Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2013

Barracuda chega sábado para participar de etapa do Campeonato Brasileiro da classe C30

31 de janeiro de 2013 0

Barracuda vem prestigiar Circuito Oceânico da Ilha de SC. Foto Divulgação

O tradicional Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina chega a sua 26ª edição e será palco para a primeira etapa do Campeonato Brasileiro da Classe C30, destinada aos modernos barcos de regata Carabelli 30. Barcos e tripulações de São Paulo e Florianópolis comporão a flotilha que promete ser a mais emocionante do Circuito.

São barcos de desenho único, exatamente iguais em todos os itens, incluindo velas, peso do barco e peso máximo permitido para a soma dos tripulantes. Sem as vantagens de materiais, ganha quem chega na frente e o que manda no resultado das competições é a destreza dos velejadores, a tática escolhida para cada regata e a perícia do timoneiro.

Os C30 são barcos construídos exclusivamente para regatas, tem excelente área de convés e cokpit para o trabalho da tripulação e, apesar de medir mais de nove metros (30 pés), possui interior pequeno e espartano, sem o conforto que se observa nos barcos de uso misto, em sua maioria construídos para o lazer, mas utilizados também no esporte.

Além do fato de o barco ter sido desenvolvido para se obter o melhor rendimento possível, um grande diferencial em relação aos demais veleiros de oceano que correm regatas é que em provas da classe ganha quem cruza a linha de chegada em primeiro lugar. Para as embarcações mistas, nem sempre é assim. Como são barcos diferentes que competem entre si, o vencedor é definido pelo resultado de uma intricada fórmula de cálculos matemáticos após a chegada.

As contas levam em consideração as diferenças numéricas observadas no desenho do casco, tamanho do barco, tamanho e material das velas, pesos, idade do barco, etc. Na regra mais completa, a ORC Internacional, mede-se quase 500 itens de um barco para se chegar a um fator de cálculo que será multiplicado pelos segundos que a embarcação levou para completar a prova.

Já na regra BRA-RGS, a mais numerosa no Brasil, são mais ou menos 50 itens levados em consideração para a obtenção do rating. Para atender os diferentes tamanho de barcos, a ORC I e a BRA-RGS também possuem subdivisões. Humberto Diniz, comandante do Barracuda, está reticente quanto aos resultados de seu barco para as regatas iniciais da primeira etapa do Brasileiro de C30. O veleiro chega à Florianópolis neste sábado, dia 2 de fevereiro, navegando desde Ilhabela, litoral paulista, perfazendo mais de 300 milhas (quase 600 km).

- Pretendemos fazer o primeiro treino no sábado mesmo, assim que o barco estiver revisado e preparado após a viagem. Temos pouco conhecimento da raia de Florianópolis e a vantagem, a princípio, é dos quatro barcos locais. Por isto precisamos treinar para tentar desvendar os mistérios dos ventos e das correntes do norte da Ilha de Santa Catarina – admite Diniz.

Barracuda foi o segundo C30 a ser colocado na água, no final de 2011. Ano passado, o barco cumpriu um extenso programa de regatas, que incluiu a Mitsubshi Sailing Cup, a Rolex Ilhabela Sailing Week, a Copa Suzuki Jimmy e o Circuito Rio, com resultados expressivos, vencendo algumas regatas e sempre beliscando o título. O time vem completo para Florianópolis.

Além do comandante Humberto Diniz, fazem parte da tripulação os velejadores Alberto Foresti, Martin Afonso Ferreira, Anderson Ribeiro da Silva, Matias Pillar e o velejador olímpico Fábio Pillar. Fábio, que defendeu o Brasil nos jogos de Pequin velejando na Classe 470, será o tático da equipe. O Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina é organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha e Flotilha Catarinense de Veleiros de Oceano e será realizado de 4 a 7 de Fevereiro na raia de Jurerê.

A organização espera a presença de pelo menos 30 barcos das classes C30, ORC Internacional, BRA-RGS, Clássicos e Multicascos. Além do Brasileiro de C30, a competição também será palco do Campeonato Brasileiro da Classe ORC. A segunda e última etapa do Brasileiro será realizada em Julho, em Ilhabela, durante a Rolex Ilhabela Sailing Week.

Por Tarcísio Mattos – Assessor de Imprensa da Classe C30

Volcom Pipe Pro 2013 começa no Hawaii

31 de janeiro de 2013 0

Foto Brent/Volcom

O Volcom Pipe Pro, etapa que abre oficialmente a temporada 2013, começou nesta quinta-feira após três dias de espera, com ondas de cinco a sete pés na bancada de Banzai Pipeline. A competição conta com nomes como do top John John Florence, dos big riders Alex Gray e Ian Walsh, e dos brasileiros Jessé Mendes, Ricardo dos Santos, Jano Belo, Bino Lopes, Ian Gouveia, entre outros que buscam seus primeiros pontos na temporada. Para conferir, clique no link da página oficial do evento.

Bonde do Simão estreia no portal OFF Jam

31 de janeiro de 2013 0

Rico de Souza encontra Simão, Nem e Pikachu no Hawaii. Foto Divulgação/OFF Jam

Diretamente do Havaí, o surfista profissional Simão Romão atualiza com exclusividade o blog “Bonde do Simão” hospedado no portal de entretenimento e serviços do Canal OFF, o OFF JAM. A cada dia, um novo post traz curiosidades, fotos e vídeos da rotina de Simão e dos surfistas aprendizes Pikachu e Ném que estão realizando um sonho comum ao conhecer pela primeira vez o Havaí graças à um projeto social criado por Simão Romão. O projeto “Bonde do Simão” tem previsão de virar um documentário para ser exibido no Canal OFF ainda este ano.

Criado nas ondas do Arpoador, no Rio de Janeiro, Simão Romão entrou no surfe através da ONG Favela Surf Clube. Tornou-se profissional, venceu etapas do circuito mundial e já chegou perto de entrar na elite do esporte algumas vezes. Junto com seu desejo de atingir o topo da carreira, Simão resolveu carregar o sonho de outros garotos do projeto que o revelou como um dos melhores surfistas do Brasil.

No último dia 20 de janeiro, o “Bonde do Simão”, formado por dois meninos surfistas moradores do Morro do Cantagalo, Zona Sul do Rio de Janeiro, embarcou para conhecer pela primeira vez as ondas perfeitas de Pipeline, no Havaí. Locais da Praia do Arpoador, Anderson Carvalho, o Pikachu, de 12 anos, e Magno Rogério, o Nem, de 20 anos, compartilharam do mesmo sonho: surfar no Havaí ao lado de grandes ídolos.

O pré-requisito para entrar no bonde, além do surfe, era estar estudando.

- Muitos amigos de talento se perderam no meio do caminho, acabaram entrando para o tráfico e sumiram da praia. Estou querendo oferecer para esses meninos uma oportunidade diferente. Quero dar a chance de se tornarem profissionais, conseguirem viver do surfe como eu consegui – conta Simão sobre o projeto, que surgiu no ano passado, com o intuito de agradecer à comunidade do Cantagalo tudo que ele já conquistou com o surfe.

Na primeira semana no Havaí, Simão conta que os meninos ficaram impressionados com o tamanho das ondas, mas que já arriscaram algumas manobras. Ainda se acostumando com o fuso horário, Pikachu e Nem já tiveram a oportunidade, por exemplo, de conhecer e surfar com um de seus ídolos, o surfista veterano Rico de Souza.

Confira o blog “Bonde do Simão” no portal OFF JAM.

O blog Mar Aberto publicou em julho de 2012 o início do projeto. Confira no link do blog.

Big Monday - Garret McNamara no Canhão de Nazaré

30 de janeiro de 2013 0

BIG MONDAY the video from surftotal tv on Vimeo.

Esse é o vídeo da sessão de tow in feita por Garret MacNamara no último dia 28 de janeiro na Praia Norte, em Nazaré, litoral de Portugal. Imagens e edição é de Ricardo Santos Luis.

Quarta-feira de bons ventos para a vela brasileira na Miami OCR

30 de janeiro de 2013 0

Bochecha e Andrade (E) tiveram uma boa quarta-feira. Foto Miami OCR/Divulgação

Os velejadores brasileiros tiveram mais um grande dia nesta quarta-feira em Biscayne Bay, Miami, onde está sendo disputada a etapa da Copa do Mundo de Vela ISAF, a Miami Olympic Classic Regatta (Miami OCR). Na classe 49er, a dupla formada por André Fonseca e Francisco Andrade teve o seu melhor dia, vencendo a terceira regata do dia e entrando no grupo dos top 5 da classe.

Na 49er FX, a dupla formada por Martine Grael e Kahena Kunze foi quase perfeita com um segundo lugar e duas vitórias. Com os resultados a dupla abriu uma valiosa vantagem para a dupla americana Tunicliffe/Vandemoer e as italianas Conti/Clapcich. A força das duplas brasileiras também está na classe 470 feminino. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan dominam a competição desde o seu início, enquanto Renata Decnop e Isabel Swan ocupam a terceira colocação.

Na Finn, os brasileiros tiveram uma inversão de posições. Jorge Zarif passou a ocupar a terceira colocação, enquanto Bruno Prada não teve o seu melhor dia e caiu para a quinta posição. Na RS:X masculino, Ricardo Bimba Winicki permanece na segunda posição, atrás do holandês Dorian Van Husselbelber. Já na Laser, o catarinense Bruno Fontes mostrou-se mais uma vez muito constante e com um primeiro e um segundo lugares nas duas regatas disputadas, Bruno passou para a próxima fase do evento empatado com o sueco Jasper Stailhem em primeiro lugar geral com cinco pontos perdidos.

Decnop e Swan estão em terceiro lugar na 470 feminino. Foto Miami OCR/Divulgação

- Consegui avançar bem para a segunda parte da competição. Agora começa uma nova competição. Estou bem feliz com minha performance até o momento, mas é preciso estar sempre atento a tudo. Preciso continuar sendo constante para repetir os bons resultados nas regatas que tenho pela frente – destacou Fontes.

Agora, os 35 melhores atletas seguem na disputa pelo título da classe Laser. Diferente das demais competições, a Copa do Mundo de Vela de Miami adotou um novo sistema de pontuação. Antes, todos os resultados eram somados e haviam alguns descartes. Agora, serão mais cinco regatas e os pontos obtidos por Bruno não serão acumulados. A única vantagem, no entanto, é que o atleta começa com apenas um ponto perdido, por ter sido o primeiro colocado na classificação geral.

- Agora é como se começasse uma nova competição. Serão mais cinco regatas e depois serão definidos os 10 que avançam para a Medal Race. Estou me sentindo muito bem no barco e espero continuar velejando da mesma forma nos próximos dias – afirmou Bruno.

Nessa quinta-feira (31), o velejador catarinense tem mais duas regatas pela frente. A previsão, assim como nos outros dias, é para que as provas comecem as 14h, horário de Brasília. O velejador Bruno Fontes tem os patrocínios da Unimed e AGE do Brasil e conta com o apoio da Confederação Brasileira de Vela.

Classe 49er – classificação parcial após nove regatas:
1º (EUA) STRAMMER, Frederick e BROWN, Zach 2 – 5 – 4 – 2 – 1 – 1 – 1 – 1 – [17/DNF] 17.00 pp
2º (SUE) OESTLING, Sebastian e TORLEN, Kalle 1 – 3 – 2 – 3 – 3 – 2 – 8 – 4 – [9] 26.00 pp
3º (EUA) PESCH, Ryan e BURD, Trevor 3 – 4 – 5 – 1 – 2 – [6] – 5 – 2 – 4 26.00 pp
4º (CAN) LADHA, Jon e INKPEN, Daniel 4 – 2 – 3 – 4 – 4 – 5 – [6] – 5 – 3 30.00 pp
5º (BRA) FONSECA, André e ANDRADE, Francisco 7 – 7 – 8 – [17/OCS] – 6 – 8 – 3 – 3 – 1 43.00 pp

Classe 49er- FX – classificação parcial após nove regatas:
1ª (BRA) GRAEL, Martine e KUNZE, Kahena 2 – 1 – 3 – 3 – 2 – [4] – 2 – 1 – 1 15.00 pp
2ª (EUA) TUNNICLIFFE, Anna e VANDEMOER, Molly 3 – 2 – 5 – [6] – 1 – 2 – 1 – 3 – 2 – 19.00 pp
3ª (ITA) CONTI, Giulia e CLAPCICH, Francesca 1 – [5] – 2 – 1 – 5 – 1 – 3 – 5 – 3 21.00 pp

Classe 470 feminino – classificação parcial após seis regatas:
1ª (BRA) OLIVEIRA, Fernanda e BARBACHAN, Ana Luiza 5 – 2 – 1 – [20/BFD] – 7 – 7 – 22.00 pp
2ª (CHN) XU, Xiaomei e YU, Chunyan CHI 1 – 11 – 6 – 3 – [20/DNF] – 8 29.00 pp
3ª (BRA) DECNOP, Renata e SWAN, Isabel 12 – 3 – 7 – 8 – 4 – [13] – 34.00 pp

Classe Finn – classificação parcial após seis regatas:
1º (EUA) PAINE, Caleb – [7] – 1 – 1 – 1 – 4 – 2 – 9.00 pp
2º (AUS) CASEY, Brendan 2 - [14] – 4 – 2 – 2 – 5 15.00 pp
3º (BRA) ZARIF, Jorge 6 – [8] – 3 – 3 – 1 – 3 16.00 pp
4º (CAN) DOUGLAS, Greg 5 – 4 -[29/OCS] – 4 – 5 – 1 19.00 pp
5º (BRA) PRADA, Bruno 1 – 3 – 6 – 5 – [7] – 6 21.00 pp

Classe Laser – classificação parcial após oito regatas:
1º (SUE) Stalheim, Jesper 0 – [6] – 2 – 3 – 0 – 0 5.00 pp
2º (BRA) Fontes, Bruno 3 – [4] – 0 – 0 – 2 – 0 5.00 pp
3º (FRA) Bernaz, Jean-Baptiste 2 – 2 – 0 – [4] – 0 – 2 6.00 pp
4º (EUA) Buckingham, Charlie 4 – 0 – 2 – 3 – [9] – 3 12.00 pp

Classe RS:X masculino – classificação parcial após seis regatas
1º (HOL) VAN RIJSSBELBERGHE, Dorian [3] – 2 – 1 – 1 – 1 – 1 6.00 pp
2º (BRA) SANTOS, Ricardo 1 – 3 – 3 – 2 - [8] – 4 13.00 pp
3º (ING) DEMPSEY, Nick 2 – 1 – 4 -[8] – 5 – 5 17.00 pp

Kelly Slater fugindo do caos urbano em Bali

30 de janeiro de 2013 0

Enquanto ainda não se decide se encara o ASP world Tour 2013, o norte-americano Kelly Slater tem aproveitado para cumprir seus compromissos com seus patrocinadores, como é o caso desse vídeo liberado pela Quiksilver, para a campanha dos Cypher Roam Boardshorts, com ondas perfeitas em Bali..e ver o Slater em ação é sempre bom…

Caio Ibelli levanta o caneco do Hainan Classic at Riyue Bay, na China

30 de janeiro de 2013 0

Caio voltou ao topo do pódio. Foto ASP Robertson

O paulista Caio Ibelli sagrou-se campeão do Hainan Classic at Riyue Bay, evento quatro estrelas da ASP, encerrado nesta quarta-feira, na Ilha Hainan, na China. Na final, em ondas de um metro, o campeão mundial júnior da ASP 2011 bateu o australiano Mitch Crews e ficou com os 1000 pontos e os 15 mil dólares de premiação oferecidos ao campeão da etapa chinesa da ASP.

Ibelli garantiu a sua primeira vitória na ASP com boas performances ao longo do evento. Ele teve quatro das melhores oito ondas surfadas no evento e também ficou entre os cinco surfistas com melhores placares no evento.

- Eu estou muito feliz e motivado para encarar os eventos australianos depois dessa vitória. Mitch é realmente um grande surfista e surfou bem durante toda a semana. Mas eu estou feliz com minha primeira vitória – disse Ibelli.

Foto ASP Robertson

O paulista quase não acreditou que faria final após uma acirrada disputa de semifinal com o catarinense Matheus Navarro, seu colega de equipe Oakley. Ibelli garantiu a vitória na última onda surfada no último minuto e que só teve a nota anunciada quando os dois atletas já estavam na beira da praia.

- Matheus (Navarro) é um cara que sempre viaja com a gente. Foi uma bateria difícil, não havia muitas ondas e ele é meu amigo. Ele ficou em primeiro durante toda a bateria quando eu consegui marcar 4,60 na última onda no último segundo - completou Ibelli.

Para Mitch Crews sobrou a consolação de ter feito duas finais em duas semanas nas ondas chinesas. O aussie foi derrotado pelo cearense Michael Rodrigues na final da categoria Open do China ISA Cup.

- Caio (Ibelli) conseguiu um oito logo de saída. Eu sentei e esperei por uma boa onda por 10 minutos, mas não consegui achá-la. As condições se deterioraram bastante durante o dia e não havia muitas boas ondas na final. Mas eu estou satisfeito com minha performance. Eu vim para a China e fiz duas finais.

Resultados do Hainan Classic
Final:

Caio Ibelli (BRA) 17.50 a 11.00 Mitch Crews (AUS) 11.00

Semifinais:
SF 1: Mitch Crews (AUS) 17.16 a 13.26 Made Widiarta (IND)
SF 2: Caio Ibelli (BRA) 11.60 a 11.00 Matheus Navarro (BRA)

Quartas de final:
QF 1 Made Widiarta (IND) 15.60 a 11.70 Raditya Rondi (IND)
QF 2: Mitch Crews (AUS) 14.86 a 14.00 Deivid Silva (BRA)
QF 3: Caio Ibelli (BRA) 17.67 a 14.17 Gabe Kling (EUA)
QF 4: Matheus Navarro (BRA) 14.67 a 9.33 Cooper Chapman (AUS)

Com informações da ASP

Red Bull Storm Chase desafia windsurfistas na costa da Irlanda

30 de janeiro de 2013 0

Brawnzinho avançou para a próxima etapa. Fotos John Carter/Sebastian Marko - Red Bull Content Pool

Red Bull Storm Chase: Brasileiro encara tempestade gigantesca e garante vaga na próxima etapa Quando se trata de locais em que você não gostaria de estar durante uma tempestade, a Península Dingels, na Irlanda, é um destes lugares. A paisagem deste braço de pedras que entra nas águas geladas do Atlântico Norte é dominada por nuvens pretas e ameaçadoras, que geram uma chuva fria, granizo e ventos que ultrapassam os 140km/h, capazes de formar ondas gigantescas.

Enquanto, para a maioria das pessoas, uma viagem para a Península Dingels poderia soar como um pesadelo, para um pequeno grupo de windsurfistas que participam do Red Bull Storm Chase, não tem como ser melhor. Desde agosto do ano passado, atletas do Brasil, Espanha, Inglaterra, Dinamarca, Marrocos e Cabo Verde aguardam pela tempestade mais devastadora para criar ventos fortes e ondas gigantes. Brittany, na França; Galícia, na Espanha; a costa sudeste do Japão; a noroeste da Tasmania e costa leste americana foram alguns dos locais monitorados pelos caçadores de tempestades no último fim de semana.

Dany Brunch decolou sobre as ondas irlandesas. Foto John Carter/Sebastian Marko - Red Bull Content Pool

Nenhum outro ponto do planeta reunia as condições necessárias, como as encontradas na costa irlandesa. Usando roupas de borracha especiais, projetadas para absorver grandes impactos e equipada com GPS, os melhores windsurfistas do mundo foram para as águas turbulentas para uma disputa impressionante. O Red Bull Storm Chase não se limita apenas a superar a Mãe Natureza, mas em fazê-lo com estilo. Com os juízes e algumas almas que desafiavam o clima na raia como testemunhas, o brasileiro Marcílio Browne, o Brawnzinho, mais Victor Fernandez (ESP), Thomas Traversa (FRA), Julien Taboulet (FRA), Robby Swift (GBR), e Dany Bruch (ALE) deram um show. O alemão teve o melhor desempenho, escolhendo bem as ondas e mandando aéreos bem altos.

Os seis agora esperarão pela próxima grande tempestade atingir algum ponto do planeta, até o dia 22 de março. Os quatro melhores na próxima etapa avançarão para a terceira missão, que deve acontecer a partir de 22 de julho. O vencedor do terceiro e último Red Bull Storm Chase será coroado como “rei dos caçadores de tempestades”.

Windsurfistas encararam condições extremas. Foto John Carter/Sebastian Marko - Red Bull Content Pool

Para mais imagens, acesse: www.redbullcontentpool.com . Para mais informações, acesse: www.redbullstormchase.com ou na fan page do Facebook

Com informações de Ian Sena – Aproach

Bruno Fontes lidera classe Laser na Miami OCR, etapa americana da Copa do Mundo de Vela ISAF

30 de janeiro de 2013 0

Bruno conquistou a prata em 2012 e lidera a competição em 2013. Foto Daniel Forster

Nesta terça-feira (29), o velejador catarinense Bruno Fontes (UNIMED/ AGE DO BRASIL) teve um dia perfeito na raia de Biscayne Bay, em Miami. Com vitórias nas duas regatas que disputou, Fontes teve um dia perfeito e assumiu a liderança da classe Laser na Miami Olympic Classic Regatta (MOCR), etapa válida pela Copa do Mundo de Vela ISAF.

- Hoje (terça-feira) foi um dia excelente. As condições estavam muito parecidas com o local onde treino e consegui largar muito bem, o que me deu boa vantagem. Estes dois resultados me motivam ainda mais a seguir focado em busca de um bom resultado – revela Bruno, que venceu com boa vantagem as duas regatas.

Com três pontos perdidos, Bruno é perseguido pelo francês Jean Baptiste Bernard, com 4 pontos perdido,s e pelo americano Charlie Bickingham, 5 pp. Agora, nessa quarta-feira (30), Bruno compete mais duas vezes antes da definição dos atletas que seguem na briga pelo título – apenas 35 passam para a segunda parte da competição. Até o momento, Bruno soma dois primeiros lugares e um terceiro, descartando a quarta posição na regata de segunda-feira.

O terceiro dia de competições em Miami terá o início das regatas por volta das 14h, horário de Brasília, nesta quarta-feira (30). O velejador Bruno Fontes tem os patrocínios da Unimed e AGE do Brasil e conta com o apoio da Confederação Brasileira de Vela.

Para mais informações sobre Bruno Fontes acesse o site do atleta www.brunofontes.com ou na fan page do Facebook .

Com informações da SixComm – Assessoria de Imprensa Bruno Fontes – danilo@gruposix.com.br

Fernanda Decnop vence o Brasileiro de Laser Radial feminino

30 de janeiro de 2013 0

Foto Ricardo Pedebós/VDS

A velejadora carioca Fernanda Decnop confirmou o título na categoria feminina do 20º Campeonato Brasileiro da classe Laser Radial que encerrou nesta terça-feira, dia 29, no Veleiros do Sul. Na segunda colocação ficou a paulista Adriana Kostiw e em terceiro a argentina Lucia Falasca. Enquanto desmontava o barco no pátio do clube, a velejadora recebia os cumprimentos dos amigos pelo seu segundo título brasileiro de Radial, o primeiro foi em 2008.

- O campeonato teve vento todos os dias e achei que minhas adversárias também velejaram muito bem. Retornei à Radial no final do ano passado com objetivo de fazer campanha olímpica para conseguir a vaga na equipe de vela do Brasil nos Jogos do Rio em 2016 - disse a velejadora da Marinha do Brasil que corre pelo clube Cota Mil, do Distrito Federal.

Decnop ficou satisfeita com seu desempenho por ter superado Adriana Kostiw, representante do Brasil na Olimpíada de Londres. Sua missão agora é ganhar um pouco mais de peso.

- Estou com 68 quilos e o ideal é chegar aos 70, pois o barco exige muita escora na borda e teria mais chance de andar na frente da flotilha. Faço um trabalho físico na Academia Tio Sam com esse objetivo – disse.

Ela nem vai descansar por estes dias. Segue direto para o Rio de Janeiro onde correrá a partir desta quarta-feira o Brasileiro de Snipe, com Juliana Mota. Na categoria masculina o catarinense Mateus Dellagnelo venceu por antecipação no penúltimo dia da competição. Na segunda colocação ficou Henrique Back (SC), em terceiro o carioca Pedro Castro. O Campeonato Brasileiro de Laser Radial teve 10 regatas realizadas de sexta-feira até terça-feira na raia do Guaíba, em Porto Alegre. O vento no último dia foi de direção sul com velocidade de 27 km/h. Participaram na Radial 72 velejadores de nove estados do Brasil e Argentina.

Classificação final – 10 regatas
Masculino
1º – Matheus Livramento Dellagnelo (SC) (1+ 1 + (5) + 1 + 2 + 1 + 2 + 3 + 2 + 3) = 13
2º – Henrique de Vasconcellos Back (SC) (2 + 4 + (19) + 7 + 1 + 6 + 5 + 10 + (17) + 9) = 35
3º – Pedro Matos Castro (RJ) (3 + 3 + 3+ 2 + (16) + 8 + 6 + 9 + 6 + (14)) = 40
4º – Alex Louis Ramos Veeren (SC) (DNF) + (DNC) + 14 + 3 + 8 + 2 + 10 + 2 + 11 + 1) = 51
5º – João Pedro de Oliveira (RJ) ( 6 + 7 + 8 + (17) + 5 + 3 + (19) + 4 + 9 + 13) = 55

Classificação final – 10 regatas
Feminino
1º – Fernanda Decnop (RJ) (9 + 18 + (30) + 5 + 17 + 20 + 12 + 7 + 8 + (26)) = 96
2º – Adriana Kostiw (SP) (27 +16 + 31 + 6 + 9 + 14 + 46 + 10 + 25 + 12) = 119
3º – Lucia Falasca (ARG) (11 + 11 + 18 + 22 + (27) +19 + 18 + 17 + 4 + (23) = 120
4º – Mônica Matschinske (RJ) (24 + (43) + 10 + 38 + 34 + 41 + 22 + 20 + 20 + 6) = 174
5º – Maria Cristina Boabaid (SC) ( 36 + (40) + 11 + 30 + 35 + 28 + 15 + 25) = 201

Confira e baixe as fotos do Brasileiro de Laser Radial no Flickr do Veleiros do Sul

Com informações de Ricardo Pedebos/Divulgação VDS