Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 17 maio 2011

Mais Billabong Rio Pro, esperando o segundo dia...

17 de maio de 2011 0

Adriano de Souza é disparado é o brazuca mais determinado. Foto ASP/Kirstin Scholtz

A quarta-feira promete ser mais um dia histórico com os melhores surfistas do mundo – ASP World Tour – competindo em um lendário pico de surfe do Brasil – Arpoador. Tudo bem que, na abertura do Billabong Rio Pro, o vento atrapalhou um pouco, as ondas balançaram e ficaram “fun” – como a maioria dos gringos falaram depois.

O certo é que tinha que contar com a sorte e também com o talento pra fazer bonito e avançar direto para a terceira fase. Como só Jadson André conseguiu fazer isso, oito brasileiros entram em cena neste segundo dia, com a possibilidade de sete se juntarem ao potiguar na terceira fase.

FRANCO FAVORITO

Na quarta bateria da repescagem ou segunda fase, Adriano de Souza e Ricardo dos Santos se enfrentam em um duelo brazuca. Adriano levantou a torcida espremida no calçadão e quase virou o placar diante de Daniel Ross nesta terça-feira. Com a pontuação que fez, podia ter levado outras baterias. Mostra ser competitivo em todas as condições de mar – no sentido literal mesmo (mexido, com onda cheia, com onda cavada, lisa, maré vazante…) – e fica difícil de ser batido.

FRANCO ATIRADOR

Ricardinho, da Guarda do Embaú, arrancou uma nota 8 na sua bateria, superou Alejo Muniz, mas terminou atrás de um Taj Burrow inspirado, que sempre fica muito à vontade em ondas de beach break, prova disso são os títulos no Rio (2)  e Imbituba. Ricardinho também é convidado da marca, e o campeonato é o melhor lugar para mostrar serviço.

Taj Burrow distribuiu rabetada nesse primeiro dia de Billabong Rio Pro. Foto ASP/Kelly Cestari

SURPRESAS

Uma nova chamada será feita às 7h, na Praia do Arpoador, e logo na estreia, o outro convidado brasileiro da marca, Peterson Crisanto, vai encarar o sul-africano Jordy Smith. Parada dura, porque Jordy é amplo favorito.  É a mesma situação nos confrontos de Igor Morais e Simão Romão. Se vencerem Bede Durbidge e Michel Bouarez, já poderão festejar com um chopinho no Bracarense, no Leblon. Depois do duelo brazuca já mencionado, vem uma série de confrontos entre os gringos. Entre eles, Joel Parkinson, Chis Davidson, Bobby Martinez e Kieren Perrow.

TEM CHANCE

Na nona bateria, Raoni Monteiro deve levantar a galera contra o português Tiago Pires. Parada duríssima também, mas Raoni tem que usar o fator local nesse momento em que ele precisa muito de um bom resultado. Hoje, o portuga pareceu meio perdido no inside do Arpoador, enquanto Raoni esperava a série e Damien Hobgood pegava todas.

MUITA CHANCE

Nas duas últimas da repescagem, as outras participações de brasileiros em duelos equilibrados: Heitor Alves tem pela frente o havaiano Dusty Payne, e Alejo Muniz duela com o aussie Adam Melling. Nesse caso, eu sou mais os brazucas e não será surpresa se Heitor e Alejo conseguirem a classificação.

Quer dizer, é atração do início ao fim e quem tá no Rio pode ver. Quem não tá, como eu, pode conferir pela internet.  E quem não tiver saco pra ficar vendo a imagem travando e tal (por que isso acontece, dependendo do sinal, do equipamento, da velocidade), pode conferir mais tarde no blog, falô?;)

Repescagem da primeira fase – 2º=13º lugar – US$ 8.000 e 500 pontos:
1ª: Jordy Smith (AFS) x Peterson Crisanto (Bra)
2ª: Bede Durbidge (Aus) x Igor Morais (Bra)
3ª: Michel Bourez (Tai) x Simão Romão (Bra)
4ª: Adriano de Souza (Bra) x Ricardo Santos(Bra)
5ª: Joel Parkinson (Aus) x Kai Otton (Aus)
6ª: Matt Wilkinson (Aus) x Bobby Martinez (EUA)
7ª: Kieren Perrow (Aus) x Gabe Kling (EUA)
8ª: Chris Davidson (Aus) x Josh Kerr (Aus)
9ª: Tiago Pires (Por) x Raoni Monteiro (Bra)
10ª: C.J. Hobgood (EUA) x Julian Wilson (Aus)
11ª: Heitor Alves (Bra) x Dusty Payne (Hav)
12ª: Adam Melling (Aus) x Alejo Muniz(Bra)

1ª Fase Classificatória – 1º= terceira fase / 2º e 3º= repescagem:

1ª: 13.60=Owen Wright(AUS), 7.67=Heitor Alves(BRA), 7.47=Bobby Martinez (EUA)
2ª: 11.84=Adrian Buchan (AUS), 11.24=Kai Otton (AUS), 11.16=Adam Melling (AUS)
3ª: 16.33=Taj Burrow (AUS), 11.17=Ricardo Santos (BRA), 10.60=Alejo Muniz (BRA)
4ª: 15.07=Mick Fanning (AUS),12.36=Simão Romão(BRA), 11.66=Dusty Payne (HAW)
5ª: 8.13=Patrick Gudauskas (EUA), 8.07=Jordy Smith (AFR), 6.34=Igor Morais (BRA)
6ª: 15.17=Kelly Slater(EUA),14.37=Julian Wilson(AUS),3.84=Peterson Crisanto(BRA)
7ª: 14.33=Jadson Andre (BRA),10.66=Gabe Kling (EUA), 7.90=Bede Durbidge (AUS)
8ª: 13.56= Jeremy Flores (FRA), 10.80=C. J. Hobgood (EUA), 7.43=Josh Kerr (AUS)
9ª: 12= Damien Hobgood(EUA), 11.10=Raoni Monteiro(BRA),10.93=Tiago Pires(PRT)
10ª: 11.54=Cory Lopez (EUA),10 = Chris Davidson (AUS), 8.57=Michel Bourez (TAH)
11ª: 14.90=Daniel Ross(AUS),14.67=Adriano de Souza(BRA),8.96=Kieren Perrow(AUS)
12ª: 16.08=Taylor Knox (EUA),14.70=Matt Wilkinson(AUS),8.34=Joel Parkinson(AUS)

Jadson salva a pátria na primeira fase do Billabong Rio Pro

17 de maio de 2011 0

Kelly treinou ontem no Arpex e hoje quebrou, pra variar. Foto ASP/Kirstin Scholtz

Já estou me tornando repetitivo, mas assim como aconteceu com Silvana Lima no feminino, apenas um brasileiro conseguiu avançar direto para a terceira fase, com vitória na estreia do Billabong Rio Pro. Os outros oito brasileiros terão que disputar a segunda fase, amanhã, possivelmente no Arpoador.

O campeonato começou hoje de manhã com chuva e esquerdas de um metro de altura abrindo no tradicional pico da zona sul carioca. A medida que o tempo passava, o vento sudoeste se intensificava e mexia com as condições do mar. Os tops tiveram trabalho para arrancar boas notas.

O destaque, pra variar, foi Kelly Slater, que arrrancou um 9, a melhor nota do evento até agora. Com boa leitura das ondas, onde treinou na véspera, Kelly fez a mala do aussie Julian Wilson, que já foio sua pedra no sapato no tour, e do convidado brasileiro, o parananese Peterson Crisanto, que não conseguiu fazer uma nota maior que 2 nas sete ondas que pegou durante a bateria. Taj Burrow foi outro que fez chover nesse primeiro dia, pegando tubo até para a direita, para derrotar os brazucas Alejo Muniz e Ricardo dos Santos.

Jadson encontrou no Arpex a rampa perfeita para o aéreo reverse frontside. Foto ASP Kelly Cestari

Mas Jadson lavou a alma do Brasil ao dominar a 7ª bateria, contra o americano Gabe Kling e o australiano Bede Durbidge. Além de aplicar o seu aéreo reverse de frontside, para completar, ainda pegou um tubo no inside, exibindo um controle sobre a onda que poucos mostraram nesse primeiro dia. Após a bateria, o surfista potiguar falou que não se sente pressionado em defender o título da etapa brasileira e que sua estratégia será pensar em bateria por bateria, sem se preocupar com uma possível participação na final do evento.

Sobre os outros brasileiros, vale ressaltar a bateria de Adriano de Souza, que acabou marcado por Daniel Ross nos últimos minutos e perdeu por muito pouco (14,97 a 14,60), deixando Kieren Perrow na terceira colocação. Entre os convidados, Ricardinho chegou a pegar uma boa onda (nota 8), mas faltou uma segunda para tentar competir com Taj. Já Igor Morais e Simão Romão também ficaram devendo, assim como Raoni Monteiro. Competir com os tops em condições difíceis não é fácil mesmo, e eles sentiram a diferença. O tempo tá carrancudo, frio, mas o calçadão do Arpoador está lotado. É esperar, porque nos próximos dias tem mais, e tomara que o mar ajude…

As baterias dos brasileiros:

1ª 1º Owen Wright (Aus) 13,60 2º Heitor Alves 7,67 3º Bobby Martinez (EUA) 7,47

3ª 1º Taj Burrow (Aus) 16,33 2º Ricardo Santos 11,17 3º Alejo Muniz 10,60

4ª 1º Mick Fanning (Aus) 15,07 2º Simão Romão 12,36 3º Dusty Payne (Hav) 11,66

5ª  1º Pat Gudauskas (EUA) 8,13 2º Jordy Smith (AFS) 8,07 3º Igor Morais 6,34

6ª 1º Kelly Slater (EUA) 15,17 2º Julian Wilson (Aus) 14,37 3º Peterson Crisanto 3,84

7ª 1º Jadson André 14,33 2º Gabe Kling (EUA) 10,66 3º Bede Durbidge (Aus) 7,90

9ª 1º Damien Hobgood (EUA) 12 2º Raoni Monteiro 11,10 3º Tiago Pires (Por) 10,93

11ª 1º Daniel Ross (Aus) 14,90 2º Adriano de Souza 14,67 3º Kieren Perrow (Aus) 8,86