1+4+4+2+3+2+2+1+2+2)

Match Race
– classificação final
1- Juliana Mota/Marina Jardim/Larissa Juk – classificadas
2- Renata Decnop/Fernanda Decnop/Tatiana Ribeiro
3- Juliana Senfft/Gabriela Sá/Daniela Adler
4- Caroline Bejar/Andrea Grael/Kira Penido

A Semana Brasileira de Vela é organizada pela Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM) e pelo Iate Clube de Santa Catarina, com apoio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), da Federação de Iatismo do Estado de Santa Catarina, da prefeitura de Florianópolis e do governo de Santa Catarina e a produção da Brasil1 Esporte. O patrocínio é do Bradesco e da CPFL Energia, apoiadores oficiais da CBVM.

Com informações da  ZDL Comunicação

Jacque e Silvana salvam a pátria

26 de fevereiro de 2011 0

Jacque avançou na primeira bateria em Snapper Rocks, na Austrália. Foto Kelly Cestari

As meninas brasileiras da elite do surfe salvaram a pátria no primeiro dia de competição da primeira etapa do circuito mundial, o ASP Dream Tour, em Snapper Rocks, na Gold Coast, Austrália. Jacqueline Silva e Silvana Lima venceram suas baterias e estão classificadas para a terceira fase do Roxi Pro. Jacque reestreou logo na primeira bateria e conseguiu virar o placar nos minutos finais pra cima da neozelandesa Paige Hareb e a peruana Sofia Mulanovich. Na bateria seguinte, Silvana Lima bateu a francesa Pauline Ado e a australiana Rebecca Woods.

No Quiksilver Pro, o cearense Heitor Alves não se encontrou na estreia e ficou em terceiro na bateria vencida pelo aussi Julian Wilson, com Adrian Buchan em segundo. Depois foi a vez de Raoni Monteiro ficar em terceiro na bateria vencida por Taj Burrow. Na nona bateria teve a estreia de Mineirinho e Alejo Muniz, mas o terceiro competidor era Joel Parkinson que não deu chances para os brasileiros.  Por último, Jadson André quase conseguiu a única classificação brasileira, mas terminou em segundo na bateria vencida pelo português Tiago Pires. Os cinco brasileiros agora aguardam o reínicio da competição para disputa da repescagem. O campeonato deve ficar parado nos próximos três dias, já que os organizadores aguardam a chegada de um novo swell.

Primeiras vagas na equipe olímpica

25 de fevereiro de 2011 1

Principais velejadores do Brasil em ação na raia de Jurerê, na Star. Foto Fred Hoffmann

Na sexta-feira, o vento nordeste finalmente soprou com mais intensidade e os velejadores que disputam a Semana Brasileira de Vela tiveram trabalho redobrado nas regatas realizadas na raia de Jurerê. A dois dias do fim, a maioria das classes já começa a definir seus representantes na equipe olímpica e no Pan de Guadalajara, no México, em outubro.

Na Star, Robert Scheidt e Bruno Prada ampliaram a vantagem que tinham para Torben Grael e Marcelo Ferreira. Com duas vitórias nas regatas desta sexta-feira, a dupla soma sete pontos perdidos, metade da pontuação acumulada pelos rivais diretos na disputa pela vaga na equipe olímpica brasileira de vela para 2011. Com dois segundos lugares nesta sexta-feira, Torben e Marcelo somam 14 pontos perdidos.

SCheidt e Prada lideraram a Star de ponta a ponta. Foto Fred Hoffmann

Com isso, a dupla só precisa correr as regatas de sábado para garantirem a classificação. Scheidt comemorou a boa velejada desta sexta-feira, em que o vento, nordeste, variou entre 12 e 15 nós (de 22,2 a 27,7 km/h).

– Foi um dia muito bom. O vento aumentou, que é nossa condição preferida para velejar. Mas nossa disputa com o Torben continuou bem intensa. Fomos beneficiados porque eles largaram escapados na primeira regata e, com isso, conseguimos largar com uma boa vantagem. Na segunda prova, travamos uma boa disputa no primeiro contravento. Conseguimos abrir um pouquinho no primeira popa e segurar até o final _ analisou Scheidt.

Bochecha e Marco venceram 9 das 12 regatas disputadas. Foto Fred Hoffmann

Na 49er, André Fonseca, o Bochecha, e Marco Grael dominam amplamente a seletiva com vitórias em nove das 12 regatas disputadas. A dupla está com uma vantagem de 12 pontos em relação aos segundos colocados, os chilenos Luis Felipe e Pablo Herman. Na terceira colocação estão os cariocas Rodrigo Monteiro e Gabriel Borges. Ainda restam quatro regatas a serem disputadas. Esse resultado garantiu a dupla Bochecha/Grael na Equipe Brasileira de Vela em 2011 e os deixou muito perto do título da competição.

– Nos primeiros dias o vento estava muito fraco, o que tornou as regatas mais disputadas. Hoje (25), com mais vento, facilitou para nós – disse Bochecha.

Na classe RS:X, Ricardo Winicki, o Bimba, aproveitou bem as condições climáticas e praticamente confirmou presença nos Jogos de Guadalajara e na Equipe Olímpica. Bimba abriu seis pontos de vantagem sobre o rival Albert Carvalho.

– O vento apareceu e a briga foi boa com o Albert durante todo o evento. O ano todo será de muitas competições. Vai assim até a Olimpíada, com competições todos os meses – destaca Bimba.

Na versão feminina da prancha à Vela, Patrícia Freitas deve confirmar a vaga no Pan nas provas de sábado. A vantagem para Patrícia Castro subiu para seis pontos.

– Acho que já estou garantida no Pan. Não digo nem pelas regatas da Semana Brasileira de Vela, mas porque estou velejando melhor do que o resto da flotilha. Fruto da minha dedicação e dos meus treinos – reforça Freitas.

Jorginho Zarif pode terminar a Semana de Vela invicto. Foto Fred Hoffmann

Outro que já comemora de maneira antecipada o título da Semana Brasileira de Vela é Jorge Zarif na classe Finn. Falta apenas entrar na água e participar das regatas finais. O velejador é o único que mantém os 100% de aproveitamento depois de oito regatas.

Na classe Laser Radial, Adriana Kostiw repetiu o bom desempenho do dia anterior e fechou a sexta com duas vitórias. O resultado coloca a velejadora paulista com vantagem confortável para a segunda colocada, Odile Ginaid.

Bruno Fontes confirmando o favoritismo como melhor velejador de Laser do Brasil na era pós Robert Scheidt. Foto Fred Hoffmann

O mesmo ocorreu na Laser com Bruno Fontes, que terminou em primeiro as últimas quatro regatas disputadas na seletiva. O velejador catarinense está próximo de representar o País no Pan pela primeira vez na carreira.

– Liguei a turbina e encaminhei a vaga. Agora posso levar o título com duas regatas de antecipação já que meus adversários ficaram para trás – festejou o velejador patrocinado pela Eletrosul/Unimed e Akakia Cosméticos.

A Match Race teve a definição do título nesta sexta-feira. A tripulação formada por Juliana Mota/ Marina Jardim e Larissa Juk bateu, na final, a equipe de Renata Decnop por três matches a um. Na disputa pelo terceiro lugar, as comandadas de Juliana Senfft superaram as de Carolina Béjar.

Favoritos, Fabio Pillar e Gustavo Thiesen finalmente assumiram a liderança da 470. Foto Fred Hoffmann

A disputa maior acontece na classe 470. Prova disso é a nova liderança após oito regatas. A dupla Fábio Pillar e Gustavo Thiesen chegou em primeiro nas duas provas da sexta-feira e confirmou o favoritismo. Os atuais líderes do ranking brasileiro estão com três pontos de vantagem sobre Fernanda Oliveira e Ana Barbachan. – A gente estava atrás, mas as condições melhoraram e a passamos as meninas. Ventos fracos beneficiam as tripulações mais leves, mas a coisa estava complicada – indica Fábio Pillar.

Em colaboração com ZDL Comunicação, Local e Clube Jangadeiros

Resultados importantes em Jurerê

25 de fevereiro de 2011 0

Jorginho Zarif bem próximo da vaga. Foto Fred Hoffmann

Os ventos sopraram um pouco mais forte (até 10 nós) nesta quinta-feira na raia de Jurerê, durante a Semana Brasileira de Vela, e alguns velejadores conquistaram resultados importantes para definição das vagas ao Pan e na equipe olímpica de Vela Brasileira. O velejador mais próximo desse objetivo é o carioca Jorginho Zarif, 19 anos, invicto na classe Finn. Ele pode garantir a vaga nesta sexta-feira. Ontem recebeu elogios e conselhos do bicampeão olímpico Torben Grael:

– O Jorginho é um velejador bastante precoce na Finn, mas com muita experiência pela idade que tem. O ideal pra ele é fazer regatas internacionais para melhorar ainda mais. É preciso investir em um velejador jovem, talentoso e com físico bom como o Jorginho – disse.

Largar pela direita tem sido a melhor tática na Star. Foto Fred Hoffmann

Na Star, Torben e Marcelo Ferreira não conseguiram bater a dupla de Robert Scheidt e Bruno Prada. Os atuais líderes do ranking mundial venceram as duas regatas e abriram a vantagem de cinco pontos sobre os principais rivais na Semana Brasileira de Vela, disputada no Iate Clube de Santa Catarina. A dupla aproveitou bem a média de 10 nós de vento, com direção Nordeste

– A gente esteve muito perto de ser ultrapassados por eles (Torben e Marcelo), mas mantivemos a calma nos momentos de pressão. Quando está em primeiro é preciso sempre manter a calma e continuar fazer as coisas certas, sem afobar. Tem que ser passo a passo – reforça Robert Scheidt.

Na Laser Radial, Adriana Kostiw (YCSA) abriu três pontos de vantagem sobre a capixaba Odile Ginaid (ICES) vencendo uma regata e terminando a outra em terceiro. Mônica Matschinske (CNC) caiu para a terceira posição.

– Regata com pouco barco não tem como errar, você bobeou tira um quinto ou sexto. É preciso estar atenta e pensar rápido. Vou fazer o café com leite a partir de agora – projeta Adriana Kostiw.

Adriana Kostiw não vacilou nesta quinta-feira e está cada vez mais líder. Foto Fred Hoffmann

Na RS:X, Ricardo Winicki, o Bimba, perdeu os 100% de aproveitamento. Segundo colocado na classificação geral, Albert Carvalho venceu a primeira regata da quinta-feira e ainda sonha em terminar o evento na frente. No feminino, Patrícia Freitas (ICRJ) venceu as duas provas e também pode confirmar a manutenção na equipe brasileira nas regatas de sexta.

– Ainda falta regata, mas a classificação está quase garantida. É difícil tirar um terceiro ou um quarto, mas eu não posso dar muito mole – relata Patrícia Freitas.

A simetria na largada na prancha a vela masculina, a RS:X. Foto Fred Hoffmann

A Laser teve mudança na ponta. O catarinense Bruno Fontes (ICSC) usou bem o conhecimento da raia em Florianópolis e ultrapassou o gaúcho Adrion Santos (VDS). Além disso, Fontes abriu vantagem para Alex Veeren e João Hackroot, seu principais adversários na briga pela vaga no Pan e na equipe olímpica. Veeren está em quarto na geral e João, em quinto.  

– Velejando, em casa e com vento, as coisas ficam mais fáceis. Os dois primeiros dias foram bem complicados, o que nivela a competição por baixo, sem desmerecer os adversários. Eu soube aproveitar minha velocidade e meu treinamento. Agora é torcer para ventar mais e conquistar a vaga tão sonhada para o Pan – destaca Bruno Fontes (Eletrosul/Unimed/Akákia).

Fernanda e Ana estão se recuperando na competição. Foto Fred Hoffmann

A classe 470 tem uma disputa acirrada entre quatro duplas, duas masculinas e duas femininas. Martine Grael/Isabel Swan (RYC) seguem a rotina de bons resultados e continuam na liderança. Mas a diferença para a dupla terceira colocada, Fernanda Oliveira/Ana Barbachian (CDJ), caiu para apenas dois pontos. Fábio Pillar e Gustavo Thiesen venceram uma regata e subiram para a segunda colocação, trocando de posição com Alexandre Paradeda e Bernardo Ardnt, que não tiveram um bom desempenho.

A Match Race tem final nesta sexta. Nesta quinta-feira foram disputadas o complemento da primeira fase e as semifinais. A tripulação de Renata Decnop garantiu passagem para a decisão ao derrotar a equipe de Caroline Bejar por 3 a 0. O time de Juliana Mota teve mais dificuldade para eliminar a tripulação deJuliana Senfft por 3 a 2. Na manhã desta sexta-feira, as equipes de Renata Decnop e Juliana Mota decidem a classe em melhor de cinco matches.

Os barcos Elliott 6M, que estão sendo usados em Florianópolis, serão os modelos utilizados na estreia da classe em Jogos Olímpicos, em Londres 2012. Eles são rigorosamente iguais e foram importados recentemente da Nova Zelândia para adaptação das equipes.

Resultados dia 3

Laser Radial – 6 regatas (1 descarte)

1- Adriana Kostiw (SP) – 8 pp (1+1+2+5+3+1)

2- Odile Ginaid (ES)- 11 (5+2+3+2+1+3)

3- Monica Matschinske (RJ) – 13 (4+3+1+1+4+4)

Laser Standard – 6 regatas (1 descarte)

1- Bruno Fontes (SC) – 11 (4+1+6+4+1+1)

2- Adrion Santos (RS) – 13 (1+2+4+2+4+6)

3- Eduardo Couto (RS) – 15 (3+3+1+5+13+3)

RS:X Masculino – 6 regatas (1 descarte)

1- Ricardo Winicki, o “Bimba” (RJ) – 4 (1+1+1+1)

2- Albert de Carvalho (RJ) – 8 (2+2+2+2)

3- Gabriel Carvalho (RJ) – 12 (3+3+3+3)

RS:X Feminino – 6 regatas (1 descarte)

1- Patrícia Freitas (RJ) – 5 (1+2+1+1+1+1)

2- Patrícia Castro (RJ) – 9 (2+1+3+2+2+2)

3- Lélia Winkler (RJ) – 15 (4+4+2+3+3+3)

Finn – 6 regatas (1 descarte)

1- Jorge Zarif (SP) – 5 (1+1+1+1+1+6)

2- Henry Boening (RJ) – 10 (2+2+2+2+3+2)

3- Ricardo Valério (SP) – 17 (3+4+3+3+4+4)

470 – 6 regatas (1 descarte)

1- Martine Grael/Isabel Swan (RJ) – 11 (2+3+2+3+2+2)

2- Fábio Pillar/Gustavo Thiesen (RJ) – 12 (6+1+1+6+3+1)

3- Fernada Oliveira/Ana Barbachan (RS) – 13 (5+4+3+2+1+3)

Star – 6 regatas (1 descarte)

1- Robert Scheidt/Bruno Prada (SP) – 5 (1+2+1+1+1+1)

2- Torben Grael/Marcelo Ferreira (RJ) – 10 (3+1+3+2+2+2)

3- Admar Gonzaga/Rony Seifert (DF/SP) – 14 (2+5+2+4+3+3)

49er – 9 regatas (1 descarte)

1- André Fonseca/Marco Grael (RS-RJ) – 12 (2+1+1+1+2+4+1+3+1)

2- Rodrigo Monteiro/Gabriel Borges (RJ) – 18 (3+2+4+2+1+2+2+2+4)

3- Pablo Herman/Luis Herman (Chile) – 19 (1+3+2+3+3+3+3+1+3)

Match Race 11 disputas

1- Renata Decnop – 4 vitórias

2- Juliana Senfft,- 3 vitórias

3- Juliana Mota – 2 vitórias

4- Caroline Bejar – 2 vitórias

Ventos fracos em Jurerê

23 de fevereiro de 2011 0

Bimba pode confirmar vaga nesta quinta-feira na RS:X. Foto Fred Hoffmann

Os ventos fracos continuaram soprando nas raias montadas na praia de Jurerê para a disputa da Semana Brasileira de Vela, seletiva para a formação da equipe brasileira olímpica. Na Star, Scheidt e Prada mantêm a ponta. Jorge Zarif, na Finn, e Ricardo Bimba Winicki, na RS:X, continuam imbatíveis.

Nesta quarta-feira a classe Star teve três regatas disputadas. Torben Grael e Marcelo Ferreira venceram a primeira prova do dia, seguidos de Scheidt e Prada, que se recuperaram nas regatas seguintes, com duas vitórias. Com isso, lideram a disputa com cinco pontos perdidos, contra nove de Torben e Marcelo Ferreira, que assumiram a segunda colocação, a frente de Admar Gonzaga e Ronnie Seifert.

Vento fraco tem facilitado a vida de Zarif, talento nato na Finn. Foto Fred Hoffmann

Na RS:X, na Finn e na 470 foram realizadas apenas duas regatas. Na RS:X masculino, Bimba venceu as duas regatas do dia, acumula quatro vitórias e pode garantir a vaga nesta quinta-feira. Na Finn, Zarif voltou a dominar e também faturou as duas regatas do dia. Outro destaque do dia foi a dupla Martine Grael e Isabel Swan, que assumiu a liderança da 470, superando várias parcerias masculinas. A dupla do Rio Yatch Clube conquistou nessa quarta-feira um segundo e um terceiro lugares.

Patricia Freitas virou o jogo nesta quarta-feira em Jurerê. Foto Fred Hoffmann

Na RS:X feminina, Patrícia Freitas (ICRJ) venceu as duas regatas do dia e tirou a xará Patrícia Castro (CNC) do topo. Na primeira prova, a velejadora largou escapada e foi obrigada a fazer uma corrida de recuperação para terminar na frente. O destaque da 49er do dia foi a dupla Rodrigo Monteiro/Gabriel Borges (BVC) com uma vitória e dois segundo lugares. A parceria se aproximou dos líderes André Fonseca/Marco Grael (CDJ).

Monica Matschinke foi a melhor do dia na Laser Radial. Foto Fred Hoffmann
Na Laser Radial, a disputa está mais equilibrada após quatro regatas. Adriana Kostiw (YCSA) e Mônica Matschinske (CNC) têm nove pontos perdidos e dividem o primeiro lugar. Matschinske venceu as duas provas do dia e contou com um vacilo de Kostiw na quarta regata do calendário. Na Laser Standard, Adrion Santos (VDS) continua em primeiro lugar, com vantagem de três pontos para Eduardo Couto (ICRJ). O catarinense Bruno Fontes está em terceiro.

Martine Grael e Isabel Swan assumiram a liderança na 470. Foto Fred Hoffmann

As primeiras disputas da classe Match Race na Semana Brasileira de Vela foram realizadas nesta quarta-feira com 11 duelos entre as quatro tripulações inscritas. O time de Renata Decnop lidera a competição barco contra barco, com quatro vitórias.  As velejadoras utilizam barcos rigorosamente iguais. A classe estreia no calendário olímpico em Londres/2012.

Resultados Seletiva Olímpica – dia 2

Laser Radial – 4 regatas
1- Adriana Kostiw (SP) – 9 pp (1+1+2+5)
2- Monica Matschinske (RJ) – 9 (4+3+1+1)
3- Odile Ginaid (ES)- 12 (5+2+3+2)

Laser Standard – 4 regatas
1- Adrion Santos (RS) – 9 (1+2+4+2)
2- Eduardo Couto (RS) – 12 (3+3+1+5)
3- Bruno Fontes (SC) – 15 (4+1+6+4)

RS:X Masculino – 4 regatas
1- Ricardo Winicki, o “Bimba” (RJ) – 4 (1+1+1+1)
2- Albert de Carvalho (RJ) – 8 (2+2+2+2)
3- Gabriel Carvalho (RJ) – 12 (3+3+3+3)

RS:X Feminino – 4 regatas
1- Patrícia Freitas (RJ) – 5 (1+2+1+1)
2- Patrícia Castro (RJ) – 8 (2+1+3+2)
3- Lélia del Priori Winkler (RJ) – 13 (4+4+2+3)

Finn – 4 regatas
1- Jorge Zarif (SP) – 4 (1+1+1+1)
2- Henry Boening (RJ) – 8 (2+2+2+2)
3- Ricardo Valério (SP) – 13 (3+4+3+3)

470 – 4 regatas
1- Martine Grael/Isabel Swan (RJ) – 10 (2+3+2+3)
2- Alexandre Paradeda/Bernardo Arndt (RS-SP) -12 (3+2+6+1)
3- Fábio Pillar/Gustavo Thiesen (RJ) – 14 (6+1+1+6)

Star – 4 regatas
1- Robert Scheidt/Bruno Prada (SP) – 5 (1+2+1+1)
2- Torben Grael/Marcelo Ferreira (RJ) – 9 (3+1+3+2)
3- Admar Gonzaga/Rony Seifert (DF/SP) – 13 (2+5+2+4)

49er – 6 regatas
1- André Fonseca/Marco Grael (RS-RJ) – 11 (2+1+1+1+2+4)
2- Rodrigo Monteiro/Gabriel Borges (RJ) – 14 (3+2+4+2+1+2)
3- Pablo Herman/Luis Herman (Chile) – 15 (1+3+2+3+3+3)

Match Race 11 disputas
1- Renata Decnop – 4 vitórias
2- Juliana Senfft,- 3 vitórias
3- Juliana Mota – 2 vitórias
4- Caroline Bejar – 2 vitórias

Com informações da ZDL Comunicação

Danilo despenca

23 de fevereiro de 2011 0

Danilo mostrando muita atitude em Jaws. Foto Tracy Kraft

O baiano Danilo Couto está inscrito no Billabong XXL Global Wave 2011, o Oscar do surfe de ondas gigantes. Radicado no Havaí há 16 temporadas, o brasileiro surfou na remada uma bomba em Jaws no último dia 8 de fevereiro, em uma sessão histórica com as maiores ondas já surfadas no pico da Ilha de Maui. Danilo despencou numa onda de 60 pés, ou 20 metros, equivalente a um prédio de seis andares.

- Venho surfando essas ondas há 10 anos, mas esta, sem dúvida, foi especial, por ter sido longa e ter exigido muito de mim, para finalizá-la com sucesso – declarou.

O feito devidamente registrado por Tracy Kraft e Elliot Leboe já foi inscrito no prêmio. Danilo é patrocinado por Oneill, Hot Buttered, Rhyno Foam, Hot Stick e pranchas Ricardo Martins.

Jeff Hubbard vence abertura do IBA Tour em Pipe

23 de fevereiro de 2011 0

Havaiano Jeff Hubbard festeja o tricampeonato em Pipe e larga na frente no circuito IBA. Foto IBA/Collins

O título do Pipeline Pro 2011, primeira etapa do Circuito Mundial de Bodyboarding, ficou com o havaiano Jeff Hubbard. O havaiano bicampeão mundial deu show na grande decisão e somou 19,25 pontos em 20 possíveis, nessa que foi a melhor apresentação de toda a etapa.

_ Eu gostaria de agradecer a Deus, minha esposa, minha família e meus amigos. Só tenho a agradecer por estar aqui neste dia abençoado. Isso é inacreditável. Agradeço ainda aos brasileiros, sul-africanos, australianos e todos que elevaram o nível deste evento – disse Hubbard, que somou 2000 pontos no ranking mundial e levou ainda U$ 6 mil em prêmios (nota do blogueiro – um prêmio baixíssimo em se tratando de Pipe e circuito mundial).

Nas primeiras baterias do dia, o mar apresentava melhores condições e os maiores placares do dia vieram das disputas iniciais. Na grande decisão, a escolha de ondas foi fundamental, porque o vento fez as condições do mar piorarem. Mesmo assim, Hubbard foi atrás da vitória. A poucos minutos do fim, Jeff estava em combinação e na última posição.

Mas em Pipe tudo pode acontecer e quatro minutos foram suficientes para o havaiano arrancar um 9,75 em um tubo espetacular, e 9,5 para somar 19,25. Foi o terceiro título de Hubbard nos canudos mais famosos do Havaí. Na segunda posição ficou o aussie Tom Rigby, em terceiro, o sul-africano Jared Houston e, em quarto, o também australiano Dallas Singer.

Seis brasileiros disputaram o último dia de competições em Pipeline. O primeiro a ser eliminado foi o catarinense Luis Villar, no Round 6. Eder Luciano, de Itapema,foi o segundo brasileiro a ser eliminado em Pipe. O atleta teve uma boa nota na primeira onda, 8, mas faltou uma segunda onda boa e acabou eliminado no round 7.

Nas quartas de final mais três brasileiros acabaram eliminados: Uri Valadão, Lucas Nogueira e Magno Oliveira. Ele vinham de ótimas atuações nas fases anteriores, mas não acharam as melhores ondas nesta fase e deixaram o evento. O último brasuca eliminado em Pipe foi o hexacampeão mundial Guilherme Tãmega. O carioca mais uma vez foi o melhor atleta do país em Pipe e abre a temporada com um ótimo resultado, parando apenas na semifinal.

Agora o IBA World Tour parte para o Oeste da Austrália, onde entre os dias 14 e 20 de abril, acontece a etapa assustadora de The Box, em Margaret River.


Com informações de Danilo Caboclo – assessoria de imprensa da IBA South America

Prêmio Greenish, em Floripa

23 de fevereiro de 2011 0

Gabriel Fuca voando em Noronha

A semana vai passando com a expectativa dos resultados do Prêmio Greenish Brasil 2010, que será entregue nesta quinta-feira, dia 24, na Confraria das Artes, em Florianópolis. Dois representantes de Santa Catarina estão entre os concorrentes: Gabriel Fuca e Ricardo Wendhausen. Eles estão entre os quatro surfistas candidatos na categoria Melhor Aéreo. Os outros dois são o paraibano Erbeliel Andrade e o potiguar, integrante do WT, Jadson André. O vencedor receberá R$ 10 mil.

A principal categoria em disputa – Maior Onda – também tem quatro concorrentes: o potiguar Aldemir Calunga, o pernambucano Luel Felipe, o baiano Dennis Tihara e o paulista Alexandre Moliterno. O surfista campeão será premiado com R$ 25 mil.

Na categoria Melhor Tubo, o carioca Bruno Santos já faturou R$ 10 mil, pois não tem adversário. O júri convidado pela Greenish é composto por surfistas, jornalistas e fotógrafos.
O prêmio distribui um total de R$ 63 mil e também contempla os cinegrafistas que registraram os surfistas em ação nas ondas vencedoras e o shaper da prancha usada. Na categoria Maior Onda cada um recebe R$ 5 mil. Nas outras duas, R$ 2 mil cada.
- Após quatro anos, resolvemos abrir espaço para mais duas categorias e privilegiar o atleta em dois momentos mágicos de nosso esporte, que são o tubo e o aéreo – afirmou Petrônio Tavares, diretor da Greenish.

Max Bruno e André Magri são os cinegrafistas concorrentes na Maior Onda. Na Melhor Aéreo são quatro candidatos: Robério Lopes, Bruno Salata, Alex Costa e Jaílson Azevedo. Na Melhor Tubo, Sidnei Machado já garantiu o prêmio. Os shapers que estão na briga são Beto Alves (Aldemir Calunga), Márcio Zouvi (Luel Felipe), Beto Santos (Dennis Tihara), Brett (Alexandre Moliterno), Joca Secco (Bruno Santos), Ruy Camargo (Erbeliel Andrade), Havenga Surf (Gabriel Fuca e Ricardo Wendhausen) e Ricardo Martins (Jadson André).

A festa será transmitida ao vivo pela internet, no site da marca: www.greenish.com.br


Scheidt e Prada largam na frente

23 de fevereiro de 2011 0

Scheidt e Prada venceram a primeira regata com vantagem. Foto Fred Hoffmann

A chuva marcou o início da segunda parte da Semana Brasileira de Vela nesta terça-feira, na praia de Jurerê, em Florianópolis. O evento, com sede no Iate Clube de Santa Catarina, classifica a equipe nacional de vela, que disputa as principais competições internacionais da temporada e busca vagas em Londres 2012, no Mundial da Austrália, em dezembro.

As atenções estavam voltadas para o início do duelo entre Roberto Scheidt e Bruno Prada e Torben Grael e Marcelo Ferreira, na classe Star. Mas os ventos rondados, que variaram de 8 à 15 nós, prejudicaram a disputa. Foi realizada apenas uma regata, ainda sem a presença da chuva, e a segunda acabou cancelada pela Comissão de Regata. A parceria Robert Scheidt/Bruno Prada venceu com vantagem de um barco para  Torben Grael/Marcelo Ferreira, que chegou atrás da dupla Admar Gonzaga/Ronnie Seifert.

Paradeda e Baby têm muita experiência na 470. Foto Fred Hoffmann

Na outra raia, homens e mulheres competiram juntos na classe 470 e Martine Grael e Isabel Swan fizeram a segunda melhor média do dia com um segundo e um terceiro lugares. A dupla Alexandre Paradeda e Bernardo Arndt, está na frente nos critérios de desempate, também com 5 pontos perdidos. Os favoritos Fábio Pillar e Thiesen tiveram problemas na montagem da primeira bóia e foram penalizados na primeira regata, mas se recuperaram e venceram a segunda, terminando o dia na quarta colocação.

Adrion Santos está de férias na Ilha e surpreendeu. Foto: Fred Hoffmann
Na mesma raia, a classe Laser teve como destaque o gaúcho Adrion Santos (Veleiros do Sul/ RS), que superou o favorito Bruno Fontes (Eletrosul/Unimed/Akakia/Fundesporte). Entre as mulheres, a melhor velejadora de Laser Radial foi Adriana Kostiw(YCSA/SP).

Bochecha e Grael tiveram trabalho com a dupla chilena. Foto Fred Hoffmann

A chuva só não chegou a atrapalhar o barco mais veloz da seletiva, o 49er. Três regatas foram realizadas e os favoritos André Fonseca e Marco Grael (Mitsubishi), do Clube Jangadeiros-RS, foi segundo na estreia e venceu as duas últimas para pegar a liderança. Na Finn, Jorginho Zarif confirmou a boa fase e abriu vantagem para os rivais logo nas primeiras regatas da seletiva. O velejador teve 100% de aproveitamento.

Na "batalha das Patrícias", Castro venceu o primeiro dia

Ricardo Winicki, o Bimba (Búzios/RJ), venceu as duas regatas na classe RS:X e já abriu dois pontos de vantagem sobre o principal adversário, Albert Carvalho, talento que surgiu do seu projeto social. Entre as mulheres, na RS:X, empate entre Patrícia Castro (Clube Naval Charitas) e Patrícia Freitas (Iate Clube do Rio de Janeiro), com uma vitória para cada. Mas Castro levou vantagem porque venceu a última prova do dia.


As seletivas do Match Race feminino começam a ser disputadas nesta quarta-feira, a partir das 10h. Quatro tripulações estão confirmadas e todas se enfrentam duas vezes para definir a ordem das semifinais. O Match Race – competição barco contra barco – estreia no calendário olímpico da vela em Londres. As demais classes têm regatas a partir do meio-dia.

Resultados Seletiva Olímpica – dia 1
Laser Radial – após duas regatas
1- Adriana Kostiw (SP) – 2 pp (1+1)
2- Odile Ginaid (ES)- 7 (5+2)
3- Monica Matschinske (RJ) – 7 (4+3)
4- Maria Hackerott (SP)- 7 (3+4)
5- Maria Boabaid (SC)- 9 (2+7)

Laser Standard – após duas regatas
1- Adrion Santos (RS) – 3 (+1+2)
2- Bruno Fontes (SC) – 5 (4+1)
3- Eduardo Couto (RJ) – 6 (3+3)
4- Alex Veeren (SC) – 10 (2+8)
5- João Hackerott (SP) – 10 (6+4)

RS:X Masculino – após duas regatas
1- Ricardo Winicki, o “Bimba” (RJ) – 2 (1+1)
2- Albert de Carvalho (RJ) – 4 (2+2)
3- Gabriel Carvalho (RJ) – 6 (3+3)
4- Diego de Souza (SP) – 10 (5+5)

RS:X Feminino – após duas regatas
1- Patrícia Castro (RJ) – 3 (2+1)
2- Patrícia Freitas (RJ) – 3 (1+2)
3- Carmen Rosas (RJ) – 6 (3+3)
4- Lilia del Priori (RJ) – 8 (4+4)

Finn – após duas regatas
1- Jorge Zarif (SP) – 2 (1+1)
2- Henry Boening (RJ) – 4 (2+2)
3- Fábio Bodra (SP) – 7 (4+3)
4- Ricardo Valério (SP) – 7 (3+4)
5- Luís Mosqueira (SP) – 10 (5+5)

470 – após duas regatas
1- Alexandre Paradeda/Bernardo Arndt (RS-SP) – 5 (3+2)
2- Martine Grael/Isabel Swan (RJ) – 5 (2+3)
3- Henrique Haddad/Nicolas Castro (RJ) – 6 (1+5)
4- Fábio Pillar/Gustavo Thiesen (RJ) – 7 (6+1)
5- Fernanda Oliveira/Ana Barbachan (RS) – 9 (5+4)

Star – após uma regata
1- Robert Scheidt/Bruno Prada (SP) – 1
2- Admar Gonzaga/Rony Seifert (DF/SP) – 2
3- Torben Grael/Marcelo Ferreira (RJ) – 3
4- Luiz Reis/Samuel Gonçalves (DF/RJ) – 4
5- Luiz Gonzaga/Alexandre Freitas (DF) – 5

49er – após três regatas
1- André Fonseca/Marco Grael (RS-RJ) – 4 (2+1+1)
2- Pablo Herman/Luis Herman (Chile) – 6 (1+3+2)
3- Rodrigo Monteiro/Gabriel Borges (RJ) – 9 (3+2+4)
4- Santiago Silveira/Felipe Umpierre (Uruguai) – 11 (4+4+3)